Joachim Camerarius

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Joachim Kammermeister)
Ir para: navegação, pesquisa
Joachim Camerarius, O Velho
(1500-1574)
Data de nascimento 12 de Abril de 1500
Local de nascimento Bamberg,  Alemanha
Data de falecimento 17 de abril de 1574
Local de falecimento Leipzig,  Alemanha
Ocupação Humanista, poeta, tradutor e erudito alemão.
Alma mater Universidade de Leipzig
Universidade de Erfurt
Universidade de Wittenberg
Universidade de Tübingen

Joachim Camerarius, O Velho (sinonímia: Johann Kammermeister, Johann Liebhard) (* Bamberg, 12 de Abril de 1500 - Leipzig, 17 de Abril de 1574), foi humanista, poeta e erudito clássico alemão. Traduziu obras de autores gregos e latinos.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Era filho de Johannes Kammermeister, camareiro do bispo de Bamberg e vereador da cidade. Fez os primeiros estudos em Bamberg e em 1512 foi para Leipzig onde estudou com o humanista Georg Helt (1485-1545). Em 1516 estudou grego na mesma universidade tendo Petrus Mosellanus como seu professor.

Em 1518 transferiu-se para a Universidade de Erfurt, onde conheceu o humanista Eobanus Hessus, além de Euricius Cordus e Mutianus Rufus. Em 1521 Camerarius continuou seus estudos na Universidade de Wittenberg onde se formou e fez amizade com Philipp Melanchthon. Em 1522 foi nomeado Professor de Zoologia e traduziu Naturalis Historia e Institutio oratoria de Quintiliano. Em 1525 ele se tornou professor de Língua e Literatura Grega e sob a recomendação de Melanchthon, em 1526, tornou-se professor de grego e latim no recem fundado Ginásio Egidiano, em Nuremberg. Em 1530 ele foi enviado como deputado a Nuremberg para a Dieta de Augsburgo, onde ele ajudou Melanchthon a escrever a Confissão de Augsburgo. Em 1532 traduziu para o latim a obra de Albrecht Dürer chamada Underweysung der Messung sob o título De Sym[m]etria partium in rectis formis hu[m]anorum corporum. Em 1535 foi indicado para a Universidade de Tübingen, onde desempenhou relevante papel na reorganização da universidade. Em 1541 ele exerceu trabalho similar em Leipzig e daí até a sua morte, foi professor da Universidade de Leipzig. Ele desempenhou importante papel no movimento da Reforma, e seus conselhos eram frequentemente procurados pela liderança protestante.

Vida Profissional[editar | editar código-fonte]

Camerarius publicou inúmeras obras de autores antigos, tais como Demóstenes, Esopo, Heródoto, Homero, Quintiliano, Sófocles, Teócrito, Teofrasto, Xenofonte e Tucídides. Ele também escreveu inúmeras publicações, incluindo Júlio César e Cícero, e também vários comentários.

Em 1535 ele trocou correspondência com Francisco I com relação à possibilidade de uma reconciliação entre Católicos e Protestantes, e em 1568 Maximiliano II o enviou à Viena para consultá-lo sobre o mesmo assunto. Morreu em Leipzig, em 17 de Abril de 1574.

Além desses manuscritos antigos, ele foi também autor de obras de história, teologia, educação, matemática e astronomia. Como complementação às suas contribuições para suas pesquisas na área da filologia clássica, Camerarius também prestou serviços relevantes dentro dos modelos pedagógicos para o ensino da ciência. Muito antes de Comenius (1592-1670), ele desenvolveu um sistema educacional que o grande educador utilizou em sua Didacta Magna mais de uma vez. Ele publicou mais de 150 obras, incluindo um Catálogo dos Bispos das Principais Sedes, Epístolas Gregas, Relatórios sobre suas viagens, em versos latinos; um Comentário sobre Plauto; um tratado de Numismática; traduziu Euclides para o latim; um livro de cavalaria, Hippocomicus; e as vidas de Helius Eobanus Hessus, Georg von Anhalt, e Philipp Melanchthon. As suas epístolas familiares (que foram publicadas depois da sua morte) são uma valiosa contribuição para a história da sua época.

Ele produziu a primeira edição em grego dos textos de astrologia de Ptolomeu, o Tetrabiblos, no ano de 1535. Essa obra foi impressa no formato quatro pelo publicador Frobenius em Nuremberg junto com a tradução de Camerarius para o latim dos livros I, II e partes do livro III e IV, acompanhado de suas observações sobre os dois primeiros livros, o texto grego do Centiloquium (Καρπός) e uma tradução latina de Iovianus Pontanus. Cego por astrologia, produziu novamente uma segunda edição dos Tetrabiblos em grego no ano de 1553, junto com uma tradução latina de Philipp Melanchthon e o Centiloquium (Καρπός) em latim e grego. Essa obra foi impressa na Basileia, Suíça no formato oitavo por Johannes Oporinus (1507-1568).

Família[editar | editar código-fonte]

Seu casamento com Anna Truchseß von Grünberg lhe deu alguns filhos:

Referências[editar | editar código-fonte]