Khakas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Khakas
Тадарлар
População total

~ 80 mil

Regiões com população significativa
Rússia Cacássia
Línguas
Kakhas e Russo
Religiões
Ortodoxa e Shamanismo

Os Khakas, ou Khakass (em Khakas: Тадарлар), ou ainda Cacas, são um povo Túrquico people, que vive na Cacássia, Russia e fala a Língua khakas.

thumb Khakas tocando instrumentos musicais (2009) thumb Grupo de Khakas em Minusinsk

No século XVII, os Khakas formaram a Khakassia (ou Cacássia) no meio de terras dos Quirquizes Ienisseis, que eram então vassalos dos Mongóis. Pouco depois da saída dos quirguizes chegaram os russos, e um grande fluxo de camponeses russos ali se assentaram. Em 1820, minas de ouro começaram a se desenvolver na região em torno de Minusinsk, que se tornou um centro industrial regional.

Durante o século XIX, muitos dos Khakas foram aceitando o estilo de vida dos russos e foram convertidos em massa para a religião Ortodoxa sob ameaça de excução por tropas russas. Shamanismo com influências budistas[1] [2] é, porém, ainda bem comum, e muitos cristãos praticam sua religião em mistura com cultos shamânicos.[3] Durante o período do Império Russo, os Khakas eram conhecidos por outras denominações, usadas mais em contexto histórico: Tártaros Minusinsk (em russo: минуси́нские тата́ры), Tártaros Abakan (абака́нские тата́ры), e Turcos Ienisseis.

Durante a Revolução russa de 1905 se desenvolveu um movimento da obtenção da autonomia. Quando os soviéticos chegaram ao poder na região em 1923, o Distrito Nacional de Khakas foi estabelecido e vários grupos étnicos (Beltir, Sagai, Kachin, Koibal, Kyzyl) foram combinados artificialmente como sendo partes dos Khakas. Em 1930, o distrito Nacional foi reorganizado como o Oblast Autônoma da Kakassia (Cacássia, uma parte do Krai de Krasnoiarsk). A presente República da Cacássia foi estabelecida em 1992.

População[editar | editar código-fonte]

Os Khakas são apenas 12% da população total da República da Cacássia (78,5 mil pelo Censo russo de 2002. Praticam o pastoreio nômade de renas , agricultura, caça, pesca. Seu grupo Beltir também pratica algum artesanato. A criação de ovinos e bovinos é ainda comum, embora a república esteja em crescente processo de industrialização.


Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Russia Religion–Encyclopaedia Britannica
  2. Hunmagyar
  3. Kira Van Deusen. Singing Story, Healing Drum: Shamans and Storytellers of Turkic Siberia. [S.l.]: McGill-Queen's University Press, 2003. 8–9 pp. ISBN 0-7735-2617-X

Externas[editar | editar código-fonte]