Tengriismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ficheiro:Shamans Drum.jpg
Um diagrama tengriista retratando o mundo, visto em um tambor xamânico[1] [2] . A árvore do mundo cresce ao centro e conecta-se com três outros mundos: O submundo, o meio-mundo e o mundo superior

Tengriismo era uma antiga religião praticada pelos turcos e mongóis antes da propagação das chamadas Grandes Religiões[necessário esclarecer]. É centrada na divindade que representa o céu, Tengri (também nas variantes Tangri, Tangra e outras) e incorpora elementos de xamanismo, animismo, totemismo, culto aos ancestrais e ainda elementos da cosmologia chinesa.

No Tengriismo o significado da vida é interpretado como viver em harmonia com o mundo que está em volta. Os tengriistas têm suas vidas como sustentadas pelo Eterno Céu Azul, Tengri, pela Fértil Mãe-Terra (Eje ou Umay), e segue consoante as regras do sagrado Filho do Céu. O Paraíso, a Terra, os espíritos da natureza e dos ancestrais proveem a todas as necessidades e protegem todos os seres humanos. Vivendo uma vida reta e respeitosa, o ser humano manterá seu mundo em equilíbrio e maximizará seu poder pessoal ou cavalo-do-vento. O xamã exerce importante papel para restaurar o equilíbrio quando afetado por algum infortúnio ou interferência espiritual.

É provável que o tengriismo fosse a religião dos hunos, dos ávaros, dos primitivos magiares e protobúlgaros, que a trouxeram da Europa.[3] . Ainda é praticada na Iacútia, Buriácia, Tuva e Mongólia, paralelamente ao budismo tibetano e o burcanismo (espécie de religião primitiva, ressurgente na Rússia).

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Brent, Peter. The Mongol Empire: Genghis Khan: His Triumph and his Legacy. Book Club Associates, London. 1976.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre religião é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.