Lepidium virginicum

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaLepidium virginicum
Lepidium virginicum

Lepidium virginicum
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Brassicales
Família: Brassicaceae
Género: Lepidium
Espécie: L. virginicum
Nome binomial
Lepidium virginicum
Linnaeus

Lepidium virginicum é o nome científico de uma planta herbácea anual da família Brassicaceae, a que pertencem também a mostarda ou as couves. O seu nome provém da Virgínia, local onde é frequente, nos Estados Unidos. Em português é também designado de mastruço.

Descrição[editar | editar código-fonte]

As flores, pequenas e brancas, estão dispostas em rácimos. As vagens (silíquas) são ovais, com uma pequena fenda no ápex (parte superior do septo que a divide). Com uma roseta basal. A margem das folhas é dentada e a parte inferior consiste numa série de lóbulos separados.

Habitat[editar | editar código-fonte]

Solos arenosos e secos, junto aos caminhos e entulheiras.

Uso pelo ser humano[editar | editar código-fonte]

Flores de mastruço

As suas folhas são comestíveis, cruas ou cozidas. As suas sementes pode ser usadas como sucedâneo da pimenta.

As folhas são geralmente consideradas de alto valor nutritivo e com propriedades desintoxicantes. Têm sido usadas para suprir a falta de vitamina C, no tratamento de diabetes, na acalmia de dores reumáticas, bem como para expulsar parasitas intestinais. Tem propriedades diuréticas. Os índios norte-americanos utilizavam-na para curar o escorbuto ou reacções alérgicas à hera venenosa com rebentos frescos macerados desta planta ou com infusões feitos com as suas folhas. Infecções da garganta (laringotraqueobronquite) eram tratados com cataplasmas produzidos com esta planta, colocados sobre o peito.

As sementes são anti-asmáticas, controlam a tosse, cardiotónicas e diuréticas (sendo usadas para controlar oligúria - deficiência urinária - edemas, e acumulação de líquidos na cavidade torácico-abdominal: a chamada "barriga-de-água"). Com as raízes fazem-se ainda cataplasmas usados para secar o líquido de borbulhas e bolhas na pele. São ainda utilizadas no controlo do catarro.

Ícone de esboço Este artigo sobre rosídeas, integrado no Projeto Plantas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.