Margaret (filme)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Margaret
Margaret (PT/BR)
 Estados Unidos
2011 •  cor •  186 min (versão estendida) 150 min 
Direção Kenneth Lonergan
Produção Gary Gilbert
Sydney Pollack
Scott Rudin
Coprodução Blair Breard
Produção executiva Anthony Minghella
Roteiro Kenneth Lonergan
Gênero drama
romance
Música Nico Muhly
Direção de fotografia Ryszard Lenczewski
Cinematografia Ryszard Lenczewski
Edição Mike Fay
Anne McCabe
Companhia(s) produtora(s) Fox Searchlight Pictures
Gilbert Films
Mirage Enterprises
Scott Rudin Productions
Distribuição Estados Unidos Fox Searchlight Pictures (2011) (nos cinemas)
Lançamento Estados Unidos 30 de setembro de 2011 (limitado)

Estados Unidos 19 de abril de 2012 (Festival de Filmes de Wisconsin)
 Polónia 7 de maio de 2012 (Festival de filmes de Gdynia Polish)
Idioma inglês
Orçamento US$ 14 milhões (estimado)
Receita US$ 46 495 (Estados Unidos)[1]
Site oficial
Página no IMDb (em inglês)

Maragret é um filme do gênero drama romântico que seria lançado em 2007, mas devido a adiamentos do diretor, problemas com financiamento e judiciais, acabou por ser lançado limitadamente em 2011.[2] [3]

Pela sua performance admirável no filme, Anna Paquin foi indicada ao London Film Critics' Circle.[4]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Margaret (Anna Paquin) é uma estudante de 17 anos de idade, que sente culpa por ter provocado um acidente de trânsito, pois acenou para o motorista, o que custou a vida de uma mulher. Em suas tentativas de acertar as coisas, ela fica frustrada, começa emocionalmente brutalizar sua família, seus amigos, seus professores e acima de tudo, a si mesma.[5] [6] [7]

Elenco[editar | editar código-fonte]

Recepção da crítica[editar | editar código-fonte]

Margaret teve recepção geralmente favorável por parte da crítica especializada. Com base em 27 avaliações profissionais, alcançou uma pontuação de 61% no Metacritic.

Em avaliações favoráveis, Keith Unlich do Time Out New York disse: "E, embora nem todos conceitos de Lonergan trabalham em uma base de cena por cena (um mulherengo com elevada crosta interpretado por Jean Reno distorce um pouco perto demais para caricaturar), o filme tem um poder que solidificou-se cumulativo por um devastador final opera-house - Isso é impressionante. Este é desgastado por bordas do cinema no seu melhor".

Do Washington Post, Ann Hornaday: "Ambicioso, afetado, de difícil controle e assombro, é uma densa atmosfera, obra-prima excêntrica, moralmente hiper-consciente que recusa-se a seguir as restrições das estruturas convencionais cinematográficas, em vez levar o público a uma viagem tortuosa nos buracos de coelhos inumeráveis ​​que compõem a moderna Manhattan".

Boston Globe, Wesley Morris: "Quem sabe que filme Lonergan estava procurando em todas as filmagens? Mas o que emerge das mexidas e legais escaramuças é uma maravilha ocasional, uma espécie de raio X-social intelectual de todos os dias, Paul Mazursky por meio de Krzysztof Kieslowski".

New York Daily News, Elizabeth Weitzman: "Margaret - intitulado após um poema - reflete seu sujeito adolescente com uma precisão impressionante. Pode ser frustrante e auto-importante, desajeitado e ingênuo. Mas também é apaixonado, curioso e cheio de fases, de modo destemido em suas ambições que mesmo as falhas são interessantes. Cada visão ousada exige respeito; alguns merecem comemoração. Este é um deles, e todas as imperfeições". [8]

De um índice de 72%, na resenha principal do Rotten Tomatoes, é destacado que "Margaret" "tem um excesso de idéias, o que contribui para tempo de execução excessiva do filme, mas Anna Paquin faz um trabalho admirável de guiar os visitantes através do inferno emocional".[9]

Problemas com o lançamento[editar | editar código-fonte]

Originalmente foi programado para ser lançado em 2007 pela Fox Searchlight Pictures, mas foi repetidamente adiada enquanto Lonergan se esforçou para criar um corte final, ele estava satisfeito com o que resultou em vários processos judiciais. Enquanto o estúdio insistiu que o tempo de execução do filme não poderia exceder 150 minutos, a versão preferida de Lonergan estava mais perto de três horas.

Martin Scorsese e Thelma Schoonmaker contribuiram para editar uma versão de 165 minutos que Lonergan aprovaou, o corte nunca foi concluído devido a uma escassez orçamento de US$ 500.000. Eventualmente, a Fox Searchlight Pictures lançou o filme de 150 minutos limitadamente nos Estados Unidos em 30 de setembro de 2011.[10]

Uma versão de três horas estendidas incorporada ao material extra com pontuação revisada e mistura de som foi posteriormente lançado em DVD e Blu-ray em julho de 2012.

Referências

  1. Margaret (2011) (em inglês) Box Office Mojo. Visitado em 15 de março de 2014.
  2. Surge o trailer de "Margaret", o filme perdido de Anna Paquin (em português). Visitado em setembro de 2013.
  3. Fest Update: J. Edgar, Margaret, Marigold Hotel To Skip Fall Fests, Twixt to Deauville (em inglês) IndieWire. Visitado em outubro de 2013.
  4. 32nd London Critics' Circle Film Awards nominations announced (em inglês) critcscircle.org.uk. Visitado em outubro de 2013.
  5. Margaret (2011) - Filme - Cineplayers (em português). Visitado em setembro de 2013.
  6. Margaret - Telecine (em português). Visitado em setembro de 2013.
  7. Anna Paquin volta ao cinema com adolescente problemática em “Margaret” (em português). Visitado em setembro de 2013.
  8. Margaret Reviews (em inglês) Metacritic. Visitado em 18 de abril de 2015.
  9. Margaret (em inglês) Rotten Tomatoes. Visitado em setembro de 2013.
  10. A Estrela de “True Blood” Anna Paquin É Ludibriada Nas Indicações ao Óscar (em português) blouinartinfo.com. Visitado em 15 de março de 2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]