Morgan Tsvangirai

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Morgan Tsvangirai
Morgan Tsvangirai, Oslo 2009
Primeiro-ministro do  Zimbabwe
Período de governo 11 de fevereiro de 2009
até 11 de setembro de 2013
Vices primeiro-ministros Arthur Mutambara
Thokozani Khuphe
Presidente do MDC
Período de governo Setembro de 1999 - presente
Secretário-geral do ZCTU
Período de governo 10 de maio de 1987
a setembro de 1999
Sucessor(a) Wellington Chibebe
Diretor-executivo da Assembléia Constituinte Nacional
Período de governo 6 de setembro de 1997
a 7 de setembro de 1999
Sucessor(a) Lovemore Madhuku
Vida
Nascimento 10 de março de 1952
Gutu, Zimbábue
Dados pessoais
Primeira-dama Susan Tsvangirai
Partido Movement for Democratic Change (MDC)
Religião Cristão
Profissão Sindicalista
linkWP:PPO#Subdivisão do Projeto WP:PP

Morgan Richard Tsvangirai (AFI[ts͡ɸaŋgiˈra.i]); 10 de março de 1952) é um sindicalista, ativista de direitos humanos e político do Zimbábue, antigo primeiro-ministro do país,[1] depois do acordo de divisão de poder que foi estabelecido com o atual presidente depois das últimas eleições presidenciais, em setembro de 2008. É presidente do Movimento para a Mudança Democrática (MDC)[2] , principal partido de oposição do país.

Candidato do MCD nas controversas eleições presidenciais de 2002, quando foi derrotado por Mugabe, Tsvangirai contestou o primeiro turno das eleições presidenciais de 2008, como candidato do MDC-T, na qual obteve 47,8% dos votos, de acordo com os resultados oficiais - o que o colocou à frente de Mugabe, que obteve 43,2% - com a alegação de que teria conquistado uma maioria mais significativa, que possibilitaria sua vitória já no primeiro turno, e que os resultados teriam sido alterados no mês que se passou entre as eleições e a divulgação dos resultados oficiais.[3] Tsvangirai planejou inicialmente disputar o segundo turno contra Mugabe, porém removeu sua candidatura pouco tempo antes da realização das eleições, sob o argumento de que elas não seriam livres e justas, devido à prática difundida de violência e intimidação por parte dos partidários do governo.

Casado e pai de seis filhos, ele já foi alvo de quatro atentados.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Tsavangirai nasceu em 10 de março de 1952 em Gutu, ao sul de Harare. Filho mais velho de uma família de nove irmãos, todos pertencentes à etnia majoritária shona, teve de abandonar os estudos ainda jovem para ajudar os parentes. Começou a trabalhar como operário em uma empresa têxtil aos 20 anos. Mais tarde, tornou-se funcionário em uma mina de níquel, onde se transformou em líder da União de Trabalhadores Associados da mina e membro da executiva da União Nacional de Trabalhadores Mineiros. Em 1988, ele foi eleito secretário-geral da Confederação de Sindicatos do Zimbábue (ZCTU), cargo que desempenhou até 2000. Sob sua gestão, o ZCTU reduziu sua dependência em relação à União Nacional Africana do Zimbábue-Frente Patriótica (Zanu-PF), partido de Mugabe, do qual foi membro e diretor. Suas desavenças com o regime o levaram à prisão em 1989, sob acusação de ser espião do regime segregacionista da África do Sul. Em 1992, seria detido novamente por protestar contra as reformas que reduziam a influência dos sindicatos. Em 1997, Tsavangirai convocou a primeira greve geral da história do Zimbabwe, que teve adesão de 55%. Em 1999, ele fundou o Movimento para a Mudança Democrática (MDC). Em eleições legislativas realizadas em junho de 2000, o MDC obteve 57 cadeiras (contra 62 do Zanu-PF) e se tornou o principal partido de oposição no Zimbabwe.[4]

Em 2001, ele foi novamente detido por agentes do regime Mugabe, acusado de participar de um complô para assassiná-lo. Em março de 2002, Tsavangirai concorreu pela primeira vez ao cargo de presidente do Zimbabwe. Mesmo com votação considerada fraudulenta pela comunidade internacional, ele obteve 41,9% dos votos, contra 56,2% de Mugabe. Em 3 de fevereiro de 2003, foi processado pelo suposto complô contra Mugabe. Em 6 de junho daquele ano, foi mais uam vez detido e novamente acusado de alta traição, por convocar protestos e greves contra o regime de Mugabe. Em outubro de 2004, foi absolvido dessas acusações. Em 31 de março de 2005, o MDC disputou as eleições legislativas. O pleito, vencido pelo partido de Mugabe, foi denunciado como fraudulento por Tsvangirai. Em 11 de março de 2007, Tsvangirai voltou a ser detido, após ele participar de um ato religioso na capital Harare, convocado por grupos da oposição. A manifestação foi convocada quando vigorava uma proibição oficial de comícios políticos. Foram detidos mais de cem e dirigentes da oposição. Dois dois dias depois, o líder do MDC compareceu ao um tribunal, com visíveis sinais de espancamento - metade de sua cabeça estava raspada, devido ao curativo que teve que fazer sobre o corte profundo sofrido em decorrência dos golpes recebidos, além de mancar. Ainda naquele mês, foi detido novamente, pouco antes de conceder uma entrevista coletiva para falar sobre a violência política no país.[4]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]