Mulher barbada

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Jennifer Miller, mulher barbada.

Mulher barbada ou mulher barbuda, é uma mulher que apresenta uma barba visível. Estas mulheres há muito têm sido consideradas como atrações circenses, curiosidades teratológicas ou aberrações humanas.[1] Mais recentemente, ganharam o status de manifestação política contra os padrões de feminilidade vigentes.[2]

A atual detentora do recorde mundial de barba mais longa é Vivian Wheeler. Em 2000, sua barba media 28 cm de comprimento.[3]

Causas e consequências[editar | editar código-fonte]

Mujer Barbuda, de Ribera (1631).

Um pequeno número de mulheres é capaz de desenvolver pelos faciais (hirsutismo), seja por desequilíbrio hormonal, fatores genéticos ou uso de anabolizantes[4]

Como barbas e bigodes são normalmente consideradas características sexuais secundárias masculinas, mulheres com pelos faciais sofrem enorme pressão cultural para removê-los, visto que sua manutenção configura um estigma social. Justamente por isso, as exceções notáveis acabaram por tornar-se atrações burlescas entre o final do século XIX e o início do século XX, nos chamados "circos dos horrores".[1] Todavia, nem todas as "mulheres barbadas" exibidas em tais espetáculos eram autênticas (algumas, nem mesmo eram mulheres).[5]

Na cultura popular[editar | editar código-fonte]

  • Nos capítulos 40 e 41 da segunda parte de Dom Quixote, a Dona Dolorida e outras damas usam barbas postiças. Elas dizem à Dom Quixote que suas barbas são o resultado de um encantamento maléfico, e que o cavaleiro deveria montar num cavalo de madeira (Clavileño) para desfazer o encanto.
  • Em Life of Brian do Monty Python, algumas mulheres judias (interpretadas por atores) usam barbas postiças para se fazer passar por homens e assim poder apedrejar um blasfemador que havia pronunciado O Nome de Jeová.
  • As mulheres do país fictício de Elbonia criado por Scott Adams para sua tira diária Dilbert, possuem barbas.
  • Em obras de fantasia, as anãs são frequentemente descritas como tendo barbas; entre os exemplos, estão as anãs da Terra Média[6] de J. R. R. Tolkien, e as anãs da série Discworld de Terry Pratchett.
  • A série Carnivàle da HBO apresentou uma mulher barbada como uma das atrações do espetáculo.
  • Em Macbeth de William Shakespeare, as Nornas têm barbas, entre outros atributos faciais estranhos.
  • Num episódio de My Name Is Earl, Judy Greer interpreta uma mulher barbada que se junta ao circo.
  • No filme SpaceBalls, a cápsula de fuga do vilão Dark Helmet é roubada por uma mulher barbada.
  • Na série Cirque du Freak, uma das aberrações é uma bela mulher chamada Truska, que pode fazer crescer uma barba por sua própria vontade.
  • Adriana Calcanhotto compôs uma música intitulada "A Mulher Barbada".[7]

Referências

  1. a b Circo dos horrores. Superinteressante (2001). Página visitada em 29-03-2009.
  2. C. Carr (jul. 1998). Circus Minimus: Miller Wows 'Em in the Nabes! (em inglês). The Village Voice. Página visitada em 29-03-2009.
  3. Worlds Longest Female Beard (em inglês). Página visitada em 29-03-2009.
  4. Pêlos corporais. Discovery Channel. Página visitada em 29-03-2009.
  5. Jeffrey Stanton (1997). Coney Island - Freaks (em inglês). Página visitada em 29-03-2009. "Most bearded women were actually men"
  6. Did Dwarf women have beards? (em inglês). Página visitada em 29-03-2009.
  7. A Mulher Barbada. Página visitada em 29-03-2009.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui multimídias sobre Mulher barbada