Esteroide anabolizante

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Star of life caution.svg
Advertência: A Wikipédia não é consultório médico nem farmácia.
Se necessita de ajuda, consulte um profissional de saúde.
As informações aqui contidas não têm caráter de aconselhamento.
Emblem-scales.svg
A neutralidade desse artigo (ou seção) foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão. (desde dezembro de 2010)
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.
O Anadrol 50mg (também conhecido como oximetolona ou Hemogenin) é um exemplo de esteróide anabolizante.
Estrutura química do hormônio anabólico natural, a testosterona: 17b-hidróxi-4-androsten-3-um.

Os esteróides androgênicos anabólicos (EAA ou AAS - do inglês Anabolic Androgenic Steroids), também conhecidos simplesmente como anabolizantes, são uma classe de hormônios esteróides naturais e sintéticos que promovem o crescimento celular e a sua divisão, resultando no desenvolvimento de diversos tipos de tecidos, especialmente o muscular e ósseo. São substâncias geralmente derivadas do hormônio sexual masculino, a testosterona, e podem ser administradas principalmente por via oral ou injetável. Atualmente não são utilizados somente por atletas profissionais, mas também por pessoas que desejam uma melhor aparência estética, inclusive adolescentes. Os diferentes esteróides androgênicos anabólicos têm combinações variadas de propriedades androgênicas e anabólicas. Anabolismo é o processo metabólico que constrói moléculas maiores a partir de outras menores.

Os esteróides anabólicos foram descobertos nos anos 1930 e têm sido usados desde então para inúmeros procedimentos médicos incluindo a estimulação do crescimento ósseo, apetite, puberdade e crescimento muscular. Podem também ser usados no tratamento de pacientes submetidos a grandes cirurgias ou que tenham sofrido acidentes sérios, situações que em geral acarretam um colapso de proteínas no corpo. O uso mais comum de esteróides anabólicos é para condições crônicas debilitantes, como o câncer e a AIDS. Os esteróides anabólicos podem produzir inúmeros efeitos fisiológicos incluindo efeitos de virilização, maior síntese protéica, massa muscular, força, apetite e crescimento ósseo. Os esteróides anabolizantes também têm sido associados a diversos efeitos colaterais quando forem administrados em doses excessivas, e esses efeitos incluem a elevação do colesterol (aumenta os níveis de LDL e diminui os de HDL), acne, pressão sanguínea elevada, hepatotoxicidade, e alterações na morfologia do ventrículo esquerdo do coração.

Hoje os esteróides anabólicos são controversos por serem muito difundidos em diversos esportes e possuírem efeitos colaterais. Enquanto há diversos problemas de saúde associados com o uso excessivo de esteróides anabólicos, também há uma volumosa quantidade de propaganda, "ciência-lixo" e concepções errôneas da população sobre seu uso. Os esteróides anabólicos são controlados em alguns países incluindo os Estados Unidos, Canadá e Reino Unido. Estes países possuem leis que controlam seu uso e distribuição.

Óleos para crescimento localizado[editar | editar código-fonte]

Uma atitude que vem espantando médicos e especialistas sobre o assunto é a aplicação localizada de óleos em pequenos grupos musculares. É normal que a maioria dos atletas possuam algum grupo muscular que não acompanhe o ritmo de crescimento dos outros músculos, sendo assim na metade dos anos 1990 Chris Clark anunciou uma invenção que revolucionaria o mundo da musculação.

Sua invenção realmente se tornou a solução para alguns, mas também se tornou um pesadelo para outros. O chamado Synthol é basicamente um óleo que causa uma inflamacão no músculo onde é aplicado. Mas não há nenhum processo anabólico envolvido, nenhum aumento de força ou energia. Quando se faz uso dessa prática o óleo que entra no músculo causa um grande estrago já que no momento em que entra em contato com as fibras musculares, estas são destruidas e o organismo tem como defesa cercar esse óleo com tecido adiposo. O óleo fica estagnado no local, formando um "tumor". [2] No Brasil o Synthol não chegou a ser comercializado, mas foi substituído pelos conhecidos Potenay, ADE, Ganekyl, óleo mineral, Androgenol entre outros. As aplicações desses óleos até não são tão graves, mas o exagero começou a tomar conta dos usuários desses produtos. As aplicações que antes eram feitas raramente para "corrigir" o tamanho de um determinado músculo se tornaram frequentes, criando aberrações conhecidas no mundo inteiro como Gregg Valentino, que antigiu o maior perímetro de bíceps, mas também seu corpo se tornou motivo de chacota no mundo inteiro.

Mecanismo bioquímico[editar | editar código-fonte]

Os efeitos fisiológicos dos andrógenos como a testosterona e a dihidrotestosterona são vastos e vão desde o desenvolvimento fetal para a manutenção de músculos e massa óssea até a vida adulta incluindo o estimulo de estirões de crescimento na puberdade, indução de crescimento de cabelo, produção de óleo pelas glândulas sebáceas e sexualidade (especialmente no desenvolvimento fetal).

Os esteróides anabolizantes são androgênicos e consequentemente produzem efeitos androgênicos no corpo. Os andrógenos estimulam a miogênese, que é a formação de tecido muscular. Também são conhecidos por causar hipertrofia dos dois tipos (I e II) de fibras musculares, embora o mecanismo de como isso acontece ainda não seja totalmente compreendido e existem poucos mecanismos aceitos através dos quais isso pode ocorrer. É amplamente entendido que doses suprafisiológicas de testosterona em homens não-hipogonadais aumenta a densidade do nitrogênio e aumenta a massa magra (muscular) ao mesmo tempo que diminui a gordura, particularmente a abdominal. O aumento na massa muscular é predominantemente da musculatura esquelética e é causado por um aumento na síntese de proteínas musculares ou possivelmente uma diminuição na quebra de proteínas musculares.[1] Existem hipóteses[2] de que andrógenos regulam a composição do corpo ao promover o compromisso de células mesenquimais pluripotentes em linhagens miogênicas e inibindo sua diferenciação em linhagens adipogênicas. Entretanto os andrógenos podem também cumprir um papel anticatabólico ao inibir a atrofia dos músculos esqueléticos através da ação antiglicocorticóide independente do receptor de andrógeno.[3]

Os mecanismos de ação diferem dependendo do esteróide anabólico específico. Diferentes tipos de esteróides anabólicos se ligam ao receptor de andrógeno em diferentes graus, dependendo de sua fórmula química. Esteróides anabólicos como a metandrostenolona não reagem fortemente com o receptor de andrógeno, usando a síntese protéica ou glicogenólise para sua ação, enquanto esteróides como a oxandrolona reagem fortemente com o receptor de andrógeno.

Existem três vias comuns para a administração dos esteróides anabólicos: oral (pílulas), injetável e transdérmico. A administração oral, apesar de ser talvez a mais conveniente, sofre do fato de que os esteróides orais necessitam ser quimicamente modificados, e seu metabolismo na forma ativa pode forçar o fígado. Os esteróides injetáveis são tipicamente administrados intramuscularmente, para evitar variações bruscas no nível sanguíneo. Finalmente, as administrações transdérmicas via creme, gel ou atadura transdérmica têm se tornado populares nos anos recentes.

Efeitos anabólicos e de virilização[editar | editar código-fonte]

Os esteróides androgênicos anabólicos produzem tanto efeitos anabólicos e de virilização (também conhecidos como efeitos androgênicos).

A maioria dos esteróides anabólicos funciona de duas maneiras simultâneas. Primeiro, eles funcionam ao se ligar ao receptor andrógeno e aumentando a síntese protéica. Segundo, eles também reduzem o tempo de recuperação ao bloquear os efeitos no tecido muscular do hormônio do stress, o cortisol. Como resultado, o catabolismo da massa muscular corpórea é significativamente reduzido.

Exemplos dos efeitos anabólicos:

Exemplos dos efeitos de virilização/andrógenos:

Efeitos colaterais não desejados[editar | editar código-fonte]

Muitos andrógenos são capazes de serem metabolizados em compostos que podem interagir com outros receptores de hormônios esteróides como os receptores de estrógeno, progesterona e glicocorticoides, produzindo (geralmente) efeitos adicionais não desejados:

Efeitos colaterais em homens[editar | editar código-fonte]

  • Ginecomastia – Desenvolvimento das mamas nos homens. Geralmente isso ocorre devido a altos níveis de estrogênio circulante. Esses níveis também são resultado da taxa aumentada de conversão de testoterona em estrogênio via enzima aromatase.
  • Função sexual reduzida e infertilidade temporária[15] [16] [17]
  • Atrofia testicular – Efeito colateral temporário que é devido ao déficit nos níveis de testosterona natural que leva à inibição da espermatogênese. Como a maioria da massa do testículo tem com função o desenvolvimento do espermatozóide, o tamanho dos testículos geralmente retorna ao tamanho natural quando a espermatogênese recomeça, algumas semanas após o uso do esteróide anabólico ser cessado.[18]

Efeitos colaterais em mulheres[editar | editar código-fonte]

Efeitos colaterais em adolescentes[editar | editar código-fonte]

  • Crescimento comprometido – O abuso de agentes pode prematuramente parar o crescimento do comprimento dos ossos (fusão prematura da epífise devido aos altos índices de metabólitos do estrogênio)
  • Maturação óssea acelerada
  • Aumento na frequência e duração das ereções
  • Desenvolvimento sexual precoce e desenvolvimento extremo das características sexuais secundárias (hipervirilização)
  • Crescimento do falo (hipergonadismo ou megalofalia)
  • Aumento dos pêlos púbicos e do corpo
  • Ligeiro crescimento de barba

Há muito tempo tem sido buscado um esteróide anabólico ideal (um hormônio somente com efeitos anabólicos, sem efeitos virilizantes). Muitos esteróides anabólicos sintéticos têm sido desenvolvidos na tentativa de encontrar moléculas que produzam uma alta taxa anabólica ao invés de efeitos virilizantes. Infelizmente, os esteróides mais efetivos conhecidos para aumento de massa corporal também têm os efeitos androgênicos mais fortes.

Uso médico[editar | editar código-fonte]

Os esteróides anabólicos foram testados por médicos para muitas finalidades desde a descoberta da testosterona sintética dos 1930s aos 1950s, algumas com sucesso. Um dos usos iniciais de esteróides foi para o tratamento de cansaço crônico, como o dos prisioneiros nos campos de concentração nazistas e prisioneiros de guerra. Durante a Segunda Guerra Mundial, pesquisas foram realizadas pelos cientistas alemães para a síntese de outros esteróides anabólicos, e foram feitos experimentos em prisioneiros humanos e nos próprios soldados alemães, esperando aumentar as tendências de agressividade de suas tropas. O médico de Adolf Hitler revelou que Hitler recebeu injeções de derivados de testosterona para tentar tratar várias de suas doenças.[19]

Depotestosterona, uma forma sintética de testosterona produzida para fins médicos.
  • Estimulação da medula óssea: Durante décadas, os esteróides anabólicos foram importantes para a terapia de anemias hipoplásicas não causadas por deficiência nutritivas, especialmente a anemia aplásica. Os esteróides anabólicos vêm sendo lentamente substituídos por hormônios sintéticos (como a epoetina alfa) que estimulam seletivamente o crescimento de precursores das células do sangue.
  • Estimulação do crescimento: Os esteróides anabólicos foram receitados em larga escala por endocrinologistas pediátricos para crianças com deficiência no crescimento dos anos 1960s até os 1980s. A disponibilidade de hormônio do crescimento sintético e a estigmatização social crescente sobre o uso de esteróides anabólicos levou à descontinuação deste uso.
  • Estimulação do apetite e preservação e aumento de massa muscular: Esteróides anabólicos tem sido dados para pessoas com condições crônicas desgastantes como câncer e AIDS.[20] [21]
  • Indução da puberdade masculina: Andrógenos são receitados para muitos garotos com atraso da puberdade. Atualmente a testosterona é praticamente o único andrógeno usado para esse fim, mas esteróides anabólicos sintéticos foram usados anteriormente nos anos 1980s.
  • O enantato de testosterona pode mostrar-se um método útil, seguro, reversível e efetivo para contracepção hormonal masculina num futuro próximo.[17] [22]
  • Usado para problemas relacionados com a idade em idosos. Os esteróides anabólicos têm se mostrado como auxiliares em muitos problemas da velhice.[23]
  • Usado em terapia de reposição hormonal para homens com baixos níveis de testosterona. (veja hipogonadismo)
  • Usado para dismorfia de gênero: ao passo que as características secundárias masculinas (puberdade) se iniciam em pacientes diagnosticados como feminino-para-masculino. Os derivados mais utilizados da testosterona são o Sustanon e o Enantato de Testosterona que tornam a voz mais grave, aumentam as massas muscular e óssea, os pêlos faciais, os níveis de células vermelhas do sangue e o clitóris.

Uso e abuso[editar | editar código-fonte]

Os esteróides anabólicos têm sido usados por homens e mulheres em muitos tipos diferentes de esportes (cricket, atletismo, levantamento de peso, fisiculturismo, arremesso de peso, ciclismo, beisebol, luta, artes marciais, boxe, futebol, natação etc.) para atingir um nível competitivo ou para ajudar na recuperação de lesões. O uso de esteróides para se obter vantagens competitivas é proibido pelas leis dos corpos governamentais de vários esportes.

Os esteróides anabólicos têm sido usados também por adolescentes, especialmente aqueles que praticam esportes. Foi sugerido[24] que a prevalência de uso entre os estudantes das Universidades americanas pode chegar a 2,7%. Os estudantes homens usaram mais do que as mulheres e aqueles que participavam de esportes, em média, usaram com mais frequência do que aqueles que não praticavam.

É extremamente difícil determinar a percentagem da população que tem utilizado recentemente esteróides anabólicos, mas esse número parece ser muito baixo. Os usuários de esteróides tendem a ser homens entre 15 e 25 anos e fisiculturistas não-competitivos e não-atletas que usam por razões cosméticas.[25]

Minimização dos efeitos colaterais[editar | editar código-fonte]

Tipicamente os fisiculturistas, atletas e esportistas que usam anabolizantes tentam minimizar seus efeitos colaterais negativos. Por exemplos, alguns aumentam a quantidade de exercícios cardiovasculares para ajudar a evitar os efeitos da hipertrofia do ventrículo esquerdo[26] .

Alguns andrógenos vão se aromatizar e se converter em estrógeno, potencialmente causando alguma combinação dos efeitos colaterais citados acima. Durante o ciclo do esteróide, os usuários tendem a tomar um inibidor da enzima aromatase e/ou um Modulador Seletivo do Receptor de Estrógeno (MSRE); estas drogas afetam a aromatização e a ligação ao receptor de estrogênio, respectivamente. O MSRE tamoxifeno é de particular interesse, já que ele previne a ligação ao receptor de estrogênio no peito, reduzindo o risco de ocorrer a ginecomastia.[27]

Além disso, a 'terapia pós-ciclo' (TPC) é prescrita, a fim de combater a supressão natural da testosterona e recuperar a função do HPTA (eixo hipotalâmico-pituitário-gonadal). A TPC tipicamente consiste em uma combinação das seguintes drogas, dependendo do protocolo que é utilizado:

O objetivo do TPC é devolver o balanço hormonal endógeno original ao corpo no menor espaço de tempo possível.

Os usuários geneticamente propensos à perda prematura de cabelo, que o uso de esteróides pode torná-la mais acentuada, têm utilizado a droga finasterida por períodos prolongados de tempo. A finasterida reduz a conversão de testosterona em DHT, esta última tendo um potencial muito maior de causa alopécia (ausência de pêlos). A finasterida não tem utilidade nos casos em que o esteróide não é convertido em um derivado mais androgênico.[28]

Como alguns anabolizantes podem ser tóxicos para o fígado ou podem causar aumentos na pressão sanguínea ou colesterol, muitos usuários consideram ideal fazer frequentes testes sanguíneos e de pressão sanguínea para ter certeza de que seus níveis de pressão e colesterol ainda estão nos níveis normais. Como os anabolizantes podem aumentar o colesterol, eles podem, conseqüentemente, aumentar o risco de um ataque cardíaco em seus usuários.[7] Logo, geralmente é considerada obrigatória para todos os usuários a realização testes sanguíneos enquanto estiverem utilizando os anabolizantes.

Lendas urbanas e concepções errôneas[editar | editar código-fonte]

Emblem-scales.svg
A neutralidade desse artigo (ou seção) foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão. (desde dezembro de 2010)
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.

Os esteróides anabólicos, como outras drogas, têm estado no centro de muita controvérsia e por causa disso existem muitos mitos populares sobre os seus efeitos obtidos e colaterais. Como muitas drogas da cultura popular, as concepções errôneas sobre os esteróides anabólicos provavelmente surgiram da falta de conhecimento sobre os reais efeitos colaterais destas drogas. Por exemplo, uma dessas lendas diz que os esteróides anabólicos podem fazer com que o pênis diminua de tamanho. É muito provável que essa falsa afirmação tenha surgido do efeito colateral que realmente ocorre conhecido como atrofia testicular, no qual o uso de esteróides anabolizantes causa a redução da secreção do hormônio luteinizante e hormônio estimulante folicular da porção anterior da hipófise, logo reduzindo o tamanho do testículo. Esse efeito colateral é temporário e os testículos voltam ao tamanho normal logo que a administração exógena do andrógeno for suspensa.[18]

Outra idéia muito difundida é a de que os esteróides anabolizantes são altamente perigosos e as taxas de mortalidade entre usuários são altas. A verdade é que os esteróides anabólicos são usados amplamente na área médica sem nenhum sérios risco para a saúde dos usuários[29] [30] [31] , e nenhuma evidência científica mostrou problemas de saúde a longo prazo com o uso correto de esteróides anabolizantes. Enquanto o risco de morte está presente em muitas drogas, o risco de morte prematura devido ao uso de esteróides anabolizantes é extremamente baixo.[32] É possível que esse mito tenha ganho popularidade nos Estados Unidos a partir da afirmação de que o jogador de futebol americano Lyle Alzado morreu de câncer no cérebro por ter usado esteróides anabolizantes. O próprio jogador chegou a afirmar que seu câncer tinha sido causado graças aos esteróides anabolizantes. Entretanto, não há evidência médica provando que os esteróides anabolizantes podem causar câncer no cérebro e os próprio médicos que trataram Alzado afirmaram que o uso de esteróides anabolizantes nada teve a ver com sua morte.[33]

Outros mitos afirmam que o uso de anabolizantes pode levar adolescentes a cometer suicídio. Já que se sabe os baixos níveis de testosterona são causadores da depressão, e que um final de ciclo de anabolizantes resulta em baixos níveis de testosterona, essa afirmativa é altamente questionável. Nos Estados Unidos o uso estimado de esteróides anabolizantes entre estudantes de High School foi de 2,8% em 1999. Por outro lado, no ano de 2000 nos Estados Unidos, o suicídio foi a terceira causa que mais levou à morte entre jovens entre 15 e 24 anos.[34] Com a existências destas altas taxas de suicídio entre os adolescentes, concluir que os esteróides anabolizantes são responsáveis pelo suicídio que os tomaram antes de cometerem suicídio é uma afirmação precipitada. Além disso, embora os fisiculturistas adolescentes têm usado anabolizantes desde o início dos anos 1960s, apenas alguns casos sugerindo a ligação entre o uso e o suicídio foram descritos na literatura médica.[35]

Uma das idéias errôneas sobre o uso de anabolizantes é sobre o efeito sobre o temperamento agressivo que surgiria nos usuários. Existem poucas ou nenhuma evidência para provar que essa condição realmente existe. A maioria dos estudos envolvendo comportamentos agressivos e o uso de anabolizantes não mostram efeitos psicológicos como conseqüência, implicando que esse comportamento agressivo não é um efeito dos esteróides, ou que os efeitos na agressividade são muitos pequenos para serem mensurados. Muitos cientistas e médicos concluíram que os esteróides anabolizantes não têm efeitos de aumento de comportamento agressivo.[36] [37] [38] [39] [40]

O ator, ex-fisiculturista e governador da Califórnia, Arnold Schwarzenegger, também é alvo de outra lenda sobre os efeitos dos anabolizantes. Arnold Schwarzenegger admitiu que usou esteróides anabolizantes durante sua carreira de fisiculturista por muitos anos,[41] e em 1997 fez uma cirurgia para corrigir um defeito relacionado ao seu coração. Algumas pessoas afirmaram que esse defeito foi causado pelo uso dos anabolizantes. Entretanto, Arnold Schwarzenegger nasceu com um problema genético congênito no qual seu coração tinha uma valva aortica bicúspide; em outras palavras, enquanto nos corações normais a valva aórtica tem três cúspides, a valva aórtica do ator tinha, de nascença, apenas duas, o que poderia causar problemas futuros em sua vida.[42]

Tráfico ilegal de esteróides anabolizantes[editar | editar código-fonte]

Como os anabolizantes são geralmente consumidos em países diferentes dos quais eles são produzidos, eles devem ser contrabandeados através das fronteiras internacionais. Como a maioria das operações de tráfico, uma operação sofisticada do crime organizado está envolvida, frequentemente em conjunto com outros tipos de contrabando (incluindo outras drogas ilegais). Ao contrário dos traficantes de drogas recreacionais psicoativas como maconha e heroínas, não há muitos casos retratados de traficantes de anabolizantes sendo presos. A maioria destes consegue obter a droga através do mercado negro,[43] [44] e mais especificamente, farmacêuticos, veterinários, e médicos.

Os anabolizantes comprados do mercado negro podem ser falsificados ou originalmente produzidos para uso veterinário. O que por si só não vem a ser perigoso, exceto pelo fato de que esses medicamentos são produzidos e manuseados em ambientes menos estéreis, já que o seu destino seria os animais.[45] [46]

Produção[editar | editar código-fonte]

Os anabolizantes precisam de processos farmacêuticos sofisticados e equipamentos avançados para serem produzidos. Por esse motivo, são fabricados por companhias farmacêuticas legítimas ou laboratórios "underground" (ilegais) com uma grande infra-estrutura. Os mesmos problemas comuns que estão presentes no tráfico ilegal de drogas (como as substituições químicas, cortes e diluição) também afetam os esteróides anabolizantes, e esses processos podem tornar sua qualidade questionável ou perigosa para o consumidor final.

Nos anos 1990s a maioria das fabricantes americanas como Ciba, Searle e Syntex pararam de produzir e de divulgar os esteróides anabólicos dentro dos Estados Unidos. Entretanto, em muitas outras regiões, particularmente a Europa Oriental, eles ainda são produzidos em grande quantidade. Os anabolizantes europeus são a origem de muitos dos esteróides vendidos ilegalmente na América do Norte. No entanto, os esteróides anabólicos ainda estão sendo amplamente utilizados para fins veterinários, e muitos dos anabolizantes ilegais são fabricados, de fato, para fins veterinários.

Distribuição[editar | editar código-fonte]

Nos Estados Unidos e Canadá, os anabolizantes são comprados assim como qualquer outra droga ilegal através de "traficantes" que conseguem obter as drogas de diversas fontes, embora a maioria dos usuários preferiria comprar legalmente as drogas mas não podem pois as leis restritivas são contra a posse de esteróides. Anabolizantes falsificados são uma solução comum para a falta de disponibilidade legal nos Estados Unidos e Canadá, embora o mercado negro de importação continua no México, Tailândia e outros países onde os esteróides são mais facilmente disponíveis e, em muitos países, legalizado. Muitas pessoas produzem anabolizantes falsos e os colocam à venda na internet, o que causa uma ampla variedade de problemas de saúde.

A maioria dos esteróides anabólicos são vendidos hoje em academias, competições e através dos correios. A maior parte destas substâncias nos Estados Unidos é contrabando. Além disso, um grande número de produtos falsificados são vendidos como esteróides anabolizantes, particularmente por websites de farmácias de fachada. Além do uso recreativo dos anabolizantes, os usuários do Reino Unido têm consumido drogas ilícitas também, como a maconha e cocaína.[43] [47] [48]

História[editar | editar código-fonte]

Comentários de atletas profissionais da Grécia antiga sugerem que foi utilizada uma ampla variedade de substâncias esteróides naturais com o objetivo de promover crescimento androgênico e anabólico. Estes foram de extratos dos testículos até materiais de plantas. Remédios tradicionais em geral, tanto no Ocidente como na medicina Asiática contemporânea, contém várias substâncias que devem promover a virilidade e vários aspectos masculinos, mesmo que não totalmente com relação ao aumento dos músculos e da habilidade atlética tanto quanto performance sexual. Na medicina Chinesa tradicional, substâncias como chifre de alce, osso de tigre, bexiga e bílis de urso, ginseng e outras raízes e muito mais eram primariamente consumidos para ressaltar o organismo masculino. A ciência não recomenda estes métodos.

Acredita-se que os esteróides anabolizantes farmacêuticos modernos tenham sido descobertos inadvertidamente por cientistas alemães no começo da Década de 1930, mas quando foi descoberto ele não foi considerado significante o bastante para promover estudos posteriores. A primeira referência conhecida a esteróides anabolizantes nos EUA foi em uma carta ao editor da revista Strenght and Health em 1938. Na década de 1950, o interesse científico por eles foi aumentado, e Metandrostenolona (Dianabol) foi aprovada para uso nos Estados Unidos pela Administração de comida e drogas americana (FDA) em 1958 após vários testes com bons resultados foram conduzidos em outros países.

Ao longo dos anos 50, 60, 70 e até 80 havia a dúvida se os Esteróides Anabolizantes realmente tinham um efeito. Em um estudo no ano de 1972,[49] uma parte dos participantes foi informada que eles receberiam injeções de esteróides anabólicos diariamente, mas ao invés disso lhes foi administrado placebo. A melhora de performance deles foi similar à dos participantes que tomaram compostos anabólicos de verdade. Este estudo teve muitas falhas incluindo controles inconsistentes e doses insignificantes. De acordo com Geraline Lin, um pesquisador do Instituto Nacional do Abuso de Drogas americano, até a época de publicação de livros em 1996, os resultados deste estudo ainda não haviam sido contestados e postos a teste, durante 18 anos.[50]

No estudo de 1996 mencionado anteriormente que foi fundado pelo NIH americano ele examinou o efeito de altas doses de testosterona enanthate (600 mg/semana intramuscular por 10 semanas). Os resultados mostraram um claro aumento na massa muscular e diminuição da gordura corporal naqueles que tomaram testosterona ao invés de placebo. Nenhuma reação adversa foi percebida.[51]

O Congresso dos Estados Unidos, através da Lei de Controle de Esteróides Anabolizantes de 1990, colocou os anabolizantes na Lista III da Lei de Substâncias Controladas desse país (sigla em inglês CSA). A CSA define os esteróides anabolizantes como qualquer droga ou substância hormonal quimicamente e farmacologicamente relacionada à testosterona (que não seja estrógeno, progestina e corticosteróides) que promove o crescimento muscular.

No início dos anos 1990s, após a restrição de uso dos esteróides anabolizantes nos Estados Unidos, diversas companhias farmacêuticas pararam de produzir ou comercializar os produtos nesse país, incluindo a Ciba, Searle, Syntex e outras.

Em adição, um mercado inteiro para drogas falsificadas emergiu. Como nunca visto nos últimos 30 anos, os computadores, a Internet e os scanners tornaram fácil a falsificação e distribuição de produtos como se fossem legítimos, usando rótulos idênticos aos originais. O mercado foi inundado de produtos que continham de tudo, desde óleo vegetal até substâncias tóxicas. Usuários ingênuos injetavam essas drogas em si mesmos, e alguns deles morreram de causas como envenenamento e abscessos subcutâneos.

Em 20 de janeiro de 2005, a Lei de Controle de Esteróides Anabolizantes de 2004 dos EUA entrou em efeito, como emenda à Lei de Substâncias Controladas desse país, colocando os anabolizantes e pró-hormônios em uma lista de substâncias controladas, tornando a posse dessas drogas sem prescrição um crime federal.[52]

Movimento para a descriminalização[editar | editar código-fonte]

Os esteróides anabolizantes são substâncias controladas nos Estados Unidos e são estritamente reguladas em outros países - Talvez seja importante salientar que os esteróides anabolizantes estão prontamente disponíveis sem prescrição médica em alguns países como México, Alemanha e Tailândia. Entretanto, desde que o congresso dos Estados Unidos aplicou em 1990 o Ato de Controle dos Esteróides Anabolizantes, surgiu um pequeno movimento muito crítico contrário às leis sobre os esteróides anabolizantes. Em 21 de Junho de 2005, o programa americano de televisão Real Sports apresentou um quadro discutindo a legalidade e proibição dos esteróides anabólicos nos Estados Unidos.[53] Foi então apresentado Gary I. Wadler, M.D., presidente da Agência Anti-Doping dos Estados Unidos, que é um forte ativista antiesteróides. Quando foi pressionado a apresentar as evidências científicas de que os anabolizantes são "altamente fatais", como ele mesmo afirmou, Wadler admitiu que não havia evidências. O apresentador do programa, Bryant Gumbel, concluiu que a grande preocupação com os perigos dos anabolizantes na mídia foi 'muita fumaça e nenhum fogo'. O programa mostrou também John Romano, um ativista pró-esteróides que edita o 'Fator Romano', uma coluna de movimento pró-esteróides na revista americana de fisiculturismo Muscular Development.[54]

Em Julho de 2005, o procurador Philip Sweitzer enviou um documento público para o governo e senado americanos. Nele ele criticou os deputados por restringirem o uso de anabolizantes, assim como criticou a "desconsideração à realidade científica por um efeito simbólico". Ele também pediu a consideração da descriminalização dos esteróides anabólicos nos Estados Unidos e pediu uma nova direção política.[55] Desde os anos 1980s, a posição do governo americano é a de que o risco do uso de esteróides é muito alto para permitir a sua descriminalização e regulamentação.


Lista de componentes anabólicos[editar | editar código-fonte]

  • Testosterona
  • Metandrostenolona / Metandienona (Dianabol)
  • Nandrolona Decanoato (Deca-durabolin)
  • Nandrolona|Nandrolona Fenilpropionato (Durabolin)
  • Boldenona|Undecilenato de Boldenona (Equipoise/Equi-boost/Equifort)
  • Estanozolol (Winstrol/Wistrol V/Estrombol/Stanzol)
  • Oximetolona (Anadrol-50 / Hemogenin)
  • Oxandrolona (Anavar)
  • Fluoximesterona (Halotestin)
  • Trembolona (Fina)
  • Enantato de Metenolona (Primobolan)
  • 4-Clorodehidrometiltestosterona (Turinabol)
  • Mesterolona (Proviron)
  • Mibolerona (Cheque Drops)
  • Clostebol (Trofodermin)

Nota: Muitos desses produtos não estão mais disponíveis de seus fabricantes originais e agora são fabricados em laboratórios ilegais nos Estados Unidos, México e Canadá, mas ainda estão amplamente disponíveis em certos países, na maioria dos casos de subsidiárias dos fabricantes originais (e.g. Schering, Organon).

Referências

  1. Brodsky, IG; P Balagopal and KS Nair (1996). Effects of testosterone replacement on muscle mass and muscle protein synthesis in hypogonadal men--a clinical research center study. Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism, Vol 81, 3469-3475.
  2. Singh, Rajan; Jorge N. Artaza, Wayne E. Taylor, Nestor F. Gonzalez-Cadavid and Shalender Bhasin (2003). Androgens Stimulate Myogenic Differentiation and Inhibit Adipogenesis in C3H 10T1/2 Pluripotent Cells through an Androgen Receptor-Mediated Pathway. Endocrinology, doi:10.1210/en.2003-0741.
  3. Hickson, RC; Czerwinski SM, Falduto MT, Young AP.. (1990 Jun). "Glucocorticoid antagonism by exercise and androgenic-anabolic steroids.". Med Sci Sports Exerc. 22 (3): 331-340. PMID 2199753.
  4. Schroeder, ET; Vallejo AF, Zheng L, Stewart Y, Flores C, Nakao S, Martinez C, Sattler FR (2005 Dec). Six-week improvements in muscle mass and strength during androgen therapy in older men.. J Gerontol A Biol Sci Med Sci.
  5. Grunfeld, C; Kotler DP, Dobs A, Glesby M, Bhasin S (2006 Mar). Oxandrolone in the treatment of HIV-associated weight loss in men: a randomized, double-blind, placebo-controlled study.. J Acquir Immune Defic Syndr.
  6. Bhasin, S; Woodhouse L, Casaburi R, Singh AB, Bhasin D, Berman N, Chen X, Yarasheski KE, Magliano L, Dzekov C, Dzekov J, Bross R, Phillips J, Sinha-Hikim I, Shen R, Storer TW (2001 Dec). Testosterone dose-response relationships in healthy young men.. Am J Physiol Endocrinol Metab.
  7. a b Liver Damage And Increased Heart Attack Risk Caused By Anabolic Steroid Use. Página visitada em 2 de Abril de 2010.
  8. Barrett-Connor, EL (2001 Dec). Testosterone and risk factors for cardiovascular disease in men.. Diabete Metab.
  9. Bagatell, CJ; Knopp RH, Vale WW, Rivier JE, Bremner WJ (1992 jun). Physiologic testosterone levels in normal men suppress high-density lipoprotein cholesterol levels.. Ann Intern Med..
  10. Hartgens, F; Kuipers H (2004). Effects of androgenic-anabolic steroids in athletes.. Sports Med.
  11. Dekkers, OM; Thio BH, Romijn JA, Smit JW (2006 jun). Acne vulgaris: endocrine aspects. Ned Tijdschr Geneeskd.
  12. De Piccoli, B; Giada F, Benettin A, Sartori F, Piccolo E (1991 Aug). Anabolic steroid use in body builders: an echocardiographic study of left ventricle morphology and function.. Int J Sports Med.
  13. Dickerman first = RD; , Schaller F, Zachariah NY, McConathy WJ (1997 Apr). Left ventricular size and function in elite bodybuilders using anabolic steroids.. Clin J Sport Med..
  14. O Ozcelik, ­MC Haytac, ­G Seydaoglu The Effects of Anabolic Androgenic Steroid Abuse on Gingival Tissues, Journal of Periodontology (2006) 77:7, 1104-1109
  15. Journal of Sports Science and Medicine. MEDICAL ISSUES ASSOCIATED WITH ANABOLIC STEROID USE: ARE THEY EXAGGERATED?(01 June, 2006).PDF
  16. Meriggiola, MC; Meriggiola MC, Costantino A, Bremner WJ, Morselli-Labate AM (2002 Sep-Oct). Higher testosterone dose impairs sperm suppression induced by a combined androgen-progestin regimen.. J Androl.
  17. a b Matsumoto, AM (1990 Jan). Effects of chronic testosterone administration in normal men: safety and efficacy of high dosage testosterone and parallel dose-dependent suppression of luteinizing hormone, follicle-stimulating hormone, and sperm production.. J Clin Endocrinol Metab.
  18. a b Alen, Reinila, & Reijo, 1985
  19. The Demonization of Anabolic Steroids I: What Makes These Hormones So Evil? by John Williams. Página visitada em 05-10-2006.
  20. Grunfeld, C; Kotler DP, Dobs A, Glesby M, Bhasin S (2006 Mar). Oxandrolone in the treatment of HIV-associated weight loss in men: a randomized, double-blind, placebo-controlled study.. J Acquir Immune Defic Syndr.
  21. Berger, JR; Pall L, Hall CD, Simpson DM, Berry PS, Dudley R. (1996 Dec). Oxandrolone in AIDS-wasting myopathy.. AIDS.
  22. Aribarg, A; Sukcharoen N, Chanprasit Y, Ngeamvijawat J, Kriangsinyos R. (1996Oct). Suppression of spermatogenesis by testosterone enanthate in Thai men.. J Med Assoc Thai.
  23. Mitchell Harman, S.; E. Jeffrey Metter, Jordan D. Tobin, Jay (2001). Longitudinal Effects of Aging on Serum Total and Free Testosterone Levels in Healthy Men. The Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism Vol. 86, No. 2 724-731.
  24. Tanner, SM; Miller DW, Alongi C. (1995). "Anabolic steroid use by adolescents: prevalence, motives, and knowledge of risks.". Clin J Sport Med. 5 (2): 108-115. PMID 2199753.
  25. Andrew, Parkinson; Nick A. Evans. (2006). "Anabolic Androgenic Steroids: A Survey of 500 Users". Medicine & Science in Sports & Exercise 38 (4): 644-651. American College of Sports Medicine.
  26. Kokkinos, Peter F.; Puneet Narayan, M.D., John A. Colleran, D.O., Andreas Pittaras, M.D., Aldo Notargiacomo, B.S., Domenic Reda, M.S., and Vasilios Papademetriou, M.D.. (1995). "Effects of Regular Exercise on Blood Pressure and Left Ventricular Hypertrophy in African-American Men with Severe Hypertension". New England Journal of Medicine 333: 1462-1467. New England Journal of Medicine.
  27. Medras, M; Tworowska U. (2001). "[Treatment strategies of withdrawal from long-term use of anabolic-androgenic steroids]" 11 (66): 535-538. PMID 11899857.
  28. Kaufman, KD; Olsen EA, Whiting D, Savin R, DeVillez R, Bergfeld W, Price VH, Van Neste D, Roberts JL, Hordinsky M, Shapiro J, Binkowitz B, Gormley GJ. (1998). "Finasteride in the treatment of men with androgenetic alopecia. Finasteride Male Pattern Hair Loss Study Group.". J Am Acad Dermatol 39 (4 pt 1): 578-89. Department of Clinical Research, Merck Research Laboratories, Rahway, NJ 07065, USA.. PMID 9777765.
  29. Schroeder, ET; Vallejo AF, Zheng L, Stewart Y, Flores C, Nakao S, Martinez C, Sattler FR. (2005 Dec). Six-week improvements in muscle mass and strength during androgen therapy in older men.. J Gerontol A Biol Sci Med Sci.
  30. Grunfeld, C; Kotler DP, Dobs A, Glesby M, Bhasin S (2006 Mar). Oxandrolone in the treatment of HIV-associated weight loss in men: a randomized, double-blind, placebo-controlled study.. J Acquir Immune Defic Syndr.
  31. Bhasin, S; Woodhouse L, Casaburi R, Singh AB, Bhasin D, Berman N, Chen X, Yarasheski KE, Magliano L, Dzekov C, Dzekov J, Bross R, Phillips J, Sinha-Hikim I, Shen R, Storer TW. (2001 Dec). Testosterone dose-response relationships in healthy young men.. Am J Physiol Endocrinol Metab.
  32. Fudala, PJ; Weinrieb RM, Calarco JS, Kampman KM, Boardman C. (2003 Jun). An evaluation of anabolic-androgenic steroid abusers over a period of 1 year: seven case studies.. Ann Clin Psychiatry.
  33. Real Sports, Lyle Alzado.
  34. NIMH · Suicide in the U.S.: Statistics and Prevention. Página visitada em 2 de Abril de 2010.
  35. Anabolic-Androgenic Steroids and Suicide by Jack Darkes, Ph.D. Página visitada em 2 de Abril de 2010.
  36. Fudala, PJ; Weinrieb RM, Calarco JS, Kampman KM, Boardman C. (2003 Jun). An evaluation of anabolic-androgenic steroid abusers over a period of 1 year: seven case studies.. Ann Clin Psychiatry.
  37. Bhasin S, Storer TW, Berman N, et al. The effects of supraphysiologic doses of testosterone on muscle size and strength in normal men. New England Journal of Medicine 1996; 335: 1-7.
  38. Pope et al Arch Gen Psych 2000
  39. jcem.endojournals.org
  40. ncbi.nlm.nih.gov
  41. Arnold & Steroids: The Truth Revealed http://hjem.get2net.dk/JamesBond/www/artikler/steroidemisbrug/arnoldandsteroids.htm
  42. [1]
  43. a b Yesalis, Charles. (2000). Anabolic Steroids in Sport and Exercise ISBN 0-88011-786-9
  44. International Review of the Sociology of Sport, "Does the ban on drugs in sport improve societal welfare?" (Black T, 1996).
  45. NSW Bureau of Crime Statistics and Research, Anabolic Steroid Abuse and Violence. July 1997.PDF
  46. Walters, Ayers, & Brown, 1990)
  47. British Medical Journal.Use of anabolic steroids has been reported by 9% of men attending gymnasiums.(1996).
  48. The International Journal of Drug Policy.Anabolic Steroid Use in Britain.(1994).
  49. Medicine and Science in Sports, Anabolic steroids: the physiological effects of placebos. (Ariel & Saville, 1972).
  50. Lin, Geraline (1996). Anabolic Steroid Abuse ISBN 0-7881-2969-4
  51. Bhasin S, Storer TW, Berman N, et al. 1996, used earlier in article.
  52. News from DEA, Congressional Testimony, 03/16/04. Página visitada em 05-10-2006.
  53. The Forums Will Be Right Back. Página visitada em 2 de Abril de 2010.
  54. Muscular Development Magazine. Página visitada em 2 de Abril de 2010.
  55. An Open Letter to the Members of the House Committee on Government Reform, and the Senate Committee on Commerce, Science and Transportation, on the Recent Hearings and Legisla.... Página visitada em 2 de Abril de 2010.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Leituras adicionais[editar | editar código-fonte]

  • D. Kochakian, Charles. Anabolic Steroids in Sport and Exercise. [S.l.]: Human Kinetics.
  • Taylor, William N. Anabolic Steroids and the Athlete. [S.l.]: McFarland & Company, 1 de janeiro de 2002. 373 p. ISBN 0-7864-1128-7
  • Collins, Rick. Legal Muscle: Anabolics in America. [S.l.]: Legal Muscle Publishing Inc., 1 de dezembro de 2002. 430 p. ISBN 0-9726384-0-7
  • Llewellyn, William. Anabolics 2000 : Anabolic Steroid Reference Manual. [S.l.]: William Llewellyn, 2 de abril de 2000. 212 p. ISBN 0-9679304-0-5
  • Yesalis, Charles E.. Anabolic Steroids in Sport and Exercise. [S.l.]: Human Kinetics Publishers; 2nd edition, julho 2000. 493 p. ISBN 0-88011-786-9
  • Gallaway, Steve. The Steroid Bible. [S.l.]: Belle Intl; 3rd Sprl edition, 15 de janeiro de 1997. 125 p. ISBN 1-890342-00-9
  • Roberts, Anthony; Brian Clapp. Anabolic Steroids: Ultimate Research Guide. [S.l.]: Anabolic Books, LLC, janeiro 2006. 394 p. ISBN 1-59975-100-3
  • Daniels, R. C.; Brian Clapp. The Anabolic Steroid Handbook. [S.l.]: Richard C Daniels, 1 de fevereiro de 2003. 80 p. ISBN 0-9548227-0-6
  • Roberts, Anthony. Beyond Steroids. [S.l.]: EF Publishing Inc., maio 2006. 250 p.