Estrogênio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox important.svg
Foram assinalados vários aspectos a serem melhorados nesta página ou secção:
  • Não tem fontes.
  • Texto necessita de revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa.

Estrogênio (português brasileiro) ou estrogénio (português europeu) é uma designação genérica dos hormônios cuja ação está relacionada com o controle da ovulação e com o desenvolvimento de características femininas.

Função[editar | editar código-fonte]

Os estrógenos são produzidos pelos Folículos ovarianos em maturação. Os três estrogênios naturais são o estradiol, o estriol e a estrona.

O estradiol é expulso do corpo pelos ovários e liberados na primeira fase do ciclo menstrual. A produção desse hormônio começa na adolescência, quando é responsável pelo aparecimento dos sinais sexuais secundários na mulher, e vai até a menopausa.

A falta de estrogênios causa as ondas de calor ou fogachos em aproximadamente 75 a 80 % das mulheres.

O estrógeno induz as células de muitos locais do organismo a proliferar, isto é, a aumentar em número. Por exemplo, a musculatura lisa do útero aumenta tanto que o órgão, após a puberdade, chega a duplicar ou mesmo triplicar de tamanho. O estrogênio também provoca o aumento da vagina e o desenvolvimento dos lábios que a circundam, faz o púbis se cobrir de pelos, os quadris se alargarem e o estreito pélvico assumir a forma ovoide, em vez de afunilada como no homem. Provoca o desenvolvimento das mamas e a proliferação dos seus elementos glandulares, e leva o tecido adiposo a concentrar-se, na mulher, em áreas como os quadris e coxas, dando-lhes o arredondamento típico do sexo feminino. Em resumo, todas as características que distinguem a mulher do homem são devidas ao estrogênio, e a razão básica para o desenvolvimento dessas características é o estímulo à proliferação dos elementos celulares em certas regiões do corpo.

A camada de gordura feminina é mais extensa do que a masculina. Isso porque, aliado a uma alimentação ruim e/ou à utilização de determinados medicamentos, o estrógeno contribui para a consolidação do tecido adiposo, dificultando a sua metabolização.

O estrógeno também estimula o crescimento de todos os ossos logo após a puberdade, mas promove rápida calcificação óssea, fazendo com que as partes dos ossos que crescem se "extingam" dentro de poucos anos, de forma que o crescimento, então, pára. A mulher, nessa fase, cresce mais rapidamente que o homem mas pára de crescer após os primeiros anos da puberdade; já o homem tem um crescimento menos rápido porém mais prolongado, de modo que ele assume uma estatura maior que a da mulher. Nesse ponto, também, diferenciam-se mais acentuadamente os dois sexos.

O estrógeno tem outros efeitos muito importantes no revestimento interno do útero, no endométrio e no ciclo menstrual.

Efeitos da falta do estrogênio[editar | editar código-fonte]

O estrogénio é responsável pela textura da pele feminina e pela distribuição de gordura. Sua falta causa a diminuição do brilho da pele e uma redistribuição de gordura corporal para regiões onde o seu acúmulo é mais acentuado no sexo masculino, ou seja, abdome, costas e braços. A falta de estrógenio causa a secura vaginal, que pode acabar por afetar as relações sexuais ao transformá-las em algo desagradável e doloroso.

O estrogénio também é relacionado ao equilíbrio entre as gorduras no sangue, colesterol e hdl-colesterol. Estudos mostram que as mulheres na menopausa têm uma chance muito maior de sofrerem ataques cardíacos ou doenças cardio-vasculares, eventos mais relacionados ao sexo masculino.

Uma outra alteração importante na saúde da mulher pela falta de estrógeno é a irritabilidade e a depressão. Por último o estrógeno é responsável pela fixação do cálcio nos ossos.

Após a menopausa, grande parte das mulheres passa a perder o cálcio dos ossos, doença chamada osteoporose, responsável por fraturas e por grande perda na qualidade de vida da mulher.

Estudos recentes têm associado a falta de estrógeno ao Mal de Alzheimer.

Outros efeitos:

  • estimulação dos seios
  • aumento da gordura corpórea
  • depressão
  • dor de cabeça, devido a dilatação (e consequentemente aumento do diâmetro) dos vasos sanguíneos
  • interfere nos hormônios da tiroide
  • aumenta os coágulos no sangue
  • diminui a libido
  • ressecamento vaginal
  • enfraquece o controle do açúcar no sangue
  • perda de zinco e de retenção de cobre
  • reduz o nível de oxigénio em todas as células
  • aumenta os riscos de câncer do endométrio
  • aumenta riscos de câncer de mama
  • restringe um pouco a função dos osteoclastos
  • reduz o tônus vascular
  • aumenta riscos de doença na vesícula biliar
  • aumenta o risco de doenças auto-imunes
  • insónia, que pode ser decorrente das ondas de calor que interrompem o sono
  • aumento de rugas, por mudanças na formação da pele
  • dilatação do canal vaginal
Ícone de esboço Este artigo sobre Bioquímica é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.