Fisiculturismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Dexter Jackson, fisiculturista campeão do concurso Mr. Olympia.

Fisiculturismo ou culturismo é o uso de exercícios de resistência progressiva para controlar e desenvolver os músculos do corpo, a melhor formação muscular.[1] Um indivíduo que se engaja nesta atividade é referido como um fisiculturista. Sua disputa ocorre em apresentações coletivas ou individuais, de comparação. Os requisitos são: volume, simetria, proporção e definição muscular.

História[editar | editar código-fonte]

A Federação Internacional de Fisiculturismo (International Federation of Bodybuilding—IFBB) regula o campeonato de culturismo mundial, o Mr. Olympia. Os maiores vencedores desse campeonato foram Lee Haney (oito vezes), Arnold Schwarzenegger (sete vezes), Dorian Yates (seis vezes) e Ronnie Coleman (oito vezes). Outros conhecidos culturistas são: Mike Mentzer, Lou Ferrigno, Charles Atlas, Lee Priest Kai Greene e Jay Cutler.

Em 2007, Stephano D´agnello representou o Brasil no Oriente Médio, ocupando o quarto lugar no torneio IFPA Tehran Cup Pro Bodybuilding & Figure Contest Gallery (Irã).

Descrição[editar | editar código-fonte]

A musculação é um tipo de exercício resistido, com variáveis de carga, amplitude, tempo de contração e velocidade controláveis. Desse modo pode ser aplicada da forma isometria (contração mantida), isocinética (com velocidade angular constante) ou isotônica (alternância de contrações concêntricas e excêntricas), contínua ou intervalada, suave ou intensa, com recursos aeróbios ou anaeróbios.

Esta possibilidade de controle de tantas variáveis torna a musculação uma atividade física altamente versátil que pode ser usada para diferentes objetivos.

Estratégia[editar | editar código-fonte]

Para incrementar o aumento da massa muscular (hipertrofia), os fisiculturistas focam três principais pontos:

  • Treinamento adequado com a resistência de pesos e demais atividades físicas;
  • Nutrição especializada, incorporando proteínas e outros suplementos alimentares visando a liberação de hormônios para aumentar a síntese protéica;
  • Repouso (descanso) adequado para a recomposição muscular.

Uso de esteroides anabolizantes[editar | editar código-fonte]

Na prática da musculação, muitos atletas acabam recorrendo ao uso de esteroides anabolizantes para o aumento de massa muscular em pouco tempo, que poderá ser prejudicial à saúde,[2] já que estes são hormônios sintetizados, contudo não existe ainda evidência cientifica dos seus danos a longo prazo no corpo humano.[carece de fontes?] Muitos jovens são incentivados por um treinadores indicando a quantidade que eventualmente dará mais resultados em cada jovem. Mas essa prática não tem nenhuma base científica comprovada e o treinador na maioria dos casos não sabe como a droga reage individualmente no organismo humano.[2]

Entretanto, muitos atletas, profissionais ou amadores, conscientes dos malefícios dos efeitos das drogas, procuram profissionais nutricionistas e endocrinologistas para obtenção das possíveis melhoras em seus resultados.

O uso de drogas no culturismo profissional está ao nível de outros desportos competitivos mas a nível de atleta amador o caso muda de figura, sendo o desporto onde o uso de drogas é mais frequente.

Terceira idade[editar | editar código-fonte]

Estudos recentes vêm demonstrando a importância da musculação para a manutenção da qualidade de vida na terceira idade.[3] Além dos exercícios aeróbios, o treinamento com levantamento de peso tem sido muito bem visto pelos profissionais e pesquisadores da área. Esta é uma visão onde, para manutenção ou ganho de massa muscular, o fisiculturismo bem orientado produz resultados mais efetivos.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Thais Pacievitch. Fisiculturismo (em português). InfoEscola. Página visitada em 01 de julho de 2013.
  2. a b Jennifer Fogaça. Esteroides anabolizantes: força e beleza enganosas (em português). R7. Brasil Escola. Página visitada em 01 de agosto de 2013.
  3. Ana Maria Penteado. Musculação melhora qualidade de vida na terceira idade (em português). UOL. Jovem Pan. Página visitada em 01 de agosto de 2013.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]