Proteína do soro do leite

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Proteína do soro do leite comercializada enquanto suplemento proteico para musculação.

A proteína do soro do leite é uma mistura de proteínas globulares isoladas a partir de soro de leite, uma substância líquida obtida durante a produção de queijo. Os efeitos da proteína do soro do leite estão atualmente a ser investigados enquanto possível forma de redução do risco ou tratamento complementar de diversas doenças.[1] Alguns ensaios pré-clínicos em roedores sugerem que a proteína do soro do leite pode possuir propriedades anti-inflamatórias ou anti-cancerígenas.[2] [3]

A proteína do soro do leite é geralmente comercializada e ingerida na qualidade de suplemento alimentar. A comunidade de medicina alternativa alega que a substância apresenta vários benefícios para a saúde.[4]

Embora a proteína do soro do leite seja o elemento responsável por algumas das alergias ao leite, os principais alergénios do leite são as caseínas.[5] [6]

Produção[editar | editar código-fonte]

O soro de leite é o resíduo que resulta da coagulação do leite durante o fabrico de queijo, o qual contém todos os elementos solúveis do leite. Corresponde a uma solução de 5% lactose em água, juntamente com alguns minerais e lactoalbumina.[7] A gordura é então removida e processada para alimentação humana.[7] O processamento pode ser feito através de secagem simples, ou o conteúdo proteico pode ser aumentado através da remoção de lípidos e outros materiais não proteicos.[8] Por exemplo, a secagem por atomização separa as proteínas do soro do leite.[9]

O soro do leite pode ser desnaturado através do calor. Embora a proteína do soro de leite natural não se agregue durante o coalho ou acidificação do leite, a desnaturação da proteína do soro do leite desencadeia interações hidrofóbicas com outras proteínas e a formação de um gel de proteínas.[8] O soro de leite desnaturado através de calor pode, no entanto, causar alergias em alguns indivíduos.[10]

Composição[editar | editar código-fonte]

A proteína do soro do leite é o conjunto de proteínas globulares isoladas a partir do soro do leite, um subproduto do queijo fabricado a partir de leite de vaca. No leite de vaca, 20% das proteínas são de soro de leite e 80% caseínas,[11] enquanto no leite humano 60% são proteínas do soro do leite e 40% são caseínas.[12] As proteínas representam apenas cerca de 10% do resíduo seco do soro do leite. Estas proteínas são geralmente uma mistura de betalactoglobulina (~65%), alfalactoalbumina (~25%), albumina do soro bovino (~8%) e imunoglobulinas.[13]

Principais formas[editar | editar código-fonte]

A proteína do soro do leite apresenta-se geralmente em três formas: concentrado (WPC), isolado (WPI) e hidrolisado (WPH).

  • Os concentrados apresentam geralmente (mas nem sempre) níveis reduzidos de gordura e colesterol. No entanto, em comparação com as outras formas de proteína do soro do leite, têm maior número de compostos bioativos e hidratos de carbono na forma de lactose. Os concentrados são 29-89% proteína por volume.
  • Os isolados são processados de modo a remover a gordura ou a lactose. No entanto, apresentam níveis também reduzidos de compostos bioativos. Os isolados são >90% proteína por volume.
  • Os hidrolisados são proteínas do soro do leite pré-digeridas através de um processo químico e parcialmente hidrolisadas de modo a facilitar o metabolismo, embora o seu custo de mercado seja superior.[8] A proteína do soro do leite bastante hidrolisada pode ser menos alergénica em relação a outras formas da proteína.[10]

Efeitos na saúde[editar | editar código-fonte]

O uso de proteína do soro do leite enquanto fonte de aminoácidos e o seu papel na redução do risco de doenças cardíacas, cancro e diabetes encontra-se em estudo.[1] O soro do leite é uma fonte rica em aminoácidos ramificados (BCAA),[14] os quais são utilizados para estimular a síntese de proteínas.[15] A leucina, em particular, desempenha um papel essencial ao iniciar a transcrição da síntese de proteínas.[16] Quando a leucina é ingerida em grande quantidade, como no caso dos suplementos de proteína do soro do leite, verifica-se maior estimulação da síntese proteica, o que pode acelerar a recuperação e adaptação ao stress do exercício físico..[17] [18]

A proteína do soro do leite contém o aminoácido cisteína, o qual pode ser usado para produzir glutationa. No entanto, este aminoácido não é essencial para a síntese de glutationa e alguns estudos sugeriram que a quantidade de cisteína na dieta pouco efeito tem na síntese de glutationa.[19] No entanto, outro estudo sugere que uma grande quantidade de proteína do soro do leite pode aumentar os níveis de glutationa nas células.[20] A glutationa é um antioxidante que defende o corpo contra os danos dos radicais livres e algumas toxinas, e alguns estudos em animais sugeriram que as proteínas do leite podem reduzir o risco de cancro.[21]

Um estudo em animais sugeriu que a proteína do soro do leite inibe a aflatoxina, um cancerígeno extremamente potente e a principal causa de lesões pela mitocôndria.[22]

Problemas de digestão[editar | editar código-fonte]

Algumas pessoas experienciam diversos problemas de digestão após o consumo de proteína do soro do leite em pé.[23] Entre estes estão a acumulação de gases, inchaço da região abdominal, fadiga, dores de cabeça e irritabilidade. Uma das causas possíveis é a intolerância à lactose após a ingestão de concentrado.[24] Quando proteína que não tenha sido digerida se encontra no colón é fermentada pelas bactérias, o que leva à produção de gases e ácidos gordos, entre outros produtos.[25]

Musculação[editar | editar código-fonte]

Os efeitos dos suplementos de proteína do soro do leite no crescimento muscular após o treino de resistência são controversos. Um estudo demonstrou algum aumento da massa magra do corpo em homens que tomavam suplementos de proteína do soro do leite em relação aos que não tomavam qualquer suplemento,[26] enquanto outro estudo verificou maior aumento de força muscular num grupo que tomava suplementos de proteína do soro do leite em relação a outro grupo que tomava suplementos de caseína.[27] No entanto, outras investigações concluem que não existe qualquer benefício nos suplementos de proteína do soro do leite. Um estudo concluiu que os jovens adultos que ingiram suplementos de proteínas durante um programa de resistência estruturado não apresentam benefícios significativos ao nível da massa muscular magra e da força.[28] O horário da ingestão de suplementos proteicos pode não ter quaisquer efeitos significativos na força ou composição do corpo.[29] Um estudo em homens mais velhos concluiu que os suplementos de proteína do soro do leite após o exercício melhorava a síntese proteica muscular.[30]

Há evidências científicas que as proteínas ricas em aminoácidos essenciais, aminoácidos ramificados e, em particular, leucina, estão associadas a uma maior síntese proteica muscular, perda de peso, perda de gordura e a uma menor vida da insulina plasmática e dos triglicerídeos.[31] A proteína do soro do leite e a leucina são benéficas para a estimulação da síntese proteica aguda em adultos mais velhos.[32]

Referências

  1. a b Krissansen GW. (December 2007). "Emerging health properties of whey proteins and their clinical implications". J Am Coll Nutr 26 (6): 713S–23S. PMID 18187438.
  2. Hakkak R, Korourian S, Ronis MJ, Johnston JM, Badger TM. (May 2001). "Dietary whey protein protects against azoxymethane-induced colon tumors in male rats". Cancer Epidemiol. Biomarkers Prev. 10 (5): 555–8. PMID 11352868.
  3. Xiao R, Carter JA, Linz AL, Ferguson M, Badger TM, Simmen FA. (September 2006). "Dietary whey protein lowers serum C-peptide concentration and duodenal SREBP-1c mRNA abundance, and reduces occurrence of duodenal tumors and colon aberrant crypt foci in azoxymethane-treated male rats". J. Nutr. Biochem. 17 (9): 626–34. DOI:10.1016/j.jnutbio.2005.11.008. PMID 16504496.
  4. Marshall, K. (2004). "Therapeutic applications of whey protein". Alternative Medicine Review 9 (2): 136–156. PMID 15253675.
  5. Wal JM. (November 2004). "Bovine milk allergenicity". Ann. Allergy Asthma Immunol. 93 (5 Suppl 3): S2–11. DOI:10.1016/S1081-1206(10)61726-7. PMID 15562868.
  6. Burks W, Helm R, Stanley S, Bannon GA. (June 2001). "Food allergens". Curr Opin Allergy Clin Immunol 1 (3): 243–8. PMID 11964696.
  7. a b "Whey." The Encyclopædia Britannica. 15th ed. 1994
  8. a b c (2002) "Advances in modifying and understanding whey protein functionality". Trends in Food Science & Technology 13 (5): 151–9. DOI:10.1016/S0924-2244(02)00111-5.
  9. Tunick MH. In: Onwulata CI, Huth PJ. Whey processing, functionality and health benefits. [S.l.]: Blackwell Publishing; IFT Press, 2008. 1–13 pp.
  10. a b Lee YH. (Novembro de 1992). "Food-processing approaches to altering allergenic potential of milk-based formula.". J. Pediatr. 121 (5 Pt 2): S47–50. DOI:10.1016/S0022-3476(05)81406-4. PMID 1447634.
  11. Jay R. Hoffman and Michael J. Falvo. (2004). "Protein - Which is best?". Journal of Sports Science and Medicine (3): 118–130.
  12. Luhovyy BL, Akhavan T, Anderson GH. (2007). "Whey proteins in the regulation of food intake and satiety". Journal of the American College of Nutrition 26 (6): 704S–712S. PMID 18187437.
  13. Haug A, Høstmark AT, Harstad OM. (25 de setembro de 2007). "Bovine milk in human nutrition – a review". Lipids Health Dis 6. DOI:10.1186/1476-511X-6-25. PMID 17894873.
  14. Rieu I, Balage M, Sornet C, et al.. (abril de 2007). "Increased availability of leucine with leucine-rich whey proteins improves postprandial muscle protein synthesis in aging rats". Nutrition 23 (4): 323–31. DOI:10.1016/j.nut.2006.12.013. PMID 17367997.
  15. Kimball Scott. (2006). "Signaling Pathways and Molecular Mechanisms through which Branched-Chain Amino Acids Mediate Translational Control of Protein Synthesis". The Journal of Nutrition 136 (1): 227S–31S. PMID 16365087.
  16. Fujita, Dreyer, Drummon, Glynn, cadenas, Et Al.. (2007). "Nutrient signalling in the regulation of human muscle protein synthesis". The Journal of physiology 582 (Pt 2): 813–23. DOI:10.1113/jphysiol.2007.134593. PMID 17478528.
  17. Ha E, Zemel MB. (May 2003). "Functional properties of whey, whey components, and essential amino acids: mechanisms underlying health benefits for active people (review)". J. Nutr. Biochem. 14 (5): 251–8. DOI:10.1016/S0955-2863(03)00030-5. PMID 12832028.
  18. Layman D.K., Evans E., Baum J.I., Seyler J., Erickson D.J., Boileau R.A.. (2005). "Dietary protein and exercise have additive effects on body composition during weight loss in adult women". J. Nutr 135: 1903–1910.
  19. Courtney-Martin G, Rafii M, Wykes LJ, Ball RO, Pencharz PB. (novembro de 2008). "Methionine-adequate cysteine-free diet does not limit erythrocyte glutathione synthesis in young healthy adult men". J. Nutr. 138 (11): 2172–8. DOI:10.3945/jn.108.093302. PMID 18936215.
  20. Zavorsky, Kubow, Grey, Riverin, Lands. (2007). "An open-label dose-response study of lymphocyte glutathione levels in healthy men and women receiving pressurized whey protein isolate supplements". International Journal of Food Sciences and Nutrition 58 (6): 429–36. DOI:10.1080/09637480701253581. PMID 17710587.
  21. P.W. Parodi. . "A Role for Milk Proteins and their Peptides in Cancer Prevention" 13 (8): 813–828. ISSN 1873-4286.
  22. Abdel-Aziem SH1, Hassan AM, Abdel-Wahhab MA. (2011). "Dietary supplementation with whey protein and ginseng extract counteracts oxidative stress and DNA damage in rats fed an aflatoxin-contaminated diet" 1 (723): 65-71. DOI:10.1016/j.mrgentox.2011.04.007.
  23. Digestive Problems Commonly Associated With Whey Protein Livestrong.Com. Página visitada em 2013-02-07.
  24. Does 100% whey protein make you have bad gas?, Livestrong.com
  25. (2006) "Effect of dietary resistant starch and protein on colonic fermentation and intestinal tumourigenesis in rats". Carcinogenesis 28 (2): 240–5. DOI:10.1093/carcin/bgl245. PMID 17166881.
  26. Burke, Darren G.. The Effect of Whey Protein Supplementation With and Without Creatine Monohydrate Combined With Resistance Training on Lean Tissue Mass and Muscle Strength International Journal of Sport Nutrition and Exercise Metabolism. Human Kinetics Publishers, Inc.. Página visitada em 2012-04-04.
  27. Cribb, Paul J.; Andrew D. Williams, Michael F. Carey, Alan Hayes. The Effect of Whey Isolate and Resistance Training on Strength, Body Composition, and Plasma Glutamine International Journal of Sport Nutrition and Exercise Metabolism. Human Kinetics, Inc. Página visitada em 2012-04-04.
  28. (2006) "Effect of whey and soy protein supplementation combined with resistance training in young adults". International journal of sport nutrition and exercise metabolism 16 (3): 233–44. PMID 16948480.
  29. (2009) "Effect of protein-supplement timing on strength, power, and body composition changes in resistance-trained men". International journal of sport nutrition and exercise metabolism 19 (2): 172–85. PMID 19478342.
  30. Yang, Y; Breen, L; Burd, NA; Hector, AJ; Churchward-Venne, TA; Josse, AR; Tarnopolsky, MA; Phillips, SM. (Feb 7, 2012). "Resistance exercise enhances myofibrillar protein synthesis with graded intakes of whey protein in older men.". The British journal of nutrition 108 (10): 1–9. DOI:10.1017/S0007114511007422. PMID 22313809.
  31. Etzel, M.R.. . "Manufacture and use of dairy protein fractions". J. Nutr. DOI:134:996S-1002S.
  32. Luiking, Yvette C. (2014). "Postprandial Muscle Protein Synthesis Is Higher After A High Whey Protein, Leucine-Enriched Supplement Than After A Dairy-Like Product In Healthy Older People: A Randomized Controlled Trial". Nutrition Journal (13.1): 1-26. Academic Search Premier.