Mumadona Dias

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mumadona Dias
Condessa de Portugal
Estátua de Mumadona em Guimarães
Cônjuge Hermenegildo Gonçalves
Pai Diogo Fernandes
Mãe Onega
Morte Depois de dezembro 968

Mumadona Dias (em espanhol: Muniadona Díaz; m. depois de dezembro 968[a]) foi condessa de Portugal e a mulher mais poderosa do seu tempo no noroeste da península Ibérica.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filha do conde Diogo Fernandes e da condessa Onega ou Onecca,[1] [2] [b], possivelmente tia do rei Ramiro II de Leão, foi uma célebre e rica mulher, a mais poderosa no Noroeste da península Ibérica é reconhecida por várias cidades portuguesas devido ao seu registo e acção.

Mumadona casou entre 915 e 920 e antes de 23 de fevereiro de 926—quando aparecem juntos pela primeira vez[3] [4] [5] [c]—com o conde Hermenegildo Gonçalves, passando, porém, a governar o condado sozinha após o falecimento do seu esposo entre 943, quando o conde aparece pela última vez, e 950, o ano quando Mumadona, já viúva, fez a partilha com seus filhos dos bens herdados.[6] [7] O conde Hermenegildo a deixou na posse de inúmeros domínios, numa área que coincidia sensivelmente com zonas que integrariam os posteriores condados de Portucale e de Coimbra.

Entre a segunda metade de 950 e começos de 951, por inspiração piedosa, fundou, na sua herdade de Vimaranes, um mosteiro sob a invocação de São Mamede (Mosteiro de São Mamede ou Mosteiro de Guimarães),[8] onde, mais tarde, professou. Pouco depois de 959, para a proteção deste mosteiro e das suas gentes das incursões dos Normandos, determinou a construção do (Castelo de Guimarães),também chamado Castelo de São Mamede,[9] [10] à sombra do qual se desenvolveu o burgo de Guimarães, vindo a ser sede da corte dos condes de Portucale.

O documento testamentário no qual faz a doação de seus domínios, gado, rendas, objetos de culto e livros religiosos ao mosteiro de Guimarães, datado de 26 de Janeiro de 959,[8] é importante por testemunhar a existência de diversos castelos e povoações na região.[11] Devido às "incursões dos infiéis, que haviam assolado as proximidades do cenóbio",[10] no codicilio com data 4 de dezembro de 968, entregou o castelo ao mosteiro.[9] [12]

Apesar de não ser a fundadora da Póvoa de Varzim (Villa Euracini) e de Vila do Conde (Villa de Comite), o seu registo é pioneiro ao incluir pela primeira vez estas villas. Os topónimos de Aveiro (Suis terras in Alauario et Salinas) e de Felgueiras (In Felgaria Rubeans villa de Mauri) também aparecem no documento testamentário de Mumadona Dias como o primeiro a fazer referência escrita a essas terras.

Notas[editar | editar código-fonte]

Castelo de Guimarães construído por Mumadona
[a] ^ O historiador Cardozo diz que Mumadona ainda vivia em setembro de 992 quando Mummadomna prolix didaci (Mumadona filha de Diogo) recebeu uma doação de bens em Barreiros e Soutelo.[5] [13] No entanto, a destinatária da doação foi sua neta homónima, filha de Diogo Mendes, que foi freira no Mosteiro de Guimarães.[14]
[b] ^ Possivelmente Onega foi membro da família real de Pamplona devido à origem de seu nome e o nome de seu filho Jimeno e outros descendentes.[15] Podeira ser a filha de Leodegundia, provavel filha do rei Ordonho I que casou com um infante ou nobre do Reino de Pamplona.[16] [17] Onecca aparece em Dezembro de 928 no Mosteiro de Lorvão com seus quatro filhos,Munia, Ledegundia, Ximeno e Mummadomna fazendo uma doação por Veremudo dive memorie, referindo-se ao infante Vermudo Ordonhes, filho do rei Ordonho I e provavelmente irmão de Leodegundia, por tanto, tio de Onecca.[18] Este documento é também confirmado pelo conde Hermenegildo Gonçalves, o esposo de sua filha Mumadona, e Rodrigo Tedoniz, provavelmente o esposo de sua filha Leodegundia.
[c] ^ Em 926, o rei Ramiro II doouo aos condes Hermenegildo e Mumadona a vila de Creximir perto de Guimarães.[19]

Referências

  1. Mattoso 1970, p. 36.
  2. Sáez 1947, p. 66.
  3. García Álvarez 1960, p. 218, n. 74.
  4. Mattoso 1981, p. 139.
  5. a b Cardozo 1967, p. 284.
  6. Cardozo 1967, p. 285.
  7. Herculano 1868, p. 35, doc. LXI.
  8. a b Cardozo 1967, p. 281.
  9. a b Cardozo 1967, p. 281, 296.
  10. a b Amaral 2009, p. 121.
  11. Herculano 1868, p. 44–48 doc. LXXVI.
  12. Herculano 1868, p. 61 doc. XCVII.
  13. Herculano 1868, p. 102 doc. CLXVI.
  14. Mattoso 1981, p. 140–141.
  15. Torres Sevilla-Quiñones de León 1999, p. 310.
  16. Cardozo 1963, p. 383.
  17. Sáez 1947, p. 62.
  18. Sáez 1947, p. 108.
  19. Herculano 1868, p. 20, doc. XXXI.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Lucídio Vimaranes
Condessa de Portucale
c. 943/950 - c. 968
(depois da morte de Hermenegildo Gonçalves)
Sucedido por
Gonçalo Mendes