O Homem da Meia-Noite

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Sede do bloco em 2013

O Clube Carnavalesco de Alegoria e Crítica O Homem da Meia-Noite é um bloco carnavalesco, uma troça e uma das mais antigas agremiações a circular nas ladeiras do Sítio Histórico de Olinda, conhecido pelo boneco gigante do Carnaval de Olinda.

A sede do bloco ficava na Rua do Amparo, nº 31. Atualmente localiza-se em frente à Igreja de Nossa do Rosário dos Homens Pretos, no Bairro do Bonsucesso, no sitio histórico de Olinda (8° 0' 38" S 34° 51' 10" O).[1]

História[editar | editar código-fonte]

O bloco foi criado em 2 de fevereiro de 1931[1] [2] [nota 1] pelo pintor de paredes Luciano Anacleto de Queiroz; o carpinteiro Sebastião da Silva; os encadernadores Cosme José dos Santos e Heliodoro Pereira da Silva, e o sapateiro Manoel Joaquim dos Santos (Neco Monstro). Seu hino, tanto a letra quanto a música, são de autoria do mestre Bernardino da Silva.[1] Surgiu como uma dissidência da Troça Carnavalesca Mista Cariri Olindense por não participarem da chapa oficial da diretoria do Cariri.[1] Para desbancar o Cariri, que até então abria o carnaval de Olinda, o Homem saiu na meia noite do sábado de Zé Pereira e o domingo de rei Momo. Desde então o bloco abre o carnaval de Olinda,[3] e tendo reconciliado-se com o Cariri Olindense, entrega-lhe as chaves da cidade após o seu desfile horas depois.[4]

Em 1931 e 1932 a troça não contou com alegorias, apenas com o seu estandarte, bordado com um relógio marcando doze horas, e o boneco gigante.[1] Desfilou sem interrupções até 1949, mas devido principalmente a problemas financeiros não desfilou de 1950 a 1953, retornando em 1954 com destinação de recursos da prefeitura.[1]

O Homem da Meia Noite é Patrimônio Vivo de Pernambuco desde 2006.[5]

O Boneco[editar | editar código-fonte]

O Homem da Meia-Noite

O boneco d'O homem da Meia-Noite é um dos bonecos de Olinda mais antigos. Foi criado por Benedito Barbaça, marceneiro e entalhador e pelo pintor de paredes Luciano Anacleto de Queiroz.[1] [2] Conta-se que Luciano, um apaixonado pela sétima arte, foi ao cinema assistir o filme “O ladrão da meia-noite”, que conta a história de um ladrão de classe, que saía de um relógio sempre à meia-noite, cada dia de um lugar diferente, causando pânico na cidade. Impressionado com o personagem do filme, Anacleto resolveu homenageá-lo ao criar Homem da Meia Noite.[1]

Tem um sorriso com um dente de ouro, traja terno verde e branco e cartola. Carrega no braço um relógio que sempre marca o horário da meia-noite.[6] Pesa quase 50 quilos, com 3,50 m de altura.[2]

O Homem da Meia-Noite é uma espécie de calunga,[1] um personagem místico do candomblé, presente no maracatu nação ou de baque virado.[5]

Durante 57 anos, O Homem da Meia-Noite foi carregado pela mesma pessoa, o bonequeiro Cidinho, que suportava o peso de quase 50 quilos e o o calor no interior da roupa de gigante, na qual a temperatura vai além dos 40°C.[1] [7] Desde 1989, esse posto foi assumido por Pedro Garrido.[4]

Família[editar | editar código-fonte]

A Mulher do dia e O Homem da Meia-Noite

A longo do tempo foram criados outros bonecos associados ao Homem da Meia-Noite.

A Mulher do Dia surgiu em 1967 para lhe fazer companhia,[2] [8] mas como desfila de dia do domingo de Momo, nunca o encontra a não ser quando todos os bonecos saem juntos. Criada pelo artesão Julião das Máscaras a pedido de Rodolfo Medeiros e Luiz José dos Santos,[2] inspirada na Monalisa, possui cabelos negros compridos, sorriso com dente dourado e vestidos em cores amarelas e azul, em homenagem a Iemanjá e Oxum.[6]

Do seu "casamento" surgiu também em 1974 O Menino da Tarde. Também foi criado por Julião das Máscaras, a pedido de Ernane Lopes e Odival Olbino,[2] mesmo sendo ele já vem vestido como adulto.[6]

Posteriormente em 1977 surgiu A Menina da Tarde. Confeccionada por Sílvio Botelho por sugestão de Dalma Soares,[2] é uma boneca muito vaidosa que sempre sai no carnaval com uma roupa nova.[6]

Referências

  1. a b c d e f g h i j Gaspar, Lúcia (26-02-2007). O Homem da Meia-Noite Fundação Joaquim Nabuco. Página visitada em 25-02-2013.
  2. a b c d e f g Andrade, Maria do Carmo (14-07-2004). Bonecos Gigantes Foliões de Olinda Fundação Joaquim Nabuco. Página visitada em 25-02-2013.
  3. NE10. História misteriosa do Homem da Meia-Noite comemora 80 anos nesta quinta. Página visitada em 29 de outubro de 2012.
  4. a b Saraiva, Roberto (10-02-2013). Homem da Meia-Noite emociona Olinda Uol Carnaval 2013. Página visitada em 25-02-2013.
  5. a b Amorim, Maria Alice. Patrimônios Vivos de Pernambuco. Recife: FUNDARPE, 2010. Página visitada em 25-02-2013.
  6. a b c d Rebouças, Fernando (20-03-2009). Bonecos de Olinda Info escola. Página visitada em 25-02-2013.
  7. Bezerra, C.P.A. et al. Mostra Patrimônios Vivos de Pernambuco. Recife: FUNDARPE, 2010.
  8. Rodrigues, Caio (09-02-2010). Com um metro e 40 cm e 40 kg, boneco gigante Mulher do Dia é ícone do Carnaval olindense Olinda Carnaval. Página visitada em 25-02-2013.

Notas

  1. Algumas fontes citam o ano de 1932 como ano de fundação do bloco.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]