Paul Gordan

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou secção está a ser traduzido de en:Paul Gordan. Ajude e colabore com a tradução.
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde julho de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.


Paul Gordan
Matemática
Nacionalidade Alemanha Alemão
Nascimento 27 de abril de 1837
Local Breslávia
Morte 21 de dezembro de 1912 (75 anos)
Local Erlangen
Atividade
Campo(s) Matemática
Instituições Universidade de Erlangen-Nürnberg
Alma mater Universidade de Wrocław
Tese 1862: De Linea Geodetica
Orientador(es) Carl Gustav Jakob Jacobi
Orientado(s) Emmy Noether
Conhecido(a) por Teoria dos invariantes

Paul Albert Gordan (Breslávia, 27 de abril de 1837Erlangen, 21 de dezembro de 1912) foi um matemático alemão.

Foi aluno de Carl Gustav Jakob Jacobi na Universidade de Königsberg, antes do obter o doutorado na Universidade de Breslávia, em 1862,[1] e foi professor na Universidade de Erlangen-Nürnberg.

Foi conhecido como o "rei da teoria dos invariantes".[2] [3] Sua contribuição mais conhecida é que o anel do invariante de uma forma binária de grau fixo é finitamente degenerado.[3] Juntamente com Alfred Clebsch tem seu nome perpetuado nos coeficientes de Clebsch–Gordan. Foi orientador de Emmy Noether.[1]

Uma famosa citação atribuída a Gordan sobre a prova de David Hilbert do teorema da base de Hilbert, um resultado que generaliza suas investigações sobre invariantes, é: "Isto não é matemática, isto é teologia."[2] [4] A prova em questão foi a existência (não construtiva) de uma base finita para invariantes. Não é claro se Gordon realmente disse isto, pois as referências primárias ao fato são datadas de 25 anos após seu suposto acontecimento, quando Gordon já tinha falecido. Também não é claro se a citação foi crítica, elogiosa ou uma piada sutil. Gordon encorajou Hilbert e utilizou seus resultados e métodos, e a história propagada de que ele se opunha ao trabalho de Hilbert é um mito (embora ele tenha citado explicitamente que algumas das suposições de Hilbert eram incompletas).

Publicações[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Biografia em MacTutor (em inglês).
  2. a b Harm Derksen, Gregor Kemper. (2002), Derkson, Harm; Kemper, Gregor, eds., Computational Invariant Theory, Invariant theory and algebraic transformation groups, Springer-Verlag, p. 49, ISBN 3540434763, OCLC 49493513 .
  3. a b edited by A.N. Kolmogorov, A.P. Yushkevich ; translated from the Russian by A. Shenitzer, H. Grant and O.B. Sheinin. (2001), Kolmogorov, A. N.; Yushkevich, A. P., eds., Mathematics of the 19th Century: Mathematical Logic, Algebra, Number Theory, Probability Theory, Springer-Verlag, p. 85, ISBN 3764364424, OCLC 174767718 .
  4. Hermann Weyl, David Hilbert. 1862-1943, Obituary Notices of Fellows of the Royal Society (1944).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) matemático(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.