Pinheiro Machado (Rio Grande do Sul)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Pinheiro Machado
"Capital nacional do churrasco de ovelha"
Prefeitura municipal

Prefeitura municipal
Bandeira de Pinheiro Machado
Brasão de Pinheiro Machado
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 2 de maio de 1879 (135 anos)
Gentílico pinheirense
Prefeito(a) José Felipe da Feira (PTB)
(2013–2016)
Localização
Localização de Pinheiro Machado
Localização de Pinheiro Machado no Rio Grande do Sul
Pinheiro Machado está localizado em: Brasil
Pinheiro Machado
Localização de Pinheiro Machado no Brasil
31° 34' 40" S 53° 22' 51" O31° 34' 40" S 53° 22' 51" O
Unidade federativa  Rio Grande do Sul
Mesorregião Sudeste Rio-grandense IBGE/2008 [1]
Microrregião Serras de Sudeste IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Piratini, Pedras Altas, Candiota, Bagé, Caçapava do Sul e Santana da Boa Vista
Distância até a capital 370 km
Características geográficas
Área 2 227,897 km² [2]
População 12 787 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade 5,74 hab./km²
Altitude 436 m
Clima Temperado Marítimo Cfb
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,752 alto PNUD/2000 [4]
PIB R$ 158 654,411 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 12 007,45 IBGE/2008[5]
Página oficial

Pinheiro Machado é um município brasileiro do estado do Rio Grande do Sul.

História[editar | editar código-fonte]

Pinheiro Machado é um dos municípios mais antigos do Rio Grande do Sul. Até 1830, a área do município pertencia ao município de Rio Grande, depois passou a integrar o município de Piratini, desmembrando-se em 24 de fevereiro de 1879, sob a denominação de Nossa senhora da Luz das Cacimbinhas.

A povoação deste município, segundo registros, iniciou-se pelo brigadeiro Rafael Pinto Bandeira, por volta de 1765. Os primeiros habitantes foram os açorianos Tomás Antônio de Oliveira e José Dutra de Andrade, que receberam sesmarias na Coxilha do Veleda, em 1790. Segundo a lenda, Dutra de Andrade teria perdido a visão e feito uma promessa de que se recuperasse a mesma ao lavar os olhos nas águas milagrosas das cacimbinhas, mandaria construir uma capela em honra de Nossa Senhora da Luz e efetivamente o milagre ocorreu. Depois da capela, foi criado um curato em 1851.

Em 1857 foi elevado a freguesia e, em 1878, ocorreu a emancipação. As pessoas que trabalharam pela emancipação foram: Florentino Bueno e Silva, José Maria Pinto, João Cândido da Rosa (fazendeiros), José Virgílio Goulart (militar) e o Dr. Saturnino Arruda (deputado). O município de Cacimbinhas teve seu nome mudado para Pinheiro Machado no governo do intendente provisório Dr. Ney Lima Costa, quando o senador José Gomes Pinheiro Machado foi assassinado no Rio de Janeiro por Mânsio de Paiva, que era um morador da região de Cacimbinhas. Pelo grande papel desempenhado por Pinheiro Machado na consolidação do regime republicano, quer nas frentes de luta da Revolução Federalista, quer no tocante à estabilidade que proporcionou, com sua liderança política, nos primeiros governos da República, o seu nome é visto com honra não só pelo povo deste município, mas por todo o Rio Grande do Sul.[6]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localiza-se a uma latitude 31º34'42" sul e a uma longitude 53º22'52" oeste, estando a uma altitude de 436 metros.

Possui uma área de 2.227,897 km² e sua população estimada em 2004 era de 14.327 habitantes.

Relevo[editar | editar código-fonte]

O relevo do município, situado num planalto conhecido como Serras de Sudeste, apresenta-se bastante irregular, destacando-se a Serra do Passarinho, Serra do Veleda e Serra das Asperezas. Também destaca-se a formação de inúmeras cerros, especialmente no 2° Distrito. O solo caracteriza-se por ser raso e com a presença de aflorações de rochas.

Clima[editar | editar código-fonte]

Quanto ao clima, o município é subtropical ou Temperado Marítimo (Cfb), com verões moderados, invernos relativamente frios (com grande ocorrência de geadas) e temperatura média anual de 16 °C. O mês mais quente é janeiro, com temperatura média de 21 °C, enquanto o mês mais frio é julho, com média de 11 °C. A pluviosidade média anual é de 1.380 mm, com chuvas regularmente distribuídas durante o ano.

Precipitações de neve, apesar de escassas, não são incomuns na cidade, podendo ocorrer cerca de uma ou duas vezes por década. As últimas nevadas ocorreram em 4 de setembro de 2006[7] e em 5 de setembro de 2008, com queda de neve moderada durante o período da tarde[8] .

Fauna[editar | editar código-fonte]

As espécies mais características do município, quanto à fauna, são: lebre, tatu, raposa, gambá, capivara, graxaim (sorro), chimango, perdiz, caturrita, quero-quero, jacu, seriema, pomba do mato (pombão), cardeal, periquito, tico-tico, joão-de-barro, lagarto, cobra cruzeira, cobra verde e peixes como traira, jundiá, lambari etc.

Vegetação[editar | editar código-fonte]

Na vegetação do município, as espécies mais características são: pitangueira, coronilha, corticeira, canela branca, butiá, branquilho, canela preta, araucaria angustifolia, aroeira preta, aroeira cinzenta, aroeira periquita (anacauita) etc.

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Há um grande número de riachos em Pinheiro Machado. Na divisa com os Municípios de Santana da Boa Vista e Caçapava do Sul, localiza-se o Rio Camaquã, que constitui a Bacia Hidrográfica do Camaquã.

Economia[editar | editar código-fonte]

A economia do município é baseada principalmente na agricultura, pecuária, extração de pedras para exportação, pedras de revestimento e produção de cimento. Outro grande destaque é a viticultura que, devido à característica do clima das Serras de Sudeste, favorece a elaboração de vinhos finos de alta qualidade. Começa-se a se desenvolver o cultivo de oliveiras.

Quanto ao comércio, Pinheiro Machado possui aproximadamente 380 estabelecimentos.

Também é digna de destaque a grande quantidade de calcário, considerado de excelente qualidade.

Dados demográficos[editar | editar código-fonte]

  • População: 14.594
    • Urbana: 10.767 (73,77%)
    • Rural: 3.327 (26,23%)
    • Homens: 7.462 (51,13%)
    • Mulheres: 7.132 (48,87%)
  • Educação: Existem atualmente no Município dez escolas, com aproximadamente 3 200 estudantes matriculados.
  • Saúde: O município possui dois hospitais (um na sede e outro no distrito de Torrinhas), três postos de saúde e um centro de atenção à saúde.
  • Habitação: Imóveis urbanos: 3.859 (68%); Imóveis rurais: 1.833 (32%)
  • Núcleos habitacionais Urbanos: sete
  • Saneamento básico: Urbano: 90% com fossa absorvente e galeria de esgoto não tratado; Rural: 50% com fossa séptica e poço absorvente.
  • Abastecimento de água: Zona Urbana: 99% água tratada; Zona rural: 100% água de poço/cacimba
  • Energia elétrica: Zona Urbana: 98% com energia elétrica; Zona rural: 33% com energia elétrica
  • Coleta de Lixo: Residencial e comercial: 100% coletado; Hospitalar e ambulatorial: 100% incinerado

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2010 Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 11 dez. 2010.
  6. Senador Pinheiro Machado - dados biográficos
  7. Nevada de 2006: Espetáculo do sul ao norte gaúcho, Metsul
  8. População se encanta com neve na Campanha e no sul do RS, ZeroHora.com

Ligações externas[editar | editar código-fonte]