Programa Ilegais

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Programa Ilegais
Anna Chapman mug shot.jpg Juan Lazaro mug shot.jpg Vicky Pelaez mug shot.jpg Donald Heathfield mug shot.jpg Tracey Foley mug shot.jpg Richard Murphy mug shot.jpg Cynthia Murphy mug shot.jpg Michael Zottoli mug shot.jpg Patricia Mills mug shot.jpg Mikhail Semenko mug shot.jpg
Os dez agentes russos presos, em 27 de junho de 2010 (fotos do Serviço de Delegados dos Estados Unidos).

O Programa Ilegais (em inglês: Illegals Program), chamado assim pelo Departamento de Justiça Americano, foi uma rede de espionagem feita por agentes russos que foi investigada pela Agência Federal de Investigação (FBI) e resultou na prisão de dez espiões estrangeiros nos Estados Unidos. Eventualmente foi realizado uma troca de prisioneiros entre os países, em 9 de julho de 2010.

Os espiões russos foram implantados nos Estados Unidos pelo Serviço de Inteligência da Rússia (ou SVR). Se passando por cidadãos americanos normais, eles tentaram estabelecer contato com acadêmicos, industrialistas e legisladores para tentar ter acesso a informações de inteligência. Eles foram descobertos e então uma investigação, feita pelo FBI, foi lançada e durou anos ("Operação Ghost Stories"). A polícia federal americana iniciou as prisões em junho de 2010, apreendendo dez pessoas em solo americano e outra na ilha de Chipre. Os presos foram acusados de "realizar espionagem secreta de longa data nos Estados Unidos a serviço da Federação Russa".[1] [2] [3]

O suspeito preso no Chipre pagou uma fiança um dia após sua prisão.[4] Uma décima segunda pessoa, um cidadão russo trabalhando para a Microsoft, também foi preso no mesmo período, mas como não haviam provas concretas contra ele, a justiça americana limitou-se a deporta-lo do país.[5] Segundo fontes russas, haviam mais dois agentes que conseguiram fugir a captura.[6]

Os dez agentes russos presos foram indiciados por espionagem e se declararam culpados de conspiração ilegal a serviço de um governo estrangeiro. Logo em seguida, em julho de 2010, eles foram transferidos para Viena, na Áustria. No final, os agentes foram libertados numa troca por quatro prisioneiros russos (que haviam sido presos na Rússia acusados de espionar para os Estados Unidos).[7]

Em 31 de outubro de 2011, o FBI liberou fotos, dados e videos da investigação. As imagens mostravam os agentes russos falando com os policiais infiltrados e entre si.[8] Os espiões utilizavam redes Wi-Fi e USB flash drives para transmitir informações, utilizando também um software de esteganografia para se ocultar. Os contatos entre os agentes eram mínimos, assim como os contatos diretos com Moscou. Mensagem por tintas invisíveis e transmissões de rádio secretas também eram usadas.[1] Anna Chapman (em russo Anna Vasil'evna Kushchenko), uma das espiões, ficou conhecida por usar sua beleza para seduzir seus alvos. Ela, que já havia se envolvido com práticas de espionagem no Reino Unido antes de ir para os Estados Unidos, teria permanecido no mundo do serviço secreto por algum tempo depois. Em 2012, ela teria tentado seduzir um membro da comitiva do presidente americano Barack Obama, mas isso não foi confirmado.[9]

Referências

  1. a b "Operation Ghost Stories: Inside the Russian Spy Case' (31 de outubro de 2011). Federal Bureau of Investigation.
  2. Ten Alleged Secret Agents Arrested in the United States Monday, 28 de junho de 2010, United States Department of Justice.
  3. Shifrel, Scott; Kennedy, Helen; and Sherisan, Michael. "Russian spy ring: 11th suspect arrested in Cyprus; Moscow calls spy claims 'baseless and improper'", Daily News (New York), 29 de junho de 2010. Página acessada em 28 de novembro de 2014.
  4. Staff. "Russian spy suspect missing in Cyprus, say police", BBC News, 30 de junho de 2010. Página acessada em 28 de novembro de 2014.
  5. Markon, Jerry. "U.S. deports alleged 12th Russian spy", 14 de julho de 2010. Página visitada em 28 de novembro de 2014.
  6. "Дело Потеева: предатель нанес ущерб в 50 млн долларов, но не смог обмануть начальство украинской любовницей", NEWSru. Página visitada em 28 de novembro de 2014.
  7. "Russia, U.S. swap 14 in Cold War-style spy exchange", Reuters, 9 de julho de 2010.
  8. "FBI releases video, papers on Russian spy ring" (31 de outubro de 2011). Associated Press.
  9. "Russian agent Anna Chapman 'came close to catching top Obama official in a honey trap,' FBI counter intelligence chief claimsk". Página acessada em 28 de novembro de 2014.