Ricardo de Araújo Pereira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes fiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes fiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes fiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Ricardo Araújo Pereira
Ricardo Araújo Pereira
Ricardo Araújo Pereira
Nome de nascimento Ricardo Artur de Araújo Pereira
Nascido(a) em 28 de Abril de 1974 (40 anos)
São Sebastião da Pedreira, Lisboa
Nacionalidade Portugal português
Especialidade Humorista
Anos em atividade 1998 - atualidade
Gênero Comédia
Trabalhos de
destaque
Gato Fedorento, Diz que É uma Espécie de Magazine, Zé Carlos, Gato Fedorento Esmiúça os Sufrágios , Mixórdia de Temáticas , Melhor Do Que Falecer

Ricardo Artur de Araújo Pereira (Lisboa, São Sebastião da Pedreira, 28 de Abril de 1974) é um dos mais aclamados e populares humoristas portugueses.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de um piloto da TAP, Artur Álvaro Neves de Almeida Pereira, e de uma assistente de bordo, Emília Rita da Cunha Araújo Pereira,[carece de fontes?] foi aluno de colégios de freiras Vicentinas, Franciscanos e Jesuítas até se licenciar em Comunicação Social e Cultural, na Universidade Católica Portuguesa. Seguiu-se o trabalho como jornalista, na redacção do Jornal de Letras, Artes e Ideias.

De seguida tornou-se argumentista da agência de criadores Produções Fictícias, tendo sido co-autor de vários programas de sucesso do humor português, entre eles Herman 98 e Herman 99 (RTP, 1998 - 1999), Herman SIC (2000 - 2005), O Programa da Maria (SIC, 2001), Hermandifusão Portuguesa (RDP, 1999 - 2001), as crónicas Felizes para Sempre, no semanário Expresso e As Crónicas de José Estebes, no Diário de Notícias, entre outros.[2]

Por volta de 2003, depois das primeiras aparições na televisão, designadamente no programa de humor stand-up comedy, Levanta-te e ri, na SIC, e criando, já ao lado de Zé Diogo Quintela, Tiago Dores e Miguel Góis, várias rubricas no programa de Nuno Markl, O Perfeito Anormal, na SIC Radical, dá arranque ao projecto Gato Fedorento, cujo colectivo se tornou uma referência do humor português contemporâneo.[2]

A equipa assinou várias séries do programa Gato Fedorento, na SIC Radical (Série Fonseca, Série Meireles e Série Barbosa), e depois na RTP1 (Série Lopes da Silva). Também na RTP1 apresentou Diz Que é Uma Espécie de Magazine em 2007, para de seguida voltar à SIC, com Zé Carlos, em 2008, e Gato Fedorento: esmiúça os sufrágios, em 2009. Na internet os humoristas mantêm o blogue homónimo, onde Ricardo Araújo Pereira assina as suas entradas com as iniciais RAP. Teve ainda várias aparições no programa de humor da SIC, Levanta-te e Ri, onde mostrou por várias vezes os seus dotes no stand-up.[2]

Escreveu semanalmente no jornal A Bola, escrevendo actualmente na revista Visão.[3] Na TSF, depois na TVI24, integra o painel do debate Governo Sombra, apresentado por Carlos Vaz Marques e com Pedro Mexia e João Miguel Tavares. Protagoniza ainda a rubrica "Mixórdia de Temáticas" na Rádio Comercial.[2]

As personagens de Ricardo Araújo Pereira, que encontram eco na actualidade política, desportiva ou social, destacam-se pelos tiques que «saltam» para a rua (como acontecia com as criações de Herman José) e são absorvidos em regime multi-geracional, alimentando campanhas publicitárias de sucesso.

É co-autor do livro O Futebol é Isto Mesmo (ou então é outra coisa completamente diferente) e do disco O disco do Benfiquista, naturalmente. Compilou as suas melhores crónicas da revista Visão nos livros Boca do Inferno e Novas Crónicas da Boca do Inferno. Com Pedro Mexia realizou uma adaptação da peça de teatro Como Fazer Coisas com Palavras, do filósofo inglês John Austin, que também interpretou, no Teatro São Luiz em 2008.[2]

É casado com Maria José Areias, de quem tem duas filhas, Rita Areias de Araújo Pereira e Maria Inês Areias de Araújo Pereira.[carece de fontes?]

Gosta de afirmar que é o sócio n.º 17 411, do Sport Lisboa e Benfica, clube de que é adepto fervoroso. Foi militante do Partido Comunista Português, partido que veio mais tarde a abandonar. Continua, porém a afirmar-se como "Marxista não Leninista". Ricardo Pereira é ateu.[2] [4]

Em maio de 2013, Ricardo Araújo Pereira recebeu o Grande Prémio da Crónica pelo livro “Novas Crónicas da Boca do Inferno”. O prémio foi atribuído pela Associação Portuguesa de Escritores e a Câmara Municipal de Sintra.[5] [6] [7]

Argumentista[editar | editar código-fonte]

  • Crónica Diária no Jornal das 8 (2014) - TVI
  • Melhor do que Falecer (2014) - TVI
  • Mixórdia de Temáticas (2012) - Rádio Comercial
  • Fora da Box (2011) - Campanha publicitária da MEO
  • Gato Fedorento Esmiúça os Sufrágios (2009) - SIC
  • Zé Carlos(2008) - SIC
  • Gato Fedorento: Diz que é uma Espécie de Magazine - Série II (2007) - RTP1
  • Gato Fedorento: Diz que é uma Espécie de Magazine - Série I (2006-07) - RTP1
  • Gato Fedorento: Série Lopes da Silva (2006) - RTP1
  • Gato Fedorento: Série Barbosa (2005) - SIC Radical
  • Gato Fedorento: Série Meireles (2004) - SIC Radical
  • As Boas Entradas (2003) - SIC
  • Gato Fedorento: Série Fonseca (2003) - SIC Radical
  • Programa da Maria (2001) - SIC

Protagonista[editar | editar código-fonte]

  • Crónica Diária no Jornal das 8 (2014) - TVI
  • Melhor do que Falecer (2014) - TVI
  • Mixórdia de Temáticas (2012)
  • Fora da Box (2011)
  • Gato Fedorento: Esmiúça os Sufrágios (2009)
  • Zé Carlos (2008)
  • Gato Fedorento: Diz que é uma Espécie de Magazine - Série II (2007)
  • Gato Fedorento: Diz que é uma Espécie de Magazine - Série I (2006-2007)
  • Gato Fedorento: Série Lopes da Silva (2006)
  • Gato Fedorento: Série Barbosa (2005)
  • Gato Fedorento: Série Meireles (2004)
  • Gato Fedorento: Série Fonseca (2003)
  • Perfeito Anormal(2002)

Prémios[editar | editar código-fonte]

Foi galardoado com o Prémio Arco-íris,[8] da Associação ILGA Portugal, pelo seu contributo, enquanto humorista, na luta contra a discriminação e a homofobia.

Referências

  1. Ricardo Araújo Pereira entrevistado por Jô Soares. Semanário Sol. Página visitada em 4 de maio de 2012.
  2. a b c d e f Produções Fictícias. Agência Produções Fictícias - Ricardo Araújo Pereira. Produções Fictícias. Página visitada em 12 de julho de 2013.
  3. Opinião > Ricardo Araújo Pereira. Revista Visão. Página visitada em 4 de maio de 2012.
  4. Vítor Gonçalves (26 de junho de 2013). De Caras - Ricardo Araújo Pereira. RTP. Página visitada em 12 de julho de 2013.
  5. Sérgio C. Andrade (30 de maio de 2013). Ricardo Araújo Pereira ganha Grande Prémio da Crónica. Jornal Público. Página visitada em 12 de julho de 2013.
  6. Diário Digital com Lusa (14 de junho de 2013). Ricardo Araújo Pereira recebe o Grande Prémio da Crónica. Diario Digital. Página visitada em 12 de julho de 2013.
  7. Ricardo Araújo Pereira vence o Grande Prémio de Crónica. Observatório da Língua Portuguesa. Página visitada em 12 de julho de 2013.
  8. Prémio Arco-íris. Ilga-portugal.pt.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Ricardo de Araújo Pereira