Santa Cruz (Coronel Fabriciano)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Santa Cruz
—  Bairro do Brasil  —
Vista parcial do bairro Santa Cruz e arredores
Vista parcial do bairro Santa Cruz e arredores
Unidade federativa  Minas Gerais
Zona Setor 5
Distrito Senador Melo Viana
Município Coronel Fabriciano
Área
 - Total 0,6 km²
População (2010)
 - Total 5 367
    • Densidade 9 130,83 hab./km2 
Domicílios 1 708
Limites Córrego Alto, Pedra Linda, José da Silva Brito, Santa Inês, São Geraldo, Sílvio Pereira I, Sílvio Pereira II, Santa Rita, São Vicente e Santa Luzia
Fonte: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)[1] /

Santa Cruz é um bairro do município brasileiro de Coronel Fabriciano, no interior do estado de Minas Gerais. Localiza-se no distrito Senador Melo Viana, estando situado no Setor 5.[2] De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), sua população no ano de 2010 era de 5 367 habitantes, sendo 2 673 homens e 2 694 mulheres, possuindo um total de 1 708 domicílios particulares distribuídos em uma área de 0,6 km².[1]

Era conhecido por ser o bairro mais violento da cidade, mas hoje isso também se aplica ao Nossa Senhora do Carmo, Alipinho, Manoel Maia, Caladão e Santa Terezinha.[3] Trata-se de um dos bairros com maior processo de desenvolvimento, tendo a presença de vários supermercados, posto de saúde, posto de gasolina, autoescola e quatro escolas, além de ser o maior berço eleitoral da cidade.[4]

História[editar | editar código-fonte]

Vista noturna do Santa Cruz e vizinhos.

Os primeiros movimentos da região do atual bairro se deram com a construção de um cruzeiro, erguido ao lado de um marco geográfico na área conhecida como Córrego dos Camilos, onde famílias se reuniam para um tradicional compromisso devocional todo dia 3 de maio, dia da Santa Cruz. Na ocasião, pessoas enfeitavam o cruzeiro, erguiam barraquinhas, estouravam foguetes e rezavam o terço e a partir dessas tradições, surgiu a denominação Santa Cruz.[4] Originalmente, a área era administrada pelo padre Rocha. Após seu falecimento, o local foi loteado pela Arquidiocese de Mariana e na década de 1960 observa-se o estabelecimento dos primeiros moradores.[4] [5]

Em 1969, Antônio Martins instaura o primeiro movimento comercial, com a venda de produtos básicos; querosene era o item mais procurado, visto que não havia abastecimento de energia elétrica.[4] Àquela época, também não havia escolas — a mais próxima era a "Dona Tereza", hoje Escola Estadual Padre Deolindo Coelho, no bairro Melo Viana. Devido à distância e à falta de uma linha de ônibus, eram altas as taxas de analfabetismo na comunidade.[4]

O primeiro colégio foi criado pelo Rotary Clube, no entanto pouco tempo depois foi instalada pelo então governador José de Magalhães Pinto a Escola Estadual Rotildino Avelino, cujo nome homenageia um de seus idealizadores, falecido poucos dias antes da inauguração da instituição.[4] Com o passar do tempo, a construção de novas escolas, inserção de linhas de ônibus e outras obras de infraestrutura, como calçamento e posto médico, atraíram moradores para o bairro, fazendo com que ele se tornasse um dos mais populosos de Coronel Fabriciano. Um dos principais logradouros é a Avenida Brasil, na região onde se concentra o movimento comercial.[4]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (16 de novembro de 2011). Sinopse dos dados - Setor: 311940110000054 - Santa Cruz. Página visitada em 9 de junho de 2014. Cópia arquivada em 9 de junho de 2014.
  2. Assessoria de Comunicação (3 de julho de 2009). População/Setores Prefeitura. Página visitada em 27 de fevereiro de 2010. Cópia arquivada em 9 de junho de 2014.
  3. Jornal Diário do Aço (4 de janeiro de 2014). Coronel Fabriciano manteve a escalada da violência. Página visitada em 9 de junho de 2014. Cópia arquivada em 9 de junho de 2014.
  4. a b c d e f g Jornal Nosso Vale (19 de junho de 2010). Um passeio na história do Bairro Santa Cruz. Página visitada em 15 de maio de 2011. Cópia arquivada em 1º de março de 2012.
  5. Leonardo Gomes. (janeiro 2012). "Grande Guia dos Bairros de Coronel Fabriciano". Revista Nosso Vale (nº 10): pag. 12. Página visitada em 9 de junho de 2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre bairros é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.