Anexo:Terminologia do mobiliário

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Terminologia do mobiliário)
Ir para: navegação, pesquisa

Esta é uma lista sobre terminologia do mobiliário, onde se incluem os diferentes tipos de mobiliário, elementos decorativos, técnicas, etc, com uma breve descrição das características principais de cada um.

Índice: Top - 0–9 A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z


Arca
Bureau à cilindre
Cabinet
Consola
Chaise longue
Pormenor de painel em laca chinesa
Cadeira Chippendale
Fauteuil
Frailero
Peças em estilo Hepplewhite
Klismos
Misericórdia
Cadeira Sheraton
Cabinet Tudor

A[editar | editar código-fonte]

  • Adam, estilo: estilo de mobiliário em Inglaterra no século XVIII.
  • Arca: caixa de grandes dimensões para diversos fins. Móvel base na Idade Média, que se transforma em assento, mesa, etc.
  • Arquibanco: desenvolve-se no gótico a partir da arca, e serve de assento para várias pessoas.
  • Athénienne: peça com três pés para diversas utilidades, por exempo, lavabo (bacia e jarro em porcelana).

B[editar | editar código-fonte]

  • Baldaquino: cobertura de uma cadeira ou trono assente em colunas ou preso à parede.
  • Bargueño: versão do cabinet no Renascimento espanhol, em que o corpo inferior pode ser em arcaria (pé-de-ponte), fechado com portas (taquillon) ou uma mesa.
  • Bergère en confessional: espécie de sofá com apoios laterais para a cabeça.
  • Bureau à cilindre: secretária com tampo arqueado.
  • Bonheur-du-jour: pequena secretária de senhora.
  • Borne: sofá circular para várias pessoas e encosto único elevado.
  • Bureau-plat: secretária de superfície plana (tampo rectangular).
  • Braganza foot: pé terminando em forma de pincel, usado nas cadeiras de sola e usado também em Inglaterra.
  • Bufete: mesa rectangular portuguêsa do século XVII, com bolachas sobrepostas nas pernas (torneados achatados) e gavetas a toda a volta (simuladas num dos lados).

C[editar | editar código-fonte]

  • Cabeceira: parte da cama para onde fica virada a cabeça.
  • Cabinet: móvel com gavetas, que surge no Renascimento, e assenta originalmente numa mesa. Evolui para móvel independente, em que a parte inferior, anteriormente a mesa, pode ser fechada ou aberta.
  • Cachaço: numa cadeira, a parte superior do espaldar.
  • Cadeira: móvel de assento.
  • Cadeira de sola: cadeira portuguêsa do século XVII, rígida e revestida a couro no espaldar e assento, preso com pregaria de latão. A testeira é decorada e os pés terminam em pincel (Braganza foot)
  • Cama de bilros: cama típica portuguêsa do século XVII, em que a cabeceira é decorada com torneados em espiral encimados por pequenas peças chamadas bilros.
  • Canapé: móvel longo para estender o corpo, com espaldar e braços.
  • Canterbury: estante movível do estilo regency, em Inglaterra, e que apresenta divisões verticais para colocar pautas de música.
  • Caquetoire: cadeira de espladar inclinado que surge em França durante o Renascimento.
  • Cariátide: coluna com figura feminina no lugar do fuste.
  • Cátedra: no gótico é o assento para as pessoas mais ilustres, que pode ser coberto por um baldaquino. É a cadeira episcopal no coro de uma catedral, ou a cadeira elevada a partir de onde alguém faz um discurso.
  • Chaise-longue: cadeira que surge nos finais do século XVII e que permite estender as pernas (podendo-se unir, para isso, 2 ou 3 assentos).
  • Chauffeuse: assento para colocar frente à lareira.
  • Chest of drawers: equivalente a cómoda, o termo surge em Inglaterra durante o estilo Queen Anne.
  • Chiffonier: cômoda estreita alta com mais ou menos 6 gavetas.
  • Chinoiserie: decoração imitando a estética chinesa.
  • Chippendale: estilo de mobiliário em Inglaterra no século XVIII criado por Thomas Chippendale.
  • Cintura: numa cadeira é a moldura que liga as pernas ao assento.
  • Coiffeuse: mesa com espelho que se pode baixar para servir de apoio à escrita.
  • Cómoda: Armário baixo com gavetas, que se tornou numa peça importante a partir do século XVIII.
  • Confident: dois sofás unidos lateralmente, mas em direcções opostas, onde os ocupantes podem falar de frente.
  • Console: espécie de mesa cortada a meio para encostar à parede.
  • Contador: versão do cabinet em Portugal no século XVII, em que as gavetas estão à vista. Exemplares de grande qualidade no estilo indo-português.
  • Copeiro: armário para guardar louça, onde o corpo superior apresenta prateleiras com balautrada para amparar as peças.
  • Credência: armário baixo com portas, que surge no Renascimento, e sobre o qual assenta um tampo mais largo.
  • Curule: banco da Roma Antiga com as pernas cruzadas em X.

D[editar | editar código-fonte]

E[editar | editar código-fonte]

  • Ebanisteria: originalmente refere-se ao acto de trabalhar o ébano, mas passou-se a aplicar a todo o tipo de marcenaria de alta qualidade, especialmente com folheados e marqueteria. Ebanista ou ébeniste, é o profissional da ebanisteria. Ver menuisier.
  • Espaldar: parte de uma cadeira, mais ou menos perpendicular ao chão, que serve de apoio às costas de quem se senta.
  • Estilo Nacional Lusitano: estilo de mobiliário desenvolvido em Portugal no século XVII com características próprias.

F[editar | editar código-fonte]

  • Faldistório: cadeira episcopal sem esplandar e pernas cruzadas, colocada ao lado do altar-mor numa igreja.
  • Fauteuil: com origem no faldistório, é um assento com espaldar e barços, muito desenvolvido no século XVIII.
  • Fauteuil à coiffer: assento com espaldar recortado em curva no topo para permitir apoiar o pescoço e facilitar o acto de pentear.
  • Fauteuil à la reine: assento de espaldar direito.
  • Fauteuil à médaillon: assento com espaldar oval (na vertical).
  • Fauteuil en cabriolet: assento de espladar côncavo.
  • Fauteuil cabinet: assento curvo para secretária masculina.
  • Fauteuil voltaire: apresenta nas costas uma curva anatómica.
  • Fiadores: ferros longos e finos que unem as pernas ao tampo, em mesas do Renascimento espanhol.
  • Frailero: cadeira de braços que se desenvolve no Renascimento espanhol, de estrutura rígida e com espaldar e assento cobertos por couro ou tecido preso com cravos metálicos. As travessas das pernas são baixas, junto ao chão, e a testeira é mais larga e decorada.

G[editar | editar código-fonte]

H[editar | editar código-fonte]

I[editar | editar código-fonte]

J[editar | editar código-fonte]

K[editar | editar código-fonte]

  • Klismos: cadeira da Grécia Antiga com espaldar em forma de banda horizontal larga e côncava. As pernas são curvas em forma de sabre, estreitando em direcção ao chão. Foi reutilizada a partir do estilo directório do século XVIII.

L[editar | editar código-fonte]

M[editar | editar código-fonte]

  • Manchette: estofo nos braços de uma cadeira.
  • D. Maria, estilo: estilo de mobiliário em Portugal no século XVIII.
  • Marqueteria: composição ornamental feita através de diferentes materias unidos como num puzzle ou mosaico. Atinge níveis de grande qualidade com Boule, nome relevante em França no século XVIII.
  • Menuisier: o que trabalha com a madeira maciça. Ver ebanisteria.
  • Méridienne: lit de repôs com cabeceiras a alturas diferentes e que resultam num espaldar em diagonal.
  • Mesa de cavalete: mesa em uso na Idade Média que consiste numa longa tábua de madeira assente em cavaletes, e que pode ser coberta por toalhas.
  • Misericórdia: num cadeiral no coro de uma igreja, é a extremidade esculpida do assento, que quando recolhido verticalmente, oferece ao clérigo a possibilidade de repouso em caso de longas permanências de pé.

N[editar | editar código-fonte]

O[editar | editar código-fonte]

P[editar | editar código-fonte]

  • Palmeta: ornamento em forma de folha estilizada, geralmente utilizada em bandas ou frisos.
  • Pé em bolacha: perna termiando em bola achatada.
  • Pé em garra e bola: perna que termina em garra de animal a agarrar uma bola.
  • Pembroke table: mesa do estilo regency, que deixa cair duas abas laterais para reduzir a sua dimensão quando necessário.
  • Poudreuse: mesa com espelho.
  • Preguiceiro: leito de repouso com 6 a 8 pernas e espaldar inclinado para trás.
  • Psyché: espelho rectangular que pode ser inclinado como se deseje, inserido em moldura movível.

Q[editar | editar código-fonte]

R[editar | editar código-fonte]

S[editar | editar código-fonte]

T[editar | editar código-fonte]

  • Tallboy: peça que nasce da sobreposição de duas Chest of drawers, que é composta por gavetas e tem tendência a estreitar de baixo para cima.
  • Testeira: numa cadeira é a travessa que une as pernas dianteiras, e que pode ser decorada.
  • Tremó: peça de aparato que consiste na união entre uma consola e um espelho.
  • Tudor, estilo: estilo de mobiliário em Inglaterra na entre finais do século XV e inícios do século XVII.

U[editar | editar código-fonte]

V[editar | editar código-fonte]

  • Vitoriano, estilo: estilo de mobiliário em Inglaterra no século XIX.
  • Voyelle ou voyeuse : cadeira sem braços onde se pode sentar “ao contrário” apoiando os braços no cachaço da cadeira, enquanto se vê jogar.

W[editar | editar código-fonte]

  • What-not: móvel do estilo regency, composto por prateleiras unidas através de finos perfis, e que é colocado entre duas janelas.
  • William & Mary, estilo: estilo de mobiliário em Inglaterra no século XVII.

X[editar | editar código-fonte]

Y[editar | editar código-fonte]

Z[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • CALADO, Margarida, PAIS DA SILVA, Jorge Henrique, Dicionário de Termos da Arte e Arquitectura, Editorial Presença, Lisboa, 2005, ISBN 20130007
  • DEWIEL, Lydia L., Stühle und andere Sitzmöbel, Wilhelm Hezne verlag, Munique, 1982, ISBN 3453414942
  • DOLZ, Renate, Möbel Stilkunde, Wilhelm Heyne Verlag, Munique, 1997, ISBN 3453130464
Ícone de esboço Este anexo sobre arquitetura é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.