Tigranes V

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Tigranes V da Arménia foi um rei da Arménia, não dinástico e descendente de Herodes, o Grande.

Família[editar | editar código-fonte]

Ele era filho de Alexandre e seu avô materno era Arquelau, rei da Capadócia.[1] O nome da sua mãe era Glafira,[1] e ela teve três filhos com Alexandre, filho de Herodes;[2] posteriormente, ela se casou com Juba II, rei da Líbia,[3] e com Arquelau, outro filho de Herodes.[2] Alexandre, seu pai, era filho de Herodes, o Grande e Mariana.[carece de fontes?] Ele tinha um irmão de nome Alexandre, e, através deste irmão, um sobrinho de nome Tigranes.[1]

Precedentes: a situação da Armênia[editar | editar código-fonte]

Segundo o historiador arménio Vahan M. Kurkjian (1863 - 1961),[Nota 1] ele foi rei no final da dinastia Artaxíada.[4]

A Arménia estava sob influência romana: dos seus antecessores,[4] Tigranes III foi colocado no trono pelo general de Augusto, o futuro imperador Tibério;[5] [4] Tigranes IV, casado com sua meio-irmã Erato da Arménia e filho de Tigranes III,[4] foi deposto por Augusto e substituído por seu primo Artavasdes III;[4] após um período de desordem civil, Caio César, afilhado e herdeiro de Augusto, colocou o meda Ariobarzanes como rei;[4] Ariobarzanes era rei da Média Atropatene, e filho de Artabazo.[5] Após a morte deste por acidente,[4] Augusto indicou seu filho, Artavasdes IV como rei.[5] [4]

Reinado[editar | editar código-fonte]

Houve oposição local à dinastia de medos, e Artavazdes IV foi assassinado.[5] [4] Augusto então indicou como rei Tigranes V, descendente da linhagem real.[5] [4]

Sucessores[editar | editar código-fonte]

Os nobres, porém, chamaram a rainha Erato (seu marido e irmão, Tigranes IV, havia sido morto, depois de deposto, durante a guerra civil), mas seu reinado foi curto.[4] Este foi o fim da dinastia Artaxíada de Artaxias I e Tigranes.[4]

Findo o seu reinado deu-se início ao período de governo dividido entre os Romanos e os Partas, na pessoa de Ariobarzanes de Atropatene.

A Arménia permaneceu sem reis até 16 d.C.,[4] quando passou a reinar Artaxias III, nascido Zenão, filho da rainha Pitidoris do Ponto, cujo marido, Polemão, era um leal vassado de Roma.[6]

Seu sobrinho, Tigranes VI, foi colocado no trono da Arménia por Nero.[1]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas e referências

Notas

  1. O texto de Vahan M. Kurkjian está em domínio público.

Referências

  1. a b c d Flávio Josefo, Antiguidades Judaicas, Livro XVIII, Capítulo 5, Herodes, o Tetrarca, guerreia contra Aretas, rei da Arábia, e é derrotado por ele. Sobre a morte de João Batista. Como Vitélio foi a Jerusalém. Um relato de Agripa e os descendentes de Herodes, 4 [em linha]
  2. a b Flávio Josefo, Antiguidades Judaicas, Livro XVII, Capítulo 13 Como Arquelau, após uma segunda acusação, foi banido para Roma, 1 [em linha]
  3. Flávio Josefo, As Guerras dos Judeus, Livro II, Capítulo 7 A história do Alexandre espúrio. Arquelau é banido e Glafira morre, após o que seria feito deles é mostrado em sonho, 4
  4. a b c d e f g h i j k l m Vahan M. Kurkjian, History of Armenia, Capítulo 14, Artavazd - Os últimos Tigranes [em linha]
  5. a b c d e Augusto, Res Gestae Divi Augusti, 27 [em linha]
  6. Vahan M. Kurkjian, History of Armenia, Capítulo 15, Rivalidade entre a Pártia e Roma [em linha]
Ícone de esboço Este artigo sobre reis de um dos reinos da Arménia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.