Voo TWA 800

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde março de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Vôo TWA 800
Reconstrução da fuselagem do TWA 800
Sumário
Data 17 de julho de 1996
Causa Explosão causada pelo combustível volátil
Local Estados Unidos Oceano Atlântico, perto de East Moriches, NY, EUA
Coordenadas 40° 39' 1" N 72° 38' O
Origem Aeroporto Internacional John F. Kennedy, EUA
Destino Aeroporto Leonardo da Vinci, Roma, Itália com escala no Aeroporto Internacional Charles de Gaulle, França
Passageiros 212
Tripulantes 18
Mortos 230
Sobreviventes nenhum
Aeronave
Modelo Boeing 747-131
Operador Estados Unidos Trans World Airlines
Prefixo N93119
Primeiro voo 1971

O TWA 800 foi um voo que caiu em 1996 perto da costa de Nova Iorque, EUA, devido a uma explosão causada pelo combustível volátil.

Relato[editar | editar código-fonte]

No dia 17 de julho de 1996, um dia quente de verão, um Boeing 747 da TWA embarcou 230 passageiros, no Aeroporto JFK em Nova York. Antes da decolagem, o avião havia permanecido na pista durante uma hora e meia, fazendo com que o combustível tornasse-se volátil. Uma briga causada por 2 jovens obrigou a TWA a retirar 6 pessoas da aeronave. Um dos jovens apresentava sinais de que havia usado drogas. O avião decolou, uma decolagem tranquila e rotineira. Porém doze minutos após o avião sumiu do radar dos controladores de tráfego aéreo. Testemunhas de outras aeronaves próximas afirmam terem visto duas bolas de fogo na costa de Long Island. Horas depois a fuselagem destruída de uma aeronave foi encontrada boiando no mar.

Ocorrido[editar | editar código-fonte]

Depois de algumas horas a notícia da queda do voo da 800 da TWA fora confirmada. A imprensa já divulgava imagens dos destroços do avião em alto mar, nos noticiários ao vivo. Doze minutos após a decolagem, foi verificado que a cabine se partiu, dividindo o avião em duas partes.

O cockpit mergulhou "de cabeça" em direção ao mar. Já a cabine de passageiros, com os motores ainda em funcionamento, subiu até uma altitude elevada e depois perdeu a força e mergulhou em direção ao mar. Todos os 230 passageiros morreram.

Investigação[editar | editar código-fonte]

As investigações da NTSB (National Transpostation Safety Board) indicam que a causa provável do acidente do vôo 800 da TWA foi uma explosão no depósito central provocada pela combustão de uma mistura de ar aquecido e querosene. O combustível se aqueceu, tornando-se instável e volátil. Uma pequena faísca de 75mJ foi responsável pela explosão do avião, contudo o que causou a faísca nunca foi provado, pois o avião ainda era considerado bom, e com boa manutenção. Há também duas outras hipóteses para a queda: A primeira foi de que um navio da marinha americana estava fazendo exercícios militares e teria disparado um míssil no exato momento em que o avião sobrevoava a área dos exercícios. Este míssil teria então atingido o avião provocando a sua queda. Contudo, a tripulação do navio nega que tenha feito qualquer disparo. A outra hipótese, e esta as autoridades americanas não querem aceitar, seria um ato de terrorismo.

Solução[editar | editar código-fonte]

Dez anos depois do acidente, foram cobradas medidas sérias para evitar outros acidentes. Porém, não há registros de acidentes similares anteriores a este, o que o torna um problema de difícil solução. Depois desse acidente tornou-se obrigatória a colocação de um gás não inflamável quando não há combustível nos tanques para evitar o superaquecimento e uma possível explosão.

Ícone de esboço Este artigo sobre aviação, integrado ao Projeto Aviação, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.