Voo TWA 800

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde agosto de 2014). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
Vôo TWA 800
Reconstrução da fuselagem do TWA 800
Sumário
Data 17 de julho de 1996
Causa Explosão no tanque de combustível
Local Estados Unidos Oceano Atlântico, perto das Ilhas Moriches, NY, EUA
Coordenadas 40° 39' 1" N 72° 38' O
Origem Aeroporto Internacional John F. Kennedy, EUA
Destino Aeroporto Leonardo da Vinci, Roma, Itália com escala no Aeroporto Internacional Charles de Gaulle, França
Passageiros 212
Tripulantes 18
Mortos 230
Sobreviventes nenhum
Aeronave
Modelo Boeing 747-131
Operador Estados Unidos Trans World Airlines
Prefixo N93119
Primeiro voo 18 de agosto de 1971

O Voo TWA 800 foi uma rota aérea regular e internacional entre Nova Iorque, EUA e Paris, França, operada pela extinta companhia aérea Trans World Airlines.

Na noite de 17 de julho de 1996, a aeronave que realizava esta rota se precipitou no Oceano Atlântico perto das Ilhas Moriches, na costa do Estado de Nova Iorque, doze minutos depois de decolar do Aeroporto Internacional John F. Kennedy, causando a morte de todos os seus 230 ocupantes.

O relatório final, divulgado quatro anos depois do acidente pela NTSB, concluiu que a causa provável do acidente foi uma explosão dentro de um dos tanques de combustível.[1]

Investigações[editar | editar código-fonte]

Aeronave[editar | editar código-fonte]

A aeronave envolvida neste acidente era um modelo Boeing 747-131, prefixo N93119, nº de série 20083. Fabricada em julho de 1971, seu primeiro voo foi em 18 de agosto de 1971. Havia sido adquirida nova pela TWA e certificada para operação em 27 de outubro de 1971.[2] De acordo com registros da TWA, estava com 93 303 horas de voo e era equipada com quatro motores Pratt & Whitney JT9D-7AH turbofan.[3] [4]

De acordo com a TWA, a aeronave tinha um peso de decolagem calculado de 590 441 lb (268 000 kg), sendo 176 600 lb (80 100 kg) de combustível. O peso máximo de decolagem especificado para este modelo é de 734 000 lb (333 000 kg). Estava portanto com cerca de 80% do peso máximo de decolagem. Os registros de despacho da TWA indicaram que havia 29 passageiros na primeira classe, 183 passageiros na classe econômica, além de 18 tripulantes a bordo do avião, totalizando 230 pessoas. Sendo a capacidade máxima da aeronave de 430 passageiros, sua ocupação era de aproximadamente 50%.[5]

Tripulação e passageiros[editar | editar código-fonte]

Pessoas a bordo por nacionalidade
Nacionalidade
França Francesa 36
Itália Italiana 9
Costa do Marfim Costa-marfinense 1
Noruega Norueguesa 2
Espanha Espanhola 1
Suécia Sueca 1
Estados Unidos Norte-americana [6] 171
Não conhecida 9
Total 230

A tripulação era composta por dois pilotos, dois engenheiros de voo e quatorze comissários de bordo, todos norte-americanos. As investigações não encontraram nenhuma anormalidade quanto à formação e regime de trabalho da tripulação.[7]

Estavam na aeronave 212 passageiros de pelo menos sete nacionalidades diferentes. Nove passageiros não tiveram suas nacionalidades identificadas.[8]

Causas[editar | editar código-fonte]

O relatório final, divulgado em agosto de 2000 pela NTSB, concluiu que a causa provável do acidente foi uma explosão dentro do tanque de combustível central da asa direita. Esta explosão foi provocada por uma centelha elétrica, cuja fonte não pode ser determinada com certeza. O relatório concluiu que o mais provável é que tenha ocorrido um curto-circuito externo ao tanque, provocando uma tensão elétrica excessiva na fiação do circuito do sistema de indicação da quantidade de combustível. O relatório concluiu também que o incidente foi provocado por falhas de segurança envolvendo o projeto obsoleto e idade da aeronave, bem como pelos seus padrões de certificação e manutenção ultrapassados.[9]

Medidas preventivas[editar | editar código-fonte]

Dez anos depois do acidente, foram cobradas medidas sérias para evitar outros acidentes. Porém, não há registros de acidentes similares anteriores a este, o que o torna um problema de difícil solução. Depois desse acidente tornou-se obrigatória a colocação de um gás não inflamável quando não há combustível nos tanques para evitar o superaquecimento e uma possível explosão.[carece de fontes?]

Ícone de esboço Este artigo sobre aviação, integrado ao Projeto Aviação, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Aircraft Accident Report TWA 800 (em inglês) NTSB (23 de agosto de 2000).
  2. N93119 Trans World Airlines (TWA) Boeing 747-131 - cn 20083 / ln 153 (em inglês) Planespotters.
  3. JT9D Engine (em inglês) Pratt & Whitney.
  4. Relatório final, Seção 1.6, pág. 6
  5. Relatório final, Seção 1.6, págs. 6 e 7
  6. Incluindo os dezoito tripulantes
  7. Relatório final, Seção 1.1, pág. 1 e Seção 1.5, pág. 4
  8. Passenger List: TWA Flight 800 (em inglês) The Washington Post.
  9. Relatório final, Resumo, pág. xvi