Voo sub-orbital

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou secção está a ser traduzido (desde novembro de 2012). Ajude e colabore com a tradução.
Voos sub-orbitais tripulados
Nome Estreia Voos
Projeto Mercury 1961 2
X-15 1962 13
(Soyuz 18a) 1975 1
SpaceShipOne 2004 3

Um voo sub-orbital é um voo espacial em que a nave atinge o espaço, mas a sua trajectória cruza a atmosfera ou superfície do corpo gravitacional do qual foi lançado, de modo que não efectue uma revolução orbital completa.

Se levarmos em consideração o planeta Terra, um voo espacial sub-orbital atinge uma altitude superior a 100 km acima do nível do mar. Esta altitude, conhecida como linha Kármán, foi escolhida pela Federação Aeronáutica Internacional porque é aproximadamente o ponto em que um veículo em voo, mantém esse voo sustentado na atmosfera da Terra mas voa mais rápido que a velocidade orbital.[1]

Alguns voos sub-orbitais, foram usados para testar espaçonaves e veículos lançadores, para futuros voos orbitais. Outros veículos foram especificamente projetados para voos sub-orbitais. Alguns exemplos incluem veículos tripulados, como: o North American X-15 e o SpaceShipOne, e também veículos não tripulados, como: ICBMs em geral e foguetes de sondagem.

Um avião X-15 em voo.

Voos sub-orbitais, são diferentes de voos que chegam a orbitar mas que usam retrofoguetes para sair de órbita antes de concluir uma órbita completa. Assim sendo, o sistema FOBS, por exemplo, não pode ser considerado como voo sub-orbital, e sim um voo em LEO.

Em geral foguetes são usados, mas voos sub-orbitais já foram obtidos a partir de "canhões espaciais".[2]

Referências

  1. Dr. S. Sanz Fernández de Córdoba. 100 km. Altitude Boundary For Astronautics Fédération Aéronautique Internationale. Página visitada em 29 de novembro de 2012.
  2. Martlet Encyclopedia Astronautica.


Ícone de esboço Este artigo sobre exploração espacial é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.