Xaxim

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaSamambaiaçu
Xaxim

Xaxim
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Pteridophyta
Classe: Pteridopsida
Ordem: Cyatheales
Família: Dicksoniaceae
Género: Dicksonia
Espécie: D. sellowiana
Nome binomial
Dicksonia sellowiana

O termo xaxim pode se referir a certas pteridófitas (avencas ou samambaias) arborescentes, ou ainda, ao tronco destas, o qual pode ser serrado em pequenos segmentos e usado de vaso para outras plantas. A espécie mais conhecida destas plantas é a Dicksonia sellowiana, da família das dicksoniáceas, nativa da Mata Atlântica e América Central (especialmente dos estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, no Brasil). O xaxim também é conhecido pelos nomes de samambaiaçu, sambambaiaçu[1] e samambaiaçu-imperial.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

"Samambaiaçu" e "sambambaiaçu" são termos originários da língua tupi: significam "samambaia grande".[2]

Descrição[editar | editar código-fonte]

O "tronco" (cáudice) é constituído por um caule ereto, cilíndrico, envolvido e sustentado por uma massa de raízes adventícias (que se desenvolvem a partir do caule e não da raiz embrionária), a qual é usada de suporte para o cultivo de outras plantas. Possui frondes bipenadas de até 2 metros. Devido à extração desenfreada do cáudice, a espécie está ameaçada de extinção e sua extração está proibida em todo o Brasil. O xaxim é uma planta do grupo das pteridófitas, assim como as avencas, cavalinhas e a samambaia.

Influência na toponímia brasileira[editar | editar código-fonte]

A cidade catarinense de Xaxim recebeu esse nome em homenagem à planta.

Dicksonia sellowiana em uma floresta na Região sul do Brasil
Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Xaxim

Referências

  1. FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário da língua portuguesa. 2ª edição. Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986. p. 1 543.
  2. FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário da língua portuguesa. 2ª edição. Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986. p. 1 543.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]