Pteridopsida

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaPteridopsida ~ Polypodiopsida
Fetos (Dicksonia antarctica)

Fetos (Dicksonia antarctica)
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Pteridophyta
Classe: Pteridopsida/Polypodiopsida
Ordens

Pteridopsida é uma classe de plantas na divisão Pteridophyta, (ela é uma linda samambaia) e que inclui todos os fetos leptosporangiados. Na recente classificação de 2006 por Smith et al., a classe foi renomeada de Polypodiopsida. Esta recente classificação de Monilophyta é baseada em múltiplos estudos moleculares publicados desde 1994 e que clarificaram alguma da confusão existente na classificação dos fetos actuais.Polypodiopsida é uma das quatro classes de Monilophyta (uma infradivisão, não reconhecida pelo Código Internacional de Nomenclatura Botânica), sendo as outras Marattiopsida, Equisetopsida, e Psilotopsida.

Classificação[editar | editar código-fonte]

Segue-se o esquema de classificação proposto por Smith et al.(nomes alternativos entre parênteses):

Discussão da Classificação Molecular[editar | editar código-fonte]

Tem havido alguma contestação aos recentes estudos moleculares, surgindo algumas reivindicações de que estes mostram uma vista distorcida e incompleta da ordem filogenética dos fetos, uma vez que os estudos não têm em consideração os representantes fósseis[1] .

No entanto, os estudos moleculares clarificaram relações entre famílias que se julgava serem não-monofiléticas antes do advento da informação molecular, e que foram mantidas em posições não-monofiléticas devido à falta de suficiente informação que permitisse fazer outra coisa[2] .

A reclassificação dos fetos através da utilização de múltiplos estudos moleculares, que geralmente se suportam mutuamente, não é diferente das classificações do passado, é simplesmente a definição das relações utilizando para tal toda a informação disponível. Não desencoraja o estudo mais aprofundado e a clarificação de grupos, e não significa que se, porventura, estudos posteriores provarem que a classificação está errada, esta não será aletrada.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Rothwell, G. W. and K. C. Nixon (2006). "How does the inclusion of fossil data change our conclusions about the phylogenetic history of euphyllophytes." Int. J. Plant Sci 167(3): 737-749
  2. Kramer, K. U. (1990). Notes on the Higher Level Classification of the Recent Ferns. The Families and Genera of Vascular Plants: Pteridophytes and Gymnosperms. K. Kubitzki, K. U. Kramer and P. S. Green. New York, Springer-Verlag. 1: 49-52