Óscar Diego Gestido

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Óscar Diego Gestido Pose
32.º Presidente do Uruguai
Período 1 de março de 1967 - 6 de dezembro de 1967
Antecessor Alberto Héber Usher
Sucessor Jorge Pacheco Areco
Dados pessoais
Nascimento 28 de novembro de 1901
Montevidéu, Uruguai
Morte 6 de dezembro de 1967 (66 anos)
Montevidéu, Uruguai
Primeira-dama Elisa de los Campos de Gestido
Partido Partido Colorado
Profissão militar e político

Óscar Diego Gestido Pose (Montevidéu, 28 de novembro de 19016 de dezembro de 1967) foi um político e militar uruguaio, que serviu como presidente de seu país de 1 de março de 1967 até a sua morte, em 6 de dezembro do mesmo ano. Foi sucedido por seu vice, Jorge Pacheco Areco.

Seu irmão Álvaro Gestido foi o lateral-esquerdo titular da Seleção Uruguaia de Futebol campeã da Copa do Mundo FIFA de 1930. Óscar era descrito como mais talentoso no esporte, mas priorizou a carreira militar, também desenvolvida pelo irmão.[1]

Carreira militar[editar | editar código-fonte]

Ingressou na Escola Militar em 1917, na qual se graduou como alferes da artilharia em 1921. Dali, ingressou na Escola Militar de Aviação. Em 1925 tornou-se instrutor de voo. Em 1926 realizou um voo solo de Montevidéu a Asunción de ida e volta num biplano italiano SVA-10, durante comemorações cívicas no Paraguai.

Em 1932 tornou-se adido militar do Uruguai na França. Em 1934 atingiu o posto de major da aeronáutica. Em 1936 foi designado o primeiro diretor da Escola Militar de Aeronáutica. No ano seguinte, tornou-se diretor geral de aeronáutica militar e, em 1942, atingiu o posto de coronel.

Em 1946 tornou-se diretor da empresa aérea Pluna, permanecendo até o final do ano. Em 1951, quando a empresa sofreu intervenção, foi nomeado interventor.

Em 1949 atingiu o posto de general.

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Em 1957, já reformado como militar, foi nomeado interventor na Administração de Ferrovias do Estado (AFE), cargo que ocupou até 1959, quando foi nomeado presidente da Comissão Nacional Pró-Ajuda aos atingidos pelas inundações de abril daquele ano [2][3]. Em 1963 fez parte do Conselho Nacional de Governo, para o período 1963-1966, cargo do qual se afastou para concorrer à presidência, sendo eleito em 1966.

Assumiu a presidência em 1967 quando o país sofria grave crise, com inflação elevada e greves. Gestido foi o primeiro presidente eleito após a constituição uruguaia de 1966, algo que trouxe grandes esperanças com relação a seu governo. Entretanto estas se esvaíram quando, para conter a crise, promoveu a desvalorização do peso e impôs lei marcial para controlar os intercâmbios financeiros.

Ao adotar esta lei, cinco ministros abandonaram seus cargos. A saída de um deles provocou tal cólera em Gestido que este desafiou o ex-ministro para um duelo que não chegou a concretizar-se. As medidas não remediaram a situação econômica do país, e antes que terminasse seu primeiro ano de mandato, faleceu devido a ataque cardíaco.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. BASSORELLI, Gerardo (2012). Álvaro Gestido. Héroes de Peñarol. Montevidéu: Editorial Fin de Siglo, pp. 189-190
  2. «Fuerza Aérea Uruguaya - Biografía del General (Piloto Aviador Militar) Oscar Diego Gestido». Consultado em 24 de outubro de 2008. Arquivado do original em 15 de setembro de 2008 
  3. «Ley N° 12.710 Comisión Nacional de Ayuda a los Damnificados». Consultado em 24 de outubro de 2008. Arquivado do original em 4 de março de 2016 
Precedido por
Alberto Héber Usher
Presidente do Uruguai
1967
Sucedido por
Jorge Pacheco Areco