A Dança da Morte

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
The Stand
A Dança da Morte
A Dança da Morte (BR)
Autor (es) Stephen King
Idioma Inglês
País  Estados Unidos
Género Terror
Editora Doubleday
Lançamento setembro de 1978
Páginas 823
Cronologia
Último
Último
O Iluminado
The Dead Zone
Próximo
Próximo

A Dança da Morte (original: The Stand) é um romance do escritor norte-americano Stephen King, publicado originalmente em 1978. Recebeu uma edição expandida (The Stand: The Complete & Uncut Edition) em 1990, e uma adaptação para a televisão em forma de minissérie em 1994, pela rede norte-americada ABC.


O romance segue o gênero pós-apocalíptico, retratando um mundo devastado por uma grande peste durante a década de 1980 (ou seja, em um futuro próximo, considerada a época do lançamento do livro).

O Livro[editar | editar código-fonte]

O romance está estruturado em 3 partes distintas, em sequência cronológica, cada uma desenvolvendo uma etapa específica da história.

O Capitão Viajante (Captain Trips)[editar | editar código-fonte]

A peste (supergripe, gripe azul ou capitão viajante) alastra-se pelo mundo, matando em pouco tempo a quase totalidade da população mundial. Os poucos sobreviventes começam a unir-se uns aos outros até formar 2 grandes grupos: o primeiro, guiado espiritualmente por Mãe Abagail, e o segundo, sob uma obscura influência de Randall Flagg.

Na Fronteira (In The Border)[editar | editar código-fonte]

Os seguidores de Abagail instalam-se em Boulder, no Colorado, onde começam a reconstruir a sociedade como eles a conheciam. Em Las Vegas, os seguidores de Flagg implementam uma autocracia orientada para a busca de poder bélico e fortemente centrada no próprio Flagg. A posição de ambas cidades uma em relação à outra, separadas quase que apenas pelas Rochosas, denuncia a condição de antagonismo que seus respectivos líderes já previam.

O Confronto (The Stand)[editar | editar código-fonte]

A coexistência entre as duas sociedades torna-se impossível após um ataque à sede do comitê da Zona Livre revelar-se manipulado indiretamente pelo próprio Flagg. Finalmente, os membros sobreviventes do comitê resolvem confrontar-se com Randall Flagg, dirigindo-se até Las Vegas, munidos apenas de sua própria fé.

Personagens[editar | editar código-fonte]

O principal vilão do romance é o tradicional personagem de King, Randall Flagg, o qual aparece em outros romances do autor, por vezes com outros nomes, como Walter das Sombras na série A Torre Negra. Aqui, ele é apresentado como uma espécie de demônio, um representante das trevas dotado de poderes obscuros que tem por objetivo dominar o novo mundo que surge a partir da reconstrução. Reúne seus seguidores em Las Vegas, onde prepara-se para atacar militarmente os refugiados em Boulder, os quais considera seus rivais.

O contraponto a Flagg é dado pela personagem de Mãe Abagail, apesar de, no decorrer da história, sua participação mostrar-se reduzida. Sua principal contribuição é servir de guia espiritual aos partidários das forças do bem, os quais reúne em Boulder, para a fundação de uma nova sociedade, batizada por eles Zona Livre de Boulder. O papel de protagonistas acaba sendo dividido por diversos personagens, os membros do comitê da Zona Livre, que tomam para si a responsabilidade de liderar a nova comunidade na reconstrução de seu mundo e de resistir à ameaça representada pelos seguidores de Flagg. Os principais membros do comitê são Stuart Redman, Frances Goldschmidt, Glenn Bateman e Larry Underwood.

Referências em Outras Obras[editar | editar código-fonte]

O mundo pós-apocalíptico de The Stand aparece também no livro A Torre Negra: Mago e Vidro, o volume 4 da série A Torre Negra. É apresentado como uma realidade paralela dentre diversas outras possíveis no mesmo espaço e tempo.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]