Abambres

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para a aldeia da freguesia de Mateus, veja Abambres (Mateus).
Portugal Portugal Abambres 
  Freguesia  
Localização
Abambres está localizado em: Portugal Continental
Abambres
Localização de Abambres em Portugal
Coordenadas 41° 33' 23" N 7° 11' O
Concelho MDL1.png Mirandela
Administração
Tipo Junta de freguesia
Presidente José Eduardo Evaristo Cabanas
Características geográficas
Área total 18,68 km²
População total (2011) 347 hab.
Densidade 18,6 hab./km²
Código postal 5370-010
Outras informações
Orago São Tome

Abambres é uma freguesia portuguesa do concelho de Mirandela, distrito de Bragança, com 18,68 km² de área e 347 habitantes (2011). Dista 10km da sede de concelho. Foi vigararia do bispado de Miranda.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Abambres era, em 1747, um lugar do termo da vila de Mirandela, da qual ficava distante uma légua para o Norte. No secular estava subordinada à Comarca da Torre de Moncorvo, e no eclesiástico ao Arciprestado de Mirandela, Bispado de Miranda do Douro, pertencendo à Província de Trás-os-Montes. Era esta terra dos Marqueses de Távora, e tinha 37 vizinhos, dos quais eram então, e constava por tradição serem sempre, quase a metade mulheres viúvas. Eram anexas à freguesia quatro aldeias, a que nesta província chamavam Quintas, a saber: Val de Juncal, Valongo, Val de Martinho e Cotas. E com os moradores destas Quintas, que todos vinham à missa a esta igreja e lugar de Abambres, compunha-se a freguesia de 111 vizinhos. Estava situado este lugar em sítio baixo, cercado pelo Sul, Ocidente e Norte de outeiros levantados, e pelo Oriente, pouco afastado, a lavava o rio Tua, a que outros dão o nome de Tuela.

A igreja paroquial, dedicada a São Tomé Apóstolo, estava fundada fora do lugar contra o Norte em sítio levantado, entre o qual e o lugar se mete um ribeiro que, pelo tempo de Inverno, não dava passagem. Era esta igreja de uma só nave com sua capela-mor de forma quadrada, cujas paredes, como também as do corpo da igreja, eram todas de cantaria lavrada. Constava de quatro altares, o maior com sua tribuna, na qual se via colocada a imagem de São Tomé, orago da casa; e dois colaterais, um da parte de Evangelho, dedicado a Nossa Senhora do Rosário, e outro da parte da Epístola, de São Sebastião. No corpo da igreja desta mesma parte da Epístola, havia outro altar de Cristo Crucificado.

Havia neste Povo duas ermidas, e ambas dentro dele; a do Santíssimo Sacramento onde se guardava o Senhor: além do maior tinha um altar colateral da parte do Evangelho, dedicado às Almas Santas, e andava-se com o cuidado de fazer outro a este correspondente da outra banda, dedicado a São Caetano, cuja perfeitíssima imagem se venerava já nesta ermida. A outra ermida era de São Miguel, moderna; mas já nela se dizia missa: estava contígua com as casas de Maria Pinheira viúva, e era por ela administrada. Foi seu instituidor o Padre José Pinheiro. Outras ermidas havia mais nesta freguesia, porém como estavam fundadas nas aldeias ou Quintas, aí se dará notícia delas. O pároco era vigário da apresentação dos Bispos de Miranda alternativamente com Sua Santidade: Tinha de renda 20.500 reis em dinheiro, 42 alqueires de trigo, 14 almudes de vinho em mosto, ou 12 de vinho já limpo, tudo pago à custa da Comenda. Tinha suas casas de residência e algumas terras de passal mui limitadas. Havia mais um coadjutor amovível ad nutum, cuja apresentação era in solidum do vigário com aprovação do provisor do bispado; tinha este de côngrua anual 6000 reis em dinheiro, e 25 alqueires de trigo.

Os fritos que os moradores desta terra costumavam recolher em maior abundância eram trigo, centeio, azeite, algum milho e vinho. Governava-se por um juiz pedâneo, que usava de vara vermelha, eleito a votos do Povo, e metido pelo Senado da Câmara da vila de Mirandela, a cujo governo estava sujeito.

No dia de São Tomé, 21 de Dezembro, de tempo imemorial se costumava fazer neste lugar, pegado à igreja do mesmo santo, uma feira, que durava somente um dia; e há tradição que, enquanto foi franca, acudiam a ela muitos mercadores, e todo o género de mercancias; porém, como o meirinho do Arciprestado de Mirandela, com ordem e favor do meirinho geral da cidade de Miranda, entrou a cobrar 50 reis de cada pessoa que na mesma feira se achasse sentada vendendo alguma coisa, pelo discurso do tempo se foi minorando de forte, que então era uma pequena romagem.[2]

População[editar | editar código-fonte]

População da freguesia de Abambres [3]
1864 1878 1890 1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
366 472 852 393 533 493 545 674 762 713 399 428 425 396 347

No ano de 1890 tinha anexada a freguesia de Cabanelas

Património[editar | editar código-fonte]

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre freguesias portuguesas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.