Adelir Antônio de Carli

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Adelir Antônio de Carli
Presbítero da Igreja Católica
Atividade eclesiástica
Diocese Diocese de Paranaguá
Serviço pastoral Paróquia São Cristóvão
Mandato 2004 - 2008
Ordenação e nomeação
Ordenação presbiteral agosto de 2003
Paranaguá, Paraná, Brasil
por Dom Frei João Alves dos Santos, OFMCap
Dados pessoais
Nascimento Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil
8 de fevereiro de 1967
Morte Oceano Atlântico
20 de abril de 2008 (41 anos)
Nacionalidade  Brasil
Categoria:Igreja Católica
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo

Adelir Antônio de Carli, conhecido como Padre do Balão (Pelotas, Rio Grande do Sul, 8 de fevereiro de 1967Oceano Atlântico, 20 de abril de 2008), foi um sacerdote católico brasileiro e ativista pelos direitos humanos, falecido após um acidente durante um voo que realizava amarrado a balões cheios de gás hélio. Carli, um paraquedista experiente, fez o exercício com o objetivo de arrecadar dinheiro para financiar uma área de descanso espiritual para caminhoneiros na cidade portuária de Paranaguá, no estado do Paraná.[1]

Ativismo pelos direitos humanos[editar | editar código-fonte]

Em 2006, como padre na diocese de Paranaguá, ficou conhecido ao denunciar a violação dos direitos humanos contra moradores de rua, torturados por agentes da segurança pública desta cidade.[2][3][4][5][6] Tais denúncias resultaram na prisão de quatro guardas municipais e do secretário municipal de segurança pública,[7] enquanto que outros três guardas ficaram foragidos.[8]

Voos com balões de gás[editar | editar código-fonte]

Mapa que mostra o caminho do voo de balão de Adelir de Carli. No ponto vermelho, o local de partida. Na linha vermelha, o trajeto esperado do voo. No triângulo vermelho, o local onde foi feito o último contato por rádio. Na cruz vermelha, o local onde o corpo foi encontrado.

Tentativas anteriores de voos com balões[editar | editar código-fonte]

O objetivo do sacerdote era quebrar o recorde de voo de 19 horas em balões de gás hélio e alcançar um novo recorde mundial. Sua primeira tentativa foi em 13 de janeiro de 2008, durante a qual Adelir completou com sucesso um voo de quatro horas da cidade de Ampére, no estado do Paraná, até San Antonio, na província de Misiones, Argentina, percorrendo uma distância total de 25 quilômetros.[9][10] Usando 600 balões, o sacerdote voou a uma altitude de 5.300 metros.[10]

Tentativa, desaparecimento e morte[editar | editar código-fonte]

Em 20 de abril de 2008, após decolar em uma cadeira presa a 1.000 balões, Adelir conseguiu atingir uma altitude de 6.000 metros antes de perder o contato com as autoridades. As condições climáticas desfavoráveis e a falta de planejamento técnico para o voo desviaram a sua rota e o levaram à costa do estado de Santa Catarina.

O equipamento de voo de Carli incluía um paraquedas, capacete, roupas impermeáveis, dispositivo GPS, telefone celular, telefone por satélite, coletes salva-vidas, traje de vôo térmico de alumínio e pelo menos cinco dias de alimentação e água potável. Seu treinamento para a proeza incluiu cursos de sobrevivência na selva e alpinismo, mas aparentemente não incluiu instruções sobre o uso de seu dispositivo de navegação GPS. No dia 20 de abril, o último contato do padre com a Polícia Militar aconteceu durante a noite, quando ele estava a cerca de 25 quilômetros do município de São Francisco do Sul, em Santa Catarina. O padre ligou de seu celular para pedir ajuda para operar o seu aparelho de GPS e determinar suas coordenadas e para pedir que entrassem em contato com as autoridades. Ele também informou que a bateria de seu celular estava acabando. Dois dias após o voo, um comandante do Corpo de Bombeiros de Penha (SC) avaliou em 80% as chances do padre desaparecido ainda estar vivo.[10]

A Marinha e a Aeronáutica realizaram as buscas no litoral de Santa Catarina, tendo encontrado apenas pedaços de alguns dos balões do padre.[11][12] A Aeronáutica oficialmente encerrou as buscas depois de mais de 72 horas.[13] A procura prosseguiu sendo feita pela Marinha, pelos bombeiros e por um avião particular alugado pela família.[14] No dia 29 de maio, a Marinha também desistiu das buscas, alegando que as chances de encontrar o padre ainda vivo no oceano eram "muito remotas".[15]

Em 4 de julho de 2008, a metade inferior de seu corpo foi encontrada pelo navio rebocador Anna Gabriela, que prestava serviços a Petrobras. O corpo do padre estava flutuando em alto mar, a cerca de 100 km do município de Macaé, no litoral do Rio de Janeiro, e foi inicialmente identificado pelas roupas.[16] Em 29 de julho de 2008, testes de DNA feitos pelo Instituto Médico Legal confirmaram que o corpo era do sacerdote. A comparação foi feita com amostras de DNA do irmão do padre.[17] O sepultamento ocorreu na cidade de Ampére, no Paraná.[18]

Prêmio Darwin[editar | editar código-fonte]

Em 2008, Adelir de Carli recebeu o Prêmio Darwin, "concedido" a pessoas que sofreram mortes causadas por erros absurdos. Entretanto, o site do prêmio declarou:

"O padre Antonio estava corajosamente arrecadando dinheiro para uma causa nobre. O Darwin Awards saúda esses heroicos pioneiros em voos de balão!"[19]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Lehman, Stan (22 de abril de 2008). «Searchers look for Brazil priest carried away by balloons». Associated Press. Consultado em 3 de setembro de 2020. Arquivado do original em 26 de abril de 2008 
  2. «Audiência pública vai discutir violência contra moradores de rua no Paraná». www.agenciabrasil.gov.br 
  3. «Padre apresenta documentos que comprovam maus-tratos a moradores de rua em Paranaguá». www.agenciabrasil.gov.br 
  4. «Denúncias sobre tortura de moradores de rua serão comunicadas à ONU e à OEA». www.agenciabrasil.gov.br 
  5. «OAB considera grave denúncia de tortura de moradores de rua em Paranaguá». www.agenciabrasil.gov.br 
  6. «Ainda estão foragidos três acusados de tortura no litoral do Paraná». www.agenciabrasil.gov.br 
  7. «Direitos Humanos - Padre apresenta documentos que comprovam maus-tratos a moradores de rua em Paranaguá». Consultado em 29 de Dezembro de 2010 
  8. «Título ainda não informado (favor adicionar)». www.aenoticias.pr.gov.br [ligação inativa]
  9. «'Flying' priest's balloons found». BBC News (em inglês). 23 de abril de 2008. Consultado em 3 de setembro de 2020 
  10. a b c «Priest On Party Balloon Flight Missing». CBS News (em inglês). 22 de abril de 2008. Consultado em 3 de setembro de 2020. Arquivado do original em 27 de abril de 2008 
  11. «Equipes encontram fragmentos de balões e mantêm buscas a padre em SC». Folha de S. Paulo. 21 de abril de 2008. Consultado em 3 de setembro de 2020 
  12. «Marinha prossegue busca a padre desaparecido no litoral de SC». Folha de S. Paulo. 21 de abril de 2008. Consultado em 3 de setembro de 2020 
  13. «Família de padre desaparecido aluga avião para reforçar buscas». G1. 24 de agosto de 2008. Consultado em 3 de setembro de 2020 
  14. «Marinha e bombeiros mantêm buscas por padre desaparecido». G1. 25 de abril de 2008. Consultado em 3 de setembro de 2020 
  15. «Brazil ends search for ballooning priest» (em inglês). Special Broadcasting Service. 29 de abril de 2008. Consultado em 3 de setembro de 2020. Arquivado do original em 29 de abril de 2008 
  16. «Exame de DNA confirma que corpo encontrado em Macaé é do padre Adelir, que desapareceu quando voava com balões». Extra. 29 de julho de 2008. Consultado em 3 de setembro de 2020 
  17. «DNA irá comprovar se corpo encontrado é do padre Adelir». jc.uol.com.br. Consultado em 7 de julho de 2008. Arquivado do original em 9 de julho de 2008 
  18. «Sepultamento de padre Adelir reúne 500 pessoas em Ampére». O Globo. 2 de agosto de 2008. Consultado em 3 de setembro de 2020. Arquivado do original em 26 de setembro de 2008 
  19. «2008 Darwin Awards». Darwin Awards (em inglês). 2008. Consultado em 29 de novembro de 2019