Adelir Antônio de Carli

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde dezembro de 2017). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Adelir Antônio de Carli
Nascimento 8 de fevereiro de 1967
Pelotas
Morte 20 de abril de 2008 (41 anos)
Oceano Atlântico
Cidadania Brasil
Ocupação padre católico
Religião catolicismo

Adelir Antônio de Carli, conhecido como Padre do Balão (Pelotas, 8 de fevereiro de 1967Oceano Atlântico, 20 de abril de 2008) foi um sacerdote católico brasileiro e ativista pelos direitos humanos, falecido após um acidente durante um voo que realizava amarrado a balões cheios de hélio.

Direitos Humanos[editar | editar código-fonte]

Em 2006, como padre na diocese de Paranaguá, ficou conhecido ao denunciar a violação dos direitos humanos contra moradores de rua, torturados por agentes da segurança pública desta cidade.[1][2][3][4][5] Tais denúncias resultaram na prisão de quatro guardas municipais e do secretário municipal de segurança pública,[6] enquanto que outros três guardas ficaram foragidos.[7]

Voo com balões de gás[editar | editar código-fonte]

O padre, conhecido por realizar voos amarrado a balões de gás hélio,[8] planejava bater o recorde de permanência no ar nesta modalidade. Seu plano era partir dia 20 de abril de 2008 de Paranaguá-PR com destino a Dourados-MS. Porém, condições climáticas desfavoráveis, e, acima de tudo, a completa falta de planejamento técnico para o voo, desviaram sua rota e o levaram à costa do estado de Santa Catarina, onde perdeu contato com a equipe que monitorava seu voo.[9] Em seu último contato via celular por satélite o padre informou que estava bem mas, já percebendo que desviara de sua rota, solicitou ajuda para operar seu aparelho de GPS e informou que a bateria do celular estava acabando.

A Marinha e a Aeronáutica realizaram as buscas no litoral de Santa Catarina, tendo encontrado apenas fragmentos de alguns dos balões do padre.[10][11] A aeronáutica oficialmente encerrou a procura depois de mais de 72 horas.[12] A procura prosseguiu sendo feita pela marinha, bombeiros[13] e um avião particular contratado pela família.[14] No dia 1 de maio, a Marinha também desistiu das buscas.[15]

Morte[editar | editar código-fonte]

No dia 3 de julho de 2008 foi encontrada a parte inferior (torso e pernas) de um corpo que poderia ser do padre Adelir Antônio de Carli, a 100 km da costa de Maricá, no Rio de Janeiro, pela rebocadora Anna Gabriela, a serviço da Petrobras.[16] O Instituto Médico Legal realizou exames de DNA confirmando que o corpo encontrado era efetivamente do padre.[17] O sepultamento ocorreu na cidade paranaense de Ampére.[18]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências