Afonso, Príncipe das Astúrias (1907–1938)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Afonso
Príncipe das Astúrias
Conde de Covadonga
Retrato por Franzen, 1927
Esposas Edelmira Sampedro y Robato
Marta Esther Rocafort y Altuzarra
Casa Bourbon
Nome completo Afonso Pio Cristino Eduardo Francisco Guilherme Carlos Enrique Eugênio Fernando Antonio Venâncio
Nascimento 10 de maio de 1907
  Madrid, Espanha
Morte 6 de setembro de 1938 (31 anos)
  Miami, Flórida, Estados Unidos
Enterro São Lourenço de El Escorial,
El Escorial, Espanha
Pai Afonso XIII da Espanha
Mãe Vitória Eugênia de Battenberg
Religião Catolicismo
Brasão

Afonso, Príncipe das Astúrias (Madrid, 10 de maio de 1907Miami, 6 de setembro de 1938) foi o herdeiro aparente da Espanha desde o nascimento até a abolição da monarquia em 1931. Posteriormente ele renunciou aos seus direitos do trono. Era o filho mais velho do rei Afonso XIII da Espanha e sua esposa Vitória Eugênia de Battenberg.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Afonso era o filho mais velho do então rei Afonso XIII da Espanha e de sua esposa, a princesa inglesa Vitória Eugênia de Battenberg, neta da rainha Vitória do Reino Unido. Ele herdou a doença genética de hemofilia, vinda por via materna.

Foi feito Príncipe das Astúrias. O seu predecessor foi o Duque da Calábria, filho de sua tia Mercedes, Princesa das Astúrias, falecida 3 anos antes do nascimento de Afonso. O seu sucessor foi tecnicamente o seu irmão, Infante Jaime, Duque de Segóvia que não recebeu o título de Príncipe das Astúrias. Jaime também renunciou aos seus direitos de sucessão. Na prática, o próximo herdeiro aparente era o irmão mais novo de Afonso, Dom Juan de Bourbon, Conde de Barcelona. No entanto, Afonso renunciou a favor do Infante Juan Carlos de Espanha (futuro Juan Carlos I), ao qual foi concedido o título oficial de Príncipe de Espanha, e não das Astúrias, em 1969 por Francisco Franco. O próximo membro da família real espanhola a deter este título, foi Felipe de Bourbon, em 1977.

O seu pai, Afonso XIII enfrentou problemas políticos que levaram Espanha a tornar-se república em 1931 e foi deposto. Toda a família partiu para o exílio.

Renúncia e casamentos[editar | editar código-fonte]

Houve planos para a deposição de Afonso na pretensão ao trono, mas finalmente ele renunciou os seus direitos dinásticos depois de se casar com Edelmira Ignacia Adriana Sampedro y Robato, passando a possuir o título de Conde de Covadonga. Eles se divorciaram em 8 de Maio de 1937. Ele voltou a casar, desta vez com Marta Esther Rocafort y Altuzarra, em 3 de Julho de 1937, divorciando-se novamente em 8 de Janeiro de 1938.

Morte[editar | editar código-fonte]

Um acidente de carro levou à sua morte precoce em 1938, com 31 anos de idade. Ele foi inicialmente sepultado em Woodlawn Cemetery e Mausoléu Park, em Miami, Flórida, em 1985, sendo depois transladado para o Panteão dos Príncipes, em El Escorial. A sua primeira esposa foi autorizada a manter o título de Condessa de Covadonga e estava presente quando ele foi transladado.

Afonso foi o 1120º Cavaleiro da Ordem do Tosão de Ouro na Espanha e Cavaleiro com Colar da Ordem de Carlos III ambos em 1907.[1]

Ancestrais[editar | editar código-fonte]

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Pedersen, Jørgen. Riddere af Elefantordenen 1559–2009, Odense: Syddansk Universitetsforlag, 2009. ISBN 8776744345

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Afonso, Príncipe das Astúrias
Casa de Bourbon
10 de maio de 1907 – 6 de setembro de 1938
Precedido por:
Afonso, Príncipe das Astúrias
Coat of Arms of Felipe, Prince of Asturias (2001-2014).svg

Princesa das Astúrias
Princesa de Viana

19071931
Sucedido por:
Filipe, Príncipe das Astúrias
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Afonso, Príncipe das Astúrias (1907–1938)