Aldyr Schlee

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Gnome globe current event.svg
Este artigo ou seção é sobre alguém que morreu recentemente.
A informação apresentada pode mudar com frequência. Não adicione especulações, nem texto sem referência a fontes confiáveis. (data da marcação: 16 de novembro de 2018; editado pela última vez em 16 de novembro de 2018)
Twemoji 1f464.svg
Aldyr Garcia Schlee
Recebendo a Ordem do Mérito Cultural, 2015.
Nascimento 22 de novembro de 1934
Jaguarão, RS
Morte 15 de novembro de 2018 (83 anos)
Pelotas, RS
Nacionalidade brasileiro
Ocupação Escritor, jornalista, tradutor, desenhista e professor universitário
Principais trabalhos Contos da vida difícil
Prémios Comendador da Ordem do Mérito Cultural (2015)

Aldyr Garcia Schlee (Jaguarão, 22 de novembro de 1934Pelotas, 15 de novembro de 2018) foi um escritor, jornalista, tradutor, desenhista e professor universitário brasileiro. As suas especialidades são a criação literária, a literatura uruguaia e gaúcha, a identidade cultural e as relações fronteiriças.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Doutor em Ciências Humanas, publicou vários livros de contos e participou de antologias, de contos e de ensaios. Alguns livros seus foram primeiramente publicados no Uruguai pela editora Banda Oriental. Traduziu a importante obra "Facundo", do escritor argentino Domingos Sarmiento, fez a edição crítica da obra do escritor pelotense João Simões Lopes Neto, quando estabeleceu a linguagem. Foi planejador gráfico do jornal Última Hora, repórter e redator. Criou o jornal Gazeta Pelotense; ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo, foi fundador da Faculdade de Jornalismo da Universidade Católica de Pelotas (UCPel), de onde foi expulso após o golpe militar de 1964 quando foi preso e respondeu a vários IPMs; foi professor de Direito Internacional da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), por mais de trinta anos onde foi também pró-reitor de Extensão e Cultura. É torcedor do Brasil de Pelotas, clube que chegou a ser tema do conto "Empate", publicado em "Contos de futebol". Também era simpatizante do Cruzeiro de Porto Alegre, tendo um time de futebol de botão com os escudos do Cruzeiro.(http://www.terra.com.br/istoegente/337/reportagens/aldyr_schlee.htm)

Criou o uniforme verde e amarelo da seleção brasileira de futebol, mais conhecido como Camisa Canarinho. Em 1953, aos 19 anos, desenhando e fazendo caricaturas para jornais de Pelotas, ele venceu 201 candidatos no concurso promovido pelo jornal carioca Correio da Manhã para a escolha do novo uniforme da seleção. Após o concurso, a então Confederação Brasileira de Desportos (CBD) oficializou o uniforme. Como prêmio, Aldyr ganhou o equivalente a vinte mil reais e um estágio no Correio da Manhã, no Rio de Janeiro, onde pode conhecer e conviver com figuras expoentes do jornalismo da época como Nélson Rodrigues, Antônio Callado, Millôr Fernandes e Samuel Wainer.

Recebeu duas vezes o prêmio da Bienal Nestlé de Literatura Brasileira e foi cinco vezes premiado com o Prêmio Açorianos de Literatura. Em novembro de 2009 publicou "Os limites do impossível, os contos gardelianos" pela editora ARdoTEmpo e em 2010, pela mesma editora, o romance "Don Frutos", ano em que foi também destacado com o Prêmio Fato Literário de 2010..

Viveu em um sítio em Capão do Leão, município vizinho de Pelotas. Teve três filhos, três netos e seu passatempo é o futebol de botão, cujo time "veste" a camiseta do Esporte Clube Cruzeiro de Porto Alegre, com a escalação dos anos 1960 (Pitico, Didi Pedalada...).

Morreu em 15 de novembro de 2018, vítima de câncer aos 83 anos.[1] Pelotas decretou luto oficial, pelo falecimento do jornalista

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • 2018 "O outro lado", noveleta pueblera, Ed ArdoTempo
  • 2015 "Fitas de Cinema", Ed ARdoTEmpo
  • 2014 "Memórias de o que já não será", Ed ARdoTEmpo
  • 2013 "Contos da Vida Difícil", Ed ARdoTEmmpo
  • 2010: "Don Frutos", Ed ARdoTEmpo
  • 2009: "Glossário de Simões Lopes Neto" - São Paulo
  • 2009: "Os limites do impossível - os contos gardelianos" Ed ARdoTEmpo, Porto Alegre.
  • 2007: "Contos gauchescos e Lendas do Sul", de JSLN, edição crítica com estabelecimento da linguagem. IEL/Unisinos.
  • 2000: "Contos de Verdades", contos (ed. Mercado Aberto)
  • 1998: "Linha Divisória" (contos, ed. Melhoramentos)
  • 1997: "Contos de Futebol" (contos, ed. Mercado Aberto)
  • 1991: "El dia en que el papa fue a Melo" (contos, ed. de la Banda Oriental) (republicado em português como "O Dia em que o Papa foi a Melo", ed. Mercado Aberto, 1999) [2]
  • 1984: "Uma Terra Só" (contos, ed. Melhoramentos)
  • 1983: "Contos de Sempre" (contos, ed. Mercado Aberto)
Participações em antologias
  • 2003: "Melhores Contos do Rio Grande do Sul" (contos, ed. IEL)
  • 1999: "Para Ler os Gaúchos" (contos, ed. Novo Século)
  • 1996: "Nós os Teuto-gaúchos" (ensaios, ed. da Universidade/UFRGS)
  • 1994: "Nós os Gaúchos 2" (ensaios, ed. da Universidade/UFRGS)
  • 1988: "Autores Gaúchos 20: Aldyr Garcia Schlee" (antologia, ed. IEL)
  • 1977: "Histórias Ordinárias" (contos, ed. Documento)

TRADUÇÕES ESPANHOL-PORTUGUÊS

  • 1990 Para Sempre Uruguai (Antologia de contos). Tradução de Sérgio Faraco e Aldyr Garcia Schlee. Porto Alegre: Instituto Estadual do Livro.
  • 1996 Sarmiento, Domingo Faustino. Facundo: civilização e barbárie no pampa argentino. Tradução, notas e estudo crítico de Aldyr Garcia Schlee. Porto Alegre: Editora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul / Editora da Universidade Católica do Rio Grande do Sul.
  • 1997 Acevedo Díaz, Eduardo. Pátria Uruguaia. Antologia. Seleção, tradução e notas de Aldyr Garcia Schlee. Porto Alegre: Instituto Estadual do Livro.
  • 1997 Güiraldes, Ricardo. Don Segundo Sombra.Tradução de Augusto Meyer, revisão da tradução por Aldyr Garcia Schlee. Porto Alegre: LP&M.

TRADUÇÕES PORTUGUÊS- ESPANHOL

  • 1991 Lopes Neto, João Simões. La salamanca del Jarau. Porto Alegre:IEL-IGEL.
  • 2000 Martins, Cyro. Campo afora/Campo afuera. Edição bilíngue português/espanhol. Tradução para o espanhol de Aldyr Garcia Schlee. Porto Alegre, IEL/CELPCYRO.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]