André Henning

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes confiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde junho de 2017) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
André Henning
Nascimento 20 de setembro de 1975 (41 anos)
Ocupação Locutor esportivo
Filho(s) Lucas Henning
Atividade 1995–presente

André Henning (São Paulo, 20 de Setembro de 1975)[1] é um jornalista, locutor, radialista, apresentador e repórter brasileiro. André é filho do também jornalista Hermano Henning e irmão do repórter Herbert Henning.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Começou na Rádio Cidade (hoje Metrópole FM) pioneira em Salvador. Cursou jornalismo, mas também foi locutor musical e aprendeu sobre o funcionamento técnico de uma rádio – gravação, edição, fabricação de vinhetas, operação. Sua curiosidade o fez aproveitar a oportunidade para aprender os detalhes que podem parecer os menos importantes possíveis, mas fizeram a diferença como uma grande escola. Fez bons amigos na rádio, especialmente o Mário Kertész, e até hoje quando vai à Salvador mantém contato.[2]

Trabalhou como apresentador e coordenador do programa "Bom Dia Bahia" da TV Aratu (na época afiliada da CNT, e hoje afiliada do SBT). Já em 1997, ele voltou a São Paulo para trabalhar na Rádio Band FM, já como repórter. Em 2001, foi para a Transamérica, onde começou a ser narrador, transmitindo a Fórmula 1, cobertura da copa de Copa de 2002 no Japão e as Olimpíadas de 2004, em Atenas.

Esporte Interativo[editar | editar código-fonte]

Em 2006, André volta à TV (e continua no rádio), para narrar pelo Esporte Interativo nas parcerias com a Rede NGT e a TV Cultura. Em 2007, deixa a Rádio Transamérica para dedicar-se somente a TV, onde segue até hoje. Em 2017 entrou no novo programa da emissora, intitulado + 90[3].

Seu momento mais marcante na emissora foi quando narrou a final do Campeonato Mundial de Handebol Feminino de 2013, ano em que o Brasil conquistou o título inédito até então.[4]

É curioso. Escolho um momento de esporte que vive à margem, feminino, que é outro preconceito enorme que existe, escolho momento desse, momento que eu, infelizmente não vou conseguir igualar, jamais vou narrar título inédito para o Brasil, sozinho, de novo. Não vai existir. Passei por muitos momentos, final de Liga, volta do Brasil no basquete pra Olimpíada, Copa do Nordeste. Tudo isso foi muito emocionante, muito marcante. Mas que nem aquele título de handebol, não teve”.[4]
André Henning, sobre seu momento mais marcante na carreira.

Estilo de Narração[editar | editar código-fonte]

No início de sua carreira, André foi narrador de rádio. Segundo o próprio, sua narração vibrante, típica de locutores radialistas, é uma herança desta época.[5] "Algo que me marcou muito foram as transmissões de rádio do Osmar Santos, do Fiori Gigliotti, do José Silvério, do Éder Luís. Eu sinto que se eu conseguir passar a sensação que esses caras passaram pra mim um dia, aquele negócio do sentimento. É isso que quero fazer.", disse ele.[6]

Para o jornal Folha de S.Paulo, "seguidor da linhagem de Osmar Santos e Galvão Bueno, duas referências da narração emocionada, Henning transita continuamente entre o cômico e o (melo)dramático, beirando algumas vezes a histeria."

Mauricio Stycer, colunista do UOL, fez uma crítica a André Henning, dizendo: "Divido os narradores em dois times, os talentosos e os que gritam. Neste segundo time, me sinto obrigado a dizer que não conhecia ninguém com a força de André Henning".[7] Em contrapartida a este pensamento, Carlos Salvador, colunista do site Esporte e Midia, diz: "muitos críticos (me incluo algumas vezes), reclamam dos gritos, dos exageros, mas é preciso entender que é o estilo dele. Ele só quer passar emoção, e não interessa se vai exagerar ou ser comedido, ele vai fazer ser emocionante. André coloca verdade nas transmissões".[8]

Bordões[editar | editar código-fonte]

Seu famoso bordão "Tem que apanhar de cinta"[9] é muito usado quando o jogador perde uma grande chance de fazer o gol. Outro bordão famoso usado por ele é "Não tem boré boré".

Referências

  1. «Narraçao Andre Henning 2014 WE10 André Henning ( São Paulo ,  20 de setembro…». plus.google.com. Consultado em 8 de março de 2016 
  2. «Mídia Esportiva Entrevista André Henning». Midiaesportiva.net. Consultado em 8 de março de 2016 
  3. «Completando 10 anos, Esporte Interativo investe e lança nova programação». NaTelinha 
  4. a b uolesportevetv.blogosfera.uol.com.br/ Voz do Esporte Interativo, André Henning relembra começo difícil
  5. uolesportevetv.blogosfera.uol.com.br/ André Henning, do EI: "aqui não tem forçação de barra de emoção"
  6. opovo.com.br/ Dois dedos de prosa com André Henning
  7. uolesportevetv.blogosfera.uol.com.br/ Dos grandes narradores que admiro, nenhum grita
  8. esporteemidia.com/ COLUNA 'QUINTA, CATEGORIA!', POR CARLOS SALVADOR #6
  9. midiaesportiva.net/ Mídia Esportiva Entrevista André Henning