André Henning

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes confiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
André Henning
Nascimento 20 de setembro de 1975 (41 anos)
Ocupação Locutor esportivo
Filho(s) Lucas Henning
Atividade 1995–presente

André Henning (São Paulo, 20 de Setembro de 1975)[1] é um jornalista, locutor, radialista, apresentador e repórter brasileiro. André é filho do também jornalista Hermano Henning e irmão do repórter Herbert Henning.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Começou na Rádio Cidade (hoje Metrópole FM) pioneira em Salvador. Cursou jornalismo, mas também foi locutor musical e aprendeu sobre o funcionamento técnico de uma rádio – gravação, edição, fabricação de vinhetas, operação. Sua curiosidade o fez aproveitar a oportunidade para aprender os detalhes que podem parecer os menos importantes possíveis, mas fizeram a diferença como uma grande escola. Fez bons amigos na rádio, especialmente o Mário Kertész, e até hoje quando vai à Salvador mantém contato.[2]

Trabalhou como apresentador e coordenador do programa "Bom Dia Bahia" da TV Aratu (na época afiliada da CNT, e hoje afiliada do SBT). Já em 1997, ele voltou a São Paulo para trabalhar na Rádio Band FM, já como repórter. Em 2001, foi para a Transamérica, onde começou a ser narrador, transmitindo a Fórmula 1, cobertura da copa de Copa de 2002 no Japão e as Olimpíadas de 2004, em Atenas.

Esporte Interativo[editar | editar código-fonte]

Em 2006, André volta à TV (e continua no rádio), para narrar pelo Esporte Interativo nas parcerias com a Rede NGT e a TV Cultura. Em 2007, deixa a Rádio Transamérica para dedicar-se somente a TV, onde segue até hoje.

Seu famoso bordão "Tem que apanhar de cinta" é muito usado quando o jogador perde uma grande chance de fazer o gol.

Referências

  1. «Narraçao Andre Henning 2014 WE10 André Henning ( São Paulo ,  20 de setembro…». plus.google.com. Consultado em 8 de março de 2016 
  2. «Mídia Esportiva Entrevista André Henning». Midiaesportiva.net. Consultado em 8 de março de 2016