Assim Falou Zaratustra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Also sprach Zarathustra: Ein Buch für Alle und Keinen
Assim falou Zaratustra: um livro para todos e para ninguém
Also sprach Zarathustra.GIF
Capa da edição original de Also sprach Zarathustra.
Autor (es) Alemanha Friedrich Nietzsche
Idioma Alemão
País  Alemanha
Assunto Filosofia, Super-Homem, Deus Está Morto
Género Filosofia e Prosa poética
Linha de tempo da história Entre 1883 e 1885
Lançamento 1883 (Mundo)
Páginas 532
Edição portuguesa
Páginas 532
Edição brasileira
Tradução José Mendes de Sousa
Páginas 532
Cronologia
Último
Último
A Gaia Ciência
Para Além do Bem e do Mal
Próximo
Próximo

Assim falou Zaratustra: um livro para todos e para ninguém (em alemão: Also sprach Zarathustra: Ein Buch für Alle und Keinen) é um livro escrito entre 1883 e 1885 pelo filósofo alemão Friedrich Nietzsche, que influenciou significativamente o mundo moderno. O livro foi escrito originalmente como três volumes separados em um período de vários anos. Depois, Nietzsche decidiu escrever outros três volumes mas apenas conseguiu terminar um, elevando o número total de volumes para quatro. Após a morte de Nietzsche, ele foi impresso em um único volume.

O livro narra as andanças e ensinamentos de um filósofo, que se autonomeou Zaratustra após a fundação do Zoroastrismo na antiga Pérsia. Para explorar muitas das ideias de Nietzsche, o livro usa uma forma poética e fictícia, frequentemente satirizando o Novo testamento.

O centro de Zaratustra é a noção de que os seres humanos são uma forma transicional entre macacos e o que Nietzsche chamou de Übermensch, literalmente "além-do-homem", normalmente traduzido como "super-homem".[1] O nome é um dos muitos trocadilhos no livro e se refere mais claramente à imagem do Sol vindo além do horizonte ao amanhecer como a simples noção de vitória.[carece de fontes?]

Amplamente baseado em episódios, as histórias em Zaratustra podem ser lidas em qualquer ordem. Mas aconselha-se que se leia em ordem, para melhor entendimento.

A razão pela qual o livro possui uma linguagem, por muitos interpretada como difícil, é que o conhecimento é algo que só pode vir de dentro - Por exemplo, no lugar de Zaratustra falar "O homem deve ser superado!", Nietzsche faz com que o leitor em si chegue a essa conclusão; Como resultado, é uma forma de escrita, de comunicação mais eficaz do que a tradicional linguagem clara e de facílimo entendimento.

Zaratustra contém a famosa frase Gott ist tot ("Deus está morto"), embora essa também tenha aparecido anteriormente no livro Die fröhliche Wissenschaft (A Gaia Ciência) de Nietszche, e antes ainda em diversas obras de Georg Hegel.

Os dois volumes finais não terminados do livro foram planejados para retratar o trabalho missionário de Zaratustra e sua eventual morte.

Aforismos Notáveis[editar | editar código-fonte]

  1. "O que importa é a minha felicidade!"
  2. "Uma virtude é mais virtude do que duas."

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. C. Guignon, D. Pereboom. Existentialism: Basic Writings, 2nd ed., Hackett, 2001. pp. 101-113

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Wikisource Textos originais no Wikisource