Baleia-branca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde julho de 2017).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde julho de 2017). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Como ler uma caixa taxonómicaBeluga
Beluga oceanografic.jpg

Estado de conservação
Quase ameaçada
Quase ameaçada
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Cetacea
Subordem: Odontoceti
Família: Monodontidae
Género: Delphinapterus
Lacépède, 1804
Espécie: D. leucas
Nome binomial
Delphinapterus leucas
(Pallas, 1776)
Distribuição geográfica
Cetacea range map Beluga.png

Problemas para escutar este arquivo? Veja a ajuda.

A beluga (Delphinapterus leucas) é uma espécie de cetáceo odontoceti que habita a região ártica e subártica. Erroneamente são chamadas de baleia branca (baleia no sentido estrito não é aplicado aos cetáceos com dentes, reservando-se para os integrantes da familia Balaenidae). É a única espécie do gênero Delphinapterus e junto ao narval (Monodon monoceros) formam a família Monodontidae.

Está adaptada completamente para a vida no Ártico e para isso, em uma série de características anatômicas e fisiológicas que a diferenciam dos outros cetáceos. Se caracteriza por sua cor totalmente branca nos adultos e pela falta de uma nadadeira dorsal. Tem uma proeminência frontal distintiva que abriga o órgão chamado Melão, que nesta espécie é muito volumoso e deformado. Seu tamanho é um intermédio entre as baleias e golfinhos, com um comprimento e peso máximos para os machos de 5,5 metros e 1600 kg e um corpo robusto com o maior percentual de gordura entre os cetáceos. Sua audição é altamente desenvolvida e possuí ecolocalização que permite sua movimentação e encontrar aberturas em blocos de gelo.

São animais gregários que formam grupos de uns dez indivíduos em média, entretanto durante o verão se reúnem centenas e até milhares em estuários e águas costeiras rasas. São nadadores lentos, contudo são adaptados para mergulho e pode chegar a mais de 700 metros abaixo da superfície. Sua dieta é oportunista e varia conforme a localização e estação do ano; se alimentam de peixes, crustáceos e outros invertebrados do fundo do mar.

A maior parte das belugas habitam o Ártico, e os mares e costas adjacentes da América do Norte, Rússia e Groenlândia; a população mundial se estima em 150 000 indivíduos. Tem comportamento migratório, onde a maioria dos grupos passam o inverno às margens das camadas de gelo; mas com a chegada do verão, com o degelo, se movem para foz de rios e zonas costeiras mais quentes. Algumas populações são sedentárias e não migram a grandes distâncias no decorrer do ano.

Por séculos, este cetáceo tem sido uma das fontes de subsistência para os nativos da América do Norte e Rússia. Foi objeto de caça comercial durante o século XIX e parte do século XX. Desde 1973 está sob proteção internacional junto com outros odontocetos. Atualmente, somente é autorizada a caça de subsistência de algumas subpopulações por parte dos Inuits. Outras ameaças são os depredadores naturais (ursos polares e orcas), a contaminação dos rios e as doenças infecciosas. Em 2008 a espécie foi catalogada na Lista Vermelha da UICN como espécie quase ameaçada; no entanto, a subpopulação residente na enseada de Cook, Alasca, está considerada em perigo crítico. É um dos cetáceos que se mantém em cativeiro em aquários e parques de vida silvestre na América do Norte, Europa e Ásia, e é popular para o público por sua cor branca e expressividade.

Taxonomia e evolução[editar | editar código-fonte]

Ilustração do século XIX, publicada pela Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos.

A primeira beluga foi descrita inicialmente por Peter Simon Pallas em 1776.[1] É um membro da família Monodontidae, a qual faz parte as baleias dentadas (subordem Odontoceti).[2] Compartilha semelhanças morfológicas e anatômicas com o golfinho do rio Irrawaddy (Orcaella brevirostris), o qual foi classificado dentro da mesma família; porém, a raíz das provas comparativas de ADN com outros odontocetos foi colocada dentro da família Delphinidae.[3] A única espécie aparte da beluga classificada dentro da família Monodontidae é o narval (Monodon monoceros).[4] A constatação de um crânio com características intermediarias é compatível com a hipótese de que a hibrididação é possível entre os integrantes desta familia.[5]

O nome do gênero gênero, Delphinapterus, significa «golfinho sem nadadeira» (do grego δελφίν (delphin), golfinho e απτερος (apterus), sem nadadeira) e o nome de da espécie leucas significa «branco» (do grego λευκας (leucas), branco).[6] O nome comum, «beluga», vem do nome em russo белуга (beluga) o белуха (belukha), o qual deriva da palavra белый (belyy), que significa «branco».[6] É as vezes chamada de «baleia beluga», a fim de não confundir-la com esturjão beluga.[7] A Lista Vermelha da UICN aceita os nomes beluga e baleia branca («do inglês white whale») como sinônimos;[8] mas no sentido estrito do termo «baleia» aplica-se somente aos integrantes da família Balaenidae.[9]

Segundo estudos de ADN mitocondrial os cetáceos atuais tiveram um ancestral comum entre trinta e trinta e quatro milhões de anos.[10] A família Monodontidae se separou relativamente cedo dos outros odontocetos; da família Delphinoidea, ele fez entre onze e quinze milhões de anos, e da família Phocoenidae, a mais próxima em termo evolutivos, o fez posteriormente.[11] O primeiro ancestral conhecido da beluga, pertencente à família Monodontidae, é a espécie Denebola brachycephala que viveu durante o período Mioceno Tardio (há nove ou dez milhões de anos atrás).[12][13] A descoberta de fósseis provenientes do Pleistoceno no noroeste da América do Norte e na península da Baixa Califórnia[14] indica que os ancestrais da beluga viveram em águas mais quentes e que em épocas comparativamente recentes o território da beluga oscilou de acordo com a duração das glaciações (eras glaciais) e se retirava para o Norte quando o gelo derretia.[15] Uma evidência que confirma essa teoria, é a descoberta em 1849 dos ossos de uma beluga no estado de Vermont nos Estados Unidos, a 240 km do oceano Atlântico. Os restos foram preservados nos sedimentos do mar de Champlain, uma extenção do oceano dentro do continente, resultado do aumento no nível do mar ao terminar a era glacial à uns 12 000 anos.[16]


Descrição[editar | editar código-fonte]

Longevidade[editar | editar código-fonte]

Tamanho comparativo dos cetáceos; a beluga está no número 8.

Segunda as primeiras investigações se estimava que a esperança de vida de uma beluga apenas superava os trinta anos.[17] O método para calcular a idade se baseava na contagem das camadas dentarias que são acrescentados regularmente, segundo se acreditava, entre uma e duas vezes por ano. Estas camadas são identificáveis, já que alternam entre o material denso, de aspecto opaco e lâminas transparentes de material menos denso. Tendo em conta a frequência estimada com que ocorriam os acréscimos, era possível estimar a idade do indivíduo de acordo com o número de camadas identificadas.[18] No entanto, um estudo com radiocarbono das camadas de dentes publicado em 2006, demonstrou que o acréscimo desse material ocorre com menor frequência o estimado anteriormente, e que geralmente a espécie podem superar os sessenta anos de idade, e até mesmo chegar aos oitenta.[19]

Tamanho[editar | editar código-fonte]

A espécie apresenta um dimorfismo sexual moderado; Os machos são 25% mais largos que as fêmeas e são mais robustos.[20] Os machos adultos medem entre 3,5 e 5,5 metros de comprimento, enquanto as fêmeas medem entre os 3 e 4,1 metros.[21] Os machos pesam entre 1100 e 1600 kg e as fêmeas têm entre 700 e 1200 kg.[22] Ambos os sexos alcançam o tamanhoo máximo aos dez anos de idade.[23] O corpo das belugas é robusto e fusiforme (forma de cone, com a ponta para trás), e com freqüência têm dobras de gordura, especialmente ao longo da superfície ventral.[24] Entre 40 e 50% de seu peso corporal é gordura; é um percentual elevado em relação às baleias que não habitam o Ártico, nas quais a gordura representa apenas 30% de seu peso.[25][26] A gordura forma uma camada que cobre todo o corpo, exceto a cabeça; pode ter até quinze centímetros de espessura e age como isolante em águas com temperatura entre os 0 a 18 °C, além de ser uma reserva importante durante os períodos de jejum.[27]

Cor[editar | editar código-fonte]

Cabeça de uma beluga onde se observa a grande proeminência frontal, que possui o melão e a cor branca distintiva.

Os adultos são difíceis de confundir, porque são os únicos cetáceos totalmente brancos ou de cor cinza esbranquiçada.[28] As crias ao nascer normalmente são cinzentos, com um mês de vida, a cor torna-se cinza escuro ou cinza-azulada, e, posteriormente, começam a perder pigmento em forma progressiva até atingir a cor branca distintivo; as fêmeas o fazem aos sete anos de idade e os machos aos nove.[28] O tom branco da pele é uma condição adaptativa para a vida no Ártico e permite camuflar-se nas camadas de gelo polares, servindo de proteção contra seus predadores: urso polar e orca.[29] Ao contrário dos outros cetáceos, a pele da beluga tem um padrão de mute sazonal.[30] Durante o inverno, ocorre um espessamento da epiderme, e sua pele pode tornar-se amarelada, principalmente nas costas e nas barbatanas. Quando migram durante o verão, costumam se esfregar com o cascalho do fundo dos rios para se livrar deste revestimento cutâneo.[30]

Cabeço e pescoço[editar | editar código-fonte]

Espiráculo na parte de trás da cabeça.

Como a maioria dos odontocetos, a beluga tem um compartimento localizado na região frontal da cabeça, que contém o órgão da ecolocalização chamado de melão.[31]A forma da cabeça nesta espécie é diferente da dos outros cetáceos, devido a que o melão é bastante grande e em forma de pétala, e se lhe observa, como uma grande proeminência frontal.[31] Outra característica distintiva é a capacidade que ele tem de deformar a este órgão, durante a emissão de sons, usando os músculos adjacentes para focalizar os ecos emitidos, servindo de modulador para a ecolocalização.[32][33] O óleo de este órgão contém ácidos graxos, principalmente ácido isovalérico (60,1%) e ácidos de cadeia longa (16,9%), composição que difere bastante da gordura corporal do animal e pode desempenhar um papel no sistema de redes.[34]

Ao contrário dos outros cetáceos que mostram algum grau de fusão cervical, com exceção dos baleias, alguns golfinhos do rio e os narvais, as sete vértebras cervicais não estão unidas entre si, o que lhe dá flexibilidade ao girar a cabeça para os lados, sem a necessidade de girar o corpo.[35] Isto lhe proporciona uma manobrabilidade lateral que permite melhorar o campo visual, ajudar na perseguição das presas, fugir dos predadores e manobrar em águas pouco profundas.[36] Tem em torno de oito a dez dentes pequenos, levemente lisos e curvos, em cada quadrante da mandíbula, com uma média de trinta e seis peças no total e máximo de quarenta.[37] Não usa os dentes para mastigar, mas sim para pegar suas presas, decapa-as e, em seguida, engole-as inteiras.[38] Possui apenas um espiráculo localizado na superfície dorsal da cabeça, atrás do melão e está coberta por uma tampa muscular que o selado hermeticamente. Na posição anatômica normal esta estrutura fecha o espiráculo e para abri-lo você precisa contrair a tampa muscular.[39] A glândula tiroide é relativamente grande, se comparada com os mamíferos terrestres —pesa três vezes mais que a de um cavalo— e pode ajudar a manter um metabolismo mais alto durante a ocupação dos estuários durante o verão. É o cetáceo marinho que desenvolve lesões hiperplásicas e pertencentes a esta glândula com maior freqüência.[40]

Barbatanas[editar | editar código-fonte]

Uma beluga mostrando a sua barbatana caudal, em água pouco profunda.

Os membros anteriores, como nos demais cetáceos, são as barbatanas peitorais. Estas mantém os vestígios ósseos de seus ancestrais mamíferos e estão unidos firmemente entre si pelo tecido conjuntivo.[24] As barbatanas são pequenas em proporção ao tamanho do corpo; são arredondadas, possuem forma de remo e estão ligeiramente enroladas nas pontas.[6] Estas extremidades são muito versáteis e as usam principalmente como leme para dirigir seus movimentos, para se manter em sincronia com a barbatana caudal e mover-se com agilidade em águas de um a três metros de profundidade.[23] As nadadeiras também possuem um mecanismo para a regulação da temperatura corporal, uma vez que as artérias que as irrigam estão rodeadas por veias e estas se dilatam ou contraem, conforme a situação, para manter ou perder calor.[41][24] A nadadeira caudal é uma estrutura achatada com dois lóbulos em forma de remo, carece de osso e é composta de tecido conjuntivo, duro, denso e fibroso. Nesta espécie, esta nadadeira tem uma curvatura distintiva na borda posterior.[24] A musculatura longitudinal das costas é a encarregada de proporcionar o movimento ascendente e descendente da nadadeira e de modo similar às nadadeiras peitorais possuem um mecanismo termorregulador.[24]

As belugas possuem uma crista dorsal no lugar de uma barbatana dorsal.[21] Acredita-se que este traço evolutivo é uma adaptação para as condições sob o gelo, ou possivelmente uma forma de preservar o calor.[4] Esta crista é dura e junto com sua cabeça pode ser usada para abrir caminho por camadas de gelo com até oito centímetros de espessura.[42]

Sentidos[editar | editar código-fonte]

  • Audição: As belugas têm um ouvido muito especializado e a casca auditiva está altamente desenvolvida. Podem ouvir sons dentro do intervalo de 1,2 a 120 kHz, com maior sensibilidade entre os 10 a 75 kHz,[43] quando a faixa de audição média para um ser humano é de 0,2 a 20 kHz.[44]Provavelmente, a maioria dos sons são recebidos pela mandíbula inferior e transmitidos até o ouvido médio. Os odontocetos, o osso da mandíbula inferior é largo e possui uma cavidade na base, que se projeta até o local onde se articula com o crânio. Dentro dessa pequena cavidade, existe um depósito de gordura que aponta em direção ao ouvido médio.[45] Além disso, possui um pequeno orifício auditivo externo a alguns centímetros atrás dos olhos; cada orifício se comunica com um canal auditivo externo e o tímpano. Não se sabe se estes orifícios são funcionais ou são, simplesmente, um vestígio.[45]
  • Visão: São capazes de ver dentro e fora da água; no entanto, ao comparar-se com os golfinhos, a visão é relativamente pobre.[46] Seus olhos estão adaptados de forma particular para ver dentro da água, mas ao contato com o ar, o cristalino e a córnea são ajustadas para corrigir a miopia (o alcance de visão dentro da água é curto).[46] A retina do animal possui cones e bastões, o que indica que também podem ver na penumbra. A presença de cones sugere que podem ver as cores; no entanto, esta suposição não foi documentado.[46] Algumas glândulas no canto medial das órbitas segregam uma substância gelatinosa e oleosa, que lubrificam o olho e limpam de corpos estranhos. Esta substância forma uma película que protegeria a córnea e a conjuntiva de organismos patogênicos.[46]
  • Tato: estudos em animais cativos indicam que buscam o contato físico frequente com outras belugas.[29]
  • Paladar: foram detectadas áreas sensoriais na boca desses animais, que podem funcionar como fontes termais para os sabores e foi documentado que podem detectar a presença de sangue na água, pelo que reagem de imediato e exibem comportamentos de alarme.[29]
  • Olfato: como os outros odontocetos, carecem de lobos olfatórios no cérebro e nervos olfatórios, o que sugere que carecem de olfato.[31]

Comportamento[editar | editar código-fonte]

Vista aérea de um grupo integrado por cinco belugas em deslocamento.

Estes cetáceos por isso, regular formam pequenos grupos, que variam entre dois e vinte e cinco indivíduos, com uma média de dez membros.[47] Estes grupos (chamados de pods, em inglês) têm animais de ambos os sexos,[48] e são liderados por um macho dominante.[37] Quando os rebanhos se unem, em estuários durante o verão, podem se reunir centenas e até milhares de indivíduos. Estes podem representar uma proporção significativa da população total desses cetáceos e é o momento de maior vulnerabilidade perante a caça.[49]

São animais cooperativos e com freqüência se organizam em grupos para caçar, fazendo-o de forma coordenada.[50] Dentro dos grupos, são animais muito sociáveis, costumam ser prosseguido uns aos outros, seja jogando-se ou agredindo-se, e se tocam com frequência entre si.[51]

Em cativeiro, se lhes observa mexer constantemente, verbalizar e nadar, à volta, por cima e por baixo de outros indivíduos.[52] Mostrar curiosidade para os humanos e nos tanques se aproximam para observá-los de perto através dos vidros.[53]

Na natureza, as belugas também mostram um alto grau de curiosidade para os humanos e, com frequência, nadam em direção aos barcos.[54] Também podem jogar com objetos encontrados na água; na liberdade fazem-no com a madeira, plantas, peixes mortos e com bolhas que elas mesmas criam.[25] Durante a época de criação, foram observados adultos transportando objetos, como plantas, redes e até esqueletos de caribu sobre a sua cabeça e costas.[52] Foram vistos também fêmeas cativas, expressando este comportamento depois de perder uma criação, trasportando elementos como coletes salva-vidas e bóias. Os especialistas teorizam que esta interação com os objetos pode evidenciar um comportamento de substituição.[55]

Natação e imersão[editar | editar código-fonte]

Beluga emergindo à superfície para respirar.

As belugas são nadadores lentos se comparados com outros odontocetos, como a baleia e o golfinho e muar. O pobre desempenho como nadador com relação a seus parentes se deve a sua compleição pouco hidrodinâmica e a baixa amplitude de movimento de sua nadadeira caudal que lhe proporciona um menor impulso.[56] Com maior freqüência nadando a uma velocidade entre os 3 e 9 km por hora; no entanto, são capazes de manter um ritmo de 22 km/h por um tempo de 15 minutos.[37] Ao contrário da maioria dos cetáceos, estes animais podem nadar para trás.[23] Entre 5% e 10% do tempo das belugas nadam sobre a superfície da água, enquanto o resto do tempo fazem a profundidade suficiente para cobrir seu corpo.[23] Não costumam fazer shows aéreos (saltos, cambalhotas, etc.) como os golfinhos e orcas.[6]

Estes animais geralmente não se envolvem muito profundo, mas com maior frequência o fazem cerca de 20 metros;[57] no entanto, são capazes de mergulhar a grande profundidade. Em indivíduos cativos foram documentados distâncias entre 400 e 647 m abaixo da superfície;[58] em animais livres, se documentou que se envolvem mais de 700 m, com uma imersão máxima de 872 m.[59] Uma imersão normalmente leva de 3 a 5 min, mas podem fazê-lo até 15 a 18 min.[37][59] Em águas rasas dos estuários uma sessão de mergulho dura cerca de 2 minutos); a sequência consiste de 5 ou 6 mergulhos rápidas e rasas, seguida por uma de um minuto de duração com mais profundidade.[23] A média de mergulhos por dia varia entre 31 e 51.[59]

Todos os cetáceos, entre eles a beluga, possuem adaptações fisiológicas para manter o oxigênio durante os mergulhos.[60]Durante o mergulho, estes animais diminuem a freqüência cardíaca de cem batimentos por minuto, a uma faixa entre doze e vinte.[60]O fluxo sanguíneo é desviado de outros tecidos e órgãos do corpo, o cérebro, coração e pulmões, que exigem aporte permanente de oxigênio.[60] A proporção de oxigênio no sangue é mais alto do que na maioria dos mamíferos. A porcentagem, em volume, de 5,5% é superior ao dos mamíferos terrestres e semelhante a foca de Weddell (um mamífero marinho mergulhador). Em um estudo verificou-se que uma fêmea tinha 16,5 litros de oxigênio dissolvido no sangue.[61] Por último, os músculos do animal possuem um alto conteúdo de proteína mioglobina que funciona como um transportador de oxigênio: a concentração é várias vezes superior à dos mamíferos terrestres e ajuda a prevenir a deficiência deste elemento durante os mergulhos.[62]

Dieta[editar | editar código-fonte]

As belugas são os odontocetos são mais abundantes nas águas do oceano Ártico, por tal motivo, desempenham um papel crítico na estrutura e função dos recursos marinhos na região.[63] Ele é descrito como um animal oportunista, pois seus hábitos alimentares variam, dependendo da localização geográfica e da estação.[64] Por exemplo, no mar de Beaufort comem na forma predominante bacalhau ártico (Boreogadus saida) e na Groenlândia foi encontrado em seu estômago cantarilhos (Sebastes marinus), alabote da gronelândia (Reinhardtius hippoglossoides) e camarão (Pandalus borealis),[65] enquanto no Alasca, o alimento principal é o salmão-do-Pacífico (Oncorhynchus kisutch).[66] Em linhas gerais, a dieta principal deste cetáceo é composta por peixes; além dos mencionados, foram identificados, entre outros: capelim, eperlano, linguados, solhas, arenque, charrascos e outros salmões.[67] Também consomem um volume considerável de invertebrados, além de camarões, como lulas, caranguejos, mariscos, polvos, caracóis, minhocas e outros habitantes do fundo do mar.[67] Os animais em cativeiro comem cerca de 2,5% a 3% de seu peso corporal por dia, mais ou menos 18,2 a 27,2 kg[68]

A pesquisa no leito marinho tipicamente ocorre em profundidades entre 20 e 40m,[69] mas podem mergulhar com facilidade a mais de 700m para procurar alimento.[59] Geralmente uma imersão dura de 3 a 5 min, mas foram observados indivíduos de permanecer sob a superfície por 18min.[70][71] O pescoço flexível permite-lhe uma ampla gama de movimento enquanto procura o alimento no fundo oceânico. As observações mostraram que estes animais podem sugar água e depois expelir jatos fortes com a boca, método com o qual descobre presas na lama.[50] Devido a que os seus dentes não são muito grandes nem afiados utilizam a sucção para levar as presas à boca; em consequência, todos os alimentos devem ser consumidos inteiros, por isso, as presas não podem ser muito grandes, pois correm o risco de atorarse.[72] Também se alimentam de cardumes de peixes e o fazem em grupos coordenados de cinco ou mais indivíduos; estes reúnem o banco de peixes em águas pouco profundas, para então atacá-los.[50] Por exemplo, no estuário do rio Amur, onde se alimentam preferencialmente de salmão, reúnem-se em grupos de seis a oito indivíduos e rodeiam os peixes para evitar a sua fuga, enquanto se revezam, um a um, para alimentar-se deles.[42]

Reprodução[editar | editar código-fonte]

Uma beluga com sua cria

As estimativas sobre a idade de maturidade sexual varia amplamente; a maioria dos autores estimam que os machos atingem a maturidade sexual entre os quatro e os sete anos, e as fêmeas o fazem entre quatro e nove anos de idade.[73] A idade média do primeiro parto é de 8,5 anos e a fertilidade começa a diminuir aos vinte e cinco, sem gestações registradas acima dos quarenta e um anos.[73]

As fêmeas geralmente têm filhotes a cada dois a três anos.[21] A maioria dos acasalamentos ocorrem entre fevereiro e maio, mas alguns podem ocorrer em outras épocas do ano.[4] Foram publicados dados de períodos de gestação que varia entre 12 a 14½ meses,[21] mas informações provenientes de fêmeas em cativeiro registra um tempo mais prolongado, com uma duração média de 475 dias (15,8 meses).[74]

O nascimento dos filhotes durante o ano varia de acordo com a localização. No ártico canadense, os partos ocorrem desde março até setembro, enquanto que na baía de Hudson o pico de nascimentos acontece no final do mês de junho e em Cumberland Sound a maioria nascem no final de julho e início de agosto.[75] Normalmente nascem em baías e estuários onde a água é quente, com uma temperatura de 10 a 15°C.[47] As belugas recém-nascidas são de cor cinza, têm, em média, 1,5 metros de comprimento e um peso de 80 kg;[37]são capazes de nadar ao lado de suas mães imediatamente após o nascimento.[76] O recém-nascido se alimenta sob a água e inicia a amamentação, algumas horas depois do nascimento e, daí em diante, o faz com intervalos de uma hora.[50] De acordo com pesquisas em animais cativos, a composição do leite varia entre indivíduos e flutua de acordo com a fase de lactação; esta tem, em média, 28% de gordura, 11% de proteína, 60,3% de água e menos de 1% de cinzas.[77] La leche contiene aproximadamente 92 cal por cada onza.[78]

Os filhotes dependem exclusivamente do aleitamento materno até o primeiro ano de idade, momento em que brota a dentadura.[47]Então começam a complementar a dieta com camarões e pequenos peixes.[31] A maioria dos jovens continuam a amamentação até os vinte meses de idade, prolongando-se para além dos dois anos em casos esporádicos.[37] Em cativeiro foi observado cuidado aloparental (cuidado por fêmeas diferentes para a mãe), para as espécies com produção espontânea de leite por parte das fêmeas, que se prolonga por longos períodos de tempo. Isto sugere que este comportamento, observado com freqüência em mamíferos, está presente nas belugas em liberdade.[79]

Comunicação e ecolocalização[editar | editar código-fonte]

As belugas usam os sons e a ecolocalização para movimentar-se, comunicar-se, localizar respiradouros e caçar na escuridão ou na água turva.[32] Produzem uma série de cliques em sequência rápida; estes sons atravessam o melão, que atua como uma lente acústica que os concentra em um feixe, o qual é projetado para a frente, penetrando o ambiente aquático que rodeia o animal.[78] Esses sons se propagam através da água a uma velocidade próxima a 1,6 km por segundo, cerca de quatro vezes a velocidade do som no ar. As ondas sonoras produzidas ricocheteiam nos objetos dentro da água, e retornam em forma de ecos que são ouvidos e interpretados pelo animal.[32] Por meio deste sistema podem determinar a distância, velocidade, tamanho, forma e até mesmo a estrutura interna dos objetos dentro da água. Também usam esta habilidade para se deslocar entre as grossas camadas de gelo do Ártico e para localizar polínias (aberturas no gelo para respirar) ou bolhas de ar presas sob a camada de gelo.[47]

Existe evidência de que estes animais são muito sensíveis à poluição auditiva produzida pelo homem. Em um estudo um indivíduo produziu frequências máximas de 40 a 60 kHz na baía de San Diego, Califórnia, e 100 a 120 kHz, ao ser transferido para a baía de Kaneohe, no Havaí. Acredita-Se que a diferença nas frequências é uma resposta para a diferença de ruído ambiental entre as duas regiões.[80]

Estes cetáceos utilizam sons de alta freqüência para se comunicar, os quais às vezes são tão agudos que se lhes compara com pássaros; por isso, são apelidados de "canários marinhos".[81] Como os outros odontocetos, não possuem cordas vocais e os sons provavelmente são produzidos pelo movimento do ar entre os sacos nasais na região do espiráculo.[32]

A beluga está entre as espécies de cetáceos mais vogais.[82] Usam suas vocalizações para redes, reprodução e comunicação. Possuem um grande repertório, pois emitem pelo menos onze diferentes sons semelhantes a cacareos, apitos, trinados e gritos.[32] Também usam a linguagem corporal rangendo os dentes ou espirra, mas é pouco frequente que realizarem exposições visuais com as barbatanas peitorais ou vazões e também não realizam figuras ou cambalhotas, como o fazem outras espécies de odontocetos, em especial os golfinhos.[32]

Um estudo de pesquisadores japoneses, no qual cerca de belugas foram capazes de identificar três objetos diferentes usando sons específicos para cada um deles oferece uma esperança para os humanos de estabelecer algum tipo de comunicação com os mamíferos marinhos.[83]

Referências

  1. Pallas, P.S. (1776). Reise_durch_verschiedene_Provinzen_des_russischen_Reichs (em alemán) 8 ed. [S.l.: s.n.] p. 85. ISBN 1120024307 
  2. Wilson, D.E.; Reeder, D.M., ed. (2005). Mammal Species of the World 3º ed. Baltimore: Johns Hopkins University Press. ISBN 978-0-8018-8221-0. OCLC 62265494 
  3. S. Grétarsdóttir y Ú. Árnason. «Evolution of the common cetacean highly repetitive DNA component and the systematic position of Orcaella brevirostris. Journal of Molecular Evolution (em inglés). 34 (3): 201-208. doi:10.1007/BF00162969 
  4. a b c O'Corry-Crowe, G. (2002). «Beluga Whale Delphinapterus leucas». In: Perrin, W., Würsig B. y Thewissen, J. Encyclopedia of Marine Mammals (em inglés). [S.l.]: Academic Press. pp. 94–99. ISBN 0-12-551340-2 
  5. Heide-Jørgensen, M. P. y Reeves, R. R. (1993). «Description of an anomalous monodontid skull from west Greenland: a possible hibrid?». Marine Mammal Science. 9 (3): 258–268. doi:10.1111/j.1748-7692.1993.tb00454.x 
  6. a b c d Leatherwood, Stephen y Randall R. Reeves (1983). The Sierra Club Handbook of Whales and Dolphins (em inglés) 1 ed. [S.l.]: Sierra Club Books. 320 páginas. ISBN 978-0871563408  Parâmetro desconhecido |ubicación= ignorado (|local=) sugerido (ajuda)
  7. Wiktionary. «Beluga» (em inglés). Consultado em 3 de agosto de 2010 
  8. http://www.iucnredlist.org/details/6335/0/
  9. Don E. Wilson & DeeAnn M. Reeder, ed. (2005). Mammal Species of the World. A Taxonomic and Geographic Reference 3 ed. [S.l.]: Johns Hopkins University Press. p. 2.142. ISBN 0801882214 
  10. Uljiu Arnason y Anette Gullberg (1996). «Cytochrome b nucleotide sequences and the identification of five primary lineages of extant cetaceans» (PDF). Mol Biol Evol (em inglés). 13 (2): 407-417. PMID 8587505 
  11. Victor G. Waddella, Michel C. Milinkovitchb, Martine Bérubéb y Michael J. Stanhope (2000). «Molecular Phylogenetic Examination of the Delphinoidea Trichotomy: Congruent Evidence from Three Nuclear Loci Indicates That Porpoises (Phocoenidae) Share a More Recent Common Ancestry with White Whales (Monodontidae) Than They Do with True Dolphins (Delphinidae)». Molecular Phylogenetics and Evolution. 15 (2): 314-318. doi:10.1006/mpev.1999.0751 
  12. Lawrence G Barnes. Fossil odontocetes (Mammalia: Cetacea) from the Almejas Formation, Isla Cedros, Mexico (em inglés). [S.l.]: University of California, Museum of Paleontology. p. 46 
  13. «Denebola brachycephala» (em inglés). ZipcodeZoo.com. Consultado em 1 de agosto de 2010  Parâmetro desconhecido |fechaarchivo= ignorado (|arquivodata=) sugerido (ajuda); |arquivourl= é mal formado: timestamp (ajuda)
  14. Barnes, L. G. (1977). «Outline of Eastern North Pacific Fossil Cetacean Assemblages». Systematic Zoology (em inglés). 25 (4): 321-343. doi:10.2307/2412508 
  15. William F. Perrin,Bernd G. Würsig,J. G. M. Thewissen (2009). Encyclopedia of marine mammals (em inglés) 2 ed. [S.l.]: Acadenmic Press. p. 214. ISBN 9780123735539 
  16. «Charlotte, The Vermont Whale - An Electronic Museum» (em inglés). University of Vermont. Consultado em 2 de agosto de 2010 
  17. Burns JJ, Seaman GA. (1983). «Investigations of belukha whales in coastal waters of western and northern Alaska, 1982-1983: marking and tracking of whales in Bristol Bay». Biology and ecology. US Dept Commer, NOAA, OCSEAP Final Rep, II (em inglés). 56: 221-357 
  18. Goren, Arthur D.; et al. (1987). «Growth Layer Groups (GLGs) in the Teeth of an Adult Belukha Whale (Delphinapterus leucas) of Known Age: Evidence for Two Annual Layers». Marine Mammal Science (em inglés). 3 (1): 14-21. doi:10.1111/j.1748-7692.1987.tb00148.x 
  19. R.E.A. Stewart, S.E. Campana, C.M. Jones y B.E. Stewart (2006). «Bomb radiocarbon dating calibrates beluga (Delphinapterus leucas) age estimates». Can. J. Zool (em inglés). 84 (12): 1840–1852. doi:10.1139/Z06-182 
  20. «Delphinapterus leucas (Pallas, 1776)» 
  21. a b c d Shirihai, H. & Jarrett, B. (2006). Whales, Dolphins and Other Marine Mammals of the World (em inglés). [S.l.]: Princeton Univ. Press. pp. 97–100. ISBN 0-69112757-3  Parâmetro desconhecido |pubicación= ignorado (ajuda)
  22. Reeves, R., Stewart, B., Clapham, P. y Powell, J. (2003). Guide to Marine Mammals of the World (em inglés). [S.l.]: A.A. Knopf. pp. 318–321. ISBN 0-375-41141-0  Parâmetro desconhecido |ubicación= ignorado (|local=) sugerido (ajuda)
  23. a b c d e Ridgway, S., R. Harrison (1981.). Handbook of Marine Mammals (em inglés) 6ª ed. [S.l.]: Academic Press Limited. 486 páginas. ISBN 978-0125885065  Parâmetro desconhecido |ubicación= ignorado (|local=) sugerido (ajuda); Verifique data em: |ano= (ajuda)
  24. a b c d e «Beluga Whales - Physical Characteristics» (em inglés). Sea World.org. Consultado em 30 de julio de 2010  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  25. a b «The World of the Arctic Whales» 
  26. Sergeant, D. E. y P. F. Brodie (1969). «Body Size in White Whales, Delphinapterus leucas.». Journal Fisheries Research Board of Canada (em inglés). 26 (10): 2561-2580 
  27. United Nations Environment Programme - Conservation of Migratory Species of Wild Animals (2006). Review of small cetaceans: distribution, behaviour, migration and threats: 177 (Marine mammal action plan/regional seas reports and studies) (em inglés). [S.l.]: UNEP/CMS. p. 356. ISBN 3937429026 
  28. a b «Delphinapterus leucas - Morphology, Physical Description» (em inglés). Encyclopedia Of Life. Consultado em 3 de agosto de 2010 
  29. a b c Friedman W. R. (2006). «Environmental Adaptations of the Beluga Whale (Delphinapterus leucas (PDF). Cognitive Science 143 (em inglés) 
  30. a b St. Aubin, D. J., T. G. Smith y J. R. Geraci (1990). «Seasonal Epidermal Molt in Beluga Whales, Delphinapterus leucas. Canadian Journal of Zoology (em inglés). 68 (2): 339-367. doi:10.1139/z90-051 
  31. a b c d Haley, Delphine (1986). Marine Mammals of Eastern North Pacific and Arctic Waters (em inglés) 2 ed. [S.l.]: Pacific Search Press. ISBN 0931397146  Parâmetro desconhecido |ubicación= ignorado (|local=) sugerido (ajuda)
  32. a b c d e f «Beluga Whales - Communication and Echolocation» (em inglés). Sea World.org. Consultado em 30 de julio de 2010  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  33. Turl, C.W (1990). In T.G. Smith, D.J. St.Aubin, y J.R. Geraci., ed. «Echolocation abilities of the beluga, Delphinapterus leucas: a review and comparison with the bottlenose dolphin, Tursiops truncatus.». Can. Bull. Fish. Aquat. Sci (em inglés). 224: 119-128  line feed character character in |titulo= at position 94 (ajuda)
  34. Carter Litchfield, R. G. Ackman, J. C. Sipos y C. A. Eaton. «Isovaleroyl triglycerides from the blubber and melon oils of the beluga whale (Delphinapterus leucas. Lipids. 6 (9): 674-681. doi:10.1007/BF02531529 
  35. Bonner, W.N. Whales. [S.l.: s.n.] pp. 17, 23–24. ISBN 0713708875  Parâmetro desconhecido |ubicación= ignorado (|local=) sugerido (ajuda)
  36. «Environmental Adaptations of the Beluga Whale (Delphinapterus leucas)» (PDF) 
  37. a b c d e f Nowak, Ronald M. (1991). Walker's Mammals of the World (em inglés). 2 5 ed. [S.l.]: The Johns Hopkins University Press. ISBN 0801857899  Parâmetro desconhecido |ubicación= ignorado (|local=) sugerido (ajuda);
  38. The National Oceanic and Atmospheric Administration's National Marine Fisheries Service - Alaska Regional Office. «Beluga Whales» (em inglés). Consultado em 3 de agosto de 2010 
  39. Enchanted Learning. «Blowhole» (em inglés). Consultado em 6 de agosto de 2010 
  40. Mikaelian I, Labelle P, Kopal M, De Guise S, Martineau D. (2003). «Adenomatous hyperplasia of the thyroid gland in beluga whales (Delphinapterus leucas) from the St. Lawrence Estuary and Hudson Bay, Quebec, Canada.». Vet Pathol (em inglés). 40 (6): 698-703. PMID 14608025. Consultado em 3 de agosto de 2010 
  41. NW Kasting, SAL Adderley, T Safford, KG Hewlett (1989). «Thermoregulation in beluga (Delphinapterus leucas) and killer (Orcinus orca) whales». Physiological zoology (em inglés). 62 (3): 687-701 
  42. a b Belkovitch, V. M.; Shekotov, M. N. (1993). The Belukha Whale: Natural Behavior and Bioacoustics (PDF) (em inglés). [S.l.]: Woods Hole Oceanographic Inst. Woods Hole, MA 
  43. RR Fay (1988). Hearing in Vertebrates: a Psychophysics Databook (em inglés). [S.l.]: Hill-Fay Associates, Winnetka IL. p. 621. ISBN 978-0961855901 
  44. Olson, Harry F (1967). Music, Physics and Engineering. Dover Publications (em inglés). [S.l.: s.n.] p. 249. ISBN 0486217698 
  45. a b Sea World.org. «Beluga Whales - Senses» (em inglés). Consultado em 30 de julio de 2010  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  46. a b c d Herman, Louis (1988). Cetacean Behavior: Mechanisms and Functions (em inglés). [S.l.]: John Wiley and Sons. p. 480. ISBN 978-0894642722  Parâmetro desconhecido |ubicación= ignorado (|local=) sugerido (ajuda)
  47. a b c d Katona, Steven K., Valerie Rough y David T. Richardson (1993). Field Guide to Whales, Porpoises, and Seals from Cape Cod to Newfoundland (em inglés) 4 ed. [S.l.]: Smithsonian Institution Press. p. 336. ISBN 1560983337. Consultado em 1 de agosto de 2010 
  48. Slijper, E. J. (1979). Whales (em inglés) 2 ed. [S.l.]: Cornell University Press. p. 511. ISBN 0801411610  Parâmetro desconhecido |ubicación= ignorado (|local=) sugerido (ajuda)
  49. Jefferson TA, Leatherwood S, Webber MA (1993). FAO Species identification guide. Marine mammals of the world. (PDF) (em inglés). [S.l.]: UNEP / FAO, Rome. p. 320 
  50. a b c d MacDonald, David. (1993). The Encyclopedia of Mammals (em inglés). [S.l.]: Facts on File, Inc. p. 895. ISBN 0871968711  Parâmetro desconhecido |ubicación= ignorado (|local=) sugerido (ajuda)
  51. Sjare, Becky L. y Thomas G. Smith (1986). «The Relationship Between Behavioral Activity and Underwater Vocalizations of the White Whale, Delphinapterus leucas. Canadian Journal of Zoology (em inglés). 64 (12): 2824-2831. doi:10.1139/z86-406 
  52. a b Sea World.org. «Beluga Whales - Behavior» (em inglés). Consultado em 30 de julio de 2010  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  53. Georgia Aquarium. «Beluga Whale» (em inglés). Consultado em 12 de octubre de 2008  Parâmetro desconhecido |fechaarchivo= ignorado (|arquivodata=) sugerido (ajuda); |arquivourl= é mal formado: timestamp (ajuda); Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  54. Alaska Geographic Society (1979). Alaska Whales and Whaling (em inglés). [S.l.]: Alaska Northwest Publishing Co  Parâmetro desconhecido |ubicación= ignorado (|local=) sugerido (ajuda)
  55. Smith, T. G. y G. A. Sleno (1986). «"Do White Whales, Delphinapterus leucas, Carry Surrogates in Response to Early Loss of Their Young"». Canadian Journal of Zoology (em inglés). 64 (7): 1581-1582. doi:10.1139/z86-237 
  56. Frank E. Fish (1998). «Comparative kinematics and hydrodynamics of odontocete cetaceans: morphological and ecological correlates with swimming performance» (PDF). Journal of Experimental Biology. 201 (20): 2867-2877 
  57. Sea World.org. «Beluga Whales - Adaptations for an Aquatic Environment» (em inglés). Consultado em 30 de julio de 2010  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  58. Ridgway, S.H., Carder, D.A., Kamolnick, T., Smith, R., Schlundt, C.E. y W.R.Elsberry (2001). «Hearing and Whistling in the Deep Sea: Depth Attenuate Hearing by white whales (Delphinapterus leucas) (Odontoceti, Cetacea)». The Journal of Experimental Biology (em inglés). 204 (22): 3829-3841. PMID 11807101 
  59. a b c d MP Heide-Jorgensen, PR Richard, A Rosing-Asvid (1998). «Dive Patterns of Belugas (Delphinapterus leucas) in Waters Near Eastern Devon Island» (PDF). Artic (em inglés). 51 (1): 17–26 
  60. a b c Ridgway, Sam H (1972). Mammals of the Sea. Biology and Medicine (em inglés). [S.l.]: Charles C. Thomas. p. 812. ISBN 0398023891  Parâmetro desconhecido |ubicación= ignorado (|local=) sugerido (ajuda)
  61. Ridgway, S. H. et. al (1984). «Diving and Blood Oxygen in the White Whale.». Canadian Journal of Zoology (em inglés). 6 (11): 2349-2351. doi:10.1139/z84-344 
  62. Noren, S. R. & Williams, T. M. (junio de 2000). «Body size and skeletal muscle myoglobin of cetaceans: adaptations for maximizing dive duration». Comparative Biochemistry and Physiology - Part A: Molecular & Integrative Physiology (em inglés). 126 (2): 181–191. doi:10.1016/S1095-6433(00)00182-3  Verifique data em: |data= (ajuda)
  63. Loseto LL, Stern GA, Connelly TL, Deibel D, Gemmill B, Prokopowicz A, Fortier L, Ferguson SH (2009). «Summer diet of beluga whales inferred by fatty acid analysis of the eastern Beaufort Sea food web» (PDF). J Exp Mar Biol Ecol (em inglés). 374: 12-18 
  64. Convention on Migratory Species - CMS. «Delphinapterus leucas (Pallas, 1776)» (em inglés). Consultado em 3 de agosto de 2010 
  65. Heide-Jorgensen, M.P., Teilmann, J (1994). «Growth, reproduction, age structure and feeding habits of white whales (Delphinapterus leucas) in West Greenland waters». Meddr Gronland, Biosci. (em inglés). 39: 195–212 
  66. Frost, K.J. y Lowry, L.F (1981). «Trophic importance of some marine gadids in Northern Alaska and their body-otolith size relationships». Fish Bull. 79: 187–192 
  67. a b Lentifer, J (1988). Selected Marine Mammals of Alaska: Species Accounts with Research and Management Recomendations (em inglés). [S.l.]: Marine Mammals Commission 
  68. Sea World.org. «Beluga Whales - Diet and Eating Habits» (em inglés). Consultado em 30 de julio de 2010  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  69. Katona, Steven K., Valerie Rough y David T. Richardson. (1983). A Field Guide to the Whales, Porpoises and Seals of the Gulf of Maine and Eastern Canada (em inglés). [S.l.]: Charles Scribner's Sons. p. 255. ISBN 0684179024  Parâmetro desconhecido |ubicación= ignorado (|local=) sugerido (ajuda)
  70. Richard PR, Martin AR, Orr JR (2001). «Summer and Autumn Movements of Belugas of the Eastern Beau-fort Sea Stock». Arctic (em inglés) (54): 223-236  |arquivourl= é mal formado: timestamp (ajuda)
  71. Beluga Whale - Marine Bio. «Delphinapterus leucas» (em inglés). Consultado em 26 de agosto de 2008 
  72. Lentifer, J. (1988). Selected Marine Mammals of Alaska: Species Accounts with Research and Management Recomendations. (em inglés). [S.l.]: Washington, D.C.: Marine Mammals Commission 
  73. a b Robert Scott Suydam - University of Washington (2009). «Age, growth, reproduction, and movements of beluga whales (Delphinapterus leucas) from the eastern Chukchi Sea» (PDF) (em inglés). Consultado em 4 de agosto de 2008 
  74. Todd R. Robeck1, Steven L. Monfort, Paul P. Calle, J. Lawrence Dunn, Eric Jensen, Jeffrey R. Boehm, Skip Young, Steven T. Clark (2005). «Reproduction, Growth and Development in Captive Beluga (Delphinapterus leucas. Zoo Biology (em inglés). 24 (1): 29–49. doi:10.1002/zoo.20037 
  75. Cosens, S. & Dueck, L. (junio de 1990). «Spring Sightings of Narwhal and Beluga Calves in Lancaster Sound, N.W.T» (PDF). Arctic. 31 (2): 1–2  Verifique data em: |data= (ajuda)
  76. Animal Diversity Web - Museo de Zoología, Universidad de Míchigan. «Delphinapterus leucas» (em inglés). Consultado em 30 de julio de 2010  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  77. Sea World.org. «Beluga Whales - Birth and Care of the Young» (em inglés). Consultado em 30 de julio de 2010  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  78. a b Sea World Education Department (1993). Toothed Whales (em inglés). [S.l.]: Sea World Education Department Publication  Parâmetro desconhecido |ubicación= ignorado (|local=) sugerido (ajuda)
  79. Elaine S. Leung, Valeria Vergara. Lance G. Barrett-Lennard (2010). «Allonursing in captive belugas (Delphinapterus leucas. Zoo Biology (em inglés). 29: 1–5. doi:10.1002/zoo.20295 
  80. Au, Whitlow W. L.; et al. (1985). «Demonstration of Adaptation in Beluga Whale Echolocation Signals». Journal of the Acoustical Society of America (em inglés). 77 (2): 726-730 
  81. ePluribus Media. «The Canaries of the Sea, granted a Pardon, this time...» (em inglés). Consultado em 7 de agosto de 2010 
  82. Bonner, W (1989). Whales of the World (em inglés). [S.l.]: Facts on File Publications. p. 191. ISBN 9780816052165  Parâmetro desconhecido |ubicación= ignorado (|local=) sugerido (ajuda)
  83. «Japanese whale whisperer teaches beluga to talk» (em inglés). www.reuters.com. 16 de septiembre de 2008. Consultado em 16 de septiembre de 2008  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Categoria no Commons
Wikispecies Diretório no Wikispecies