Beta-talassemia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Beta-thalassemia)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Beta-talassemias (β-talassemias) ou talassemias beta são um grupo de doenças hereditárias do sangue. Elas são formas de talassemia causada pela redução ou ausência da síntese de cadeias beta da hemoglobina, que pode gerar resultados variados, que vão desde grave anemia para indivíduos clinicamente assintomáticos. Global incidência anual é estimada em um em cada 100.000.[1] Beta talassemias são causadas por mutações no HBB gene no cromossomo 11, herdada de forma autossômica recessiva. A gravidade da doença depende da natureza da mutação.[2]

Sinais e sintomas[editar | editar código-fonte]

A mão de uma pessoa com anemia grave (à esquerda, usando anel) em comparação a uma normal

Três formas principais têm sido descritos: talassemia maior, talassemia, e talassemia menor. Todas as pessoas com talassemia são suscetíveis a complicações de saúde que envolvem o baço (que é muitas vezes ampliada e removidos com freqüência) e cálculos biliares.[3] Estas complicações são encontrados principalmente nos pacientes com talassemia maior e intermedia. Os indivíduos com talassemia beta maior, geralmente apresentam nos primeiros dois anos de vida, com grave anemia, problemas de crescimento, e as anormalidades esqueléticas durante a infância. Não tratada talassemia maior, eventualmente, leva à morte, geralmente por insuficiência cardíaca; portanto, a triagem no nascimento é muito importante.[4]

O excesso de ferro provoca sérias complicações no fígado, coração e glândulas endócrinas. Grave os sintomas incluem cirrose hepática, fibrose no fígado e, em casos extremos, câncer de fígado.[5] a insuficiência Cardíaca, o crescimento de imparidade, a diabetes e a osteoporose são de risco de vida contribuintes trazidas pelo TM.[6] As principais malformações cardíacas parecem ser resultado de talassemia e da sobrecarga de ferro incluem sistólica ventricular esquerda e disfunção diastólica, hipertensão pulmonar, valveulopathies, arritmias, pericardite. O aumento da absorção gastrointestinal de ferro é visto em todos os tipos de beta-talassemia e aumento de células vermelhas do sangue da destruição do baço devido a eritropoiese ineficaz de lançamentos posteriores adicionais de ferro na corrente sanguínea.[7]

Causa[editar | editar código-fonte]

Mutações[editar | editar código-fonte]

Dois grandes grupos de mutações podem ser distinguidas:

  • Formas de Não Exclusão: Esses defeitos, em geral, envolvem uma única base de substituição ou pequenas inserções perto ou a montante da gene β-globina. Na maioria das vezes, as mutações ocorrem no promotor regiões anteriores dos genes beta-globina. Menos frequentemente, anormal emenda variantes são acreditadas para contribuir para a doença.[8]
  • Formas de Exclusão: Eliminações de tamanhos diferentes, envolvendo o gene β da globina produz diferentes síndromes, tais como a síndrome (βs) ou a síndrome hereditária da hemoglobina fetal.[9]
Nome Mais velhos sinônimos Descrição Alelos
Talassemia menor Heterozigótico forma: Apenas um dos alelos β-globina carrega uma mutação. Indivíduos que sofrem de anemia microcítica. Detecção envolve geralmente menor do que o normal volume corpuscular médio valor (<80 fL).[10] β+
βs
Talassemia Os indivíduos afetados podem muitas vezes não conseguem uma vida normal, mas pode, ocasionalmente, precisam de transfusões, por exemplo, em momentos de doença ou gravidez, dependendo da gravidade da sua anemia.[11] β++
βs+
Talassemia maior Mediterrâneo a anemia; a anemia Cooley Forma homozigótica: Ocorre quando ambos os alelos têm talassemia mutações. Este é um grave microcítica, hypochromic anemia. Não tratada, causa anemia, esplenomegalia e graves deformidades ósseas. Ele evolui para a morte antes da idade de 20 anos. O tratamento consiste em periódicos de transfusão de sangue; esplenectomia por esplenomegalia e quelação de transfusão relacionados com a sobrecarga de ferro.[12] βss

Montagem de mRNA[editar | editar código-fonte]

Proteína HBB PDB 1a00: esta é uma saudável da Proteína Globina Beta

Beta talassemia é uma doença hereditária que afetam a hemoglobina. Como cerca de metade de todas as doenças hereditárias,[13] uma mutação herdada danos a montagem do mensageiro do tipo RNA (mRNA), que é transcrita a partir de um cromossomo. O DNA contém ambas, as instruções (genes) para amarrar aminoácidos juntos em proteínas, bem como trechos de DNA que desempenham papéis importantes na regulação produzida no níveis de proteína.[14]

Fatores de risco[editar | editar código-fonte]

A história da família e descendência são fatores que aumentam o risco de beta-talassemia. Dependendo de sua história familiar, se seus pais ou avós sofriam de talassemia beta, há uma grande probabilidade de que as mutações do gene a ser herdada por um filho. Mesmo se uma criança não tem talassemia beta maior, eles ainda podem ser portador resultando em futura prole ter de talassemia beta. Outro fator de risco é porque de certa ascendência. Beta talassemia ocorre mais freqüentemente em pessoas de origem italiana, grega, Oriente Médio, sul da Ásia, e da ascendência africana.[15]

Epidemiologia[editar | editar código-fonte]

A forma beta de talassemia é particularmente prevalente entre os povos do Mediterrâneo e geográfico da associação é responsável pela sua nomeação: thalassa (θάλασσα) é no grego a palavra para o mar e haema (αἷμα) é a palavra grega para o sangue. Na Europa, a maior concentração da doença são encontrados na Grécia e o turco regiões costeiras. As principais ilhas do Mediterrâneo (exceto as Baleares), tais como a Sicília, a Sardenha, a Córsega, Chipre, Malta e Creta são fortemente afetadas, em particular.[16][17] Outros povos da bacia do Mediterrâneo, bem como nas proximidades do Mediterrâneo, também têm altas taxas de incidência, incluindo pessoas do Oeste da Ásia e Norte da África. Os dados indicam que 15% dos gregos e Cipriotas turcos são portadores de genes beta-talassemia, enquanto que 10% da população transportar genes alfa-talassemia.[18]

Adaptação evolutiva[editar | editar código-fonte]

A talassemia pode conferir um grau de proteção contra a malária,[19] que é ou foi predominante em regiões onde o traço é comum, conferindo uma seletiva vantagem de sobrevivência para os transportadores (conhecido como vantagens de heterozigotos), perpetuando, assim, a mutação. No que diz respeito, vários talassemias semelhantes outro distúrbio genético que afetam a hemoglobina, a doença da célula falciforme.[20]

Veja também[editar | editar código-fonte]

  • Alfa-talassemia
  • Anisopoikilocytosis (variação de glóbulos vermelhos, tamanho, geralmente como resultado de beta talassemia)

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Beta-thalassemia». Orphanet J Rare Dis. 5. PMC 2893117Acessível livremente. PMID 20492708. doi:10.1186/1750-1172-5-11 
  2. Goldman, Lee; Schafer, Andrew I. (21 de abril de 2015). Goldman-Cecil Medicine: Expert Consult - Online. [S.l.: s.n.] ISBN 9780323322850 
  3. «Beta thalassemia». Genetics Home Reference 
  4. Introduction to Pathology for the Physical Therapist Assistant. [S.l.: s.n.] 2011. ISBN 9780763799083 
  5. Anderson, Gregory J.; McLaren, Gordon D. (16 de janeiro de 2012). Iron Physiology and Pathophysiology in Humans. [S.l.: s.n.] ISBN 9781603274845 
  6. Barton, James C.; Edwards, Corwin Q.; Phatak, Pradyumna D.; Britton, Robert S.; Bacon, Bruce R. (22 de julho de 2010). Handbook of Iron Overload Disorders. [S.l.: s.n.] ISBN 9781139489393 
  7. McCance, Kathryn L.; Huether, Sue E. (13 de dezembro de 2013). Pathophysiology: The Biologic Basis for Disease in Adults and Children. [S.l.: s.n.] ISBN 9780323088541 
  8. Leonard, Debra G. B. (25 de novembro de 2007). Molecular Pathology in Clinical Practice. [S.l.: s.n.] ISBN 9780387332277 
  9. Bowen, Juan M.; Mazzaferri, Ernest L. (6 de dezembro de 2012). Contemporary Internal Medicine: Clinical Case Studies. [S.l.: s.n.] ISBN 9781461567134 
  10. Disorders, National Organization for Rare (2003). NORD Guide to Rare Disorders. [S.l.: s.n.] ISBN 9780781730631 
  11. Barton, James C.; Edwards, Corwin Q. (13 de janeiro de 2000). Hemochromatosis: Genetics, Pathophysiology, Diagnosis and Treatment. [S.l.: s.n.] ISBN 9780521593809 
  12. Wilkins, Lippincott Williams & (2009). Professional Guide to Diseases. [S.l.: s.n.] ISBN 9780781778992 
  13. Ward, Amanda J; Cooper, Thomas A (2009). «The pathobiology of splicing». The Journal of Pathology. 220 (2): 152–63. PMC 2855871Acessível livremente. PMID 19918805. doi:10.1002/path.2649 
  14. «the definition of dna». Dictionary.com 
  15. «Risk Factors». Mayo Clinic 
  16. «WHO | Global epidemiology of haemoglobin disorders and derived service indicators». www.who.int 
  17. Berg, Sheri; Bittner, Edward A. (16 de outubro de 2013). The MGH Review of Critical Care Medicine. [S.l.: s.n.] ISBN 9781451173680 
  18. Haematology Made Easy. [S.l.: s.n.] 6 de fevereiro de 2013. ISBN 9781477246511 
  19. Abouelmagd, Ahmed; Ageely, Hussein M. (2013). Basic Genetics: A Primer Covering Molecular Composition of Genetic Material, Gene Expression and Genetic Engineering, and Mutations and Human Genetic. [S.l.: s.n.] ISBN 9781612331928 
  20. Weatherall, David J. The Thalassemias: Disorders of Globin Synthesis. [S.l.: s.n.] 

Leitura complementar[editar | editar código-fonte]