Bowfinger

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Bowfinger
O Sem-Vergonha (PRT)
Os Picaretas (BRA)
 Estados Unidos
1999 •  cor •  97[1] min 
Direção Frank Oz
Produção Brian Grazer
Roteiro Steve Martin
Elenco Steve Martin
Eddie Murphy
Heather Graham
Christine Baranski
Terence Stamp
Robert Downey, Jr.
Gênero comédia
Música David Newman
Cinematografia Ueli Steiger
Edição Rick Pearson
Companhia(s) produtora(s) Imagine Entertainment
Distribuição Universal Pictures
Lançamento Estados Unidos 13 de agosto de 1999
Brasil 12 de novembro de 1999
Portugal 19 de novembro de 1999
Idioma inglês
Orçamento US$55 milhões[2]
Receita US$98,625,775[2]
Site oficial
Página no IMDb (em inglês)

Bowfinger (br: Os Picaretas[3] / pt: O Sem-Vergonha[4]) é um filme de comédia estadunidense de 1999 dirigido por Frank Oz. O filme retrata um cineasta fracassado de Hollywood que tenta produzir um filme com um pequeno orçamento e com uma estrela de cinema que não sabe que está num filme e nem que está sendo gravado a todo o instante ao estilo cinema de guerrilha.[5] Ele foi escrito por Steve Martin e estrelado por ele mesmo como o cineasta Robert "Bobby" K. Bowfinger, Eddie Murphy retrata um papel duplo nesse filme: o famoso astro de cinema Kit Ramsey e seu irmão gêmeo, o nerd e abobalhado Jiff Ramsey (que está presente no cartaz de filme) e Heather Graham como Daisy, uma estrela ambígua e insípida. Os críticos descreveram o filme como uma paródia da produção cinematográfica de Hollywood.[6][7][8]

O filme foi produzido pela empresa Imagine Entertainment, de Brian Grazer, em conjunto com a Universal Studios.[9] O título provisório para o filme foi Bowfinger's Big Thing.[10][11] O filme foi inicialmente agendado para um lançamento em 30 de julho de 1999, mas em maio de 1999 a Universal Studios lançou seu lançamento para 27 de agosto de 1999.[12] Sua data final de lançamento era 13 de agosto de 1999.[13][14] Os custos do filme chegaram a US$44 milhões.[15] Os executivos da Universal queriam cortar a cena da estrada porque achavam que seria muito caro; Martin respondeu que ele não cortaria a cena mais engraçada do filme.[16] Estreou no Brasil em 12 de Novembro daquele ano e nos cinemas portugueses a 19 de novembro.

A organização fictícia "MindHead" foi comparada por críticos de cinema à Igreja da Cientologia.[17][18][19] Paul Clinton escreveu na CNN on-line: "'Bowfinger' poderia ser visto apenas como uma mentira extravagante sobre Hollywood, filmes, celebridades e até mesmo a Igreja da Cientologia. Mas Martin escreveu uma história doce sobre um grupo de pessoas de fora com sonhos impossíveis".[18] Andrew O'Hehir escreveu em Salon que "Muito de 'Bowfinger' envolve a busca genericamente maluca dos cineastas pelo cada vez mais paranóico Kit, que foge para as garras de uma pseudo-Cientologia chamada MindHead (seu slogan: 'Verdade Através da Força')".[19] o Daily Record e o San Francisco Chronicle fizeram comparações similares,[20][21][22] e o Albuquerque Journal e o Fort Worth Star-Telegram chamaram MindHead de uma paródia "pouco velada" da Cientologia.[23][24] Uma resenha no The New York Times descreveu o papel de Terence Stamp no filme como "um líder de culto para uma organização parecida com a Cientologia chamada Mind Head", e The Dallas Morning News e Houston Chronicle fizeram declarações similares sobre o personagem de Stamp.[25][26][27] O roteirista Steve Martin disse ao New York Daily News: "Eu vejo isso como um pastiche de coisas que eu vi vir e passar pelos anos", e afirmou: "Cientologia recebe muito crédito ou culpa agora, porque eles são os mais quentes".[28] The Cincinnati Enquirer observou em sua análise "Para o registro, Martin nega que o MindHead seja baseado em Cientologia".[29]

O filme faz uma paródia ao culto às celebridades e experiências que os produtores de filmes podem sofrer quando tentam fazer um filme em Hollywood. O Time Out Film Guide chamou o filme de uma "sátira na orla lunática de Hollywood".[30] O Seattle Post-Intelligencer observou que "é preciso roubar filmes de ação estúpidos" e "o preconceito da indústria".[31] O Seattle Post-Intelligencer também notou a capacidade de Eddie Murphy de se enganar no filme, incluindo "enganar sua própria paranóia lendária, evocando seu escândalo sexual na vida real e permitindo-se ser o alvo da mordaça de Martin".[31] Leonard Schwarz, da Palo Alto Online, descreveu o filme como "arqueando e conhecendo os caminhos de Hollywood", incluindo "produtores que querem manter seus carros mais do que seus filhos quando se divorciam".[32] Russell Smith, do The Austin Chronicle, observou a sátira do filme "A cultura do cinema de Los Angeles e os filmes blockbusters com morte cerebral".[33] Um artigo no San Francisco Chronicle de Bob Graham escreveu que "Martin, o escritor, planta algumas farpas na retaguarda de Hollywood sobre financiamento criativo de filmes e acumulação de lucros, a arte do negócio, atitudes mais modernas e exploração".[34] Laurie Scheer escrevendo para Creative Careers in Hollywood disse que "O desempenho de Steve Martin como Bobby Bowfinger é imperdível, especialmente se você está escolhendo uma carreira como produtor." [35] Temas dentro do filme foram comparados com The Producers de Mel Brooks; uma crítica no Denver Rocky Mountain News escreveu que o filme tem "..a velocidade louca de The Producers de Mel Brooks".[36] Jeff Millar, do Houston Chronicle, comparou o personagem de Steve Martin no filme a Edward Wood, Jr., e Kenneth Turan, do Los Angeles Times, descreveu a Bowfinger International Pictures como "uma empresa tão pessimista que até mesmo Ed Wood teria desprezado isso".[37][38] Comparações também foram feitas ao filme homônimo de Tim Burton sobre o diretor, Ed Wood.[39]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Bobby Bowfinger (Steve Martin) é um produtor de filmes sem sucesso que há vários anos tenta obter um sucesso de bilheteria que tanto deseja.

O seu próximo filme terá todos os ingredientes que um filme de sucesso tem de ter: ação, extraterrestres, uma mulher sensual (Heather Graham) e Kit Ramsey (Eddie Murphy), a maior estrela de Hollywood. Mas existe um pequeno problema: o próprio Kit não sabe que o papel é para ele. Bobby e sua equipe planejam filmar Kit nos mais variados locais, sem que ele saiba que está sendo gravado e muito menos participando de um filme. Para realizar o tal feito, Bobby vai contar com a ajuda do irmão gêmeo abobalhado de Kit, Jiff.

Elenco[editar | editar código-fonte]

O papel de Eddie Murphy foi escrito para Keanu Reeves, enquanto que Daisy, interpretada por Heather Graham, é baseada na sua ex namorada Anne Heche.[40][5][41]

Recepção[editar | editar código-fonte]

No Rotten Tomatoes, o filme recebeu uma classificação de 81%, com base em 109 avaliações, com uma classificação média de 7/10. O consenso do site dizia: "Um comentário espirituoso sobre o cinema moderno, com piadas suficientes para mantê-lo divertido por toda parte".[42] Em Metacritic, o filme tem uma pontuação de 71 em 100, com base em 33 críticos, indicando "críticas geralmente favoráveis".[43]

Roger Ebert deu ao filme três e meio de quatro estrelas, e escreveu "Bowfinger é uma daquelas comédias em que tudo funciona".[44] O filme recebeu três de quatro estrelas do TLA Video & DVD Guide, onde foi descrito como "um olhar engraçado e espantoso para um produtor de Hollywood que fará todos os esforços para fazer seu filme".[45] O Seattle Post-Intelligencer deu ao filme uma classificação de "A-" em sua resenha, escrevendo "Esta é uma comédia fantástica que não se interrompe por um instante".[31] Rocky Mountain News destacou o filme como uma "Critics 'Choice", e escreveu que "Steve Martin leva pontaria suave mas engraçada a Hollywood" no filme.[46] Em The Washington Post, Jane Horwitz descreveu o filme como uma "farsa desenfreada".[47] O Kansas City Star chamou de "comédia freqüentemente hilariante".[48] The New York Times recomendou altamente o filme, e a crítica Janet Maslin escreveu: "Este hilário e de bom coração, descendente espiritual de The Producers é um golpe cômico para Martin".[49] O Daily Mail escreveu "Martin está de volta ao seu melhor doido ... possivelmente o seu melhor de sempre".[50]

Uma resenha no Deseret Morning News foi crítica, dando ao filme dois e meio de quatro estrelas, e chamou-a de uma comédia "engraçada, mas frenética e de certo mau humor".[51] Leonard Maltin também deu ao filme duas estrelas e meia, e escreveu em seu Leonard Maltin's Movie Guide "Coadjuvantes gostosos levam essa comédia um longo caminho; há algumas boas risadas por toda parte, mas nunca é tão satisfatório quanto você gostaria que fosse".[52]

Bilheteria[editar | editar código-fonte]

O filme estreou no segundo lugar atrás de The Sixth Sense, com um retorno inicial de bilheteria de US$18.2 milhões em 2,700 cinemas nos Estados Unidos.[13][53] Ele manteve o segundo lugar na sua segunda semana, ganhando um adicional de US$10.7 milhões e arrecadando US$35.7 milhões em seus primeiros dez dias.[54][55][56] Em 7 de setembro de 1999, Bowfinger estava no quarto lugar, com um retorno no final de semana de US$7 milhões e um total bruto de US$55.5 milhões.[57] Em 13 de setembro de 1999, o filme caiu para o 5º lugar, com um retorno de US$3.7 milhões no fim de semana, para um total de US$60.5 milhões.[58] Em 11 de outubro de 1999, o filme faturou US$65 milhões nos Estados Unidos.[59] O filme não se saiu tão bem como nos Estados Unidos.[60]

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

Lançado pela Varèse Sarabande

  1. "There is Always One More Time" - Johnny Adams
  2. "You're a Wonderful One" - Marvin Gaye
  3. "And I Love You So" - Perry Como
  4. "Mambo U.K." - Cubanismo
  5. "Super Bad, Super Slick" - James Brown
  6. "Secret Agent Man" - Johnny Rivers
  7. "Betsy Chases Kit/The First Shot/A Short Ride/Dave Makes a Call/Dave Returns Camera"
  8. "Cafe Set-Up/Shooting The Cafe/Stealing Renfro's Car/Auditioning the Butts"
  9. "Chubby Rain"
  10. "Clothing Store/Daisy Rescues Kit"
  11. "The Observatory"
  12. "Finale/Fed Ex Delivers"

Referências

  1. «BOWFINGER (12)». British Board of Film Classification. 13 de julho de 1999. Consultado em 4 de novembro de 2013 
  2. a b «Bowfinger (1999)». Box Office Mojo. IMDB. Consultado em 4 de novembro de 2013 
  3. «Steve Martin e Eddie Murphy formam uma dupla bem picareta no Cine Aventura; saiba curiosidades sobre o filme». RecordTV. R7. 17 de agosto de 2013. Consultado em 15 de fevereiro de 2019 
  4. O Sem-Vergonha. DVDpt.com
  5. a b «Caderno 2». Folha da Região. 21 de janeiro de 2000. Consultado em 15 de fevereiro de 2019 
  6. Thales de Menezes (12 de novembro de 1999). «Martin e Murphy arrancam risadas». Folha de S.Paulo. UOL. Consultado em 15 de fevereiro de 2019 
  7. Anthony Breznican (12 de novembro de 1999). «Essa comédia não é para crianças, diz diretor». Folha de S.Paulo. UOL. Consultado em 15 de fevereiro de 2019 
  8. «Steve Martin e Eddie Murphy brincam de cinema em "Os Picaretas"». Terra Networks. Consultado em 15 de fevereiro de 2019 
  9. Staff (18 de agosto de 1999). «Universal Names New Head of Production». The New York Times. Consultado em 18 de dezembro de 2007 
  10. Staff (6 de janeiro de 1999). «Coming in 1999: The Wild Wild Phantom Menace». Associated Press 
  11. Staff (7 de maio de 1999). «What's on summer's movie screens». Deseret News 
  12. Hindes, Andrew (26 de maio de 1999). «U's 'Bowfinger' pushed to August: Martin- Murphy starrer gets some breathing room». Variety. Consultado em 18 de dezembro de 2007 
  13. a b King, Susan (17 de agosto de 1999). «Weekend Box Office; 'Sixth Sense' Pulls Big Dollars and Cents». Los Angeles Times. pp. Page 5 
  14. McNary, Dave (24 de junho de 1999). «Hollywood Sizzles: Box Office Heat Wave Breaking Summer Records». Los Angeles Daily News 
  15. McNary, Dave (11 de maio de 1999). «How Big A 'Menace'? 'Phantom' Not The Only Game In Town». Los Angeles Daily News 
  16. Semlyen, Nick (março de 2009). «In conversation with Steve Martin». Empire. p. 116 
  17. Laforest, Kevin N. «Review: Bowfinger». Montreal Film Journal. 1998–2007 Montreal Film Journal. Consultado em 10 de janeiro de 2008 
  18. a b Clinton, Paul (12 de agosto de 1999). «Review: 'Bowfinger' over-the-top farcical treat». CNN. Time Warner. pp. Section: Movies. Consultado em 18 de dezembro de 2007 
  19. a b O'Hehir, Andrew (12 de agosto de 1999). «Bowfinger: Martin and Murphy team up for a good-natured sendup of the mindless summer blockbuster -- and just barely avoid making one themselves.». Salon. Consultado em 18 de dezembro de 2007 
  20. Booth, Michael (16 de julho de 2007). «Martin skewers Hollywood». The Denver Post. Consultado em 18 de dezembro de 2007 
  21. Staff (22 de outubro de 1999). «Martin makes Murphy make magic; BOWFINGER». Daily Record. pp. Section: Features 
  22. Morris, Wesley (13 de agosto de 1999). «"Bowfinger' has the touch. Martin, Murphy make mincemeat out of Hollywood as a down-and-out producer and his "star'». San Francisco Chronicle. Consultado em 18 de dezembro de 2007 
  23. Staff (1 de janeiro de 2007). «'Bowfinger' Lacks Chemistry Between Martin, Murphy». Albuquerque Journal 
  24. Staff (21 de janeiro de 2000). «Hollywood looks in the mirror, and laughs». Fort Worth Star-Telegram 
  25. Staff (23 de outubro de 1999). «Actor Terence Stamp makes the most of his film roles». The Dallas Morning News 
  26. Holden, Stephen (3 de setembro de 1999). «CRITIC'S NOTEBOOK; Laughs, Schmaffs. Does It Have an Edge?». The New York Times 
  27. Millar, Jeff (15 de outubro de 1999). «Good acting gives hard-to-follow `Limey' a boost». Houston Chronicle. pp. Page 4 
  28. Staff (28 de julho de 1999). «Steve Martin on Scientology». New York Daily News 
  29. McGurk, Margaret A. (13 de agosto de 1999). «Murphy and Martin: Commandants of comedy strut their absurdist stuff in 'Bowfinger'». The Cincinnati Enquirer. Consultado em 10 de janeiro de 2008 
  30. Tch. «Bowfinger movie review». Time Out Film Guide. Time Out Group Ltd. Consultado em 10 de janeiro de 2008 
  31. a b c Arnold, William (13 de agosto de 1999). «'Bowfinger' hits the comedy jackpot». Seattle Post-Intelligencer. Consultado em 10 de janeiro de 2008 [ligação inativa] 
  32. Schwarz, Leonard (agosto de 1999). «Movies - Review: Bowfinger». Palo Alto Online. pp. Section: Movie Screener 
  33. Smith, Russell (20 de agosto de 1999). «Calendar: Film listings - Bowfinger». The Austin Chronicle. Austin Chronicle Corp. Consultado em 10 de janeiro de 2008 
  34. Graham, Bob (agosto de 1999). «Bowfinger Pokes Hipsters In Hollywood». San Francisco Chronicle. Consultado em 10 de janeiro de 2008 
  35. Scheer, Laurie (2002). Creative Careers in Hollywood. [S.l.]: Allworth Communications, Inc. p. 135. ISBN 1-58115-243-4 
  36. Denerstein, Robert (13 de agosto de 1999). «Follywood Tinseltown Takes it on the Chin in 'Bowfinger'». Denver Rocky Mountain News 
  37. Millar, Jeff (11 de março de 2004). «Movie reviews: Bowfinger». Houston Chronicle. Consultado em 10 de janeiro de 2008. Arquivado do original em 15 de janeiro de 2009 
  38. Turan, Kenneth (13 de agosto de 1999). «Bowfinger: Murphy's Rich Man, Poor Man: On Target». Los Angeles Times. Consultado em 10 de janeiro de 2008. Arquivado do original em 24 de fevereiro de 2009 
  39. Grady, Pam. «Bowfinger (1999)». Reel.com. Movie Gallery US, LLC and Hollywood Entertainment Corporation. Consultado em 10 de janeiro de 2008. Arquivado do original em 2 de novembro de 2005 
  40. Bowfinger no AdoroCinema
  41. «Anne Heche e Ellen DeGeneres dão fim a relacionamento». Agência Estado. Estadão. 21 de agosto de 2000. Consultado em 15 de fevereiro de 2019 
  42. «Bowfinger». Rotten Tomatoes. Flixster. Consultado em 1 de abril de 2013 
  43. Bowfinger (em inglês) no Metacritic CBS Interactive
  44. Ebert, Roger (13 de agosto de 1999). «Bowfinger». Chicago Sun-Times. Consultado em 18 de dezembro de 2007 
  45. Bleiler, David; TLA Video (2004). TLA Video & DVD Guide 2005: The Discerning Film Lover's Guide. [S.l.]: St. Martin's Griffin. p. 80. ISBN 0-312-31690-9 
  46. Voelz Chandler, Mary; Mike Pearson; Dusty Saunders; Robert Denerstein; Michael Mehle; Marc Shulgold; Patti Thorn (15 de agosto de 1999). «Critics' Choice: The best of the arts this week, compiled by News entertainment writers and critics». Rocky Mountain News 
  47. Horwitz, Jane (20 de agosto de 1999). «A Comedic 'Mickey'». The Washington Post. Consultado em 18 de dezembro de 2007 
  48. Staff (20 de agosto de 1999). «Eddie Murphy doubles the laughs in 'Bowfinger'». Kansas City Star. pp. Section: What's New 
  49. Maslin, Janet (10 de setembro de 1999). «Movie Guide: Now Playing». The New York Times. Consultado em 18 de dezembro de 2007 
  50. Staff (19 de setembro de 1999). «Real To Reel; Ugly face of glamour». Daily Mail. pp. Section: Features 
  51. Staff (10 de dezembro de 1999). «Playing at local movie theaters». Deseret Morning News 
  52. Maltin, Leonard; Cathleen Anderson; managing editor (agosto de 2003). Leonard Maltin's Movie Guide 2004 Edition. [S.l.]: Penguin Group (USA) Inc. p. 168. ISBN 0-451-20940-0 
  53. Natale, Richard (16 de agosto de 1999). «Sense' Scares Off Challengers; Box Office.Thriller holds onto No. 1 spot, keeping 'Bowfinger' comedy at bay». Los Angeles Times. pp. Page 1 
  54. Klady, Leonard (23 de agosto de 1999). «B.O. dollars & 'Sense': Thriller tops for 3rd week at $24 mil; 'Mickey' taps $10 mil». Variety. Consultado em 18 de dezembro de 2007 
  55. Staff (23 de agosto de 1999). «Blame It On The Rain». The Boston Globe 
  56. «`Sixth Sense' tops box office for third week». Milwaukee Journal Sentinel. Associated Press. 23 de agosto de 1999 
  57. Klady, Leonard (7 de setembro de 1999). «'Sixth Sense' takes fifth, powers holiday: 'Bride' on honeymoon». Variety. Consultado em 18 de dezembro de 2007 
  58. Klady, Leonard (13 de setembro de 1999). «'Stigmata' bleeds BO: 'Sense' slips to second; 'Stir' in mix». Variety. Consultado em 18 de dezembro de 2007 
  59. Lyman, Rick (11 de outubro de 1999). «Universal Hopes 1999's Hits Will Silence the Rumor Mill». The New York Times. Consultado em 18 de dezembro de 2007 
  60. Groves, Don (16 de dezembro de 1999). «America's pics find foreign B.O. hit, miss puzzle: O'seas box office doesn't always follow U.S. money-makers». Variety. Consultado em 18 de dezembro de 2007 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]