Brasiliana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin

Brasilianas são coleções, pessoais ou institucionais, tendo por tema especificamente o Brasil, contendo estudos ou objetos informativos de fatos de qualquer natureza, natural ou cultural.[1][2].

Como em outros tipos de coleções seus objetos podem ser para consulta presencial restrita (somente a pessoas autorizadas), consulta presencial irrestrita (a todo o público), empréstimo, venda ou oferecimento gratuito, fisicamente ou por descarga online, se forem de natureza reprodutível, portátil ou que possam ser consultados online, como impressos, imagens, áudios, vídeos ou outro meio.

Coleções exclusivas importantes[editar | editar código-fonte]

Dedicadas exclusivamente ao tema Brasil:

Coleções mistas importantes[editar | editar código-fonte]

Possuem acervos importantes sobre o Brasil, também com informação catalográfica, porém sem exclusividade:

Brasilianas estrangeiras[editar | editar código-fonte]

Embora brasilianista[8] seja neologismo do século XX a atividade é anterior. No século XIX europeus fizeram no Brasil viagens para coletas de material e informações e seus relatos e acervos botânicos e iconográficos, de singularidade insubstituível por serem remotos no tempo, são hoje consultados por brasileiros. Os mais expressivos:

Extensão do conceito[editar | editar código-fonte]

Embora a rigor não o sejam, por não terem acervo físico, eventualmente chama-se de Brasiliana a catálogos, ou bases de dados, de informações voltadas ao tema Brasil. Nesse sentido há o catálogo da Cinemateca Brasileira. Sobre livros e outros impressos há Destaques da Biblioteca InDisciplinada de Guita e José Mindlin, vol. Brasiliana[9], de José Mindlin, e Bibliographia Brasiliana: Livros raros sobre o Brasil publicados desde 1504 até 1900 e obras de autores brasileiros do Período Colonial[10], de Rubens Borba de Moraes. Há também catálogos de catálogos, como Fontes selecionadas para pesquisa e estudo de obras raras e valiosas, de Cláudia Diniz[11]. Sobre música há o Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira, dicionário, ou catálogo, especializado no assunto. Nas brasilianas de filologia e linguística da língua portuguesa, os dicionários e léxicos ultrapassados constituem uma das partes mais importantes, transformando-se em fontes primárias.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Dicionário Michaelis, brasiliana
  2. Brasiliana Iconográfica, Sobre o Projeto, Brasiliana, consultado em 2017-10-30
  3. Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin, A biblioteca, consultado em 2017-10-30
  4. EdUSP, BIBLIOGRAPHIA BRASILIANA, texto informativo, consultado em 2017-10-30
  5. Revista de Fontes, A Companhia Editora Nacional e seu acervo, UNIFESP, consultado em 2017-10-30
  6. IMS-Instituto Moreira Salles, Brasiliana Fotográfica, consultado em 2017-10-30
  7. IMS-Instituto Moreira Salles, Brasiliana Iconográfica, consultado em 2017-10-30
  8. Brasiliana - Journal for Brazilian Studies, consultado em 2017-10-30
  9. MINDLIN, José, Destaques da Biblioteca InDisciplinada de Guita e José Mindlin, São Paulo, EdUSP 2005, ISBN 978853140889-2
  10. MORAES, Rubens Borba de, Bibliographia Brasiliana: Livros raros sobre o Brasil publicados desde 1504 até 1900 e obras de autores brasileiros do Período Colonial, São Paulo, EdUSP 2010, ISBN 978853141232-5
  11. DINIZ, Cláudia Coimbra , Fontes selecionadas para pesquisa e estudo de obras raras e valiosas, Senado Federal, Biblioteca Digital, ISBN 9788570183743, descarga de PDF