Auguste de Saint-Hilaire

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura localidades denominadas Saint Hilaire, veja Saint-Hilaire (desambiguação).
Auguste de Saint-Hilaire
Nome nativo Auguste de Saint-Hilaire
Nascimento 4 de outubro de 1779
Orleães
Morte 3 de setembro de 1853
Orleães
Cidadania França
Ocupação explorador, pteridólogo, botânico, micologista
Prêmios Legião de Honra

Augustin François César Prouvençal de Saint-Hilaire (Orleães, 4 de outubro de 1779 — Orleães, 3 de setembro de 1853) foi um botânico, naturalista e viajante francês. O estudioso pertenceu aos primeiros grupos de cientistas, vindos da Europa, para realizarem suas pesquisas e explorações no Brasil Colônia, durante os anos de 1816 e 1822, período no qual a corte portuguesa estava instalada no país, na cidade do Rio de Janeiro. [1]

Como resultado de suas expedições pelo território brasileiro, Auguste de Saint-Hilare reuniu mais de 30 mil amostras[2], sendo que eram 24 mil de espécimes de plantas e 6.000 espécies de animais. Dessas 6.000, eram 2.000 aves, 16.000 insetos e 135 mamíferos , além de inúmeros répteis, peixes e moluscos. [3]A maioria das espécies coletadas era descrita pela primeira vez na história em seus livros, por esse motivo seus cadernos de campo ficaram tão conhecidos.[4]

Ainda hoje, passados mais de 200 anos, desde Saint-Hilaire chegou ao Brasil, sua presença ainda é comemorada e seus estudos ainda são revisitados. No ano de 2016, foi realizado o I Seminário Franco-brasileiro Botânica e História, promovido pelo Jardim Botânico do Rio de Janeiro, cujo o marco era o aniversário de sua chegada.[5] No mesmo ano, o 24º Simpósio de Plantas Medicinais do Brasil, que acontecia em Belo Horizonte, tinha-o como centro das discussões.[6] E a Biblioteca Nacional inaugurava ao público uma exposição a trajetória percorrida pelo francês em território brasileiro, por meio de textos e imagens.[2]

Vida[editar | editar código-fonte]

Europa: Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Filho de um oficial da artilharia, pertencente à nobreza do interior França, Auguste de Saint-Hilare nasceu, em 1779, na cidade de Orleães, região conhecida por ter sido palco do embate entre Joana D'Arc e os exércitos ingleses durante a Guerra dos Cem Anos. [2]Desde pequeno o francês manifestava vocação nata para o estudo das ciências naturais, mas por conta dos imperativos do país, entendido como a Revolução Francesa, Saint-Hilaire foi enviado para a Alemanha, onde trabalhou no porto de Hamburgo e conheceu o também botânico Karl Sigismund Kunth.[7]

Após a experiência mal-sucedida, Auguste começa sua carreira como naturalista. Entre suas influências, destaca-se o nome do botânico sueco Carolus Linnaeus, autor do livro Systema Naturae, de 1735, que teoriza sobre uma classificação hierárquica das espécies, e também o nome do filósofo sueco Jean-Jacques Rousseau, cuja vida e obra foi tema de uma monografia de Saint-Hilare. É também inspirado pelas lendárias viagens oceânicas, datadas entre 1768 e 1779, do capitão inglês James Cook, que inclusive visitou a cidade do Rio de Janeiro.[1]

Avançando na carreira de botânico e naturalista, Auguste Saint-Hilare torna-se professor do Museu de História Natural de Paris e, por meio de seus contatos na época, soube da missão que o conde de Luxemburgo, Charles Emmanuel Sigismond de Montmorency-Luxembourg, na época embaixador da França junto a Portugal, promoveria para o Brasil, em 1816, financiada pela corte do rei Luís XVIII. A expedição, também de caráter político, tinha como objetivo solucionar problemas fronteiriços entre a Guiana Francesa com o governo português de Dom João VI.[1]

Brasil: Viagens exploratórias entre 1816 e 1822[8][editar | editar código-fonte]

Auguste, com 37 anos, viajou pelo Brasil, durante os anos de 1816 a 1822, financiado pela França, tendo escrito importantes livros sobre os costumes e paisagens brasileiros do século XIX.[1] O francês desembarcou no país na cidade do Rio de Janeiro em primeiro de junho daquele mesmo ano. Junto com ele e o conde de Luxemburgo, vinha um grande grupo de cientistas, entre eles, destaca-se o Conde de Clarac, Charles Othon Frederick John Baptist of Clarac, desenhista e arqueólogo também francês. [9]Paralelamente a sua chegada, desembarcava no país um outro grupo de franceses, no caso a missão artística francesa, encabeçada pelos irmãos Taunay, Auguste-Marie Taunay Nicolas-Antoine Taunay e Aimé-Adrien Taunay, o pintor Jean-Baptiste Debret e o encarregado da missão Joachim Lebreton.[1]

Durante os seis anos que viveu em meio a expedições, Saint-Hilaire percorreu inúmeros estados brasileiros. Entre eles, estão Espírito Santo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Goiás, São Paulo, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.[8] Isso inclui viagens às nascentes do rio São Francisco e do Jequitinhonha. O tempo de estadia e frequência eram variados, sendo que, por exemplo, estabeleceu-se por 15 meses em Goiás e viajou até Minas Gerais por três vezes.[10] Sobre as condições do deslocamento, eram feitas majoritariamente por burros ou cavalos e os caminhos precisavam serem abertos por meio do facão, ação praticada pelos auxiliares, prioritariamente, escravos, em meio à mata virgem. [10]

Comenta a Brasiliana da Biblioteca Nacional[11], sobre as faculdades de Saint-Hilare que ele não era um amador, mas, sim, um homem conhecedor da vasta literatura científica até então produzida e dos relatos de viagens de época, além de noções primordiais para um naturalista e para a proteção de suas descobertas, como saberes sobre dissecação de plantas, confecções de herbários, agricultura, transporte de vegetais. [12]

Sobre seu envolvimento com o Brasil, destaca-se a união subjetiva, em suas pesquisas, do utilitarismo e da filantropia, muito presentes na literatura de viagens daquele século. Se por um lado, os objetivos daqueles que o teriam enviado eram a glória nacional, no caso da França, por outro lado, a busca individual também se dava pela melhora do bem-estar da humanidade por meio daquela infinidade de espécimes ainda desconhecidas e dos possíveis benefícios das plantas medicinais. A questão é que, a época, os caminhos da França eram considerados universais, ou seja, trabalhar para aquele país era trabalhar por toda humanidade. [12]

Julgado sobre ótica atual, Saint-Hilaire cometia espionagem botânica e praticaria biopirataria. Assim que chegou ao Rio de Janeiro, ele estabeleceu contato com Maller, o cônsul francês, e o funcionário da França, por sua vez, ajudava-o a enviar as descobertas de produtos naturais para Martinica, que é um departamento ultramarino insular francês no Caribe. Para além disso, junto ao frei Leandro do Sacramento, eles enviam outras espécimes também a Martinica e, agora, a Caiena. Foram 21 uma caixas com plantas vivas da periferia do Rio de Janeiro que foram endereçadas às colônias francesas.[12] Sobre estas atividades, afirma a Brasiliana:

"Desse modo o sentimento de filantropia que permeava as atividades dos viajantes-naturalistas parte de uma distinção inicial básica: países civilizados com ciência, e países não totalmente civilizados com práticas empíricas tradicionais''.[12]

De maneira mais clara,as fronteiras nacionais deveriam ser abolidas e, assim, a ciência se tornaria universal e seu desenvolvimento seria útil a toda a humanidade. Por isso, onde passava, Saint-Hilaire recolhia informações sobre o uso de plantas na medicina e na alimentação. Bem diferente de seu compatriota François-Auguste Biard, descreveu com sensibilidade suas impressões sobre a variedade do mundo vegetal no Brasil em "Viagem pelas províncias do Rio de Janeiro e Minas Gerais" (1830):

"Para conhecer toda a beleza das florestas tropicais é necessário penetrar nesses retiros tão antigos como o mundo. Nada aqui lembra a cansativa monotonia de nossas florestas de carvalhos e pinheiros; cada árvore tem, por assim dizer, um porte que lhe é próprio; cada uma tem sua folhagem e oferece frequentemente uma tonalidade de verde diferente das árvores vizinhas. Vegetais imensos, que pertencem a famílias distantes, misturam seus galhos e confundem sua folhagem."[13]

Por seu trabalho, o naturalista recebia 3.000 francos anuais, valor que foi, posteriormente, elevado para 6.000 francos pagos pela França.[1] Um possível facilitador de suas expedições era o fato dele ser um bom conhecedor do português ao nível de versar sobre origem de determinadas palavras e sobre as variantes regionais da língua, tratando-se da pronúncia.[14] O que Saint-Hilaire coletou no país seria mais tarde usado em suas publicações e estudos sobre botânica, após junho de 1822, mês em que retorna à Europa, para toda a sua vida.[10]

Europa: Últimos anos[editar | editar código-fonte]

Auguste retorna para seu país de origem, após um caso de envenenamento por mel de vespa, acontecimento este que abala seriamente seu sistema nervoso. Assim, volta em busca alívio e tranquilidade para o sul da França.[10] E, ali, concentrou-se no estudo do acervo que coletou e trouxe do Brasil, publicando inúmeras obras de referência na área de botânica, como os três volumes da Flora brasiliae meridionalis até hoje revisitada. [8] Pela sua obra, em 1834, tornou-se membro correspondente da Academia de Ciências da Prússia[15] e também recebeu a Ordem Portuguesa de Cristo[16]

Além das já mencionadas, o botânico também integrou inúmeras outras associações científicas, como a Academia Francesa, a Sociedade Lineana, em Londres, a Academia de Ciências de Lisboa, o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e a Sociedade de Medicina do Rio de Janeiro.[7] Saint-Hilaire morreu aos 73 anos, na mesma cidade em que nasceu, Orleães.[2]

Obra[editar | editar código-fonte]

Contexto Histórico Brasileiro[editar | editar código-fonte]

Grande parte do Brasil, a época, colônia de Portugal ainda vivia em estado virgem, intocado, o que favoreceu e muito as descobertas de Saint-Hilaire. As mudanças deste cenário ocorriam de maneira muito pouco expressiva, mas ampliam sua densidade, por exemplo, com a chegada da família real portuguesa, em 1808, fugida dos conflitos entre as duas potências europeias, França e Inglaterra. O primeiro decreto da corte, em processo de instalação, feito no país foi a Abertura dos Portos, que permitiu a chegada de produtos para além da metrópole. Deu-se incio, então, a uma invasão de produtos estrangeiros, entre eles, carteiras e porta-notas. No entanto, não existia aqui papel-moeda circulante e não era costume dos homens da elite carregarem seus bens, porque deixavam essa função aos seus escravos. Por fim, os produtos nunca foram vendidos.[17] Tal caso ilustra bem a situação da terra a qual Saint-Hilaire desbravaria nos próximos 8 anos. Ainda era preciso mover grandes esforços para transformar este lugar em uma sede da metrópole.

Foi no ano de 1814, que a cidade do Rio de Janeiro ganhou sua primeira biblioteca com acesso público, que agrupava a importante coleção de livros dos Braganças e havia sido esquecida no porto de Lisboa na primeira viagem, em 1807. Em 1816, inaugurou-se a Escola Real de Ciências, Artes e Ofícios e também o Museu Real, que teria como função estimular os estudos de zoologia e botânica. Entretanto, a segunda instituição recém-fundada não possuía acervo próprio e dependia da coleção privada de D. João VI com seus animais empalhados, objetos de mineralogia, produtos naturais e gravuras. Tal coleção se assemelhava muito mais a um "gabinete de curiosidades". [18]

A Impressão Régia, de maio de 1808, foi a primeira em toda a colônia, depois de 308 anos do inicio efetivo de sua ocupação portuguesa. Antes, eram proibidas oficinas tipográficas e mesmo esta vivia sob uma rígida censura para a impressão de obras e livros, a fim de evitar que ideias contrárias a estabilidade da coroa fossem divulgadas e ganhassem repercussão. Dessa forma, chega-se ao ano de 1822, período em que acabam as expedições de Saint-Hilaire, e até então foram publicados 1.427 documentos oficias, como decisões, legislações e papéis diplomáticos, e 720 títulos, entre eles estavam obras de história, economia política, teatro, romance e outros. Tal volume destinava-se a uma população de cerca de 90.000 pessoas,somando-se homens livres e escravos.[19]

Introdução à Obra[editar | editar código-fonte]

Desenho de uma espécime vegetal por Saint-Hilaire.

O cadernos de campo de Auguste Saint-Hilaire contem, primordialmente, análises de diferentes espécies de plantas que foram coletadas até porque era este o motivo pelo qual a França o contratava.[16] Da vasta obra do autor, deve-se destacar os três volumes da "Flora Brasiliae Meridionalis", publicados após o seu retorno ao seu país de origem. No entanto as paisagens que encontrou durante suas expedições não foram produzidas enquanto avançava pelos cenários brasileiros, mas sim produzidas para edições posteriores de suas obras, que foram ilustradas por outros artistas como Hercule Florence e Jean-Baptiste Debret. [8]

Para além do valor científico, seus relatos são documentos de valor histórico para o país por carregarem descrições detalhadas da sociedade e dos costumes brasileiros na primeira metade do século XIX.[16] Tais relatos, muitas vezes, assumiam determinado teor de crítica moralizante.[2]

Por mais relevante que seus estudos tenham sido, nunca houve uma tentativa de resgate completo das correspondências de Auguste durante o tempo em que escrevia "Flora brasiliae meridionalis" e também nunca foram publicadas as observações constantes nos cadernos de coleta do botânico.[8]

Lista de Obras em Português[editar | editar código-fonte]

Legado e Homenagens no Brasil[editar | editar código-fonte]

Busto de Auguste de Saint-Hilaire no Jardim Botânico do Rio de Janeiro.

Em 1900, o Jardim Botânico do Rio de Janeiro recebia um busto em homenagem ao botânico francês, também conhecido popularmente como um cientista luso-brasileiro por suas importantes descobertas regionais em sua área, pelo III Centenário do Museu da História Natural de Paris. A peça, em bronze, foi esculpida pelo artista plástico brasileiro Bartolomeu Cozzo, mais conhecido como Humberto Cozzo, que já havia esculpido importantes monumentos públicos, como um busto de José de Alencar e outro de Machado de Assis.[20]

As expedições que Saint-Hilaire realizou pelos interiores do Brasil e que em alguns momentos se expandia para a fronteira de outros países da América do Sul criou uma espécie de mito e a vontade de refazê-las para estudá-las. Em 2009, pesquisadores da UFMG percorrem os passos do botânico no estado de Minas Gerais, incluindo cidades como Diamantina, São João del-Rei e Ouro Preto, no projeto intitulado como "Plantas Medicinais da Estrada Real - seguindo as pegadas de Auguste Saint-Hilaire", organizado pelo Museu de História Natural e Jardim Botânico.[21]

Em 2013, estrutura-se o projeto de um site franco-brasileiro, Herbário Virtual A. de Saint-Hilaire, que busca manter disponível informações históricas e científicas sobre a coleção botânica de Auguste e, prioritariamente, dos espécimes originários de sua viagem realizada ao Brasil. Para tanto, o espaço mantem dados biográficos, mapas, ilustrações, notas de campo e imagens das amostras preservadas no Museu Nacional de História Natural, em Paris.[22] O acervo ainda está em processo de digitalização por meio da parceria entre os as seguintes instituições: Instituto de Botânica de São Paulo; Museu Nacional de História Natural; Institut des Herbiers universitaires de Clermont-Ferrand; CRIA.[8]

Em 2016, ano em que se completou 200 anos da chegada de Saint-Hilaire ao país, sua presença foi rememorada e comemorada. O I Seminário Franco-brasileiro Botânica e História foi realizado, em promoção do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, cujo o marco era a própria comemoração.[5] Ainda no Rio de Janeiro, a Biblioteca Nacional inaugurou ao público uma exposição sobre a trajetória percorrida pelo francês em território brasileiro, por meio de textos e imagens.[2] E aconteceu o 24º Simpósio de Plantas Medicinais do Brasil, na capital Belo Horizonte, que o tinha como centro das discussões.[6] Ainda sobre as comemorações do bicentenário, a Biblioteca Nacional junto ao Museu Nacional de História Natural publicam uma biografia bilíngue, em português e francês, sobre Auguste Saint-Hilaire com uma bibliografia exaustiva e repleto de ilustrações. A obra recebe o nome de "Auguste de Saint-Hilaire (1779-1853) : Un botaniste français au Brésil, édition bilingue français-portugais"[23].

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Pelo seu interesse em plantas medicinais e pela flora brasileira, de um modo geral, muitos brasileiros enxergavam na figura de Sainta-Hilaire não o botânico francês, mas, sim, como um médico capaz de curar os males que os afetavam e, por isso, constantemente, via-se cercado de pessoas pendido-lhe favores desta área. Tal tratamento se justifica pelo fato de que "colher plantas" era tido como um hábito de curandeiros e, salvo raras exceções, aqueles indivíduos estavam tendo seu primeiro contato com o cientista, profissão até mesmo desconhecida por muitos.[10]

Se hoje surgem questionamentos sobre suas atividades tidas como biopirataria, Auguste também pode ser considerado, paradoxalmente, como um dos poucos viajantes ou nativos preocupados com a ecologia. As queimadas eram vistas como gestos de grande barbaridade e ele as cita como árvores gigantescas destruídas e findas em cinzas, onde antes habitava a mata virgem. Tal ato era julgado, por ele, como atitude de pessoas que acreditam ser a natureza infinita e sem consciência de que a situação das florestas são muito mais complexas e nem sempre renováveis.[10]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • "BRASIL, Biblioteca Nacional - "Brasiliana da Biblioteca Nacional : Guia das fontes sobre o Brasil". Rio de Janiero: Nova Fronteira, 2001.
  • KURY, Lorelai. "La politique des voyages et la culture scientifique d´Auguste de Saint-Hilaire in Yves Laissus (org.) Les naturalistas français en Amérique du Sud - XVIe.-XIXe siècles". Paris: CTHS, 1995.
  • SAINT-HILAIRE, Auguste de - "História das Plantas Mais Notáveis do Brasil e do Paraguai". Belo Horizonte: Fino Traço Editora, 2011.
  • SAINT-HILAIRE, Auguste de - "Leçons de botanique comprenant principalement la morphologia végétale…". Paris: J-P Loss, 1840.
  • SAINT-HILAIRE, Auguste de - "Quadro Geografico da Vegetação Primitiva na Província de Minas Gerais". Belo Horizonte: Fino Traço Editora, 2011.
  • LAMY, Denis; PIGNAL, Marc; SARTHOU, Corinne; ROMANIUC-NETO,‎ Sergio; ROMANO,‎ Antonella - "Auguste de Saint-Hilaire (1779-1853): Un botaniste français au Brésil, édition bilingue français-portugais". Paris: Muséum National d'Histoire Naturelle, 2016.

Referências

  1. a b c d e f «Lembrando Saint-Hilaire». educaterra.terra.com.br. Consultado em 19 de novembro de 2017 
  2. a b c d e f «Ministério da Cultura - Auguste de Saint-Hilaire e as paisagens brasileiras - Notícias Destaques». www.cultura.gov.br. Consultado em 19 de novembro de 2017 
  3. Chisholm, Hugh, ed. (1911). "Saint-Hilaire, Augustin François César Prouvénçal de". Encyclopædia Britannica24 (11th ed.). Cambridge University Press. p. 9.
  4. «Na trilha de Saint-Hilaire | Revista Pesquisa Fapesp». revistapesquisa.fapesp.br. Consultado em 19 de novembro de 2017 
  5. a b Brasil, Portal. «Seminário marca 200 anos da chegada do naturalista Saint-Hilaire ao Brasil». Governo do Brasil. Consultado em 20 de novembro de 2017 
  6. a b «Simpósio de Plantas Medicinais vai comemorar os 200 anos de Auguste de Saint-Hilaire no Brasil - ABRASCO». ABRASCO. 8 de agosto de 2016 
  7. a b «Augustin César Prouvençal de Saint-Hilaire, Auguste de Saint-Hilaire». linux.an.gov.br. Consultado em 20 de novembro de 2017 
  8. a b c d e f «Herbário Virtual A. de Saint-Hilaire». hvsh.cria.org.br. Consultado em 14 de novembro de 2017 
  9. Louis Gabriel Michaud, Biographie des hommes vivants: ou, Histoire par orde alphabétique... , vol. 4, 1819, p. 266
  10. a b c d e f «August de Saint'Hilaire - Brasil Escola». Brasil Escola. Consultado em 20 de novembro de 2017 
  11. «Brasiliana da Biblioteca Nacional : guia das fontes sobre o Brasil / organizaçao Paulo Roberto Pereira. - IHGB - Instituto Histórico Geográfico Brasileiro» 
  12. a b c d Brasil, Biblioteca Nacional (2001). Brasiliana da Biblioteca Nacional : Guia das fontes sobre o Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 69 páginas 
  13. Saint-Hilaire, Auguste de (1938). Viagem pelas províncias do Rio de Janeiro e Minas Gerais t. 1. Rio de Janeiro: Companhia Editorial Nacional 
  14. «Saint-Hilaire - SERRA DA CANASTRA - www.serradacanastra.com.br». SERRA DA CANASTRA - www.serradacanastra.com.br 
  15. «Membros em ordem alfabética: S» (em alemão) 
  16. a b c «HISTÓRIA DA ORDEM MILITAR DE CRISTO - Página Oficial das Ordens Honoríficas Portuguesas». www.ordens.presidencia.pt. Consultado em 20 de novembro de 2017 
  17. Schwarcz, Lilia M.; Starling, Heloisa M. (2015). Brasil: Uma Biografia. São Paulo: Companhia das Letras. 174 páginas 
  18. Schwarcz, Lilia M.; Starling, Heloisa M. (2015). Brasil: Uma Biografia. São Paulo: Companhia das Letras. 184 páginas 
  19. Schwarcz, Lilia M.; Starling, Heloisa M. (2015). Brasil: Uma biografia. São Paulo: Companhia das Letras. pp. 182 – 183 
  20. «Saint Hilaire». www.monumentosdorio.com.br. Consultado em 20 de novembro de 2017 
  21. «Caravana relembra trajeto feito por Auguste Saint-Hilaire - Notícias da UFMG». UFMG 
  22. «O Herbário Virtual A. de Saint-Hilaire - INCT - Herbário Virtual da Flora e dos Fungos». inct.florabrasil.net. Consultado em 20 de novembro de 2017 
  23. «Littérature et art | Carnet de la recherche à la Bibliothèque nationale de France». bnf.hypotheses.org (em francês). Consultado em 20 de novembro de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikipedia-pt-hist-cien-logo.png Portal de história da ciência. Os artigos sobre história da ciência, tecnologia e medicina.