Casa do Fauno

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Imagem da Casa do Fauno, por volta de 1900.
Fotografia de Giorgio Sommer
Reprodução do Fauno Dançarino.

A Casa do Fauno (em italiano: Casa del Fauno) é o nome pelo qual ficaram conhecidas as ruínas da casa construída durante o século II a.C. como uma das maiores e mais impressionantes casas romanas em Pompeia, na Itália, e alberga algumas impressionantes obras de arte. É uma das mais luxuosas casas aristocráticas da República Romana, e reflete este período melhor do que qualquer outra evidência arqueológica encontrada na própria Roma.[1]

História[editar | editar código-fonte]

A Casa do Fauno foi erguida no segundo século antes de Cristo, durante o período Sâmnio (200 - 80 a.C.).[2] Há evidências, mais notadamente nas paredes orientais do átrio do pórtico, de que, após o terremoto de 62, a Casa do Fauno foi reconstruída ou restaurada,[3] e de que a construção só foi usada como residência do século II a.C. até 79 quando, afinal, foi tornada inutilizável pela erupção do Vesúvio. Embora a erupção tenha sido devastadora, as camadas de cinza que cobriram a cidade abandonada preservaram as obras de arte, como os mosaicos da Casa do Fauno que, sem isso, certamente teriam sido destruídas ou se deteriorado com a passagem do tempo.

O lugar recebeu este nome por causa de uma estátua de bronze que representa um fauno dançarino localizada, originalmente, na lateral do implúvio, espécie de tanque para juntar as águas pluviais; foi, entretanto, movida para o centro, como se pode ver na figura. Fauno era uma figura da mitologia que os romanos associaram a e aos sátiros, ou ainda aos seguidores selvagens do deus grego do vinho e da agricultura, Dionísio.

Os arqueólogos descobriram uma inscrição contendo o cognome Saturnino, sugerindo que a habitação pertencia a uma importante gens, ou clã, Sátria; um anel contendo o sobrenome Cassius também foi encontrado, sugerindo que alguém da família Cássios havia se casado com a do gens Sátria, ou morado na Casa do Fauno.[4]

Obras de arte[editar | editar código-fonte]

O mosaico de Alexandre.

A Casa do Fauno é mais conhecida por abrigar o famoso Mosaico de Alexandre, que descreve a batalha de Isso em 333 a.C. entre Alexandre, o Grande e Dario III. Esse mosaico foi inspirado por ou era cópia de uma pintura grega datada do século IV a.C.[1], provavelmente do artista grego Filoxeno de Erétria.[5] Ao contrário da maioria dos pavimentos pompeianos do final do segundo e começo do primeiro séculos, este mosaico é feito de tessela, e não do mais comum opus signinum, ou com outros tipos de pedra presas com argamassa.[6]

O Mosaico de Alexandre é complementado por outros mosaicos no chão, com cenas Nilotas máscaras teatrais[1]. Outros trabalhos dignos de nota da Casa são Fauno com Ninfa e o mosaico de peixe, uma peça que lembra outros mosaicos pompeanos[6].

Arquitetura[editar | editar código-fonte]

Planta-baixa do edifício.

A construção possui cerca de 3500 m², ocupando todo um quarteirão da cidade, ou insulas. A casa pode ser dividida em cinco parte principais: o átrio toscano, átrio do pórtico, quartos de serviço e corredores, primeiro (ordem jônica) ou segundo (ordem dórica) peristilo e suas dependências correspondentes.[3] Tal como muitas antigas casas romanas, a Casa do Fauno possuía uma taberna, ou loja frontal, e uma planta de edifício bastante sofisticada que revela muitos quartos. A entrada é ornada pela mensagem latina Have (ave) uma saudação que serve tanto aos que chegam quanto aos que partem.[7]

Assim como outros ricos aristocratas da República, os donos da Casa do Fauno instalaram um sistema de banho (termas) privado, ou bálneo (balneum). O quarto de banho ficava situado na ala doméstica, situada à direita da entrada e junto à cozinha, onde era aquecido por grande forno, ou prefúrnio[1]. Os quartos dos empregados eram escuros e apertados, e não tinham muitas mobílias.[8]

A casa apresentava belos jardins em peristilo, o segundo dos quais foi criado como um palco para recitais, mímica e pantomimas. Adicionalmente, a casa tinha uma passagem de entrada, vários quartos (cubículos; cubicula), salas de jantar (triclínios) para o verão e para o inverno, uma sala de recepção (oecus), e um escritório (tablino; tablinum).[1]

Ruínas[editar | editar código-fonte]

Máscara feita em mosaico.

Hoje os visitantes ainda podem explorar os restos da Casa do Fauno, na Pompeia moderna, ao longo da Via di Nola. Embora a maior parte das obras de arte originais tenham sido transferidas para o Museu Arqueológico Nacional de Nápoles, as peças mais famosas, como o Fauno Dançarino e o Mosaico de Alexandre, foram recriadas para apresentar aos turistas uma visão mais parecida do que era o original.[9]

Pietro Giovanni Guzzo, arqueólogo superintendente de Pompeia em 2006, disse que "Eu quero que os visitantes tenham a impressão de estar entrando na mesma casa luxuosa da antiga Pompeia que seus donos moravam, antes de ser destruída pela erupção do Monte Vesúvio em 79 a.D."[9]

Galeria[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e Grant, Michael; Kitzinger, Rachel (1988). Civilization of the ancient Mediterranean: Greece and Rome (New York: Scribner's). ISBN 0684175940. 
  2. The Cambridge Ancient History. [New] ed. London: Cambridge University Press, 1970.
  3. a b Dwyer, Eugene J. (2001). «The Unified Plan of the House of the Faun». Journal of the Society of Architectural Historians [S.l.: s.n.] 60 (3): 328–343. doi:10.2307/991759. 
  4. Gordon, Mary L. (1927). «The Ordo of Pompeii». Journal of Roman Studies [S.l.: s.n.] 17: 165–183. doi:10.2307/296132. 
  5. The Natural History. Pliny the Elder. John Bostock, M.D., F.R.S. H.T. Riley, Esq., B.A. London: Taylor and Francis, Red Lion Court, Fleet Street, 1855.
  6. a b Westgate, Ruth (2000). «Pavimenta Atque Emblemata Vermiculata: Regional Styles in Hellenistic Mosaic and the First Mosaics At Pompeii». American Journal of Archaeology [S.l.: s.n.] 104 (2): 255–275. doi:10.2307/507451. 
  7. "Dictionary Entry Lookup." The Perseus Digital Library. Tufts University. [1].
  8. Stillwell, Richard; MacDonald, William Lloyd; McAllister, Marian Holland (1976). The Princeton Encyclopedia of Classical Sites (Princeton, NJ: Princeton University Press). 
  9. a b Merola, Marco (2006). «Alexander, Piece by Piece». Archaeology [S.l.: s.n.] 59 (1). 

Leituras adicionais[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Casa do Fauno
  • Butterworth, Alex; Laurence, Ray (2005). Pompeii: The Living City (New York: St. Martin's Press). ISBN 0312355858. 
  • Hornblower, Simon; Spawforth, Antony (1996). The Oxford Classical Dictionary 3rd edition ed. (Oxford: Oxford University Press). 
  • Little, A. M. G. (1935). «The Decoration of The Hellenistic Peristyle House in South Italy». American Journal of Archaeology [S.l.: s.n.] 39 (3): 360–371. doi:10.2307/498623.