Catedral de Astorga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Catedral de Astorga
Fachada da catedral.
Estilo dominante gótico tardio, renascentista, barroco
Arquiteto Juan de Colonia e seu filho Simón de Colonia (original gótica)
Rodrigo Gil de Hontañón (atribuída, ampliação renascentista)
Construção 1471século XVIII
Função inicial catedral
Função atual monumento
Religião catolicismo
Diocese Diocese de Astorga
Website www.catedralastorga.com
Património
Classificação internacional Património da Humanidade (elemento associado dos «Caminhos de Santiago de Compostela: Caminho Francês e Caminhos do Norte de Espanha», n.º ref. 669bis) (2015)
Classificação nacional Monumento Histórico-Artístico
RI-51-0000663
3 de junho de 1931
Geografia
País Flag of Spain.svg Espanha
Cidade Astorga
Província Leão
Comunidade autónoma Castela e Leão
Coordenadas 42° 27' 28" N 6° 3' 25" E

A Catedral de Astorga, dedicada a Santa Maria, é a sé episcopal da Diocese de Astorga, documentada desde ao século III com o título de apostólica. Situa-se no município espanhol de Astorga, na província de Leão.

História[editar | editar código-fonte]

Antes do edifício atual, havia um templo pré-românico e outro de estilo românico consagrado em 1069, que pode ter sido concluído em meados do século XIII, no entanto não há muitos registos acerca da sua construção. A catedral atual começou a ser construída em 1471, no século XV no estilo arquitetónico gótico (naves e capelas) e nos séculos posteriores foram construídos o portal meridional e duas capelas perpendiculares na nave de estilo renascentista e a fachada principal no estilo barroco do século XVIII. A obra gótica tem possíveis vínculos com os arquitetos Juan de Colonia e seu filho Simón de Colonia, no que refere-se à construção original, tendo atribuído o trabalho do século XVI a Rodrigo Gil de Hontañón.[1]

É de planta basilical com três naves que se prolongam sobre a planta românica e capelas entre contrafortes e três absides poligonais; As abóbadas são de cruzaria. Os pilares que as sustentam não têm capitéis, mas se estendem unindo-se aos nervos das mesmas. Tem duas torres quadradas nos pés, com coruchéis de ardósia. O claustro é de estilo neoclássico de 1755, cujo autor é Gaspar López.[2]

A orientação do edifício é incomum, porque a sua cabeceira está organizada para o nordeste, sendo o normal uma orientação para o leste. O presbitério abriga o retábulo-mor do romanismo em Espanha, do escultor Gaspar Becerra. O coro da nave central é de estilo flamenco.

O edifício forma um complexo catedralesco que compreende três áreas diferenciadas:

  • A igreja.
  • O arquivo diocesano, arquivo capitular e museu.
  • O Hospital de São João Batista, fundado na Idade Média.

O Palácio Episcopal de Astorga, quase adjacente à catedral, é uma obra modernista do arquiteto Antoni Gaudí, que ambos formam um conjunto harmonioso, apesar dos diferentes tempos em que foram construídos.

O edifício sofreu sérios danos com o sismo de Lisboa de 1755 e no século posterior foi afetado pelas tropas de Napoleão Bonaparte, especialmente no claustro.

Em 2015, com a aprovação da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura na ampliação do Caminho de Santiago em Espanha para «Caminho Francês e Caminhos do Norte de Espanha», a Espanha enviou como documentação o «Inventário Retrospetivo - Elementos Associados» (em espanhol: Inventario Retrospectivo - Elementos Asociados, em inglês: Retrospective Inventory - Associated Components) em que o n.º 1710 inclui a catedral de Astorga.[3]

Notas e referências

Notas

* Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em castelhano, cujo título é «Catedral de Astorga», especificamente desta versão.

Referências

  1. Moreno, Manuel Gómez (1925). Catálogo Monumental de España. Provincia de León (em espanhol). Madrid: [s.n.] 
  2. Rivera Blanco, Javier (1995). Catálogo monumental de Castilla y León. Bienes inmuebles declarados. I. Leão: Junta de Castela e Leão. p. 335. ISBN 84-7846-433-6 
  3. «Caminos de Santiago de Compostela: Camino francés y Caminos del Norte de España» (em espanhol). O Retrospective Inventory - Associated Components, elaborado em 2014, pode ser consultado no sítio oficial da UNESCO, na entrada «Routes of Santiago de Compostela: Camino Francés and Routes of Northern Spain», no parágrafo Documentos, do ficheiro «Nomination file 669bis» (285 MB). Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Consultado em 28 de fevereiro de 2019 
Ícone de esboço Este(a) artigo sobre capela, igreja ou catedral é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.