Hill Street Blues

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Chumbo grosso)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura pelo filme britânico de nome "Chumbo Grosso" no Brasil, veja Hot Fuzz.


Hill Street Blues
A Balada de Hill Street (PT)
Chumbo Grosso (BR)
Informação geral
Formato Série
Duração Aprox. 47 minutos

(Sem Comerciais)

Estado Finalizada
Autor(es)
  • Michael Kozoll
  • Steven Bochco
País de origem  Estados Unidos
Idioma original Estados Unidos Inglês
Produção
Produtor(es)
  • David Anspaugh
  • Anthony Yerkovich
  • Michael Vittes
  • Sascha Schneider
Cinematografia
  • John C. Flinn III
  • Jack Whitman
  • William Cronjager
  • Terry K. Meade
Distribuída por 20th Century Fox
Roteirista(s)
  • Steven Bochco
  • Michael Kozoll
  • David Milch
  • Gregory Hoblit
  • Jeffrey Lewis
  • Anthony Yerkovich
  • Dick Wolf
Narrador(es) Taurean Blacque

(Locutor dos resumos antes dos episódios)

Elenco
  • Daniel J. Travanti
  • Michael Conrad
  • Michael Warren
  • Bruce Weitz
  • James B. Sikking
  • Joe Spano
  • Barbara Bosson
  • Taurean Blacque
  • Kiel Martin
  • René Enriquez
  • Betty Thomas
  • Ed Marinaro
  • Mimy Kuzyk
  • Ken Olin
  • Charles Haid
  • Veronica Hamel
  • Jon Cypher
  • Peter Jurasik
  • George Wyner
Tema de abertura Hill Street Blues
Compositor da música-tema Mike Post
Empresa(s) de produção MTM Enterprises
Exibição
Emissora de televisão original Estados Unidos NBC
Formato de áudio Mono
Transmissão original 15 de janeiro de 198112 de maio de 1987
N.º de temporadas 7
N.º de episódios 144
Cronologia
Beverly Hills Buntz (Spin-off)
Programas relacionados
  • Beverly Hills Buntz
  • LA Law
  • St. Elsewere

Hill Street Blues é um seriado policial transmitido na rede de televisão NBC entre 1981 e 1987. Narrando a história dos funcionários de uma delegacia de polícia em uma cidade americana sem nome, o programa recebeu muitos elogios pelas inovações na produção e influenciou muitas séries dramáticas subsequentes produzidas na América do Norte.

Ao todo, o programa foi indicado a 98 Emmy Awards durante seus sete anos de exibição. Sua primeira temporada ganhou 8 Emmys, feito apenas superado pela primeira temporada de The West Wing.

Em Portugal, a série foi transmitida pela RTP 1.

Características[editar | editar código-fonte]

A MTM Enterprises, que anteriormente havia feito sitcoms de sucesso, como The Mary Tyler Moore Show e WKRP In Cincinnati, encarregou Steven Bochco e Michael Kozoll de desenvolverem uma série dramática para a NBC. escritores da série. Eles tinham direito à liberdade criativa considerável, o que resultou em uma série que reuniu, pela primeira vez, novas característicos no drama de TV:

  • Os episódios têm sua narrativa interligada. Algumas histórias são resolvidas dentro de um capítulo, enquanto outras continuam ao decorrer da temporada.
  • A série busca explorar os conflitos pessoais e profissionais dos personagens, humanizando-os. Há também uma forte ênfase nos conflitos éticos e no dilema entre o fazer "o que é certo" e "o que funciona".
  • A fotografia é rápida e dinâmica, realizada em grande parte com câmeras Arriflexes de mão. Há muito diálogo e ação ao fundo da cena principal, dando um efeito de "documentário".

O programa tem como um de seus focos a pobreza do bairro que retrata, colocando em pauta os conflitos sociais que tal situação ocasiona. Tal característica se opõe a LA Law, projeto seguinte do criador Steven Bochco.

Quase todo episódio começa com uma sequência intitulada "Roll Call" (Reunião Matinal), retratando o início do turno dos policiais. A partir da terceira temporada, cada episódio passa a ter uma recapitulação dos ocorridos nas temporadas anteriores.

Muitos episódios retratam acontecimentos em um único dia, conceito usado mais tarde na série LA Law.

A maioria dos episódios termina com o capitão Frank Furillo e a defensora pública Joyce Davenport em uma situação doméstica, muitas vezes na cama, discutindo seus respectivos dias.

Produção[editar | editar código-fonte]

Embora filmada em Los Angeles (tanto ao ar livre quanto no CBS Studio Center, em Studio City), a série se passa em uma localidade sem nome, aparentemente um bairro pobre de uma cidade dos EUA como Detroit ou Chicago.

Primeira temporada[editar | editar código-fonte]

O piloto foi ao ar na quinta-feira, 15 de janeiro de 1981, às 10 horas. O segundo episódio foi ao ar duas noites depois, e na semana seguinte o padrão se repetiu: episódio 3 na quinta-feira, e o 4 no sábado).

A NBC havia encomendado 13 episódios, mas o sucesso entre a crítica fez com que a emissora encomendasse mais quatro episódios para ir ao ar durante meados de maio. Bochco e Kozoll fizeram uma história nova, exibida em dois episódios duplos para fechar a temporada. Uma nova adição a estes quatro últimos episódios foi o agente Joe Coffey (interpretado por Ed Marinaro).

O programa se tornou a série com menor audiência a ser renovada para uma segunda temporada até então.

Segunda temporada[editar | editar código-fonte]

A série, renovada inicialmente por apenas dez episódios, acabou finalizando a segunda temporada com 18. Michael Kozoll deixou o cargo de produtor executivo e passou a ser creditado como consultor. Isso se deve ao fato de que ele preferia apostar em conceitos de seriados de ação para executar a trama, enquanto o resto da produção pretendia continuar se focando nos dramas pessoais dos personagens.

Terceira temporada[editar | editar código-fonte]

Kozoll deixou a série, sendo substituído por Anthony Yerkovich e David Milch. No final da temporada, Yerkovich largou a série e se focou em seu novo projeto, Miami Vice.

Esta foi a temporada mais popular em termos de audiência, uma vez que terminou colocado em 21º lugar. Neste ano, também formou-se o bloco Must See TV na NBC, fazendo com que Hill Street Blues fosse exibida nas mesmas noites dos sucessos Cheers, Taxi e Fame.

Michael Conrad progressivamente teve sua participação diminuída na série devido a sua luta contra o câncer.

Quarta temporada[editar | editar código-fonte]

Após a morte de Michael Conrad, em 22 de novembro de 1983, foi transmitido um episódio de despedida, chamado "Grace Under Pressure".

A série ganhou o seu quarto e último Emmy para Melhor Série Dramática nesta temporada.

Quinta temporada[editar | editar código-fonte]

O programa mudou radicalmente, entrando em um período de novela de acordo com Bochco. Novos personagens foram incluídos: Sgto. Estanislau Jablonski (interpretado por Robert Prosky), Det. Patsy Mayo (Mimi Kuzyk), e Det. Harry Garibaldi (Ken Olin), enquanto a Sra. Furillo (Bosson) tornou-se membro da delegacia.

Bochco foi demitido no final da temporada pelo então presidente da MTM. A demissão foi devido as derrapagens de Bochco em relação a custos, aliado ao fato de que o programa tinha alcançado a meta das 100 episódios necessários para garantir a venda a emissoras pequenas e estrangeiras.

Betty Thomas ganhou um Emmy de Melhor Atriz Coadjuvante em Série Dramática nesta temporada. No entanto, na cerimônia de premiação, um homem chamado Barry Bremen correu ao palco à frente de Thomas e alegou que ela não pôde comparecer. Em seguida, ele afirmou que o prêmio era dele e saiu do palco, confundindo os telespectadores e roubando de Thomas de seu momento de glória.

Sexta temporada[editar | editar código-fonte]

Grandes mudanças ocorreram: Joe Coffey, Patsy Mayo, Harry Garibaldi, o tenente Ray Calletano (René Enríquez), Fay Furillo (Barbara Bosson) e Leo Schnitz (Robert Hirschfeld) deixaram a série. A adição foi o tenente Norman Buntz, interpretado por Dennis Franz.

A estréia da temporada abriu com uma roll-call (Reunião Matinal) cheia de personagens nunca vistos, brevemente enganando os espectadores a pensar todo o elenco tinha sido substituído. Foi então revelado que esta era o turno da noite. Também nessa temporada explicou-se através de flashbacks como Furillo e Davenport se conheceram e se apaixonaram.

Esta foi a primeira temporada que Travanti e Hamel não foram nomeados para o Emmy de Melhor Ator/Atriz em Série de Drama.

Sétima temporada[editar | editar código-fonte]

Patrick Flaherty (interpretado por Robert Clohessy) e Tina Russo (Megan Gallagher) juntaram-se ao grupo de personagens nesta temporada, numa tentativa de reacender o sentimento da relação Bates-Coffey dos primeiros anos da série. Estanislau Jablonski se tornou um personagem secundário nesta temporada.

Quando Travanti anunciou que não renovaria seu contrato, os produtores decidiram encerrar a série em 1987. O programa também foi transferido para as terça-feiras depois de seis anos para dar lugar a LA Law às quintas-feiras.

Esta foi a única temporada que Weitz não foi nomeado para o Emmy de Melhor Ator Coadjuvante em Série Dramática. Esta também foi a única temporada em que o show não foi nomeado para Melhor Série Dramática.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Os personagens principais estão em Negrito.

Chefe de Polícia[editar | editar código-fonte]

  • Jon Cypher como o Chefe Fletcher P. Daniels (1981–1987)

Vice-Chefe de Polícia[editar | editar código-fonte]

  • Ron Parady como Vice-Chefe Mahoney Dennis (1981-1982)
  • Andy Romano como Vice-Chefe Warren Briscoe (1983–1987)

Comandante[editar | editar código-fonte]

  • George Dickerson como Comandante David Swanson (1981-1982)
  • George Murdock como Comandante "Buck" Remington
  • J. Patrick McNamara como Comandante William Lakeland (namorado de Lucy Bates)

Capitão[editar | editar código-fonte]

  • Daniel J. Travanti como Frank Furillo
  • Vincent Lucchesi como Capitão Jerry Fuchs (Narcóticos) (1981-1984)
  • Andy Romano como Capitão Roger MacPherson (Delegacia de Midtown) (1981–1982)
  • Robert Hogan como Capitão Lewis 'Lou' Hogan (Delegacia de Jefferson Heights)
  • Charles Cyphers como Capitão Leder

Tenente[editar | editar código-fonte]

  • René Enriquez como Tenente Ray Calletano (1981-1987)
  • Dennis Franz como Tenente Norman Buntz (1985–1987)
  • J.A. Preston como Tenente Ozzie Cleveland (Delegacia de Midtown) (1982-1985)
  • Dolph Sweet como Tenente Emil Schneider (Homicídios)
  • Arthur Taxier como Tenente Shipman (Corregedoria) (1983-1987)

Sargento[editar | editar código-fonte]

  • James B. Sikking Howard Hunter (comandante da tropa de choque) (1981-1987)
  • Joe Spano como Sargento Henry Goldblume (Negociador) (1981-1987)
  • Michael Conrad como Sargento Phil Esterhaus (1981–1984)
  • Bruce Weitz como Sargento Michael (Mick) Belker (1981–1987)
  • Taurean Blacque como Sargento Neil Washington
  • Robert Prosky como Sargento Stan Jablonski (1984-1987)
  • Gerry Black como Sargento Alf Chesley (1981-1982)
  • Lawrence Tierney como Sargento Jenkins (1985-1987)
  • Dan Hedaya como Sargento Ralph MacAfee

Detetives[editar | editar código-fonte]

  • Kiel Martin como detetive John LaRue
  • Mimi Kuzyk como Detective Patsy Mayo (1984–1985)
  • Ken Olin como Detective Harry Garibaldi (1984–1985)
  • Dennis Franz como Detective Sal Benedetto (1983)
  • John Brandon como Detective John Walsh (1981–1982)
  • Charles Guardino como Detective Ben Lambert (1981–1982)
  • Nathan Cook como detetive Virgil Pattison Brooks (1981-1982)
  • Gerald Castillo como Detetive Michael Benedict (1984–1987)

Agentes[editar | editar código-fonte]

  • Betty Thomas como agente "Lucy" Bates (1981-1987)
  • Ed Marinaro como agente Joe Coffey (1981-1986)
  • Michael Warren como Bobby Hill (1981-1987)
  • Charles Haid como Andy Renko (1981–1987)
  • Robert Clohessy como Patrick Flaherty (1986–1987)
  • Megan Gallagher como Tina Russo (1986–1987)
  • Robert Hirschfeld como o escrivão Leo Schnitz (1981–1985)

Não-policiais[editar | editar código-fonte]

  • Veronica Hamel como a defensora pública Joyce Davenport
  • Barbara Bosson como Fay Furillo
  • Barbara Babcock como Grace Gardner
  • George Wyner como o promotor público Irwin Bernstein
  • Trinidad Silva como Jesus Martinez (Líder da gangue Los Diablos)
  • Peter Jurasik como Sidney, o informante

DVDs e Online[editar | editar código-fonte]

A 20th Century Fox Home Entretainment lançou a primeira e segunda temporadas de Hill Street Blues em DVD da região 1, que incluem extras como erros de gravação, entrevistas e documentários. Essas temporadas estão disponíveis online em sites como o Hulu.com

O Channel 4 DVD lançou as primeiras duas temporadas em DVD, e disponibiliza a série completa online em seu site.

A Shout! Factory lançou nos EUA um box contendo a série completa e, posteriormente, passou a vender individualmente as temporadas.

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Emmy[editar | editar código-fonte]

Hill Street Blues foi indicado a 98 Emmys, e ganhou 52. Os atores indicados seguem abaixo, sendo que os ganhadores estão em negrito.

  • Daniel J. Travanti, (Melhor ator principal em série dramática);
  • Michael Conrad, Taurean Blacque, Michael Warren, Bruce Weitz, e Charles Haid (Melhor ator coadjuvante em série dramática);
  • Veronica Hamel (Melhor atriz principal em série dramática);
  • Barbara Babcock, Barbara Bosson e Betty Thomas (Melhor atriz coadjuvante em série dramática).

Outros Prêmios[editar | editar código-fonte]

  • O piloto ganhou um Prêmio Edgar de melhor edição.
  • Em 2007, o Channel 4 da Inglaterra classificou Hill Street Blues como o 19º Melhor Drama na sua lista "The 50 Best TV Dramas".

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia tem o portal:


Ícone de esboço Este artigo sobre séries de televisão é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.