Coptas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Copta.
Inscrições em copta e árabe numa igreja antiga do Cairo
Mosteiro de Santo Antão, Egito.

Os coptas[1] ou coptos[1] (em copta: ⲟⲩⲣⲉⲙ'ⲛⲭⲏⲙⲓ 'ⲛ'Ⲭⲣⲏⲥⲧⲓ'ⲁⲛⲟⲥ, ou.Remenkīmi en.Ekhristianos, literalmente: "cristão egípcio") são egípcios cujos ancestrais abraçaram o cristianismo no século I.[2] Formam um dos principais grupos etno-religiosos do país.

A palavra "copta" foi usada originalmente no árabe clássico para se referir aos egípcios em geral, porém passou por uma mudança semântica ao longo dos séculos, e passou a se referir mais especificamente aos cristãos egípcios depois que a maior parte da população egípcia se converteu ao Islã (após o século VII).[3] Atualmente, o termo é principalmente aplicado aos membros da Igreja Ortodoxa Copta [4] , independente de sua origem étnica; assim, cristãos etíopes e eritreus (bem como núbios, até sua conversão ao islã) eram tradicionalmente chamados de coptas - embora este costume esteja sendo abandonado gradualmente, desde que as chamadas Igrejas Tewahedo Etíope e Eritreia passaram a ter seus próprios patriarcas e a ser independentes em relação à Igreja Ortodoxa Copta.

A população copta cristã do Egito é a maior comunidade cristã do Oriente Médio.[5] Os cristãos representam cerca de 10% a 20% de uma população de mais de 80 milhões de egípcios,[6] [7] [8] [9] [10] [11] [12] [13] [14] [15] [16] [17] embora as estimativas variem (ver Religião no Egito). Cerca de 90% dos coptas pertencem à Igreja Ortodoxa Copta de Alexandria, nativa do país.[14] [15] Os cerca de 800.000 restantes[16] estão divididos entre as Igrejas Católica Copta e a Protestante Copta.

O número de coptas dentro do Egito vem declinando devido às altas taxas de emigração entre a comunidade e também porque, "todos os anos, milhares de coptas tornam-se muçulmanos apenas para, aparentemente, escaparem ao estatuto social inferior, ou para desposar uma mulher muçulmana, já que o Alcorão proíbe que muçulmanas se casem com judeus ou cristãos" [18] .

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Coptas

Referências

  1. a b Paulo Correia; Direção-Geral da Tradução — Comissão Europeia. (Outono de 2012). "Etnónimos, uma categoria gramatical à parte?" (PDF). a folha — Boletim da língua portuguesa nas instituições europeias (N.º 40) p. 28. Sítio Web da Direção-Geral de Tradução da Comissão Europeia no portal da União Europeia. ISSN 1830-7809. Visitado em 13 de janeiro de 2013.
  2. M. Ibrahim, Youssef (18 de abril de 1998). «"U.S. Bill Has Egypt's Copts Squirming"». New York Times. Consultado em 8-10-2008. 
  3. "O povo do Egito, antes da conquista árabe do século VII, identificavam a si próprios e ao seu idioma, em grego, como Aigyptios (em árabe qibt, ocidentalizado como "copta"); quando os egitos muçulmanos cessaram, posteriormente, de se chamarem de Aigyptioi, o termo tornou-se o nome específico da minoria cristã." Coptic Orthodox Church. Encyclopædia Britannica. 2007
  4. A Igreja Ortodoxa Copta é uma igreja ortodoxa oriental, isto é, uma igreja cristã que, por não aceitar o Concílio de Calcedónia, não está em comunhão com a Igreja Ortodoxa nem com a Igreja Católica
  5. «Egypt's Christian-Muslim Gap Growing Bigger». The Christian Post. 8 de julho de 2008. Consultado em 2-10-2008.  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (Ajuda)
  6. http://www.asharqalawsat.com/leader.asp?section=3&article=157751&issueno=8872 "Institut National Etudes Démographiques" - Research in population and demography of France estimates the coptic population to be
  7. «Egypt from “The World Factbook”». American Central Intelligence Agency (CIA). 4 de setembro de 2008. 
  8. «”The Copts and Their Political Implications in Egypt”». Washington Institute for Near East Policy. 25 de outubro de 2005. 
  9. IPS News (visitado em 27-9-2008)
  10. [1]. The Washington Post. "Estimativas sobre o tamanho da população cristã do Egito variam das estimativas baixas do governo, de 6 a 7 milhões, aos 12 milhões indicados por alguns líderes cristãos. Os números reais podem estar na faixa dos 9 a 9,5 milhões, de uma população egípcia de mais de 60 milhões." visitado em 10-10-2008
  11. [2]. The New York Times. visitado em 10-10-2008.
  12. [3] - The Christian Post. visitado em 28-9-2008.
  13. NLG Solutions <Online>. Egypt. visitado em 28-9-2008.
  14. a b «Egypt from “U.S. Department of State/Bureau of Near Eastern Affairs”». Departamento de Estado dos Estados Unidos. 30 de setembro de 2008. 
  15. a b «Egypt from “Foreign and Commonwealth Office”». Foreign and Commonwealth Office - Ministro dos Assuntos Exteriores do Reino Unido. 15 de agosto de 2008. 
  16. a b «Egypt Religions & Peoples from “LOOKLEX Encyclopedia”». LookLex Ltd. 30 de setembro de 2008. 
  17. «Egypt from “msn encarta”». Encarta. 30 de setembro de 2008. 
  18. O Clarim - centrais de 31 de Julho de 2009

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Courbage, Youssef and Phillipe Fargues. Judy Mabro (Translator) Christians and Jews Under Islam, 1997.
  • Denis, E. (2000). Cent ans de localisation de la population chrétienne égyptienne. Astrolabe(2).
  • Kamil, Jill. Coptic Egypt: History and a Guide. Revised Ed. American University in Cairo Press, 1990.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]