Corallus cropanii

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma infocaixa de taxonomiaJiboia-do-Ribeira
Exemplar encontrado em Sete Barras em 2017.Foto: Lívia Corrêa / Instituto Butantan

Exemplar encontrado em Sete Barras em 2017.
Foto: Lívia Corrêa / Instituto Butantan
Estado de conservação
Espécie em perigo
Em perigo (IUCN 3.1) [1]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Subfilo: Vertebrata
Classe: Reptilia
Ordem: Squamata
Subordem: Serpentes
Família: Boidae
Subfamília: Boinae
Género: Corallus
Espécie: C. cropanii
Nome binomial
Corallus cropanii
(Hoge, 1953)[2]
Sinónimos
  • Xenoboa cropanii Hoge, 1953[2]
  • C[orallus]. cropanii Kluge, 1991
  • Corallus cropanii Henderson, 1993

A serpente Corallus cropanii apresenta distribuição geográfica restrita ao estado de São Paulo, nos municípios de Miracatu, Pedro de Toledo, Eldorado, Sete Barras e Santos, na Mata Atlântica.[3]

Descrita em 1953 por Alphonse Richard Hoge,[2] do Instituto Butantã, um exemplar vivo foi levado até ele por um morador da cidade de Miracatu. Após chegaram mais cinco exemplares ao Instituto, porém já estavam mortos, um deles foi observado apenas por foto.

Em 2017, após 60 anos de procura, pesquisadores do Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo e do Instituto Butantan encontraram no município de Sete Barras, região do Vale do Ribeira, um exemplar vivo da serpente Corallus cropanii. Um macho com 1,70 metro de comprimento e pesando 1,5 quilo. Pelo que os pesquisadores observaram ela não é venenosa e mata suas presas por esmagamento. Os pesquisadores pretendem implantar um radiotransmissor na serpente e devolvê-la à natureza,[4]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Corallus cropanii alcança em média 1,28 m, possui fossetas labiais profundas, pupilas verticais e dentição áglifa. Apresenta uma coloração dorsal verde-oliva a amarelada (laranja próximo da boca), com manchas romboidais marrom escuro, que aparecem do pescoço até a cauda.[2] Os escudos ventrais são amarelos com as bordas sendo manchadas com marrom escuro; estas manchas progressivamente se tornam maiores em direção à cauda, escurecendo o abdômen.[3]

E vivipara, semi-arbórea e se alimenta de pequenos mamíferos, que pega com seu corpo. Um exemplar coletado estava em uma árvore a 1,5 m do chão, seu conteúdo estomacal continha um marsupial Metachirus nudicaudatus.[5]

Referências

  1. Marques, O. 2010. Corallus cropanii. The IUCN Red List of Threatened Species. Consultada o 13 de fevereiro de 2017.
  2. a b c d Hoge, A.R. (1953) "A new genus and species of Boinae from Brazil. Xenoboa cropanii, gen. nov., sp. nov"; Memórias do Instituto Butantan 25(1):27-33.
  3. a b Machado Filho, Paulo Roberto; M.R. Duarte; L.F. do Carmo e F. Franco (2011) "New record of Corallus cropanii (Boidae, Boinae): a rare snake from the Vale do Ribeira, State of São Paulo, Brazil"; Salamandra 47(20):112-115.
  4. Encontrada no Vale da Ribeira jiboia rara, que não se via há 60 anos; em, 3 de fevereiro de 2017.
  5. Corallus cropanii (Hoge, 1953); Serpentes Brasileiras, 28 de março de 2011.