El País

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de El País (Espanha))
Ir para: navegação, pesquisa
Nuvola apps important.svg
A tradução deste artigo ou se(c)ção está abaixo da qualidade média aceitável.
É possível que tenha sido feita por um tradutor automático ou por alguém que não conhece bem o português ou a língua original do texto. Caso queira colaborar com a Wikipédia, tente encontrar a página original e melhore este artigo conforme o guia de tradução.
El País
Escritório El País em Barcelona.
El Pais-Barcelona.jpg
Periodicidade Diário
Formato Tablóide
Proprietário Estados Unidos Liberty Acquisition Holdings (57%)[1]
Fundador(es) José Ortega Spottorno
Jesús de Polanco
Juan Luis Cebrián
Diretor Javier Moreno
Editor Grupo PRISA
Fundação 4 de maio de 1976 (37 anos)
Slogan El periódico global
em espanhol
O jornal global
em português
Idioma Espanhol, Português[2]
Sede Madri,  Espanha
Página oficial El País
El País Brasil

El País é um jornal diário espanhol fundado em 1976[3] , no período de transição para a democracia, após o fim do Franquismo. É propriedade do Grupo PRISA. Contando com uma média de 457.000 exemplares diários, o El País é um diário de grande circulação, com a maior tiragem da Espanha.

Sediado em Madrid, conta com escritórios nas principais cidades espanholas (Barcelona, Sevilha, Valência, Bilbau e Santiago de Compostela), nas quais produz diferentes versões com conteúdos em galego, catalão e euskera, para cada uma das regiões autônomas (Comunidades) do país, das quais a mais recente a ser criada é a da Galiza.

Caracteriza-se por ser um jornal diário de tendência europeísta e social-democrata, e pelo grande destaque dado a informações de âmbito internacional, de cultura e de economia, e sobre a Espanha.

Em 26 de novembro de 2013, foi lançada uma versão do El País em português. O site tem publicação própria e traduções da versão original. Segundo a direção editorial, "o crescimento excessivo de acesso ao site espanhol por parte do público brasileiro, motivou a criação de uma versão em português", versão que é denominada de "El País Brasil".[4]

História[editar | editar código-fonte]

O El País foi fundado por José Ortega Spottorno e surgiu pela primeira vez em 4 de maio de 1976, seis meses depois da morte de Francisco Franco, e no início da transição espanhola. Foi a primeira clara vocação do jornal democrata num contexto em que o restantes jornais espanhóis tinham vindo do longo período de do regime Franquista. O diário foi concebido por Reinhard Gade. O El País chegou a preencher a lacuna e se tornou o jornal da Espanha da democracia[5] , numa altura em que a recém democracia ainda não estava consolidada.. O primeiro presidente do El País (até 1988) foi Juan Luis Cebrian, que veio a formar o diário, com muitos jornalistas espanhóis que haviam trabalhado até a época no jornal Pueblo, órgão dos sindicatos oficiais sob Franco.

Foi durante o golpe de 23 de fevereiro de 1981 perpetrada pelo tenente-coronel da Guardia Civil Antonio Tejero Molina, que em meio a incertezas na noite dessa tentativa de golpe, estando o governo e todos os membros do Parlamento raptados, e nas ruas de Valência, os tanques do Exército, tendo a RTVE Rádio e Televisão Espanhola entregar a mensagem corporativa do Rei João Carlos I a condenar o golpe, o El País saiu para a rua, numa edição especial do jornal, intitulada "El país, com a Constituição." Foi o primeiro jornal que defendeu a sua posição Pró Democrática e Constitucional, das pessoas que noite clara, e chamando a demonstrar em favor da democracia. Foi muito discutido na imprensa que o então editor do jornal El País, Juan Luis Cebrian, telefonou para o então diretor do Diario 16, Peter J. Ramirez, propondo que ambos os jornais desenvolvessem uma publicação conjunta em defesa da democracia, e Ramirez recusou, dizendo que ele preferia esperar várias horas para ver como os acontecimentos se desenrolavam. O Diário 16 não saiu para a rua com a mensagem televisiva do rei.

O compromisso do El País com a democracia antes do golpe de 23 de fevereiro, a vitória por maioria absoluta do PSOE nas eleições de 1982 e seu apoio aberto para o governo de Felipe González, viria a facilitar El País, na consolidação da democracia, e o El País, sobressaiu-se durante a década 1980, como líder da imprensa espanhola, estando em contraposição ao ABC que é ideologicamente o oposto, sendo mais conservador.

O prestígio do El País contribuíram para o seu tratamento rigoroso dos padrões jornalísticos e o fato de que ele foi o primeiro jornal na Espanha para estabelecer normas de controlo interno de qualidade. Este foi o primeiro jornal espanhol na criação da figura do "editor público" (equivalente ao Provedor de imprensa anglo-saxónica) e elaborar e publicar um livro de referência de estilo que se tornou, e permanece, no mundo do jornalismo. El País também estabeleceu parcerias com vários outros jornais europeus democrata social online. Assim, em 1989, El País participou da criação de uma rede para a partilha de recursos de informação com la Repubblica (Itália) e Le Monde (França). Desde outubro de 2001 incluiu uma despesa de El País em inglês sobre a versão em espanhol do international Herald Tribune.

Exemplar de El País.

Em 1990 adiantado, o El País enfrentou uma situação nova, tanto a nível político e jornalístico. Aumento da tensão política causada pelos escândalos de corrupção do governo socialista de Felipe bipolarização González tanto política espanhola e os meios de imprensa de esquerda e direita. Posteriormente, ambos do ambiente do Partido Popular e da mídia relacionados que ideologicamente, acusou El País e os restantes meios de comunicação de propriedade do Grupo PRISA[6] [7] juntamente com a Sogecable para apoiar os interesses do PSOE. Apesar disso, o país conseguiu manter a sua liderança como um best-seller diário generalista em Espanha, embora em menor distância do El Mundo.

Na década de 1990 , o El País foi o segundo jornal da Espanha para oferecer uma edição eletrônica sobre a Internet, El Pais Digital (após o jornal catalão Avui). Foi também o primeiro jornal espanhol que, em 18 de novembro de 2002, instituiu o sistema de pagamento para acessar o conteúdo de informação da edição digital, o que resultou em uma redução drástica de suas visitas, enquanto que a edição digital El Mundo, que manteve um acesso aberto, mas não completa-se ao conteúdo do documento, foi feito com a liderança da imprensa espanhola digital. Antes de tomar esta decisão, o El Pais Digital foi suspensa em 2002 para monitorar o Office Justificação da Difusão (OJD) por quatro meses por ter cometido dois delitos. Em 3 de junho de 2005 o El País reabriu a maioria de seu conteúdo gratuitamente, basicamente deixando assinantes o acesso a conteúdos multimédia e periódicos.

Nos governos de José Luis Rodríguez Zapatero, o jornal El Pais, tradicionalmente visto como um apoiante do PSOE, tem sido cada vez mais publicando artigos críticos ou contrário às políticas do governo Zapatero. Isto criou um novo espaço na imprensa centro de Espanha-esquerda, como foi o aparecimento do jornal Público.

Em 21 de outubro de 2007 o El País empreendeu uma renovação de seu formato e conteúdo, que abrange uma série de reformas que afetam tanto a sua edição impressa e sua projeção digital da Internet, que substitui o jornal independente slogan histórico " Amanhã 'por' O jornal global em espanhol. Outros progressos notáveis neste renovação são a inclusão do til de seu título de cabeça e substituir a fonte Times New Roman por Majerit.

Suplementos[editar | editar código-fonte]

El País inclui vários extras:

  • Quartas-feiras:

Suplemento de ciência do futuro.

  • Quintas-feiras:

Ciberpaís, suplemento de informática e eletrônica e The New York Times, edição castelhana adaptado do original americano.

  • Sexta-feira:

EP [3], anteriormente conhecida como The Land of the Temptations, suplemento de adolescentes e jovens adultos.

Lazer, suplemento de atividades culturais.

  • Sábados:

Suplemento cultural Babelia 'especializada em literatura. O viajante.

  • Domingos:

revista El País Semanal anteriormente também chamado EP [S] sobre moda, reportagens e artigos de opinião,

Negócios, suplemento financeiro.

Foi também incluído o suplemento infantil Pequeño País, mas foi suspensa em 2009.

Ao longo de sua história, também editou várias coleções de pacotes:

Quadrinhos clássicos e modernos (1987).

Contribuidores notáveis[editar | editar código-fonte]

Notas e Referências

  1. Los dueños de "El País" venden la mayoría a un grupo de EE.UU. para salvar a la compañía (5 de marzo de 2010). (em espanhol). ieco.clarin.com.
  2. Keila Guimarães (26 de novembro de 2013). El País lança edição digital no Brasil. propmark.
  3. Breve história de El País, em El País.com.
  4. Portal brasileiro do 'El País' entra no ar na próxima semana. G1 (22 de novembro de 2013). Página visitada em 22 de novembro de 2013.
  5. Trayectoria de El País según el jurado del Premio Príncipe de Asturias que le concedió el premio de Comunicación y Humanidades en 1973
  6. «Eva Cuesta, el penúltimo fichaje del PSOE en PRISA». Artículo de Periodista Digital (24 de janeiro de 2014). Página visitada em 12 de janeiro de 2014
  7. «Prisa y PSOE se apoyan mutuamente para seguir en el poder: dinero y publicidad a mantas». Artículo de Por Andalucía Libre mencionando declaraciones de El Mundo (7 de fevereiro de 2007). Página visitara em 12 de janeiro de 2014
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: El País (Espanha)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • El País Brasil (edições Espanha e América acessadas na opção "Edição", no portal El País Brasil)