Extremely Loud and Incredibly Close

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Extremely Loud and Incredibly Close
Extremely Loud and Incredibly Close
Extremamente Alto, Incrivelmente Perto (PT)
Tão Forte e Tão Perto (BR)
 Estados Unidos
2011 •  cor •  129 min 
Direção Stephen Daldry
Roteiro Eric Roth
Elenco Tom Hanks
Sandra Bullock
Thomas Horn
Max von Sydow
Viola Davis
John Goodman
Jeffrey Wright
Zoe Caldwell
Género Drama
Música Alexandre Desplat
Cinematografia Chris Menges
Edição Claire Simpson
Companhia(s) produtora(s) Scott Rudin Productions
Distribuição Estados UnidosWarner Bros.
mundo Paramount
Lançamento Estados Unidos 25 de dezembro de 2011
Brasil 20 de janeiro de 2012
Portugal 16 de fevereiro de 2012
Idioma Inglês
Orçamento US$ 40 milhões
Receita US$ 55.2 milhões[1]
Página no IMDb (em inglês)

Extremely Loud and Incredibly Close (Tão Forte e Tão Perto (título no Brasil) ou Extremamente Alto, Incrivelmente Perto (título em Portugal)) é um filme estadunidense de 2011, baseado no livro homônimo de Jonathan Safran Foer, dirigido por Stephen Daldry e escrito por Eric Roth. É estrelado por Tom Hanks, Sandra Bullock, Thomas Horn, Max von Sydow, Viola Davis, John Goodman, Jeffrey Wright e Zoe Caldwell.

As filmagens ocorreram em Nova Iorque. O filme recebeu críticas variadas.

Apesar das críticas variadas, o filme foi indicado ao Oscar de melhor filme e ao melhor ator coadjuvante para Max von Sydow.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

De nove anos de idade, Oskar Schell é o filho do alemão-americano Thomas Schell. Thomas costumava enviar Oskar em missões para fazer algo que envolvia um de seus enigmas. O último enigma que ele dá ao Oskar é prova de que Nova York já possuiu um sexto Borough. Em um flashback, Thomas e Oskar jogam em uma caçada para encontrar objetos em toda a Nova York. O jogo requer comunicação com outras pessoas e não é fácil para o Oskar que é socialmente desajeitado diz "Se as coisas fossem fáceis de encontrar, não valeria a pena encontrar". Em 11 de setembro de 2001, Oskar e seus colegas são enviados da escola para casa mais cedo, enquanto sua mãe Linda está no trabalho. Quando Oskar chega em casa, ele encontra cinco mensagens de seu pai na secretária eletrônica dizendo que ele está no World Trade Center. Quando Thomas chama pela sexta vez, embora Oskar está presente para responder a este apelo, ele tem medo. A máquina registra uma sexta mensagem que pára quando o edifício desmorona. Oskar sabe que seu pai foi morto e cai no chão. Ele substitui a secretária eletrônica com uma nova e esconde a antiga assim sua mãe nunca vai descobrir.

Poucas semanas após o que Oskar chama de "o pior dia", ele confia em sua avó alemã e tornam-se mais próximos. O relacionamento de Oskar com sua mãe piora já que ela não pode explicar por que o World Trade Center foi atacado e por que seu pai morreu. Oskar diz a sua mãe que ele deseja que ela tivesse no edifício, não seu pai e ela responde: "Eu também". Depois, Oskar diz que ele não quis dizer isso, mas a mãe não acredita nele. Um ano depois, Oskar encontra um vaso no armário de seu pai com uma chave em um envelope com a palavra "preto" nele. Ele promete encontrar o que a chave encaixa. Ele encontra 472 "Blacks" na lista telefônica de Nova York e planeja encontrar-se com cada um deles para ver se eles sabiam sobre seu pai. Ele encontra pela primeira vez Abby Black, que se divorciou recentemente de seu marido. Ela diz a Oskar que não sabia do seu pai. Um dia, Oskar percebe que um homem estranho foi morar com sua avó. Este estranho não fala por causa de um trauma de infância causado pela morte de seus pais na Segunda Guerra Mundial. Ele se comunica com notas escritas e com as mãos que tem "sim" e "não" tatuados sobre elas. Como eles se tornam amigos e vão juntos na caçada para encontrar o que a chave encaixa, Oskar aprende a enfrentar seus medos, como os dos transportes públicos e pontes. Eventualmente Oskar conclui que o estranho é seu avô e desempenha as mensagens do atendedor de chamadas para este estranho. Antes de reproduzir a última mensagem, o estrangeiro não pode suportar ouvir por mais tempo, esta mensagem sendo últimas palavras de seu filho, e pára Oskar. Mais tarde, o estranho se move para fora e diz para Oskar não o procurar mais.

Quando Oskar olha para um recorte de jornal que seu pai lhe deu, ele encontra um número de telefone circulado com uma referência a uma venda da propriedade. Ele marca o número e encontra Abby, que quer levar Oskar para seu ex-marido, William, que pode saber sobre a chave. William diz Oskar que ele esteve procurando a chave. William tinha vendido o vaso com o pai de Oskar que nunca soube que a chave estava no vaso. A chave se encaixa em um cofre onde o pai de William deixou algo para ele. Desapontado e perturbado porque a chave não pertence a ele, Oskar confessa a William que ele não pega no telefone durante o sexta e último telefonema de seu pai e, em seguida, vai para casa. A mãe de Oskar diz que ela sabia que ele estava entrando em contato com os Blacks. Ela então lhe informa que visitou cada Black com antecedência e informou que Oskar estava indo visitar e porquê. Oskar vai em uma página de recados de sua caçada e todas as pessoas que ele conheceu e chama-lhe "Extremely Loud and Incredibly Close". No fim da página de recados existe uma animação em que o corpo de Thomas está caindo em vez de descer. O avô de Oskar volta a viver com a avó de Oskar.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Produção[editar | editar código-fonte]

Em agosto de 2010, foi noticiado que o diretor Stephen Daldry e o produtor Scott Rudin estavam trabalhando numa adaptação para o cinema do livro livro.[2] Eric Roth foi contratado para escrever o roteiro.[3] Extremely Loud and Incredibly Close é uma co-produção da Paramount Pictures e da Warner Bros., com a Warner sendo o "estúdio principal".[2] Chris Menges trabalhou como diretor de fotografia, K. K. Barrett como designer de produção e Ann Roth como figurinista.[4]

Tom Hanks e Sandra Bullock foram os primeiros a serem escalados para o filme.[5] Uma busca nacional de atores entre 9 e treze anos começou a ser feita em outubro de 2010 para o papel de Oskar Schell.[6] Thomas Horn foi escolhido para o papel em dezembro de 2010.[7] Em 3 de janeiro de 2011, The Hollywood Reporter anunciou que John Goodman se juntara ao elenco.[8] No mesmo mês Viola Davis e Jeffrey Wright foram convidados.[9] Nico Muhly foi creditado no pôster do filme como compositor, mas em 21 de outubro de 2011 Alexandre Desplat foi anunciado como compositor da trilha sonora.[10]

Recepção[editar | editar código-fonte]

O filme ganhou opiniões variadas dos críticos. O site Rotten Tomatoes registrou que 49% das 117 críticas foram positivas, com uma média de 5,8 em 10 pontos. O consenso sobre o filme é de que "Extremely Loud & Incredibly Close tem uma história digna de ser contada, mas que merece algo melhor do que o tratamento pretensioso que o diretor Stephen Daldry lhe dá."[11] O Metacritic, que utiliza uma pontuação máxima de 100 pontos, dá ao filme uma pontuação de 44 pontos baseados em 23 opiniões.[12]

Os críticos ficaram divididos sobre o fime. Betsy Sharkey do Los Angeles Times escreveu que o filme foi "generosamente polido, com a produção cuidadosamente envolta na tragédia nacional de 11 de setembro, que parece ser definida sempre com palavras com impensável, imperdoável, catastrófico.[13] Andrea Peyser do New York Post chamou o filme de "Extremamente, incrivelmente explorador" e a "busca de uma chantagem emocional, emoções baratas e um estratagema claro para conquistar um Oscar."[14]

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Prêmio Categoria Notas Resultado
Oscar 2012 Melhor filme Indicado
melhor ator coadjuvante Max von Sydow Indicado
Art Directors Guild Melhor direção de arte em filme contemporâneo K.K. Barrett Indicado
Boston Film Critics Melhor ator coadjuvante Max von Sydow Indicado
Broadcast Film Critics Association Awards Melhor filme Indicado
Melhor diretor Stephen Daldry Indicado
Melhor ator/atriz mirim Thomas Horn Venceu
Melhor roteiro adaptado Eric Roth Indicado
Dallas-Fort Worth Film Critics Association Melhor filme Indicado
Melhor ator coadjuvante Max von Sydow Indicado
Georgia Film Critics Melhor ator coadjuvante Max von Sydow Indicado
Melhor atriz coadjuvante Sandra Bullock Indicado
Houston Film Critics Society Melhor filme Indicado
Phoenix Film Critics Society[15] Melhor roteiro original Alexandre Desplat Indicado
Melhor performance num papel principal ou secundário - masculino Thomas Horn Venceu
Melhor performance atráves da câmera Thomas Horn Venceu
San Diego Film Critics Society Melhor ator coadjuvante Max von Sydow Indicado
Melhor roteiro Alexandre Desplat Indicado

Referências

  1. «Extremely Loud». Box Office Mojo (em inglês). IMDb. Consultado em 1 de junho de 2015 
  2. a b Fleming, Mike (22 de agosto de 2010). «Warner Bros and Paramount In Tandem On 'Extremely Loud and Incredibly Close'». Deadline.com. PMC. Consultado em 30 de maio de 2011. Cópia arquivada em 22 de outubro de 2011 
  3. Kit, Borys (14 de outubro de 2010). «Stephen Daldry to direct 'Extremely Loud': Project based on a Sept. 11-themed novel». The Hollywood Reporter. Prometheus Global Media. Consultado em 26 de maio de 2011. Cópia arquivada em 6 de junho de 2011 
  4. «Cameras Roll on "Extremely Loud & Incredibly Close" as It Heads from the Page to the Big Screen». Business Wire. 1 de março de 2011. Consultado em 30 de maio de 2011. Cópia arquivada em 30 de maio de 2011 
  5. «Hanks and Bullock Getting Extremely Loud & Incredibly Close». ComingSoon.net. CraveOnline. 23 de agosto de 2010. Consultado em 26 de maio de 2011 
  6. Lehman, Daniel (1 de novembro de 2010). «'Extremely Loud and Incredibly Close' Casting Boys in Brooklyn?». Back Stage. Prometheus Global Media. Consultado em 30 de maio de 2011. Cópia arquivada em 30 de maio de 2011 
  7. Fleming, Mike (15 de dezembro de 2010). «'Jeopardy!' Wiz Kid Lands Lead in WB Movie"». Deadline.com. PMC. Consultado em 26 de maio de 2011. Cópia arquivada em 22 de outubro de 2011 
  8. Kit, Borys (3 de janeiro de 2011). «EXCLUSIVE: John Goodman Joining Sandra Bullock, Tom Hanks in 'Extremely Loud and Incredibly Close'». The Hollywood Reporter. Prometheus Global Media. Consultado em 26 de maio de 2011. Cópia arquivada em 6 de junho de 2011 
  9. Bamigboye, Baz (21 de janeiro de 2011). «Hold the Botox! I'd rather grow old gracefully, says English eccentric Helena Bonham Carter». Daily Mail. Associated Newspapers Ltd. Consultado em 26 de maio de 2011. Cópia arquivada em 22 de outubro de 2011 
  10. Tapley, Kristopher (21 de outubro de 2011). «Alexandre Desplat tapped for 'Extremely Loud and Incredibly Close'». HitFix. Consultado em 22 de outubro de 2011. Cópia arquivada em 22 de outubro de 2011 
  11. «Extremely Loud and Incredibly Close (2011)». Rotten Tomatoes. Flixster. Consultado em 24 de dezembro de 2011 
  12. «Extremely Loud and Incredibly Close Reviews». Metacritic. CBS Interactive. Consultado em 24 de dezembro de 2011 
  13. Sharkey, Betsy (23 de dezembro de 2011). «'Extremely Loud & Incredibly Close' review: Eloquence in loss». Los Angeles Times. Tribune Company. Consultado em 25 de dezembro de 2011. Cópia arquivada em 25 de dezembro de 2011 
  14. http://www.nypost.com/p/news/national/extremely_incredibly_exploitive_xwOzELyI6GEUQPmiEmV0NP
  15. «Phoenix Film Critics Society 2011 Awards». Phoenix Film Critics Society. Consultado em 22 de janeiro de 2012 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]