Falcão-americano

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaFalcão-americano
Falco sparverius Flickr.jpg
Estado de conservação
Espécie pouco preocupante
Pouco preocupante (IUCN 3.1)
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Falconiformes
Família: Falconidae
Género: Falco
Espécie: F. sparverius
Nome binomial
Falco sparverius
Linnaeus, 1758
Falco sparverius - MHNT

O falcão-americano ou quiriquiri (Falco sparverius) é uma espécia de falcão encontrado por todo o continente Americano.

Características[editar | editar código-fonte]

Mede de 23 a 27 cm de comprimento e pesa de 85 a 140 gramas. O macho é cinza azulado no alto da cabeça e asa, enquanto as costas e a cauda são marrom avermelhado, finamente estriadas de negro. Uma larga faixa negra sub terminal na cauda e ponta branca. As partes inferiores são brancas, com pontos negros no peito e barrigas, mais densos nos lados do corpo. Possui um desenho de lágrima, negra, abaixo do olho; uma outra linha vertical no lado da cabeça e um ponto negro na nuca.

A fêmea têm as costas e asas marrom avermelhada, com as estrias negras finas, sem o cinza azulado do dorso do macho ou a faixa negra subterminal na cauda. As partes inferiores são de tom marrom alaranjado claro, com riscos finos, verticais e negros, sem o padrão de pontos do macho. O desenho e cores da cabeça são iguais.

Os filhotes já saem do ninho com a plumagem do sexo correspondente.


Fêmea adulta em Winnipeg, Manitoba, Canadá
Falcão descansando em uma macieira

Taxonomia[editar | editar código-fonte]

Até a sexta edição da AOU Checklist of North American Birds ser publicada pela American Ornithologists 'Union em 1983, o nome mais comumente usado para o quiriquiri era sparrow hawk. Isso se deveu a uma conexão equivocada com o gavião-da-europa do gênero Accipiter . A sexta edição do AOU Checklist corrigiu isso, renomeando oficialmente o pássaro como American kestrel em inglês . Vários outros nomes coloquiais para o quiriquiri também são usados, como gavião gafanhoto, devido à sua dieta.[1]

Análises de DNA mostraram que o quiriquiri americano, na verdade, está geneticamente mais relacionado aos falcões americanos maiores[2][3] que aos outros verdadeiros kestrels. No entanto, com base em sua semelhança física com os kestrels houve pouco ímpeto para mudar seu nome em inglês (American kestrel).

O nome científico do quiriquiri, Falco sparverius, foi dado por Carl Linnaeus em seu trabalho do século XVIII, Systema Naturae.[4] O gênero refere-se à forma falcada, ou em forma de gancho, do bico, e o nome específico significa "pertencente a um pardal", referindo-se ao pequeno tamanho da ave e à caça de pardais como uma presa típica.[1]

Dezessete subespécies do quiriquiri são reconhecidas, geralmente com base na plumagem, tamanho e vocalizações: [5]

Ecologia e comportamento[editar | editar código-fonte]

Fêmea prestes a atacar

Os falcões americanos são encontrados em uma ampla variedade de habitats, incluindo pastagens, pradarias, desertos e outras regiões abertas a semi-abertas. Eles também podem ser encontrados em áreas urbanas e suburbanas. O habitat de um quiriquiri deve incluir poleiros, espaços abertos para caça e cavidades para nidificação (sejam naturais ou artificiais).[6] O quiriquiri é capaz de viver em condições muito diversas, indo desde acima do Círculo Polar Ártico,[7] até os trópicos da América Central, a altitudes de mais de 4,500 m (14,800 ft) na Cordilheira dos Andes.[8] A ave é distribuída desde o norte do Canadá e Alasca até o extremo sul da América do Sul, a Terra do Fogo. É o único dos peneireiros (kestrels) encontrado nas Américas,[9] embora, como mencionado acima, essa classificação seja geneticamente imprecisa. Ocorreu como vagante no Reino Unido, Dinamarca, Malta e Açores.[10]

Os falcões-americanos no Canadá e no norte dos Estados Unidos normalmente migram para o sul no inverno, às vezes indo até a América Central e o Caribe. Os pássaros que se reproduzem ao sul de cerca de 35 ° de latitude norte geralmente são residentes o ano todo. A migração também depende das condições climáticas locais.[11] A escolha de habitat dos peneireiros no inverno varia de acordo com o sexo. As fêmeas são encontradas em áreas abertas com mais freqüência do que os machos durante a estação não reprodutiva. Uma explicação comum para esse comportamento é que as fêmeas que são maiores do que os machos chegam primeiro ao habitat preferido e excluem os machos de seu território.[12]

O quiriquiri não tem vida longa, com uma vida útil de <5 anos para as aves selvagens.[13] A ave selvagem anilhada mais velha tinha 11 anos e 7 meses,[14] enquanto os falcões em cativeiro podem viver até 14-17 anos.[13] Em um estudo, humanos foram responsáveis por 43,2% das 1.355 mortes relatadas, que incluíram mortes diretas e atropelamentos, enquanto a predação (incluindo por aves de rapina maiores) foi responsável por 2,8%. Esta estatística é provavelmente tendenciosa, no entanto, uma vez que as mortes relatadas são geralmente encontradas perto ou em áreas habitadas por humanos.[13]

Alimentação[editar | editar código-fonte]

Os falcões americanos se alimentam principalmente de pequenos animais, como gafanhotos, libélulas, lagartos, ratos, ratazanas e pequenos pássaros. O quiriquiri já foi visto matando cobras, morcegos[15] e esquilos.[16] Este falcão é capaz de manter altas densidades populacionais, pelo menos em parte devido ao amplo escopo de sua dieta. O principal modo de caça do quiriquiri é empoleirando-se e esperando que a presa se aproxime. A ave é caracteristicamente vista ao longo das estradas ou campos empoleirados em objetos como árvores, linhas de energia aéreas ou postes de cerca. Ele também caça pairando no ar com rápidas batidas de asas e explorando o solo em busca de presas. Outras técnicas de caça incluem vôo baixo sobre os campos ou perseguição de insetos e pássaros no ar.[17]

As presas costumam ser capturadas no solo, embora ocasionalmente capturem pássaros em vôo. Antes de atacar, o quiriquiri balança caracteristicamente a cabeça e a cauda e, em seguida, faz um vôo direto em direção à presa para agarrá-la com as garras. Muito parecido com o búteo-de-cauda-vermelha, os falcões americanos conservam energia em uma caçada e escolhem seus ataques com cuidado quanto à posição e chances de sucesso.[18] Durante a época de reprodução, a ave carrega presas grandes de volta para seu parceiro ou filhote. Um estudo descobriu que um par de falcões americanos "forrageava de maneiras que minimizavam os custos de aquisição de energia em sua situação particular". Por exemplo, se a taxa de sucesso na captura de presas diminuir significativamente em uma área particular, a ave se moverá para uma área diferente.[19]

Ovo de Falco sparverius
Um falcão jovem

Os falcões americanos são sexualmente maduros em sua primeira primavera.[20] Em populações migratórias, os machos chegam ao local de procriação antes das fêmeas, então a fêmea seleciona um parceiro. Os laços de pares são fortes, muitas vezes permanentes. Os pares geralmente usam locais de nidificação anteriores em anos consecutivos. Isso dá aos pássaros uma vantagem sobre os indivíduos mais jovens ou invasores, pois eles já estão familiarizados com os locais de caça, vizinhos, predadores e outras características do local.[21] Os machos realizam exibições de mergulho elaboradas para anunciar seu território e atrair um parceiro. Essas exibições consistem em várias subidas e mergulhos, com três ou quatro chamadas de "klee" em seus picos. As fêmeas são promíscuas por cerca de uma a duas semanas após sua chegada ao local de nidificação. Acredita-se que isso estimule a ovulação.[22] As transferências de alimentos do macho para a fêmea ocorrem cerca de quatro a cinco semanas antes da postura dos ovos até uma a duas semanas depois.[23]

Os falcões americanos fazem ninhos em cavidades, mas são capazes de se adaptar a uma ampla variedade de situações de nidificação. Eles geralmente preferem cavidades naturais (como em árvores) com copas fechadas e entradas justas que fornecem proteção máxima para os ovos e crias.[24] Ocasionalmente, os falcões fazem ninhos em buracos criados por grandes pica-paus,[25] ou usam os ninhos abandonados de outras aves, como búteos de cauda vermelha, merlins e corvos.[26] Eles foram registrados aninhando em saliências de penhascos e topos de edifícios, bem como em cavidades abandonadas em cactos.[27] Os falcões americanos também costumam utilizar caixas de nidificação.[28]

Três a sete ovos (normalmente quatro ou cinco) são postos com um intervalo de aproximadamente 24–72 horas.[29] O tamanho médio do ovo é 32 por 29 milímetros, 10% maior que a média para aves de seu tamanho corporal. Os ovos são de cor branca a creme com manchas castanhas ou cinzentas. A incubação geralmente dura 30 dias e é principalmente de responsabilidade da fêmea, embora o macho incube de 15 a 20% do tempo. Os ovos perdidos são geralmente substituídos em 11-12 dias. A incubação ocorre ao longo de três a quatro dias. Os filhotes são altriciais e só conseguem ficar sentados depois de cinco dias. Eles crescem rapidamente, atingindo um peso adulto após 16–17 dias. Após 28-31 dias, suas asas se desenvolveram e eles podem deixar o ninho.[30] Os falcões adultos jovens podem se reproduzir a partir de um ano de idade, e a espécie tem uma expectativa de vida de aproximadamente três a cinco anos na natureza.

Em termos ecológicos, o padrão reprodutivo do quiriquiri inclina-se para uma estratégia de "seleção r" de pássaros pequenos.[31] Na teoria da seleção r / K, pressões seletivas conduziriam a evolução em uma das duas direções generalizadas: seleção r ou K.[32] As espécies selecionadas por R são aquelas que enfatizam uma alta taxa de crescimento, normalmente explorando nichos ecológicos menos povoados e produzem muitos descendentes, cada um dos quais tem uma probabilidade relativamente baixa de sobreviver até a idade adulta (ou seja, alto r, baixo K ) . Por outro lado, as espécies selecionadas por K exibem traços associados a viver em densidades próximas à capacidade de suporte e, normalmente, são fortes competidores em tais nichos lotados que investem mais pesadamente em menos descendentes, cada um dos quais tem uma probabilidade relativamente alta de sobreviver até a idade adulta (ou seja,, baixo r, alto K ). Entre esses dois extremos, o quiriquiri é uma das poucas espécies de ave de rapina que tendem a ser selecionadas por R Eles são capazes de se reproduzir com um ano de idade, têm poucos adultos não reprodutores na população e têm ninhadas maiores. Sua taxa de crescimento populacional é alta em relação às aves de rapina maiores, que normalmente tendem a ser selecionadas por K.

Fisiologia em estresse[editar | editar código-fonte]

Clima[editar | editar código-fonte]

Os falcões americanos são frequentemente úteis em estudos científicos sobre fisiologia animal e normalmente são capturados usando o método bal-chatri ou criados em caixas-ninho para experimentos.[33] Verificou-se que a taxa metabólica do quiriquiri aumenta em resposta à chuva, e em temperaturas ambientes abaixo de cerca de 25° C. As respostas metabólicas deste falcão ao clima e à temperatura não variam, entretanto, com o sexo.[34] Os falcões aumentam o consumo de oxigênio e, portanto, a taxa metabólica em condições de frio e umidade para neutralizar a perda de calor.[34][35]

Perturbação ambiental[editar | editar código-fonte]

A resposta do quiriquiri ao estresse ambiental é medida pela a concentração sanguínea de corticosterona (CORT), um hormônio produzido pelo eixo hipotálamo-pituitária-adrenal (HPA) que libera energia armazenada para funções essenciais do corpo. Períodos prolongados de níveis elevados de CORT no sangue podem direcionar a energia metabólica para longe do crescimento e da reprodução.[33] Assim, os altos níveis de perturbação do trânsito de veículos e desenvolvimento humano em torno dos ninhos dos falcões aumentam os hormônios do estresse, levando à falha reprodutiva.[36] Entre os ninhos bem-sucedidos, no entanto, os filhotes normalmente não experimentam uma resposta de maior estresse à perturbação humana ambiental, sugerindo que eles podem tolerar um grau considerável de atividade humana perto do ninho.[33]

Contaminantes ambientais[editar | editar código-fonte]

Como os falcões americanos são carnívoros, o escoamento químico tóxico ingerido por suas presas pode se concentrar em altos níveis no sangue por bioacumulação. Falcões selvagens estão sujeitos a imunomodulação, ou uma resposta imune alterada, a éteres difenílicos polibromados (PBDEs), um grupo de retardadores de chama industriais que podem vazar das fábricas para o meio ambiente. Quando PBDEs se acumulam nos tecidos corporais de falcões, a resposta imune mediada por células T diminui em eficiência. Como resultado, os falcões que ingerem PBDEs podem não responder suficientemente a vírus ou outros microorganismos invasores. Além disso, certos PBDEs podem suprimir o crescimento e o desenvolvimento do baço e da bursa em falcões americanos.[37]

Estado e conservação[editar | editar código-fonte]

Um quiriquiri reabilitado com treinador em um evento educacional

O quiriquiri é provavelmente o falcão mais abundante da América do Norte, embora sua população total seja difícil de quantificar, pois as populações locais podem mudar rapidamente devido à disponibilidade de recursos. Dados de contagem do USGS Breeding Bird Survey (BBS) indicam que a população reprodutora da América do Norte está experimentando declínios graduais, de longo prazo, mas sustentados, com algumas regiões, como Nova Inglaterra e litoral da Califórnia, exibindo declínios mais rápidos.[38][39] Dados de contagem de corredores de migração de aves de rapina também indicam declínios populacionais regionais e corroboram amplamente os dados de BBS.[40] A população da América do Norte foi estimada em 1,2 milhão de pares, sendo as populações da América do Sul e Central igualmente grandes. Uma estimativa menor é de 236.000 aves invernando na América do Norte. Um aumento populacional ocorreu nos séculos 18 e 19, provavelmente devido ao desmatamento para a agricultura. As pastagens resultantes forneceram um habitat ideal para os falcões.[13]

A subespécie do sudeste dos EUA (Falco sparverius paulus) diminuiu 82% desde 1940 devido a uma diminuição na disponibilidade de locais de nidificação. Este declínio é o resultado de pinheiros de folha longa sendo desmatados para campos agrícolas.[41] Apesar disso, o quiriquiri é classificado como espécie pouco preocupante na Lista Vermelha da IUCN.

O Peregrine Fund, uma organização sem fins lucrativos líder em pesquisa e conservação de aves de rapina em todo o mundo, lançou a American Kestrel Partnership em 2012.[42] A American Kestrel Partnership desenvolveu e mantém uma rede baseada na web para que cientistas profissionais e cidadãos insiram, gerenciem e consolidem dados de programas de monitoramento de caixas de ninho de falcões (kestrels) no Hemisfério Ocidental. O banco de dados está sendo usado por pesquisadores para modelar e compreender as relações entre os parâmetros de nidificação do peneireiro (por exemplo, fenologia, ocupação, sobrevivência, produtividade e peso do filhote e exposição a toxinas ambientais) e fatores ambientais, como uso da terra, composição e configuração da paisagem, condições climáticas (por exemplo, seca) e fontes pontuais de toxinas ambientais. A cada temporada de reprodução, a American Kestrel Partnership apresenta uma transmissão de vídeo ao vivo[43] da caixa-ninho localizada no campus do The Peregrine Fund em Boise, Idaho.[42]

Uso na falcoaria[editar | editar código-fonte]

Macho com condutor, Zoológico de San Diego

Um uso importante dos falcões americanos é na falcoaria. Geralmente é considerado um pássaro de iniciantes, embora o controle de peso cuidadoso necessário para manter o desejo do falcão de caçar agressivamente exija habilidade. Falcoeiros experientes em extrair o melhor desempenho que a espécie é capaz, relatam que são altamente confiáveis na caça normal de pardais e estorninhos.[44] Indivíduos mais agressivos às vezes são capazes de capturar presas com até aproximadamente o dobro de seu peso corporal, permitindo a captura ocasional de verdadeiras aves de caça, como codornizes e pombos. No entanto, a maioria dos falcoeiros interessados na obtenção confiável desse tipo de caça prefere falcões ou falcões maiores. A vantagem que o quiriquiri oferece ao falcoeiro experiente é sua adequação à falcoaria simples e urbana, não exigindo grandes extensões de terra ou o uso de cães de caça. Essa forma de falcoaria é às vezes chamada de "micro-falcoaria"[45] ou "micro-falcoaria". As outras pequenas espécies de raptores comumente usadas na microfalcoaria são o merlin, o gavião-míudo (o menor accipiter) e o peneireiro-vulgar.

Os falcões americanos não são tão fáceis de treinar quanto alguns falcões maiores (particularmente o falcão-peregrino ) para arte de "esperar" para fazer uma curva de mergulho em uma presa afogueada. No entanto, alguns falcões individuais dominam essa habilidade.[46] Falcoeiros às vezes os treinam para subir até uma posição inclinada com petiscos em pipas ou balões que os falcoeiros aprendem a subir depois. As técnicas de caça mais comuns são "escorregá-los" do punho após a caça avistada ou liberá-los da janela de um veículo próximo. Essas técnicas são mais de um ajuste natural para os métodos de emboscada do falcão na natuzera.

Os falcoeiros que usam o quiriquiri devem estar alertas para proteger o falcão de predadores maiores que podem atacar o francelho, principalmente se ele estiver distraído no solo com a presa capturada. Cães e gatos domésticos são a maior ameaça para atacar o falcão no solo, mas o falcão-do-tanoeiro é bem conhecido por atacar arrojadamente falcões americanos. Este accipiter de tamanho médio tem tamanho e força suficientes para carregar o quiriquiri embora, embora falcoeiros relatem muitas vezes ser bem-sucedidos em recuperá-lo ileso, agindo rapidamente para intimidar o falcão maior para que solte o quiriquiri.[47]

Os falcões americanos são criados em cativeiro para uso na falcoaria e estão entre os falcões mais fáceis de criar. Eles também são suficientemente comuns para que as aves de "passagem" no primeiro ano sejam relativamente fáceis de capturar. Os falcões capturados na natureza são "domados" com bastante rapidez. Eles geralmente comem da mão de um falcoeiro no dia seguinte à captura, treinam dentro de uma semana e estarão prontos para caçar em três a cinco semanas. Um quiriquiri muito domesticado permite-se ser agarrado pelo corpo com uma das mãos, enquanto aceita petiscos com a outra.[48] Tal mansidão é muito útil ao verificar ou tratar a ave quanto a ferimentos ou doenças.

Aves de rapina migratórias nativas dos Estados Unidos são protegidas pela Lei do Tratado de Aves Migratórias de 1918, portanto é ilegal possuir um os falcões americanos são s sem uma licença de falcoaria nos Estados Unidos, Canadá e México.[49]

Distribuição Geográfica[editar | editar código-fonte]

Desde o Alasca e Norte do Canadá até à ponta Sul da América do Sul (Terra do Fogo), em todo Brasil, exceto em florestas.

Referências

  1. a b Wauer, p. 4
  2. Wink, M., and H. Sauer-Gürth (2004) "Phylogenetic relationships in diurnal raptors based on nucleotide sequences of mitochondrial and nuclear marker genes", pp. 483–498 in R.D. Chancellor and B.-U. Meyburg (eds.) Raptors Worldwide, World Working Group on Birds of Prey, Berlin.
  3. Griffiths, C. (1999). «Phylogeny of the Falconidae Inferred from Molecular and Morphological Data». The Auk. 116: 116–130. JSTOR 4089459. doi:10.2307/4089459 
  4. Linnaeus, Carolus (1758). Systema naturae per regna tria naturae, secundum classes, ordines, genera, species, cum characteribus, differentiis, synonymis, locis. Tomus I. Editio decima, reformata (em latim). [S.l.]: Holmiae: Laurentii Salvii. 
  5. Smallwood, John A.; Bird, David M. (2002). «American Kestrel: Systematics». Cornell Lab of Ornithology. Consultado em 4 de setembro de 2010 
  6. «American Kestrel, Life History». All About Birds. Cornell Lab of Ornithology. Consultado em 3 de setembro de 2010 
  7. Wauer, p. 15
  8. Fjeldså, Jon; Krabbe, Niels (1990). Birds of the High Andes: A Manual to the Birds of the Temperate Zone of the Andes and Patagonia, South America. Svendborg, Denmark: Apollo Books. ISBN 978-87-88757-16-3 
  9. Smallwood, John A.; Bird, David M. (2002). «American Kestrel: Introduction». Cornell Lab of Ornithology. Consultado em 2 de novembro de 2010. Cópia arquivada em 26 de setembro de 2010 
  10. Snow, David (1998). Perrins, Christopher M, ed. The Birds of the Western Palearctic concise edition. Oxford: Oxford University Press. ISBN 978-0-19-850188-6 
  11. Wauer, pp. 23–24
  12. Ardia, Daniel R.; Bildstein, Keith L. (1997). «Sex-related differences in habitat selection in wintering American kestrels, Falco sparverius». Animal Behaviour. 53: 1305–1311. CiteSeerX 10.1.1.597.3819Acessível livremente. PMID 9236026. doi:10.1006/anbe.1996.0364 
  13. a b c d Smallwood, John A.; Bird, David M. (2002). «American Kestrel: Demography and Populations». Cornell Lab of Ornithology. Consultado em 27 de maio de 2012 
  14. Clapp, Roger B.; Klimkiewicz, M. Kathleen; Kennard, John H. (1982). «Longevity Records of North American Birds: Gaviidae through Alcidae». Journal of Field Ornithology. 53: 81–124. JSTOR 4512701 
  15. Mikula, P.; Morelli, F.; Lučan, R. K.; Jones, D. N.; Tryjanowski, P. (2016). «Bats as prey of diurnal birds: a global perspective». Mammal Review. 46. 160 páginas. doi:10.1111/mam.12060 
  16. Sherrod, Steve K. (1978). «Diets of North American Falconiformes». Journal of Raptor Research. 12: 103–106 
  17. Collopy, Michael W.; Koplin, James R. (1983). «Diet, Capture Success, and Mode of Hunting by Female American Kestrels in Winter». The Condor. 85: 369–371. JSTOR 136708. doi:10.2307/1367081 
  18. Mullenix, Matt (2003) Merlins and American Kestrels Compared. merlinfalconry.com.
  19. Rudolph, Seri G. (1982). «Foraging Strategies of American Kestrels During Breeding». Ecology. 63: 1268–1276. JSTOR 1938854. doi:10.2307/1938854 
  20. Duncan, James, R.; Bird, David M. (1989). «The influence of relatedness and display effort on the mate choice of captive female American kestrels» (PDF). Animal Behaviour. 37: 112–117. doi:10.1016/0003-3472(89)90011-0 
  21. Wauer, p. 52
  22. Wauer, p. 54
  23. Smallwood, John A.; Bird, David M. (2002). «American Kestrel: Behavior». Cornell Lab of Ornithology. Consultado em 25 de setembro de 2010 
  24. Wauer, p. 55
  25. Gault, Kathleen E.; Walters, Jeffrey R.; Tomcho, Joseph Jr.; Phillips, Louis F. Jr.; Butler, Andrew (2004). «Nest Success of Southeastern American Kestrels Associated with Red-Cockaded Woodpeckers in Old-Growth Longleaf Pine Habitat in Northwest Florida». Southeastern Naturalist. 3: 191–204. JSTOR 3878098. doi:10.1656/1528-7092(2004)003[0191:NSOSAK]2.0.CO;2 
  26. Wauer, pp. 55–56
  27. Smith, Dwight G.; Wilson, Charles R.; Frost, Herbert H. (1972). «The Biology of the American Kestrel in Central Utah». The Southwestern Naturalist. 17: 73–83. JSTOR 3669841. doi:10.2307/3669841 
  28. Rohrbaugh, Ronald W. Jr.; Yahner, Richard H. (1997). «Effects of Macrohabitat and Microhabitat on Nest-Box Use and Nesting Success of American Kestrels». The Wilson Bulletin. 109: 410–423. JSTOR 4163837 
  29. Miller, Karl E. (2020). «Supernormal clutches of American Kestrels (Falco sparverius) in peninsular Florida». The Wilson Journal of Ornithology. 132: 438–441 
  30. Wauer, pp. 59–63
  31. Davis, Kate, Kindle location 948.
  32. Pianka, E.R. (1970). «On r and K selection». American Naturalist. 104: 592–597. doi:10.1086/282697 
  33. a b c Strasser, Erin H.; Heath, Julie A. (2011). «Effects of developmental conditions on nestling American Kestrel (Falco sparverius) corticosterone concentrations». General and Comparative Endocrinology. 173: 164–170. PMID 21641910. doi:10.1016/j.ygcen.2011.05.010 
  34. a b Wilson, Glenn R.; Cooper, Sheldon J.; Gessaman, James A. (1 de novembro de 2004). «The effects of temperature and artificial rain on the metabolism of American kestrels (Falco sparverius)». Comparative Biochemistry and Physiology A. 139: 389–394. PMID 15556396. doi:10.1016/j.cbpb.2004.10.009 
  35. Willmer, Pat; Stone, Graham; Johnston, Ian (2009). Environmental Physiology of Animals 2nd ed. [S.l.]: Wiley. ISBN 9781444309225 
  36. Strasser, Erin H.; Heath, Julie A. (1 de agosto de 2013). «Reproductive failure of a human-tolerant species, the American kestrel, is associated with stress and human disturbance». Journal of Applied Ecology (em inglês). 50: 912–919. doi:10.1111/1365-2664.12103 
  37. Fernie, Kim J.; Mayne, Greg; Shutt, J. Laird; Pekarik, Cynthia; Grasman, Keith A.; Letcher, Robert J.; Drouillard, Ken (1 de dezembro de 2005). «Evidence of immunomodulation in nestling American kestrels (Falco sparverius) exposed to environmentally relevant PBDEs». Environmental Pollution. 138: 485–493. PMID 15951077. doi:10.1016/j.envpol.2005.04.008 
  38. Sauer, J.R.; Hines, J.E.; Fallon, J.E.; Pardieck, J.L.; Ziolkowski Jr., D.J.; Link, W.A. (2011). «The North American Breeding Bird Survey, Results and Analysis 1966 – 2010. Version 12.07.2011». USGS Patuxent Wildlife Research Center. Consultado em 27 de maio de 2012. Cópia arquivada em 9 de junho de 2012 
  39. «American Kestrel Partnership: population declines». The Peregrine Fund. 2012. Consultado em 27 de maio de 2012 
  40. «Raptor Population Index, Regional Population Trend Summaries 2011». Raptor Population Index. 2012. Consultado em 27 de maio de 2012 
  41. Hoffman, Mark L.; Collopy, Michael W. (1988). «Historical Status of the American Kestrel (Falco sparverius paulus) in Florida». The Wilson Bulletin. 100: 91–107. JSTOR 4162520 
  42. a b «American Kestrel Partnership». The Peregrine Fund. 2012. Consultado em 27 de maio de 2012 
  43. Live-streaming video feed, The Peregrine Fund
  44. Mullenix, pp. 82–84
  45. Kestrels, Merlins, and Micro-falconry. oregonfalconers.com (2012)
  46. Mullenix, p. 80
  47. Mullenix, p. 107
  48. Mullenix, p. 48
  49. «Legal Requirements for Raptor Possession». Bureau of Land Management. 15 de julho de 2008. Consultado em 29 de outubro de 2010. Cópia arquivada em 21 de agosto de 2010 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Sick, H. 1997. Ornitologia Brasileira. Ed. Nova Fronteira. Rio de Janeiro, RJ. Acesso em 22/08/2014


Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons
Wikispecies Diretório no Wikispecies