Família real prussiana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Família real da Prússia)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

A família real da Prússia (em alemão: Königliche Familie von Preußen) faz parte da casa de Hohenzollern, por ter sido a única casa real a ter uma dinastia no Ducado da Prússia, depois no Reino da Prússia e ainda no Império Alemão.

História[editar | editar código-fonte]

Os Hohenzollerns começaram a governar o Ducado da Prússia em 1618, no entanto, havia dois estados prussianos: o Ducado da Prússia, subordinado à Ordem Teutônica e em união pessoal com a Marca de Brandeburgo, e a Prússia Real, em união pessoa com a Coroa polonesa.

Em 1701, foi criado o Reino da Prússia (consequentemente, criando a família real e uma dinastia), pela união do Ducado da Prússia com a Marca de Brandemburgo com Frederico I coroado rei na Prússia. Entretanto, somente em 1772 que a Prússia Real (subjugada pela Polônia e separada da Prússia ducal), foi anexada por Frederico II, que começou a existir o título rei da Prússia, substituindo "na Prússia". [1]

O apogeu da família real foi a criação, em 1871, do Império Alemão (que era a união da Prússia e outros 26 estados separados desde o fim do Sacro Império Romano-Germânico, em 1806), adicionando somente ao imperador, sua consorte, imperatrizes viúva, o príncipe e a princesa da coroa os títulos imperiais, e como ainda faziam parte da família real prussiana, não houve "família imperial alemã". Entretanto, após a Primeira Guerra Mundial, com a derrota da Alemanha, o kaiser (título do imperador alemão) Guilherme II foi obrigado à abdicar, quando eclodiu a Revolução Alemã.[2] Entretanto, ele continuou como chefe da Casa de Hohenzollern (sendo o chefe da dinastia líder da família real), até sua morte em 1941, no exílio.

1918 - presente[editar | editar código-fonte]

Após a abdicação de Guilherme II, em 1918, a dinastia Hohenzoller foi extinta, entretante ele continuou como chefe da casa de Hohenzollern, até sua morte em 1941, no exílio. A chefia da casa real e da família, desda a morte do ex-kaiser, passou por três pessoas. O atual líder dos Hohenzollerns e da família real, rei e imperador titular é Jorge Frederico.

Após o fim da Segunda Guerra Mundial, em 1945, com as ocupações dos soviéticos, a família real perdeu terras no que correspondia a Alemanha Oriental, restando apenas algumas ações em empresas e o Castelo de Hohenzollern, na Alemanha Ocidental, que foi danificado após um sismo em 3 de setembro de 1978, tendo sua restauração durado até a década de 1990.

Depois da reconstrução, o castelo nunca foi habitado por longos períodos, tendo apenas funções representativas. Antes disso, em 1952 o castelo passou a contar com objetos de arte e recordações da história da Prússia. A Coroa Real da Prússia, juntamente com o uniforme de Frederico o Grande encontram-se entre as peças mais importantes da coleção. Entre 1952 e 1991, os túmulos dos reis Frederico Guilherme I e Frederico o Grande estiveram no castelo. Depois da reunificação da Alemanha, em 1991, foram trasladados de volta para Potsdam.

Referências

  1. «Nasce o Reinado da Prússia no seio do Sacro Império Romano Germânico». 18 de Janeiro de 2011. Consultado em 15 de novembro de 2013. 
  2. «Revolução Alemã». 22 de Abril de 2012. Consultado em 15 de novembro de 2013.