Feira Nova (Sergipe)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Feira Nova
Bandeira indisponível
Brasão de Feira Nova
Bandeira indisponível Brasão
Hino
Aniversário 18 de outubro
Fundação 18 de outubro de 1963 (53 anos)
Gentílico feira-novense[1]
Padroeiro(a) Nossa Senhora das Graças
Prefeito(a) José Carlos dos Santos (PSDB)
(2017–2020)
Localização
Localização de Feira Nova
Localização de Feira Nova em Sergipe
Feira Nova está localizado em: Brasil
Feira Nova
Localização de Feira Nova no Brasil
10° 15' 56" S 37° 18' 44" O10° 15' 56" S 37° 18' 44" O
Unidade federativa  Sergipe
Mesorregião Sertão Sergipano IBGE/2008 [2]
Microrregião Sergipana do Sertão do São Francisco IBGE/2008 [2]
Municípios limítrofes Nossa Senhora da Glória, Gracho Cardoso, Cumbe, Nossa Senhora das Dores, São Miguel do Aleixo, Nossa Senhora Aparecida
Distância até a capital 104 km
Características geográficas
Área 188,012 km² [3]
População 5 325 hab. IBGE/2010[4]
Densidade 28,32 hab./km²
Altitude 250 [1] m
Clima semi-árido[1] BSh
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,584 baixo PNUD/2010[5]
PIB R$ 31 038,064 mil IBGE/2008[6]
PIB per capita R$ 5 346,78 IBGE/2008[6]
Página oficial

Feira Nova é um município brasileiro do estado de Sergipe.

História[editar | editar código-fonte]

O nome do município vem de uma feira de troca de animais criada na década de 30 por comerciantes locais, com o intuito de se evitar que os habitantes da região precisassem frequentar outros municípios para comprar mantimentos e assim fossem atacados por cangaceiros.

A povoação surgiu de uma propriedade da região, a fazenda Logrador, pertencente a Domingos Dias de Souza (apelidado "Domingo Bolachão"), que vendeu parte de suas terras a José Alves de Queiroz (apelidado "Fifio"). "Fifio" teve a ideia, junto com José Lino de Souza (um comerciante de couro da localidade), de montar uma bodega e transformar parte do estabelecimento em um pequeno centro de troca e venda de gado e couro.

Na época os moradores da região precisavam ir até as feiras dos municípios vizinhos de Nossa Senhora da Glória e Nossa Senhora das Dores para fazer compras, e viviam aterrorizados com as histórias de violência e roubo das mercadorias por cangaceiros. José Alves de Queiroz o "Fifio", convidou feirantes e moradores de toda a região para participarem da feira, iniciada no meio do campo, ofertando poucos animais, alimentos e principalmente a farinha de mandioca, no dia 12 de março de 1939. Porém a feira cresceu muito, obrigando a prefeitura de Nossa Senhora das Dores (na época a sede da localidade) a melhorar a estrutura administrativa do Povoado Logrador, implantando uma delegacia e um mercado público. Hoje em dia a feira é muito modesta em comparação ao que já foi no passado.

O povoado é elevado à categoria de município com a denominação de Feira Nova, pela lei estadual nº 1211, de 18 de outubro de 1963, desmembrado do município de Nossa Senhora das Dores e Cumbe.[7][8]

Geografia[editar | editar código-fonte]

O município está dentro da área do polígono das secas, apresenta temperatura média anual de 25 °C, com precipitação média de chuvas de 800 mm/ano concentrada nos meses de outono-inverno (março a agosto). O relevo se constituem de colinas e tabuleiros. Os solos são rasos, não alagados (camada de rocha superficial) ou de textura argilosa e profundos. A vegetação local se constitui de capoeira, caatinga, campos limpos e campos Sujos. A área municipal está inserido em duas bacias hidrográficas, a do rio Sergipe e a do rio Japaratuba, outros rios da região são o rio Salgado e o rio Doce.[1]

Economia[editar | editar código-fonte]

A economia municipal gira em torno da pecuária de bovinos, eqüinos e ovinos; da agricultura, com o milho sendo a principal cultura, além do feijão e da mandioca e da avicultura de galináceos.[1] A indústria, antigamente representada pela fábrica de beneficiamento de algodão (fechada pelo declínio do produto na região), hojé é ligada à fábrica de laticínios.[8]

Atrações[editar | editar código-fonte]

Comemorações: Santos Reis, Festa da padroeira Nossa Senhora das Graças, Festas juninas, Vaquejadas.

Referências

  1. a b c d e Projeto Cadastro da Infra-Estrutura Hídrica do Nordeste, Diagnóstico do Município de Feira Nova-SE, 2002.
  2. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  3. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  4. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  5. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 26 de agosto de 2013 
  6. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  7. Acervo Biblioteca IBGE, Acervo documentação territorial: Feira Nova-SE.
  8. a b CINFORM - História dos Municípios. Edição Histórica. Globo Cochrone. 2002

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia de Sergipe é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.