Forte de São Pedro Nolasco

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


O Forte de São Pedro Nolasco, também chamado por Forte das Mercês, localizava-se às margens da baía do Guajará no Complexo Cultural Estação das Docas, fundado em 1665 no antigo Mosteiro dos Mercedários, na cidade de Belém, no estado brasileiro do Pará.

História[editar | editar código-fonte]

Foi erguido por determinação do terceiro governador e capitão-general da capitania do Pará, Rui Vaz de Siqueira, a partir de 1665, para defesa do porto, junto com o Forte do Castelo de Belém e do Reduto de São José. De pequenas dimensões, apresentava planta no formato cordiforme, estando artilhado com cinco peças (SOUZA, 1885:35; GARRIDO, 1940:32).

De acordo com uma planta do Sargento-mor Engenheiro Carlos Varjão Rolim, datada de 1741, apresentava uma entrada, Corpo da Guarda, quartéis e uma plataforma para a artilharia. Entretanto, em 1795 o então governador Francisco de Sousa Coutinho e o coronel Teodósio Constantino Chermont informaram ao Ministro, no reino, que "nem parapeito tem, e não é outra cousa mais do que uma poucas de peças cavalgadas sobre o alto de uma ribanceira em revestimento sem defesa alguma, todas descobertas e descoberta inteiramente a gente que as houver servia". (Isa Adonias e Arthur César Ferreira Reis, apud OLIVEIRA, 1968:744).

No contexto da Cabanagem (1835-1840) desmoronou. Findo o conflito, quando se pretendeu construir um novo cais para o porto de Belém, o projeto afetava o local deste forte, sendo necessário ou a sua reconstrução ou demolição. O Presidente da Província do Pará, Bernardo de Sousa Franco, consultou o então Ministro da Guerra, José Clemente Pereira, que levou a matéria ao Imperador D. Pedro II (1840-1889), que optou por demolir os restos da estrutura em 1841. (GARRIDO, 1940:32) (BARRETTO, 1958) op. cit., p. 45) (OLIVEIRA, 1968) (op. cit., p. 744).

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • BARRETO, Aníbal (Cel.). Fortificações no Brasil (Resumo Histórico). Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército Editora, 1958. 368 p.
  • GARRIDO, Carlos Miguez. Fortificações do Brasil. Separata do Vol. III dos Subsídios para a História Marítima do Brasil. Rio de Janeiro: Imprensa Naval, 1940.
  • OLIVEIRA, José Lopes de (Cel.). "Fortificações da Amazônia". in: ROCQUE, Carlos (org.). Grande Enciclopédia da Amazônia (6 v.). Belém do Pará, Amazônia Editora Ltda, 1968.
  • SOUSA, Augusto Fausto de. Fortificações no Brazil. RIHGB. Rio de Janeiro: Tomo XLVIII, Parte II, 1885. p. 5-140.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]