Gilberto Gil: Ao Vivo em Montreux

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Este artigo ou secção necessita de referências de fontes secundárias fiáveis publicadas por terceiros (desde fevereiro de 2017).
Por favor, melhore-o, incluindo referências mais apropriadas vindas de fontes fiáveis e independentes.
Fontes primárias, ou que possuem conflito de interesse geralmente não são suficientes para se escrever um artigo em uma enciclopédia.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ao vivo em Montreux
Álbum ao vivo de Gilberto Gil
Lançamento 1978
Gravação 14 de julho 1978
Estúdio(s) Montreux Jazz Festival (Montreux, Suíça)
Gênero(s) MPB, Pop, Soul, R&B
Duração 66:09
Formato(s) LP, CD, K7, Download digital
Gravadora(s) WEA, Elektra
Produção Marco Mazzola
Cronologia de Gilberto Gil
Refavela
(1977)
Realce
(1979)

Ao Vivo em Montreux é o décimo primeiro álbum de carreira do cantor e compositor baiano Gilberto Gil, lançado em 1978. O disco traz Gil em sua primeira passagem pelo lendário Montreux Jazz Festival e também inaugurando a vinda de artistas brasileiros para o festival, o famoso Brazilian Night. Gil tocou na noite do dia 14 de julho[1], após os shows do ex-Ave Sangria, Ivinho, Airto Moreira e A Cor do Som e o baiano fechou a noite. O repertório trazia duas pérolas do repertório dos Doces Bárbaros – Chuckberry Fields Forever e São João Xangô Menino – a inédita Chororô, a resgatada Respeita Januário (de Luiz Gonzaga) e as velharias Batmakumba, Procissão, Atrás do Trio Elétrico etc, sem contar uma jam session com A Cor do Som e o tecladista Patrick Moraz (ex-Yes)[2].

De acordo com Tárik de Souza no texto da contracapa, o show de Gil no festival "...fez de quase quatro mil suíços outros tantos foliões baianos, aos pulos, atrás de seu trio elétrico eclético". Já Nelson Motta também elogiou na contracapa "Aplaudido durante quase meia hora pela platéia eletrizada após sua apresentação, Gil teve que voltar ao palco cinco vezes por exigência do público que esgotou a lotação do Cassino de Montreux. A apresentação de Gil foi num crescendo absoluto e já na terceira música tinha a platéia inteiramente dominada, cantando com ele e marcando o ritmo das canções com palmas" e comparou a performance com a invasão da Bossa Nova no Carnegie Hall em 1962 e que a crítica se surpreendeu e caiu no embalo da apresentação de Gil.

Das inéditas do disco, apenas "Chororô" foi a surpresa

O disco foi um dos primeiros a serem lançados em CD no Brasil quando o formato estava surgindo por aqui no final dos anos 80.

Faixas[editar | editar código-fonte]

N.º TítuloCompositor(es) Duração
1. "Chuck Berry Fields Forevers"  Gilberto Gil 9:19
2. "Chororô"  Gilberto Gil 7:43
3. "São João, Xangô Menino"  Gilberto Gil e Caetano Veloso 10:02
4. "Respeita Januário"  Humberto Teixeira e Luiz Gonzaga 7:00
5. "Ela"  Gilberto Gil 4:18
6. "Bat Macumba/Exaltação à Mangueira"  Gilberto Gil e Caetano Veloso; Enéas Brites e Aloísio da Costa 11:42
7. "Procissão/Atrás do Trio Elétrico/Mamãe Eu Quero"  Gilberto Gil;Caetano Veloso; Vicente Paiva e Jararaca 10:50
8. "Tirole" (jam session com Ivinho, A Cor do Som e Patrick Moraz)Gilberto Gil 5:15

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre um álbum de Gilberto Gil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.