Grande Prêmio da Hungria de 1996

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Grande Prêmio da Hungria
de Fórmula 1 de 1996
Circuit Hungaroring1999.png
11º GP da Hungria realizado em Hungaroring
Detalhes da corrida
Categoria Fórmula 1
Data 11 de agosto de 1996
Nome oficial XII Marlboro Magyar Nagydij
Local Hungaroring, Mogyoród, Condado de Peste, Hungria
Total 77 voltas / 305.536 km
Condições do tempo Ensolarado (27ºC)
Pole
Piloto
Alemanha Michael Schumacher Ferrari
Tempo 1:17.129
Volta mais rápida
Piloto
Reino Unido Damon Hill Williams-Renault
Tempo 1:20.093 (na volta 67)
Pódio
Primeiro
Canadá Jacques Villeneuve Williams-Renault
Segundo
Reino Unido Damon Hill Williams-Renault
Terceiro
França Jean Alesi Benetton-Renault

Resultados do Grande Prêmio da Hungria de Fórmula 1 realizado em Hungaroring em 11 de agosto de 1996. Décima segunda etapa da temporada, teve como vencedor o canadense Jacques Villeneuve, que subiu ao pódio junto a Damon Hill numa dobradinha que fez da Williams-Renault campeã mundial de construtores, com Jean Alesi em terceiro pela Benetton-Renault.[1][2][nota 1]

Relatório da prova[editar | editar código-fonte]

Bastidores do GP[editar | editar código-fonte]

Após uma estreia impactante na Austrália e vencedor de duas corridas nesta temporada, Jacques Villeneuve enfrenta duas situações distintas: lidar com a diferença de vinte e um pontos em favor de Damon Hill na tabela do campeonato mundial e demonstrar à Williams que ele não chegou à Fórmula 1 apenas por ser filho de Gilles Villeneuve e nem que sua vitória nas 500 Milhas de Indianápolis ano passado e o subsequente título na Fórmula Indy foram obra do acaso.

Rumores quanto à adaptação do canadense ao circo da Fórmula 1 dão conta que os mecânicos de sua equipe esperavam mais de Villeneuve quanto a informá-los sobre a condição de sua Williams expondo os pontos fortes e a vulnerabilidade da máquina a cada etapa do campeonato, mas para cada êxito conseguido, o piloto sempre esbarra na falta de familiaridade com as pistas como no caso de sua corrida discreta na Alemanha logo após vencer na Grã-Bretanha há um mês.[3] Frente à realidade, até mesmo o discurso de Bernie Ecclestone sobre um favorecimento da Williams a Damon Hill perde a coerência.

Quando indagado a respeito de seu desempenho no campeonato, Jacques Villeneuve pondera que ainda têm chances de título, tal como disse em Magny-Cours ao final do mês passado durante uma sessão particular de treinos com a Williams.[4]

Sábado na Hungria[editar | editar código-fonte]

Ainda na sexta-feira o bom rendimento da Ferrari animou Michael Schumacher a falar em pole position e de fato o alemão fez o melhor tempo no sábado[5] ao superar por estreita margem as Williams de Damon Hill e Jacques Villeneuve enquanto Eddie Irvine marcou o quarto tempo e deu ao time de Maranello seu melhor fim de semana na temporada.[6] A seguir vieram Jean Alesi e Gerhard Berger, a dupla da Benetton.

Williams campeã[editar | editar código-fonte]

Num grid onde Ferrari e Williams dominaram as primeiras filas, Schumacher manteve a ponta enquanto Villeneuve saltou à vice-liderança trazendo consigo a Benetton de Alesi. Cauteloso e com o carro mais pesado, Hill caiu para o quarto lugar à frente de Irvine e Berger. Tais posições se mantiveram por dezoito voltas quando Schumacher foi para os boxes, mas antes disso o alemão esteve todo o tempo na alça de mira de Villeneuve enquanto Alesi estava a quase vinte segundos de distância bloqueando o avanço de Hill.[7]

Conforme os líderes da prova recorriam aos boxes a liderança foi entregue a Villeneuve que estava sete segundos adiante de Schumacher enquanto Alesi permaneceu à frente de Hill até que uma manobra sobre Ricardo Rosset, um retardatário, permitiu que o britânico subisse à terceira posição. Sem ninguém a impedi-lo, Hill acelerou a ponto de marcar sucessivamente a melhor volta da prova e quando estava a apenas treze segundos de Schumacher foi premiado com a vice-liderança graças à nova passagem do germânico no pit lane na metade da corrida. A essa altura a Williams chamou seus pilotos aos boxes e nisso Villeneuve e conservou-se adiante de Schumacher por cerca de quinze segundos com Hill em terceiro, mas antes que o filho de Graham Hill ultrapassasse o alemão ao descontar quase dez segundos de diferença, a Ferrari chamou seu piloto para os boxes.[7] A liderança permaneceu com Villeneuve até o momento de seu último pit stop quando a equipe demorou a trocar o pneu traseiro direito de seu carro e assim favoreceu Hill, todavia quando este voltou dos boxes o comando da prova retornou para o canadense. A esta altura a questão era saber se Villeneuve manteria os seis segundos e meio de vantagem que dispunha.

O ritmo imposto por Hill expôs claramente sua intenção de vencer, pois a sete voltas do final sua desvantagem era inferior a um segundo para desassossego de Villeneuve, que temia a ultrapassagem, e da equipe, cujo temor era um toque que eliminasse seus carros da prova. Menos sorte teve Michael Schumacher, vítima de uma nova falha mecânica, e antes dele o austríaco Gerhard Berger, novamente traído pelo motor.

Sem cometer nenhum erro, Jacques Villeneuve cruzou a linha de chegada sete décimos adiante de Damon Hill garantindo o oitavo título de construtores para a Williams na quinta dobradinha da equipe esse ano, sendo a primeira com o canadense à frente.[8] Com esta vitória a disputa pelo mundial de pilotos ficou restrita ao time de Grove e nesse ínterim a vantagem de Hill recuou para dezessete pontos, e embora Villeneuve mantenha acesa a disputa, o inglês só precisa chegar em segundo lugar nas quatro provas restantes ainda que seu companheiro de time vença todas as corridas daqui em diante.[9] No pódio o semblante do canadense era moldado por sorrisos e pela alegria de ter vencido seu primeiro confronto direto com Hill. O terceiro lugar ficou com Jean Alesi enquanto Mika Häkkinen, Olivier Panis e Rubens Barrichello completaram os pontos.

Classificação da prova[editar | editar código-fonte]

Treino oficial[editar | editar código-fonte]

Pos. Piloto Construtor Tempo Diferença
1 1 Alemanha Michael Schumacher Ferrari 1:17.129
2 5 Reino Unido Damon Hill Williams-Renault 1:17.182 + 0.053
3 6 Canadá Jacques Villeneuve Williams-Renault 1:17.259 + 0.130
4 2 Reino Unido Eddie Irvine Ferrari 1:18.617 + 1.488
5 3 França Jean Alesi Benetton-Renault 1:18.754 + 1.625
6 4 Áustria Gerhard Berger Benetton-Renault 1:18.794 + 1.665
7 7 Finlândia Mika Häkkinen McLaren-Mercedes 1:19.116 + 1.987
8 14 Reino Unido Johnny Herbert Sauber-Ford 1:19.292 + 2.163
9 8 Reino Unido David Coulthard McLaren-Mercedes 1:19.384 + 2.255
10 15 Alemanha Heinz-Harald Frentzen Sauber-Ford 1:19.436 + 2.307
11 9 França Olivier Panis Ligier-Mugen/Honda 1:19.538 + 2.409
12 12 Reino Unido Martin Brundle Jordan-Peugeot 1:19.828 + 2.699
13 11 Brasil Rubens Barrichello Jordan-Peugeot 1:19.966 + 2.837
14 18 Japão Ukyo Katayama Tyrrell-Yamaha 1:20.499 + 3.370
15 10 Brasil Pedro Paulo Diniz Ligier-Mugen/Honda 1:20.665 + 3.536
16 19 Finlândia Mika Salo Tyrrell-Yamaha 1:20.678 + 3.549
17 17 Países Baixos Jos Verstappen Footwork-Hart 1:20.781 + 3.652
18 16 Brasil Ricardo Rosset Footwork-Hart 1:21.590 + 4.461
19 20 Portugal Pedro Lamy Minardi-Ford 1:21.713 + 4.584
20 21 Itália Giovanni Lavaggi Minardi-Ford 1:22.468 + 5.339
Limite dos 107%: 1:22.528
Fonte:[1]

Corrida[editar | editar código-fonte]

Pos. Piloto Construtor Voltas Tempo/Diferença Grid Pontos
1 6 Canadá Jacques Villeneuve Williams-Renault 77 1:46:21.134 3 10
2 5 Reino Unido Damon Hill Williams-Renault 77 + 0.771 2 6
3 3 França Jean Alesi Benetton-Renault 77 + 1:24.212 5 4
4 7 Finlândia Mika Häkkinen McLaren-Mercedes 76 + 1 volta 7 3
5 9 França Olivier Panis Ligier-Mugen/Honda 76 + 1 volta 11 2
6 11 Brasil Rubens Barrichello Jordan-Peugeot 75 + 2 voltas 13 1
7 18 Japão Ukyo Katayama Tyrrell-Yamaha 74 + 3 voltas 14
8 16 Brasil Ricardo Rosset Footwork-Hart 74 + 3 voltas 18
9 1 Alemanha Michael Schumacher Ferrari 70 Acelerador 1
10 21 Itália Giovanni Lavaggi Minardi-Ford 69 Spun off 20
Ret 4 Áustria Gerhard Berger Benetton-Renault 64 Motor 6
Ret 15 Alemanha Heinz-Harald Frentzen Sauber-Ford 50 Pane elétrica 10
Ret 14 Reino Unido Johnny Herbert Sauber-Ford 35 Motor 8
Ret 2 Reino Unido Eddie Irvine Ferrari 31 Câmbio 4
Ret 20 Portugal Pedro Lamy Minardi-Ford 24 Suspensão 19
Ret 8 Reino Unido David Coulthard McLaren-Mercedes 23 Motor 9
Ret 17 Países Baixos Jos Verstappen Footwork-Hart 10 Spun off 17
Ret 12 Reino Unido Martin Brundle Jordan-Peugeot 5 Spun off 12
Ret 10 Brasil Pedro Paulo Diniz Ligier-Mugen/Honda 1 Colisão 15
Ret 19 Finlândia Mika Salo Tyrrell-Yamaha 0 Colisão 16
Fonte:[1]

Tabela do campeonato após a corrida[editar | editar código-fonte]

  • Nota: Somente as primeiras cinco posições estão listadas e a campeã mundial de construtores surge grafada em negrito.

Notas

  1. Voltas na liderança: Michael Schumacher 18 voltas (1-18), Jacques Villeneuve 51 voltas (19-21; 25-58; 64-77), Damon Hill 8 voltas (22-24; 59-63).

Referências

Precedido por
Grande Prêmio da Alemanha de 1996
Campeonato mundial de Fórmula 1 da FIA
Ano de 1996
Sucedido por
Grande Prêmio da Bélgica de 1996
Precedido por
Grande Prêmio da Hungria de 1995
Grande Prêmio da Hungria
12ª edição
Sucedido por
Grande Prêmio da Hungria de 1997